Defesa & Geopolítica

Índia aperfeiçoa seu escudo antiaéreo – Míssil Akash

Posted by

AKash

A Índia dá início a uma nova série de testes dos mísseis terra-ar do complexo antiaéreo Akash, que pode ser empregue em quaisquer condições meteorológicas. O míssil supersônico, fabricado da Organização de Investigação e Desenvolvimento (DRDO) da Índia, é capaz de atingir com precisão alvos aéreos a uma distância de 25 e 15 quilômetros de altura.

Historicamente, quase todos os equipamentos da defesa antiaérea têm origem soviética. Tendo em conta a idade avançada da maioria dos sistemas de defesa antiaérea, desde os anos noventa do século passado, a Índia procura substitutos dignos.

O complexo antiaéreo de mísseis Akash de médio alcance deve substituir os complexos de defesa antiaérea soviéticos 2K12 Kub (SA-6 Gainful segundo a classificação da NATO). Segundo peritos russos, o complexo Akash está equipado com um míssil antiaéreo, cuja base de fabrico é o míssil 3M9 Kvadrat.

Parte importantíssima do complexo de defesa antiaérea Akash é o radar Rajendra, também fabricado por especialistas da DRDO da Índia. Ele é capaz de seguir, simultaneamente, 64 alvos. Em caso de combate, pode, ao mesmo tempo, enviar oito mísseis para quatro alvos, que voam de diferentes direções a uma altura diferente.

As caraterísticas tático-técnicas dos mísseis antiaéreos permitem-lhes destruir com segurança alvos com grande poder de manobra, bem como aviões supersônicos, mísseis de cruzeiros, aparelhos voadores sem piloto e mísseis ar-terra.

O complexo antiaéreo Akash foi entregue à Força Aérea da Índia em 2008. Os peritos militares comparam o produto indiano com o complexo de defesa antiaérea MIM-104 Patriot. Deve-se reconhecer que os resultados dos ensaios mostraram que o complexo de defesa antiaéreo indiano é capaz de atingir um alvo mais depressa do que um americano e tem maior precisão.

Nos atuais testes verifica-se a eficácia de um míssil novo, modificado, do complexo antiaéreo Akash. Dentro em breve, passará a estar ao serviço das tropas terrestres da Índia.

Fonte: Voz da Rússia

11 Comments

shared on wplocker.com