Análise: A Rússia quer invadir a Ucrânia?

Jonathan Marcus

Analista diplomático da BBC

 

Atualizado em  1 de março, 2014 – 08:57 (Brasília) 11:57 GMT
Homem armado na Assembleia da Crimeia. Foto: GettyHomem armado sem identificação de qualquer exército no uniforme cerca Parlamento da Crimeia

A Rússia poderia intervir militarmente na região da Crimeia para garantir seus interesses estratégicos na região? Ou, colocando a pergunta de outra forma, as atitudes da Rússia até agora já são uma forma de intervenção?

Há temores de que a Ucrânia e a Rússia possam entrar em conflito pelo controle da Crimeia. A região de 2,3 milhões de habitantes é parte da Ucrânia, no litoral do Mar Negro, mas muitos lá se consideram russos étnicos e falam o idioma russo.

Na última eleição presidencial ucraniana, a população da Crimeia votou em peso em Viktor Yanukovych, político visto como pró-Rússia e que foi afastado no mês passado após semanas de protestos em Kiev.

Desde então, supostas milícias pró-Rússia invadiram o Parlamento regional da Crimeia, prédios públicos e o aeroporto de Simferopol, a capital da região.

Milícias treinadas

Ninguém sabe ao certo a identidade destes homens armados, mas seus equipamentos, veículos e comportamento dão sinais de que se trata de uma unidade militar treinada, e não apenas um grupo qualquer de ativistas pró-Rússia.

“Estes homens parecem um grupo organizado de tropas. Eles parecem ser disciplinados, confiantes, vestidos em uniformes e equipados”, diz Ben Barry, militar especialista em combate terrestre doInternational Institute for Strategic Studies, entidade de pesquisa baseada em Londres.

A ocupação do aeroporto de Simferopol deu início a uma rotina previsível de ameaças da Rússia às autoridades interinas da Ucrânia. Unidades de combate aéreo foram colocadas na fronteira da Ucrânia e estão em estado de alerta. Exercícios militares foram imediatamente iniciados, demonstrando o preparo das forças russas.

Também houve ameaças econômicas, com o possível aumento de tarifas na fronteira dos dois países, e com retórica elevada de ameaças às minorias étnicas russas na Crimeia.

Tentação ocidental

Novo premiê da Crimeia pede ajuda à Rússia para ‘reestabelecer calma’

O novo premiê da região ucraniana da Crimeia, Sergey Aksyonov, fez um apelo neste sábado ao presidente russo, Vladimir Putin, para que a Rússia “reestabeleça a calma na região”.

A Rússia afirmou que não vai ignorar o apelo feito por Aksyonov, que assumiu o poder na região depois que milícias pró-Rússia assumiram o comando do Parlamento regional.

O ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que o governo da Ucrânia enviou tropas à Crimeia neste sábado para tentar retomar o prédio do ministério do Interior.

As autoridades interinas da Ucrânia acusam a Rússia de enviar 6 mil soldados à Crimeia.

Na madrugada de sexta-feira para sábado, homens armados não-identificados teriam tomado outra pista de aviação. O governo russo nega qualquer envolvimento no episódio.

Até agora, o cenário é parecido com a véspera da invasão russa à Geórgia, em 2008. Naquela ocasião, o Exército da Geórgia “fez um favor” aos russos, ao invadirem eles próprios o enclave da Ossétia do Sul, dando margem à resposta da Rússia.

Mas as comparações se encerram aqui.

A Geórgia era um país pequeno que havia irritado profundamente o regime de Moscou, e nunca teria condições de responder a qualquer tipo de ação militar russa.

Muitos especialistas acreditam que uma invasão de grande escala de tropas russas, como aquela de 2008 na Geórgia, seria impraticável na Ucrânia agora.

Dado o tamanho da Ucrânia e as divisões internas da população, esse tipo de ação só poderia ter um desfecho: uma grave guerra civil.

A pressão russa neste momento tem um objetivo diferente.

