Na crise da Crimeia, Putin tem mais trunfos que Obama

No embaralhado jogo de cartas da crise na Crimeia, uma coisa já está clara para os americanos: o presidente russo, Vladimir Putin, tem à disposição muito mais trunfos que os Estados Unidos. Enquanto as possibilidades de Barack Obama estão se esgotando, o chefe do Kremlin ainda possui diferentes meios para incomodá-lo.

A crise se intensifica justamente no ano em que Obama pretende levar dezenas de milhares de soldados americanos no Afeganistão de volta para casa – uma das principais rotas para a retirada passa pela Rússia

“Em relação à chamada Rede de Distribuição do Norte (NDN), acho que os EUA estão particularmente vulneráveis”, diz Christopher Chivvis, especialista em assuntos de defesa do instituto Rand, de Washington. “Ela foi implantada para garantir o suprimento das nossas tropas no Afeganistão.”

A retirada dos 38 mil soldados americanos também deveria ser executada através dessa rede de abastecimento. A rota parte dos países bálticos, atravessa a Rússia e a Ásia Central até o Afeganistão. Durante a guerra, por volta de 40% de todos os recursos militares americanos passaram por esse trajeto para chegar ao Afeganistão.

O preço é alto: Washington paga anualmente cerca de 1 bilhão de dólares a Moscou – e Obama espera que Putin continue a precisar desse dinheiro. “Se Vladimir Putin dificultar ou até mesmo encerrar completamente nossas possibilidades, certamente a situação vai ficar difícil para nós”, diz Chivvis. Segundo ele, a retirada das tropas por outra rota não implicaria somente um custo maior, mas também um risco maior.

Alternativas perigosas

Diante de uma eventual recusa de Moscou, restaria às caravanas militares dos EUA somente a estrada através do perigoso território dos talibãs até a cidade portuária de Karachi. Ali, as tropas e os equipamentos poderiam ser trasladados para navios de guerra, já que para a alternativa do transporte aéreo de todos os veículos militares blindados do Afeganistão, os EUA teriam que cavar fundo no bolso.

“Existe ainda uma linha sul da NDN, que passa pelo Cáucaso”, afirma Chivvis. “Imagino que existam, atualmente, esforços para levar mais material do que o previsto através de regiões do Cáucaso, nas quais a Rússia não tem nenhuma soberania.”

A questão é quantas concessões os EUA teriam de fazer a países como Geórgia, Armênia e Azerbaijão. Enquanto ainda não se pode perceber que Putin tenha em vista a retirada das tropas, ele já alfinetou outro importante projeto do governo Obama: o acordo Start.

Fechado com o antecessor de Putin na Presidência e atual premiê russo, Dimitri Medvedev, o acordo foi uma conquista de Obama em seu primeiro mandato. Através dele, EUA e Rússia se comprometem a reduzir o número de ogivas nucleares estacionadas, permitindo aos dois países a inspeção mútua de seus arsenais de armas nucleares.

Acordo Start

Agora, Putin cogita não permitir mais inspeções estrangeiras. Segundo o cientista político David Cortright, do Instituto de Pesquisa da Paz da Universidade Notre Dame, nos EUA, uma circunstância infeliz, mas que não implica necessariamente o fim desse importante acordo de desarmamento.

“Acho que é algo que pode ser aceito, desde que não seja de longo prazo”, opina. “Existem outras formas de investigar as instalações militares russas. Mesmo se os inspetores das instalações não puderem mais atuar durante algum tempo, isso não é um perigo irreversível.”

Para Cortright, o perigo estaria antes no sinal que a violação do tratado de desarmamento enviaria a países como a Coreia do Norte e o Irã. Outro problema, diz o especialista, seria que, com base no chamado Memorando de Budapeste de 1994, após a dissolução da União Soviética, a Ucrânia concordou em entregar 1.600 ogivas nucleares.

