Defesa & Geopolítica

ALAC (Arma Leve Anti-Carro) da brasileira Gespi Aeronáutica será exportado para quatro países

Posted by

O ALAC utiliza plataforma similar ao At-4, armamento sueco produzido pela Saab e um dos mais vendidos no mundo. “Usamos o conceito da plataforma do At-4, mas a Gespi desenvolveu o tubo lançador em fibra de vidro e de carbono”, a tecnologia do sistema Alac segundo Nogueira, será aperfeiçoada com a incorporação de uma cabeça de guerra (munição) termobárica, ou a vácuo, que vai garantir alta performance e poder de fogo maior para o armamento.

A Gespi Aeronáutica, especializada em manutenção e reparo de turbinas aeronáuticas e industriais, desenvolveu com o Centro Tecnológico do Exército Brasileiro (Cetex) um armamento antitanque que será exportado para dois países do Oriente Médio, um da África e outro da Ásia. O nome dos países não pôde ser revelado, por questões de sigilo de contrato e dependência de aprovações por parte do governo brasileiro.

O ALAC (arma leve anti-carro), o novo armamento levou dez anos para ser desenvolvido e foi projetado para combater tanques e veículos blindados. É disparado do ombro do atirador, podendo ser adaptado para uso em carros leves. Seu alcance máximo de utilização é de 300 metros.

ALAC (Arma Leve Anti-Carro) aqui pode ser visto na parte superior trazeira da Viatura Leve de Emprego Geral Aerotransportável (VLEGA) CHIVUNK  e Gaúcho

Segundo o diretor comercial da Gespi, Antônio Nogueira Cândido, alguns países da América Latina como o Chile, Equador, Peru e Argentina, também demonstraram interesse em adquirir o sistema Alac. “Estimamos uma demanda de 3 mil a 4 mil unidades entre este ano e o próximo”, disse o executivo. A empresa projetava, inicialmente, vendas de cerca de mil unidades, mas, afirma o executivo, o potencial é muito maior.

“O ALAC tem hoje um poder de perfuração de 250 milímetros, enquanto o sistema termobárico poderá elevar essa capacidade para 900 milímetros”, explicou. Nogueira estima que apenas cinco países no mundo dominam a fabricação dessa tecnologia entre eles, Estados Unidos, Rússia, China, França, Inglaterra e Alemanha.

Fonte: Valor

 

9 Comments

shared on wplocker.com