O Estado da Ucrânia está perto da bancarrota. O país precisa de financiamento externo. O governo de Moscou sabe que as instituições financeiras do Ocidente precisarão assumir algum tipo de papel no país.

A Rússia quer deixar claro que o governo ucraniano depende tando de Moscou quanto da União Europeia, e que a Ucrânia precisa se equilibrar entre estas duas forças.

A conclusão russa é de que a Ucrânia precisa resistir à tentação de se aproximar da aliança militar ocidental Otan.

Presença russa

A Crimeia é outro assunto. A Rússia sequer precisa invadir o local, pois já possui grande presença lá, alugando instalações junto ao governo ucraniano.

A maior parte da frota russa no Mar Negro está na Crimeia, com um quartel-general na cidade ucraniana de Sevastopol. Militares da Marinha da Rússia já entram e saem da cidade como se fosse um território russo.

Grande parte da população da Crimeia – talvez até mesmo a maioria – é de apoiadores da Rússia. A região abriga muitos militares russos aposentados, e fica geograficamente distante da capital Kiev.

A pressão russa é para que a Ucrânia tenha consciência de que os interesses de Moscou precisam sempre ser preservados em qualquer decisão tomada pelos ucranianos sobre seu futuro econômico e diplomático.

Fonte: BBC Brasil

8 Comentários

  1. Excelente matéria, sem manipulações que apoiem qualquer lado.
    Diferente do que a maldita mídia ocidental tem publicado, a Rússia interviu na Crimeia devido a pedidos, outra questão a ser analisada, é que todos na região se encontram satisfeitos pois o exército pró Rússia estabelecera a ordem e dão segurança a população. Como o próprio editor disse, acredito que a Rússia tem dado passos seguros, certos, e não querem confronto com Kiev, mas sim pressioná-los a uma aproximação de Moscou, como também assegurar o referendo de 30 de março, onde se decidirá o destino da Crimeia.

    • “……mas sim pressioná-los a uma aproximação de Moscou”

      No melhor estilo Gêngis Khan “seja meu aliado ou morra” kkkkkk

      • Kkkkkkkkkkkkkkkkkk
        Não é bem assim Rogério, é abuso demais do ocidente no meio de um entrave político grave que é a instalação do DAM apoiarem um golpe político desses que põe a segurança da Rússia em risco, acredito que wualquer nação do mundo iria lutar por seus interesses, e outra, aplaudo a política externa de Putin, pois no lugar dele, muita gente teria feito chover Iskanders por toda a Ucrânia.

  2. A Europa (apoiada pelos EUA) tem na Ucrânia um interesse econômico (mercado consumidor de 45 milhões de pessoas, grandes jazidas de ferro e manganês, reservas estratégicas de gás natural e petróleo) e também um interesse estratégico, principalmente por sua posição geográfica junto a Rússia. Porém, encurralar um urso nunca é uma boa ideia.
    A Russia tem uma história antiga com a Ucrânia, ressentimentos passados podem aflorar repentinamente e evoluir para um conflito armado de grandes proporções, duvido muito que a Europa de hoje esteja disposta a bancar uma guerra civil em um país fronteiriço a Polônia e a 700 Km de Berlim. Infelizmente (para os ucranianos) eles deverão intubar mais uma vez a “mãe” Russia.

  3. Também acho uma matéria muito boa…

    A Rússia tem interesses demais na Ucrânia, até pra sua sobrevivência militar no curto prazo… teriam que modificar e reinstalar inteiros parques industriais na Rússia que hoje existem na Ucrânia, e isso levaria muito, muito tempo!!

    Sem falar nos interesses energéticos também, como os gaseodutos e oleodutos que passam pelo país…

    Não tem como não intervir, os USA fazem guerras por muito menos, então vemos que não existem santos na Geopolítica, só demonios!

    Valeu!!