Em contrapartida, EUA, Reino Unido e Rússia se comprometeram a garantir a integridade territorial da Ucrânia. Agora, naturalmente, a Rússia considerou esse memorando como anulado. O grande medo, afirma Cortright, é que o colapso das garantias de segurança dadas à Ucrânia em 1994 possa afetar o desarmamento, já que as garantias de segurança são importantes para convencer Estados a entregar suas armas nucleares.

E Putin ainda tem outro trunfo na mão. Ele poderia criar dificuldades tanto nas negociações sobre o programa nuclear iraniano quanto na destruição das armas químicas sírias. Ambas são preocupações sinceras do presidente americano.

No caso da Síria, muitos em Washington acreditam que Putin ainda não perdeu o interesse na destruição das armas químicas. E no caso do Irã, de qualquer forma, até agora Putin não tem ajudado muito. “Acreditamos que agora isso vá depender das negociações bilaterais entre os EUA e o Irã”, diz Chivvis.

Sufoco

Com vista às sanções econômicas dos americanos, Putin poderia reagir e sufocar a economia europeia através do corte do fornecimento energético para o Ocidente. Assim, diz Cortright, ele também puniria os EUA, “com o objetivo de jogar os europeus contra os americanos”. Mas é provável que os europeus hesitariam em atender o apelo por sanções de Washington, devido à sua dependência econômica do gás russo.

De acordo com Cortright, a consequência mais devastadora da agressão de Putin na Crimeia já é outra: por meio de suas ações, ele minou a autoridade de leis internacionais e dos direitos humanos, podendo assim virar a ordem internacional de cabeça para baixo. “A esperança de que existam alguns princípios internacionais que são respeitados pelas nações foi enfraquecida”, diz o especialista. “O princípio do direito internacional está ameaçado.”

Para Cortright, a UE, os EUA e outros países não devem aceitar tal situação e deveriam agir em consenso: “Isso é uma ameaça para todo o conceito da ordem internacional. E contra isso deve haver resistência – em todas as formas pacíficas possíveis.”

Os americanos já deixaram claro que um conflito militar seria fatal – não é sequer cogitado. No entanto, restam poucos trunfos a Obama. Os restantes estão todos nas mãos de Putin.

Fonte: DW.DE

 

20 Comentários

  1. Principle of international law is threatened U.S. say -hmm ? principle of international law only in respect of Russian gentlemen Americans

    where there was a principle of international law

    – when you invaded Iraq ( you find weapons of mass destruction ?)

    – in Libya , Grenada, Panama , Kosovo, the breakup of Yugoslavia in Afghanistan , there was international law?

    Gentlemen – Americans and in Scotland and Catalonia violated the principle of international law?

    and Puerto Rico , you prisoedeniyate to yourself or Falkland ?

    ps- and Russian can not be so with Russia ? Crimea is Russian and part of Russia and 95% of Russians would fight for it if you decided to attack us , but you and zhalkie Europeans are afraid of blood and we are not Iraq
    ______________

    Princípio do direito internacional em perigo dizer United States-Hmmm? princípio do direito internacional, apenas em relação à Rússia, senhor americanos
    Onde foi o princípio do direito internacional
    -Quando você invadiu o Iraque (você encontrou as armas de destruição em massa)?
    -na Líbia, Granada, Panamá, Kosovo, o colapso da Iugoslávia no Afeganistão-lá era direito internacional?
    Senhor americanos- mas em Scotland e Catalunha violaram o princípio do direito internacional?
    e Porto Rico-você prisoedeniâte ou foklendy?
    PS-um russo não pode ser, então, ser com a Rússia? Crimeia é russo e na Rússia e 95% de russos que lutar por isso se você vzdumaete nos atacar, mas você e žal′kie os europeus têm medo de sangue e nós não somos o Iraque

  2. POR FAVOR SENHORES MODERADORES ATENTEM PARA IMPORTANTES MATERIAS QUE ESTÃO SENDO DEBATIDAS E SÃO IMPORTANTES AOS BRASILEIROS.

