China testa com sucesso o seu mais novo ICBM, Dong Feng-41 (DF-41)

DF 41Red Dragon, Taiwan

Tradução e adaptação:

E.M.Pinto

Segundo as informações do Asian News, a  China realizaou com sucesso o segundo disparo de teste de vôo de seu mais novo míssil de longo alcance o DF-41, que segundo as informações disponibilizadas pelas autoridades chinesas, é capaz de atingir alvos nos Estados Unidos com uma ogiva nuclear.

O teste de vôo da nova arma Dong Feng-41, ou DF-41, realizou-se nesta sexta-feira no centro de lançamento de mísseis de Wuzhai na província de Shanxi, o míssil atingiu o seu alvo na faixa de impacto no oeste da China, afirmaram as autoridades que ainda deram detalhes sobre os testes.
Foi o segundo teste do novo sistema móvel de Mísseis intercontinentais chineses, o DF 41 é lançado de um veículo transportador que entrega um ICBM de longo alcance, equipado segundo as agências de inteligência dos EUA com até 10 múltiplas ogivas de reentrada independentemente-segmentáveis ​​MIRVs.
DF 41
Notar no esquema o alcance dos mísseis Dong Feng-41
O primeiro teste do míssil ocorreu em 2012 e o segundo nesta última sexta-feira, apesar da tentativa por respostas, o Porta-voz do Pentágono não retornou as mensagens referentemente ao teste e detalhes dos sistemas.
O teste mais recente indica que o programa de desenvolvimento a longo prazo de mísseis da China continua, e o míssil está levantando novas preocupações sobre a nova doutrina nuclear Chinesa, que prega, não ser a priemira a lançar um ataque   nuclear em caso de um conflito.
A divulgação do teste de vôo do míssil nuclear vem reforça as tensões  intensificadas entre os Estados Unidos e a China no recente episódio de quase colisão entre o USS Cowpens, um cruzador de mísseis guiados, e um navio de desembarque de carros de combate chinês no Mar da China do Sul, em 5 de dezembro.
Df41
O DF 41 utiliza um sistema de lançamento móvel tal qqual os modelos Russos Topol-M
O Departamento de Estado e o Pentágono protestaram contra o incidente, que envolveu o navio chinês parando no caminho do Cowpens, forçando o cruzador a fazer uma manobra brusca para evitar uma colisão. O incidente ocorreu perto do primeiro porta-aviões da China, o Liaoning.
O DF-41, segundo os detalhes fornecidos pelas autoridades chinesas, possui um alcance entre  6.835 e 7456 milhas e possui  capacidade de transporte de múltiplas ogivas MIRV. É visto como uma potencial arma de “primeiro ataque”, ou uma arma capaz de realizar um ataque nuclear surpresa que iria nocautear um inimigo e limitar a sua capacidade de contra-ataque .
Um relatório da Inteligência da Força Aérea dos estados Unidos tornado público em maio deste ano, se refere ao desenvolvimento da China de um novo míssil de longo alcance com ogivas múltiplas, além de atual de longo alcance DF-41 e DF-31 ambos ICBMs móveis.
“A China tem o programa de desenvolvimento de mísseis balísticos mais ativo e diversificado do mundo”, disse o relatório, “Eles estãose desenvolvendo e testando mísseis ofensivos, formando unidades de mísseis adicionais, melhorando qualitativamente os sistemas de mísseis, e desenvolvendo métodos para combater as defesas de mísseis balísticos” .”A força de mísseis balísticos chineses está em expansão em tamanho, poder e tipos de mísseis”.
Sem mencionar o DF-41, segundo o relatório,
“A China também pode estar desenvolvendo um novo ICBM móvel capaz de transportar uma carga útil de ogivas MIRV, e o número de ogivas nos mísseis balísticos intercontinentais chineses capazes de ameaçar os Estados Unidos deverá crescer para o bem mais de 100 nos próximos 15 anos. “
Funcionários do departamento de  Defesa afirmaram que o relatório se referia ao DF-41.
Segundo Rick Fisher, perito e membro sênior do Centro Internacional de Avaliação e Estratégia, disse que os relatórios sobre o mais recente teste do DF-41 coincide com as divulgações em sites de entusiastas militares chineses mostrando um novo veículo sobre rodas 18×18 como sendo o lançador transportador do novo míssil DF- 41.
DF41 lançadora
“Parece que este novo grande ICBM  com capacidade MIRV, está a fazer progressos no sentido de alcançar um estado operacional”, disse Fisher.
