Defesa & Geopolítica

Alenia MC-27J Spartan voa pela primeira vez totalmente configurado

Posted by

O MC-27J caracteriza-se, entre outras qualidades, por sua capacidade de operar autonomamente, incluindo carregamento e descarregamento de pallets de missão.

Ivan Plavetz

A Alenia Aermacchi, uma companhia do grupo Finmeccanica, em parceria com a estadunidense Alliant Techsystems Inc. (ATK), anunciaram que o demonstrador de conceito do MC-27J, aeronave desenvolvida com vistas ao cumprimento de múltiplos tipos de missões de transporte tático, voou pela primeira vez totalmente configurada. O voo aconteceu no Centro de Testes de Voo de Turin, Itália.

O demonstrador decolou equipado com uma torreta L-3 Wescam MX-15Di dotada de sistemas de imageamento eletro-óptico e infravermelho conjugados, montada sob o nariz da aeronave, e uma suíte eletrônica para tarefas de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) e de busca e salvamento (SAR).

Nas duas imagem, canhão GAU-23 30 e seus respectivos consoles  de controle, um dos sistemas modulares de missão disponíveis para o modelo (Fotos: Alenia Aermacchi e ATK)

O demonstrador MC-27J possui provisões de integração do sistema de comunicações por enlace de dados criptografados (datalink) Link-16, permitindo que o avião opere preparado para emprego dos sistemas de missão paletizados da ATK. Estão inseridas também provisões para integração do sistema de comunicações por enlace de dados Selex ES.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/1mQAIiA” standard=”http://www.youtube.com/v/Lsu4LeQOD5Q?fs=1″ vars=”ytid=Lsu4LeQOD5Q&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep9897″ /]

A instalação dos sistemas modulares de missão e de armas desenvolvidos pela ATK para o MC-27J segue o conceito “roll-on/roll-off” (sem necessidade de equipamentos auxiliares de movimentação de carga externos).

Em maio próximo serão implementadas modificações numa das portas laterais da fuselagem para a instalação de um canhão GAU-23 30. No mês seguinte haverá uma nova série de voos de ensaios, incluindo realização de testes de fogo real com o armamento.

Fonte: Tecnologia & Defesa

10 Comments

  1. marcio alves do nascimento says:

    Seria bem interessante a EDS pensar numa versão artilhada do KC-390 com um sistema desse tipo,para operar na região amazônica e poderia ser oferecida a FAC para combate as FARCS em operações de resgate e apoio de fogo.

  2. marcio alves do nascimento says:

    A ARES poderia desenvolver tais sistemas como o sistema de canhão e as torretas eletro-óptica e infravermelhas.

  3. Sem dúvida a nossa Aeronáutica ou o no Exército poderiam contar com alguns vetores com esta configuração. Acredito que o KC, por ser jato, tem melhores condições de sobreviver ao teatro de combate… A capacidade de mover-se rapidamente é importante, e os jatos mais potentes ajudam bastante.

  4. Bola fora… agora chequei melhor, e ele é menor que o Hércules… de fato é chamado de “Baby Hercules” e é bem rápido e manobrável, ou seja, perfeito para o apoio às tropas!

    O KC é maior, e melhor, mas em outra categoria! 🙂

    http://bit.ly/1iwHjzq

    Tendo em vista os diversos teatros operacionais, e os meios assimétricos disponíveis hoje, eu sou um grande defensor de vetores médios ou pequenos (inclusive submarinos nucleares, porta-aviões e cruzadores de batalha… sim, mas médios ou pequenos) e em maior número.

    Me parece que os gigantescos submarinos, porta-aviões etc… apesar do medo e respeito que impõem, sofrem maior, muito maior perigo devido à sua visibilidade… o “search, track, and hit” é muito mais fácil! A perda de tanto equipamento, e vidas, de uma única tacada também me incomoda.

    Sempre vi o Spartan com certo desprezo, mas agora estou admirando o bichinho… será que daria pra colocar aquela antena do Erieye nele, e fazer dele um AWACS naval??? 🙂

    Sei que não temos porta-aviões, mas eu tenho imaginária, e ela precisa de um AWACS naval! 🙂

  5. Marcio, eu pensei exata/ nisso, o n KC-390 nesse modelo.P ontem.Sds

  6. RobertoCR says:

    Mas vai operar assim mesmo, sem porta?

    • Não, isso comprometeria a segurança de vôo. Normalmente há uma abertura por onde a “alma” do canhão passa para o exterior, como na primeira foto do post.

      Provavelmente está aberto por motivos de demonstração para os clientes.

  7. Essa representação mostra melhor a configuração com a porta externa instalada!

    http://bit.ly/1o2OhLZ

    http://bit.ly/1u3xUD8

    Abraço, galera!

  8. Era disso que eu tava falando… um Erieye naval pra minha marinha imaginária!

    http://bit.ly/1o2OwXc

    Se o Gibbs consguiu botar um C-130 Hércules num aeródromo… esse Spartam ia cair como uma luga… melhor “pousar como uma pluma” (cair como uma luva tem um péssimo duplo sentido!) 🙂

shared on wplocker.com