Defesa & Geopolítica

Alemanha proíbe atividades do “Estado Islâmico” no país

Posted by

Medida veta utilização de símbolos do grupo extremista, assim como recrutamento de combatentes e arrecadação de fundos. Não há espaço para a organização terrorista na democracia alemã, diz ministro do Interior.

Propaganda do “Estado Islâmico”

O governo da Alemanha proibiu nesta sexta-feira (12/09) todas as atividades relacionadas ao grupo extremista “Estado Islâmico” (EI). A medida foi anunciada pelo ministro alemão do Interior, Thomas de Maizière, que falou num importante passo para o combate ao terrorismo internacional e para garantir a segurança no país.

“A Alemanha é uma democracia bem fortalecida, e não há lugar aqui para uma organização terrorista que se opõe à ordem constitucional, assim como à noção de entendimento internacional”, disse o ministro. “O EI é uma ameaça, também para a segurança pública da Alemanha”, completou.

Com a medida, fica proibido ser membro do EI, recrutar combatentes ou fazer propaganda para o grupo em redes sociais ou manifestações. Também passa a ser vetado usar símbolos do EI e arrecadar fundos para os extremistas. Símbolos já disponibilizados na internet deverão ser apagados.

O sindicato alemão da polícia saudou a proibição. “Não é possível que partidários de um agrupamento terrorista bárbaro e desumano literalmente espalhem o ódio e cometam crimes sob sua bandeira em nosso país”, afirmou o presidente nacional da entidade, Oliver Malchow.

Em agosto deste ano, adeptos alemães da milícia terrorista atacaram com facas membros da minoria yazidi na cidade de Herford, no oeste da Alemanha. Também em agosto, militantes do EI, em parte armados, assaltaram um asilo em Berlim, deixando várias pessoas gravemente feridas.

A bandeira da organização também foi repetidamente empunhada em passeatas, sem que as autoridades pudessem intervir. Do ponto de vista das autoridades, essa propaganda está intimamente relacionada às atrocidades cometidas pela organização terrorista.

Voluntários da Alemanha e de outros países europeus têm se juntado às milícias do EU na região. O EI tenta recrutar jovens alemães sobretudo através de redes sociais. O grupo de extremistas sunitas tem atualmente controle sobre grandes partes da Síria e do Iraque, e ameaça dissidentes com a morte.

Em agosto último, o governo da Alemanha decidiu enviar armas aos curdos iraquianos que lutam contra os militantes jihadistas. A chanceler federal alemã, Angela Merkel, defendeu a medida – que quebrou a política alemã do pós-guerra de não enviar armas para zonas de conflito –, argumentando que a segurança da Europa estava em risco.

O presidente dos EUA, Barack Obama, declarou guerra contra o EI e afirmou que vai combater o grupo com ataques aéreos não só no Iraque, mas também na Síria. Washington está atualmente empenhado em formar uma coalizão internacional para combater o EI.

A origem do “Estado Islâmico”

A trajetória do “Estado Islâmico” (EI) começou em 2003, com a derrubada do ditador iraquiano Saddam Hussein pelos EUA. O grupo sunita surgiu a partir da união de diversas organizações extremistas, leais ao antigo regime, que lutavam contra a ocupação americana e contra a ascensão dos xiitas ao governo iraquiano.

Braço da Al Qaeda

A insurreição se tornou cada vez mais radical, à medida que fundamentalistas islâmicos liderados pelo jordaniano Abu Musab al Zarqawi, fundador da Al Qaeda no Iraque (AQI), infiltraram suas alas. Os militantes liderados por Zarqawi eram tão cruéis que tribos sunitas no Iraque ocidental se voltaram contra eles e se aliaram às forças americanas, no que ficou conhecido como “Despertar Sunita”.

Aparente contenção

Em junho de 2006, as Forças Armadas dos EUA mataram Zarqawi numa ofensiva aérea e ele foi sucedido por Abu Ayyub al-Masri e Abu Omar al-Bagdadi. A AQI mudou de nome para Estado Islâmico do Iraque (EII). No ano seguinte, Washington intensificou sua presença militar no país. Masri e Bagdadi foram mortos em 2010.

Volta dos jihadistas

Após a retirada das tropas dos EUA do Iraque, efetuada entre junho de 2009 e dezembro de 2011, os jihadistas começaram a se reagrupar, tendo como novo líder Abu Bakr al-Bagdadi, que teria convivido e atuado com Zarqawi no Afeganistão. Ele rebatizou o grupo militante sunita como Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL).

Ruptura com Al Qaeda

Em 2011, quando a Síria mergulhou na guerra civil, o EIIL atravessou a fronteira para participar da luta contra o presidente Bashar al-Assad. Os jihadistas tentaram se fundir com a Frente Al Nusrah, outro grupo da Síria associado à Al Qaeda. Isso provocou uma ruptura entre o EIIL e a central da Al Qaeda no Paquistão, pois o líder desta, Ayman al-Zawahiri, rejeitou a manobra.

Ascensão do “Estado Islâmico”

Apesar do racha com a Al Qaeda, o EIIL fez conquistas significativas na Síria, combatendo tanto as forças de Assad quanto rebeldes moderados. Após estabelecer uma base militar no nordeste do país, lançou uma ofensiva contra o Iraque, tomando sua segunda maior cidade, Mossul, em 10 de junho de 2014. Nesse momento o grupo já havia sido novamente rebatizado, desta vez como “Estado Islâmico”.

Importância de Mossul

A tomada da metrópole iraquiana Mossul foi significativa, tanto do ponto de vista econômico quanto estratégico. Ela é uma importante rota de exportação de petróleo e ponto de convergência dos caminhos para a Síria. Mas a conquista da cidade é vista como apenas uma etapa para os extremistas, que pretenderiam avançar a partir dela.

Atual abrangência do EI

Além das áreas atingidas pela guerra civil na Síria, o EI avançou continuamente pelo norte e oeste iraquianos, enquanto as forças federais de segurança entravam em colapso. No fim de junho, a organização declarou um “Estado Islâmico” que atravessa a fronteira sírio-iraquiana e tem Abu Bakr al-Bagdadi como “califa”.

As leis do “califado”

Abu Bakr al-Bagdadi impôs uma forma implacável da charia, a lei tradicional islâmica, com penas que incluem mutilações e execuções públicas. Membros de minorias religiosas, como cristãos e yazidis, deixaram a região do “califado” após serem colocados diante da opção: converter-se ao islã sunita, pagar um imposto ou serem executados. Os xiitas também têm sido alvo de perseguição.

Ameaça terrorista

Atualmente o “Estado Islâmico” está mais forte do que nunca. Durante suas ofensivas armadas, o grupo tem saqueado centenas de milhões de dólares em dinheiro e ocupado diversos campos petrolíferos no Iraque e na Síria. Seus militantes também se apossaram do armamento militar de fabricação americana das forças governamentais iraquianas, obtendo, assim, poder de fogo adicional.

Autoria: Spencer Kimball / Isadora Pamplona

Fonte: DW

MD/afp/kna/rtr/dpa

8 Comments

shared on wplocker.com