Fisher disse que há relatos de que o Segundo Corpo de Artilharia, foi chamado para o  serviço de mísseis da China e inclui pelo menos um míssil de recarga para cada sistema de mísseis lançador móvel.
Se o novo DF-41 for implantado no futuro, com um míssil de recarga por lançador, isto aumentaria consideravelmente o número de ogivas nucleares no arsenal chinês entre 120-240 ogivas para cada unidade lançadora do DF-41.
“O que isto significa é que as sugestões da administração Obama de que os Estados Unidos podem continuar a reduzir o número de ogivas, talvez para 1000 ou menos, é simplesmente irracional”,
disse Fisher.
“O que sabemos e não  sabemos sobre a capacidade da China de aumentar rapidamente seus  números de ogivas para um nível de risco inaceitável para os Estados Unidos. “
Além do DF-41, a China também começou a implantar seu míssil balístico lançado de submarinos,  chamado JL-2 e pode desenvolver um follow-on designado  JL-2A com até três ogivas.
“A marinha dos EUA estima que haverá até cinco dos 12 mísseis nos SSBN da classe  Type- 094, isso poderia tornar-se uma outra fonte para o rápido crescimento do número de ogivas chinesas”,
disse ele.
A Jane´s relatou em 2012 que os chineses estavam desenvolvendo o DF-41, também designado  CSS-X-10, e que se destina a substituir os sistemas fixos de mísseis baseados em silos DF-5 e DF-5 A .
Larry Wortzel, um ex-oficial da inteligência militar e membro da US-China Comissão Econômica e de Segurança do Congresso, disse ao Comitê das forças armadas da Câmara em depoimento no mês passado, que o novo DF-41 é parte do crescente arsenal de mísseis nucleares da China.
DF 41
 “A China está aumentando a sua capacidade de dissuasão nuclear, modernizando a sua força nuclear”, disse Wortzel em 20 de novembro. “Ela está tomando medidas como o desenvolvimento de um novo míssil balístico intercontinental móvel, denominado DF-41. Esse míssil poderia ser equipado com MIRV, permitindo-lhe transportar até 10 ogivas nucleares “.
Wortzel disse que os chineses, além de equipaá-los com as MIRVs, poderia equipar seus mísseis com sistemas de “ajudas de penetração”, projetados para derrotar as defesas de mísseis dos EUA. A China também pode estar desenvolvendo ICBMs transportáveis por ferroviárias disse ele.
O acúmulo nuclear chinês pode ter um profundo impacto sobre a segurança regional. A China  recentemente executou claras manobras de provocação aos seus vizinhos, especialmente ao Japão e Filipinas, de  onde mantém contendas sobre ilhas no mar da china meridional.
“Quando a China alcança uma posição de paridade nuclear ou mesmo superioridade, podemos esperar que ele vai fazer exigências muito mais vigorosas nos Estados Unidos que podem diminuir a segurança da América e de seus amigos e aliados”, disse Fisher.
Mark Stokes, um ex-funcionário do Pentágono e especialista em sistemas nucleares estratégicos da China, disse que o DF-41 tem sido mencionado nos escritos militares chineses e parece envolver um motor de foguete de combustível maior, sólido derivado dos  mísseis balísticos intercontinentais da série DF-31. Testes em solo do motor DF-41 foram detectados ao longo dos últimos anos.
Há suspeitas entre os analistas de inteligência dos EUA que o DF-41 é baseado em ICBM móvel da Rússia conhecida como SS-27, e que o DF-41 irá incorporar a tecnologia de orientação de mísseis.
Em agosto, a China e realizou dois testes de vôo do míssil DF-31A e em novembro de 2012, um outro  teste envolvendo o DF-31A.
O Diretor  do Gabinete de Segurança Nacional de Taiwan, como o serviço de inteligência para a ilha é chamada, disse no congresso de Taiwan que a China ainda está  desenvolvendo o DF-41 além de um sistema de mísseisl lançado de submarinos o JL-2.
Com informações de Taiwan para o Plano Brasil Red Dragon, Asian News.

 

12 Comentários

  1. Que porra é essa?

    É igual ao topol…

    Os chineses nao se dão ao trabalho de mudar nem o design…..

    Embora todos reconheçam o avanço chinês, eles tem que mudar pelo menos o design pra nao ficar tão escancarada a copia

  2. Chegara o dia em que o mundo entenderá então que os Estados Unidos não eram grandes..Mas somente ricos….E a riqueza é como a onda do mar…..Vai e volta…..