    COMISSÃO DA CAMARA DOS DEPUTADOS DEBATE FORTALECIMENTO DAS FORÇAS ARMADAS

    Representantes da Marinha, Exército e Aeronáutica, juntamente com o Ministério da Defesa e parlamentares, debateram nesta terça-feira (11/03) na Câmara dos Deputados o fortalecimento das Forças Armadas. O objetivo foi promover a integração entre o Congresso, especialistas e setores interessados no assunto, além de discutir os desafios da área militar e a relação da estratégia de defesa com o desenvolvimento do Brasil .

    O principal foco da sessão foi a análise de programas e projetos estratégicos das Forças Armadas, seu papel na Política Nacional e Estratégia Nacional de Defesa. A discussão abrange os requerimentos para que a implementação dos projetos seja feita de forma adequada. “Quando falamos em defesa, não podemos atrelar somente a parte militar. Nós temos que envolver a sociedade civil e a divulgação de conhecimentos ajuda na formação de uma opinião pública correta sobre os projetos e assuntos das Forças Armadas”, revelou o Brigadeiro do Ar, Hudson Costa Potiguara, Chefe da Terceira Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER).

    Em sua exposição no plenário, o Brigadeiro apresentou a atualização e a modernização dos equipamentos da Força Aérea Brasileira (FAB) como o projeto das aeronaves KC-390, com destaque para o investimento na indústria nacional de defesa e influências na economia. Outro ponto destacado foi a compra dos caças Gripen NG. “A compensação econômica do projeto F-X2 está acima do valor de contrato em 40%”, afirmou. Durante a sessão, representantes da Marinha e Exército também fizeram considerações relativas a suas áreas de atuação.

    O Deputado Izalci Lucas, que propôs a sessão, destacou a importância de reconhecer os serviços prestados pelas Forças Armadas e levantou questões sobre salário, evasão militar, modernização de infraestrutura e equipamentos. “Quando debatemos os desafios e mostramos o trabalho dos militares, queremos o esclarecimento para a busca de soluções adequadas e assim fortalecer o cumprimento da missão das Forças”. O parlamentar defendeu investimentos em recursos humanos, pesquisa e tecnologia.

    Outros parlamentares e representantes de setores ligados a assuntos militares também analisaram os desafios e a valorização dos serviços da Forças Armadas. “Esse desenvolvimento, garante não só a autonomia na indústria defesa e na segurança nacional, mas também outros benefícios para a sociedade brasileira”, afirmou o Deputado Carlos Zarattini.

    Resenha do Exército

  3. Rustan faz o seu papel ,agente disfarçado de blogueiro ( nada contra). Mas o sumiço do ucraniano ILYA esta estranho , serah que ele se decepcionou com sua senhora ursa $ ou esta amando a possibilidade da ucrania voltar a ser estrupada diariamente novamente pelos seus amados orientais kkkkkkkkkk, que silencio chato kkkkkk #curioso

  4. Não ouçam o que eles dizem. Vejam o que eles fazem

    The Saker
    Não é fácil, mas tentem o seguinte experimento.

    Imagine, só por um momento, que você é ser humano fundamentalmente decente e honesto, o qual, por uma virada irônica da história, foi posto no poder durante insurreição armada conduzida por bandidos neofascistas que não representam a maioria do povo do seu país. E, agora, eles chegam e dizem que querem participar do novo governo.

    Claro que, sendo você um ser humano decente e honesto, está desconfortável na nova situação, mas, sendo as coisas como as coisas são, você tem de aceitar os fatos em campo e tomar uma decisão pragmática: ou incluir alguns deles no seu novo governo recém formado, ou ser derrubado por eles e entregar o governo a eles.

