12 Comentários

  1. Esse será o TERCEIRO míssil incluindo as classes de cruzeiro e anti navio russos que a China “copia” do vizinho.
    O primeiro foi o hipersonico Moskit (SS-N-22 Sunburn OTAN) em que na China foi desenvolvido com a designação YJ-12 e passou a equipar os seus Destroyers type 052
    O segundo foi o míssil de cruzeiro Klub (SS-N-27 OTAN) em que na China foi desenvolvido com a designação YJ-18 (AEGIS KILLER) com versões lançadas em terra por baterias costeiras, por navios da PLA NAVY e por bomabardeiros H6G/K, caças J-11 e J-15 e helicópteros Z-20.
    Agora o hipersonico CX-1 (Brahmos) dará ainda mais capacidades e poder para a PLA NAVY, apesar de a versão inicial ser apenas de lançamento terrestre não vai demorar até surgir as versões de lançamento vertical para equipar os navios. E detalhe, basta apenas um desses passar pelas defesas para mandar um aircraft carrier dormir com os peixes em minutos.

    • na verdade nenhum sistema de defesa naval atual tem capacidade de anular totalmente um ataque de saturação ..ainda mais supersônico ou hipersônico…se o ataque conseguir se efetivar…será apenas um paliativo..

  2. Independentemente das críticas que possamos desferir à China em função desta plagiar constantemente produtos russos e ocidentais, temos de parabenizar a inciativa chinesa, posto que esta segue de forma meticulosa a estratégia geopolítica chinesa traçada para o domínio e supremacia naval tanto no Mar da China como no Pacífico Sul.

    A estratégia chinesa de domínio dos mares limitados pelas cadeias de ilhas ali existentes, vem sendo implantada de forma gradativa e consistente, fato este perceptível ante a constante modernização dos meios navais chineses, sejam estes meios de superfície ou submarinos, bem como o incremento de vetores aéreos mais modernos e eficazes.

    Da mesma forma a China tem investido no desenvolvimento de novas armas navais, inclusive com o desenvolvimento de um míssil balístico o DF-21 que em tese poderia negar uma área de raio de 1.500 km a navegação tranquila dos porta aviões americanos.

    Assim a China vem aglutinando esforços para negar a supremacia americana no Mar da China e no Pacífico Sul e pelo que aprece os esforços estão dando resultado, nãos endo impossível que em meados de 2025 a China seja a maior potencia aeronaval na região.

  3. isto porque não tem know how segundo os rivais do ocidente e os coxinhas daqui trolloginhenses….imagina quando tiverem… 😀

    é como diz o ditado: Ou você tem uma estratégia própria ou então é parte da estratégia de alguém……..

    Prefiro sofrer com uma verdade do que ver que minha felicidade é baseada na mentira…

  4. Parabéns à CHINA, apesar de td , ela está de olho nos potenciais atacantes no futuro, e na pax q se preparar p o pior..Os Sinos estão tomando medidas sérias p enfrentar e paralisar seu (s) atacantes em diversas frentes. Quiçá o meu país tomasse medidas = ou + assertivas, enfáticas, qto a defesa, ainda patinamos nesse quisito. E só olharmos p a qtdd de subs q temos(5) e td sem AIP’s, ou seja, meia bocas, qdo td deveriam ter AIP’s e ser em número de pelo menos uns 27, ainda q velhos e desatualizados + operantes, levando incertezas e perigo ao audacioso..e uma FA apta, capaz e c caças de 1ª linha, satélites geoestacionários, dirigíveis p ajudar à olhar florestas , mares,transporte de tropas,ekipa/ ajdar pessoas , socorro,e de forma rápida, segura p qlq lugar sem precisar de maiores preparação do terreno, e nas comunicações…são simples, velozes ,só depende da motorização,projetos existem e td isso p ontem..Sds, 😉

Comentários não permitidos.