  3. Será que veremos um conflito direto entre estes dois países em uns 20 anos? Espero que não uhsahuashuas, mas infelizmente a humanidade caminha para o colapso.

    • Amigo.

      Acho que não haverá conflito, porém quando a China se tornar uma ameaça verdadeira para os americanos e europeus existe uma grande possibilidade de que as próprias populações desses países parem ou reduzam a compra de produtos chineses trazendo sérios prejuízos para sua economia.

      Não vejo sentido no fato da china afrontar seus pricipais clientes, as relações econômicas entre Pequim e o ocidente são mais importantes e produzem muito mais capital do que o domínio de alguns ilhas estéreis no pacífico. Mesmo que estas ilhas possum depósitos de petróleo ou outros recursos naturais a China tem muito mais a perder entrando em guerra com os americanos.

      Se entrarem em guerra contra os EUA, além de ser completamente destruída, a china perderá o mercado que sustenta sua economia, é burrice lutar. Os Brics (Brasil e Rússia) não terão como absorver a produção chinesa, mesmo pq não haverá nenhuma após uma guerra nuclear.

      Mas essa é só minha opinião.

      Sds

      • Deagol,
        Quanto a sua declaração sobre o mundo parar de comprar da China, na nossa década está se tornando inviável, descobri pesquisando a um bom tempo, que a China não está mais tão preocupada em inundar o mundo com seus produtos, mas manter seus insumos industriais tão abaixo do restante do planeta, que praticamente TODAS as grandes empresas do mundo estão migrando pra China (claro, isso até eles terem um mercado interno mais confiável capaz de absorver sua própria produção o que ainda vai demorar), pois lá se produz qualquer coisa com baixíssimo custo, e há logística de exportação adequada. Essa é a grande jogada dos chineses, se tornar o celeiro das indústrias globais, forçando as grandes potências a sempre respeitá-los, e nunca enfrentá-los, pois se eles cairem , o sistema econômico global entra em colapso.
        Sds

      • Mas o sistema global já entrou em colapso várias vezes e sempe se recuperou. Ameaçar a OTAN eos EUA com armas nucleares é a pior estratégia de marketing possível.

        Certamente os americanos preferirão comprar IPODs e ceulares mais caros do que financiar uma economia que os ameaça com armas nucleares.

        ” Essa é a grande jogada dos chineses, se tornar o celeiro das indústrias globais, forçando as grandes potências a sempre respeitá-los, e nunca enfrentá-los, pois se eles cairem , o sistema econômico global entra em colapso.

        Tudo bem, ninguém planeja atacar a China mas se os chineses partirem para a agressão, a respoesta será imediata e avassaladora.Nesse caso pouco importa se as bugigangas chinesas são mais baratas ou não .

        Tenho certeza que o povo ocidental prefere pagar mais caro pelos produtos do que perder uma guerra para os chineses.

        Outra coisa, Os EUA são os maiores importadores do mundo, se eles caírem a economia global cai também.

        Sds.

      • Concordo com vc, mas pense comigo, sinceramente não acredito que os chineses estão se preparando para atacar os EUA, acredito que eles estão equilibrando as forças, uma visão russa que defendo (e me parece que a China também) é a multipolaridade, ou poder na mão de todos, ou da maioria, o que os EUA não tendem a aceitar por nada, devido suas doutrinas e dogmas de gerencia global. Mas pra que haja multipolaridade, as potencias tem que estar em um “equilibrio” (ou perto disto) pra que haja o respeito a potência alheia, uma vez que todos tem poder de contra ataque, e creio que é isso que a China está procurando.

      • Investir em armas nucleares em tempo de lasers e armas de destruição “limpas” vindas do espaço é fazer política armamentista como brasileiro… SEMPRE NO ATRASO… burrice chinesa… deve ser fruto da esquerdopatia que tanto nos atrasa também…

    • Empalado, os chinas sem os EUA não são NADA… capiche ???… todo o dinheiro chinês vem do comercio com o ocidente que depende da economia americana pra sobreviver… se os chinas vão ter mais dinheiro que os americanos é irrelevante… o capital humano e tecnológico que os americanos tem os chinas não conseguirão alcançar senão em 50 anos de muita dedicação no campo da educação… os yankes estão preparados a mais de 100 anos…

Comentários não permitidos.