    O que você faria? Suponho que você teria de dar alguns ministérios aos neofascistas. Que ministérios você daria? Entendo que a abordagem lógica seria dar a eles ministérios nos quais eles pudessem fazer serviço meio decente, com o que se reduziria o dano que aqueles alucinados poderiam causar ao seu país, certo? Pensando assim, eis o que eu faria:

    1) Daria a eles o Ministério dos Esportes e da Juventude (nazistas e fascistas são bons nos esportes e em questões de saúde);

    2) Daria a eles o Ministério dos Transportes (trens que obedeçam aos horários não fazem mal a ninguém);

    3) Daria a eles o Ministério da Infraestrutura (Hitler construiu ótimas estradas);

    4) Daria a eles o Ministério da Política Agrária e Alimentos (não houve desabastecimento nem na Berlin de 1945); e

    5) Daria a eles o Ministério dos Assuntos de Meio Ambiente (os pagãos com frequência endeusam a natureza).

    Seria de supor que Iatseniuk fizesse alguma coisa semelhante a isso, certo?

    Pois NÃO FEZ. Vejam onde ele pôs os seus neofascistas:

    Vice-Primeiro Ministro: Alexandr Sych (Partido Svoboda)

    Ministro da Defesa: Igor Teniukh (Partido Svoboda)

    Ministro do Interior: Arsen Avakov (oficialmente, é membro do Partido da Pátria, mas, na realidade, é agente a serviço do Setor Direita)

    Presidente do Conselho de Defesa e Segurança Nacional: Andrei Paribii (do Partido Nacional-Social da Ucrânia)

    Vice-presidente do Conselho de Defesa e Segurança Nacional: Dmitri Iarosh (Setor Direita).

    Não é impressionante?! Os neofascistas foram postos em todas as posições de poder, as que em geral chamam-se posições das “estruturas do poder”. Em vez de pô-los em postos onde só poderiam causar dano mínimo, Iatseniuk pôs os neofascistas em todas as posições nas quais ele podem causar dano máximo e são mais perigosos.

    [De fato, é claro, eles – os neofascistas – é que puseram Iatseniuk no lugar onde hoje está, não o contrário; mas para quem queira continuar a crer no mito “democrático”, aí está um pensamento que, para nós, é proibido].

    Por tudo isso, o que pensarmos, nós, de Iatseniuk, Klitschko e outros? Que são fascistas acovardados ou que, de fato, são cúmplices assumidos e ativos de um golpe neofascista?

    Entendo que é absolutamente impossível negar os seguintes fatos:

    1) o regime que está no poder em Kiev foi imposto lá por uma insurreição neofascista armada; e

    2) o regime que está no poder em Kiev continua a ser integralmente controlado por neofascistas.

    Esse é o governo que EUA e União Europeia estão apoiando: governo de completos, sinceros, convictos, violentos, odiosos neofascistas. E, outra vez, a Rússia levanta-se, sozinha, contra todos esses. Alguma novidade?

    • Então, na sua linha de “raciocino” quem não é socialista/comunista/genocidas é fascista/nazista ???… vc, acaso, já tentou estudar a história do fascismo/nazismo ???… vou dar uma dica: procure por uma só palavra no tio google: TOTALITARISMO… serve para todas as ideologias que citei, pois são todas IRMÃS… bons estudos…

    • Vc se decepcionaria ao saber que o FACISMO pode ser aplicado pela DIREITA e pela esquerdinha , se decepcionaria mais ainda ao perceber que o lider mor da ecasovietica praticava o facismo de tal maneira que fazem hitler e mussoline parecerem criancinhas ,entao melhor nao se informar, ignorar alguns fatos pode ser a diferença entre viver iludido ou cometer suicidio !

  5. O fascismo e o nazismo tem, sob o ponto de vista econômico, tudo a ver com os liberais EUA e a Inglaterra dos anos 80 em diante.

    Da mesma forma: Do ponto de vista econômico, o fascismo e o nazismo foram diametralmente opostos aos antigos regimes comunistas da URSS e Europa Oriental.