  4. Ao mesmo tempo q uma ”invasão russa” a Ucrania e algo pode ser considera uma ”farsa’ se for analisar todo um conjunto de fatos … como por exemplo a presença de bases e tropas Russas e toda uma cooperação existente entre as forças militares de ambos os paises …..ja a decadas presente por la na propria Crimeia … uma autorização da gov russo para q essas tropas ajam em territorio Ucraniano sem o respaldo da outra metade do gov ucraniano sendo assim sem um acordo ”claro” .. pode ser um erro e tudo q a OTAN quer .e q uma .”intervenção do ocidente” seja legitimada (se tiverem coragem ) … pode ser algo complicado e um caminho sem volta pode estar sendo trilhado ,….. a Russia deixou bem claro q n ira recuar nem mais um passo frente as provocações do Ocidente (EUA /OTAN) e demonstração mais clara disso foi na Siria …..pelo contrario (recrutamento e modernização em massa .. abrir novas bases pelo mundo etc ) …mais q fique bem claro tb .. a Russia vem sendo provocada sistematicamente ..(escudo anti misses …como maior exemplo ….intervenção militar por motivos ”bestas” e ”’justificadas” pela midia ocidental ..contra paises ”pró-Moscou” ..etc ….) ….. a coisa tá esquisita ..n há mocinhos a Ucrania hoje e um pais divido ha muito conflito de dados e opiniões …nem mesmo o povo ucraniano sabe bem o q ta acontecendo ..ja na ha uma causa ” clara” o do ”por que” …. grupos radicais vão ganhando cada x mais espaço na mídia e sendo assim ganhando voz .e agindo com extrema violência …num processo bem parecido do q ta rolando na ”Siria” … curiosamente outro pais com relações bem profundas com a Russia ….coincidência ? acho q n… e um novo tipo de guerra ..uma q e suja ..extremamente manipuladora … onde quem a ”inicia”(quem ?? pq ??) n precisa sujar as mãos …nem mesmo se identificar … o q ta acontecendo na Ucrania n e um levante popular ”claro” … e algo estranho .. parece ao meu ver algo orquestrado com um alvo claro .. a Russia … .. a Ucrania e a ”porta de entrada” pro território Russo … e o principal aliado ocidental e um ”defensor” natural … a grande maioria das forças ucranianas fundadas formadas doutrinadas com valores e treinamentos oferecido pelos russo … e uma relação antiga .. quase um Estado ”vassalo” … onde grande parte da Indústria naval de guerra Russa esta instalada ..e por onde escoa grande parte da produção de petroleo e gás pro restante da Europa .etc etc.. com tantos interesses em comum ..uma intervenção russa poderia ser considerado algo natural e normal em outros tempos … pra vcs verem como a coisa ta esquisita por la .. so observar esse link ..http://codinomeinformante.blogspot.com.br/2014/03/navio-mais-poderoso-da-marinha.html ..
    Vejo esse exemplo na Ucrânia .. um exemplo e uma lição pro Brasil … Hj no Brasil temos embriões .. grupos ”separatistas” sendo criando e ate se fortalecendo… MST ( n duvido nada ..) …a ideia de ”nações indígenas” ganhando força no cenário mundial … entre outras coisas (”sul e o meu pais” … nordeste ) .. siglas …nomes …símbolos se mudam ..se criam .. conforme o interesse de quem deseja criar o kaos .(PCC).. h de acordar pro mundo q vivemos

  5. Dizer que a Ucrania é um atrativo mercado consumidor é pura inverdade e ferro e manganes existe muito pelo mundo.
    Devem os olhos da cara a Deus e o mundo e não sera a Europa falida que vai lhes tirar da bancarrota.
    Os EUA e a Europa estão usando o anseio do povo Ucraniano com outros propositos.
    A Crimeia foi dada a Ucrania para fazer parte da União Sovietica e tem importantes bases Russas em seu territorio.
    Os Russos não entregarão a Crimeia a hipocrisia Ocidental nem seu povo e nem grande parte do povo Ucraniano deseja isso.Ja passou da hora de darem um basta nas ingerencias Ocidentais sempre travestidas de humanitarismo e direitos humanos.
    Hoje é na Ucrania amanhãsera aqui no Brasil e não estamos muito longe disso.

Comentários não permitidos.