    Liberalismo e privatização de empresas estatais: Tudo a ver! Dirão muitos mal informados ou distorcedores…

    Um dos mitos da privatização: A privatização teria sido “inventada” por duas grandes democracias, EUA e Grã-Bretanha, nos anos 1980s. É falso. A privatização, como a reencontramos no mundo nos anos 1980s e 1990s, foi instrumento muito usado, antes, pelos regimes fascistas.

    Um fato sobre a privatização: Antes de Reagan e Tatcher, a privatização foi objetivo muito empenhadamente buscado pelas elites fascistas – e desde os primeiros passos do fascismo.

    Há documentos e provas

    Em setembro de 2009, o “European University Institute” lançou um estudo, “RSCAS 2009”, intitulado “Do Público ao Privado:

    “Privatização na Itália Fascista nos anos 1920”, título logo depois substituído por “A primeira privatização: a venda das SOEs”, quando o trabalho foi republicado em 2011, no Cambridge Journal of Economics, por Germa Bel, que escreveu no sumário:

    “A privatização foi importante política do governo italiano nos anos 1922-1925. O governo fascista era o único a transferir propriedade do Estado para empresas privadas nos anos 1920s; e assim continuou; nenhum outro país do mundo adotaria a mesma política, até que a Alemanha nazista adotou também a privatização, no período 1934-1937.”

    • Adiante, na edição de fevereiro de 2010 da “Economic History Review”, a mesma autora publicou estudo específico sobre o caso da Alemanha Nazista, “Contra a Corrente: privatização nazista, na Alemanha dos anos 1930s”. Nesse artigo, Germa Bel diz que:

      (…) as privatizações no Chile [fascista, sob Pinochet] e na Grã-Bretanha, que começaram a ser feitas nos anos 1970s e 1980s, são em geral consideradas as primeiras políticas de privatização na história moderna (…).

      Nenhuma das análises econômicas contemporâneas da privatização leva em conta esse importante caso anterior e precursor: a política de privatização implementada pelo Partido Nacional Socialista (Nazi) na Alemanha.

      (…) Por menos que a moderna literatura econômica goste de lembrar, o governo nazista da Alemanha nos anos 1930s implementou uma das maiores políticas de privatização em grande escala que o mundo conheceu. E, adiante: Em meados dos anos 1930s, a Alemanha era o único país do mundo que ainda desenvolvia política de privatização (porque, então, a Itália fascista já encerrara o período das privatizações

      ————————–
      Fonte:

      http://www.washingtonsblog.com/2014/01/fascist-origin-essence-privatization.html
      ————————–

      • Outro disseminador de factoides… também, é tudo que conseguem produzir… volta pra escola, jerico… não sabe nem o que é liberalismo… acha que é a mesma coisa que libertarismo… 🙂 … o que vc esquece de dizer, claro desvirtuador, é que o estado fascista/nazista não tomava os meios de produção dos particulares mas os escravizava através de medidas igualmente totalitárias, assim como os comunistas faziam e assim como os petralhas querem e estão fazendo aqui… pondo os empresários de joelhos através de confisco fiscal… vai se ilustrar, demente… quer vender um peixe podre mostrando outro ainda mais podre… aqui não tem trouxa não… vai vender seu peixe passado em outra freguesia… aqui não… só pra vc entender um pouco o que vc acha que sabe: https://www.youtube.com/watch?v=18NZZn00L-Q

  6. Parece que o Departamento de Estado dos EUA deu US$ 5 bilhões aos neonazistas ucranianos, que usaram parte do dinheiro para contratar pistoleiros e assassinos em massa, que massacraram civis que se manifestavam nas ruas, policiais e pessoas que passavam por ali, para criar um pretexto para derrubar o governo democraticamente eleito da Ucrânia e instalar um governo anti-Rússia fantoche dos EUA.

    PS: Em pleno jogos de Sochi. Deram uma rasteira nos russos, e acharam que ia ficar por isso mesmo…………

Comentários não permitidos.