Valor Econômico’ Black Hawk estão fora de operação por falta de transferência de tecnologia

H-60-Black-HawkSugestão: Lucena

A espionagem dos Estados Unidos sobre as comunicações via Internet incomoda, claro, o governo brasileiro; mas, se um tema realmente azedou o encontro entre a presidente Dilma Rousseff e o secretário de Estado americano, John Kerry, neste mês, em Brasília, não foi a bisbilhotagem denunciada mundialmente pelo ex-espião Edward Snowden. O que mais irrita autoridades, no Planalto, às vésperas da viagem de Dilma aos EUA, são helicópteros das Forças Armadas Brasileiras, modelo Black Hawk, comprados dos americanos e fora de operação por dificuldades em obter autorização de Washington para “transferência de tecnologia”. O tema dos helicópteros foi mencionado por Dilma na conversa que ela teve com o vice-presidente Joe Biden, também em Brasília, em maio, antes de estourar o escândalo da espionagem americana. Havia expectativa de que o governo americano aproveitasse a visita de Estado de Dilma, em outubro, para remover obstáculos que mantém no solo aeronaves compradas aos EUA – afinal, os americanos prometem facilidades em transferência de tecnologia caso a Boeing seja a escolhida para fornecer os novos caças da Força Aérea Brasileira.

Os sinais de Biden e Kerry não encorajam a esperança de maior flexibilidade, no caso dos helicópteros. Argumenta-se nos EUA que o Brasil recebe a mesma atenção (e restrições) que recebem parceiros fiéis dos americanos, como o Canadá. Não é conversa que agrade à presidente. Ela, no entanto, também se empenha pelo sucesso da viagem aos EUA, espiões à parte.

Helicópteros incomodam mais do que a espionagem

Sem ser caloroso, o encontro entre Dilma e Kerry foi mais cordial do que se imagina, apesar do descontentamento brasileiro com as revelações de espionagem da National Security Agency (NSA). A decisão, em si, de receber o secretário de Estado americano, em uma audiência longa, contrasta com as repetidas recusas de Dilma em ter mais que encontros breves, em locais públicos, com a antecessora, Hillary Clinton.

“Ele o tratou bem?”, perguntou a presidente, ao receber Kerry, referindo-se ao ministro de Relações Exteriores, Antônio Patriota, que o acompanhava. Tratou, sim, reconheceu o enviado de Barack Obama. No encontro reservado, Patriota cobrou de Kerry explicações sobre as atividades de espionagem, e já disse explicitamente que são insatisfatórias as justificativas apresentadas até agora. Mas, foi um tema entre muitos outros.

Das 803 palavras que proferiu ao abrir a entrevista à imprensa ao lado do americano, apenas 119 trataram do caso. Em toda a entrevista, Patriota usou cerca de 1.380 palavras para falar das relações Brasil-EUA; em somente 266 delas abordou cautelosamente a questão da vigilância da NSA sobre a Internet.

Há temor, especialmente, no Planalto, de que o governo americano não encontre recheio saboroso o suficiente para preencher a visita de Estado que Dilma fará em outubro, ainda que a visita, em si, já seja considerada importante por simbolizar uma reaproximação entre Brasília e Washington.

A visita de Kerry foi considerada por alguns interlocutores da presidente uma perda de tempo, já que não houve avanços em relação ao encontro, anterior, esse sim, comemorado, com Joe Biden.

Do Itamaraty e do próprio governo americano, porém, saem garantias de que o esforço será grande para sair da retórica. Um dos pontos altos da visita, espera-se, será um acordo de transferência de tecnologia e experiências dos EUA para exploração, no Brasil, do gás de xisto. O Brasil, significativamente, recebeu três secretários de Estado americanos em agosto, e um deles, o de Energia, Ernest Moniz, aprofundou a discussão sobre a cooperação em energia, que foi um dos principais pontos da conversa de Kerry em Brasília.

Os americanos disseram às autoridades Brasileiras ter muito interesse também em cooperação em energia nuclear (detalhe interessante, quando se recorda que foi a intervenção Brasileira nas negociações com o Irã em torno do programa nuclear iraniano a causa do esfriamento das relações bilaterais, em 2010). Energias renováveis são outro tema que pode gerar acordos durante a visita.

Os próprios diplomatas americanos veem a viagem de Dilma como uma chance de apressar decisões em Washington, o que costuma acontecer nas visitas de Estado, por sua importância diplomática. O problema é o risco de que a chegada de Dilma coincida com um momento ruim na polarização entre governo e oposição em torno dos cortes no orçamento americano – uma sombra mais ameaçadora sobre a visita que o incômodo com espiões virtuais dos EUA.

Os dois países tentam concluir nos próximos dias as preliminares para um acordo de criação do “laboratório binacional de inovação”, que poderá dar aos brasileiros acesso a grandes centros de pesquisa e inovação nos Estados Unidos. Em setembro, grandes empresas americanas e Brasileiras participarão em Brasília de uma conferência dedicada ao tema, que, espera-se, poderá gerar resultados concretos para anúncio durante a visita de Dilma.

A movimentação recente do governo brasileiro, para atrair investimentos, com desburocratização, maior abertura ao capital externo e desburocratização deve facilitar a reaproximação com os Estados Unidos, como acredita o diretor do Brazil Institute do Woodrow Wilson Center, Paulo Sotero, jornalista veterano com trânsito privilegiado nos dois governos. “O episódio da NSA ilustrou a importância de os governos investirem em confiança mútua”, comenta Sotero. “Sem isso, várias iniciativas que podem dar substância à relação dificilmente prosperarão”.

No Palácio do Planalto, afirma-se que a bola está no campo americano. E o jogo pode ter lances decisivos ainda em setembro.

Valor Econômico

32 Comentários

  1. “Os americanos disseram às autoridades Brasileiras ter muito interesse também em cooperação em energia nuclear…”
    Isso é para acabar de vez com o programa nuclear brasileiro?… Grande parceiro!!!

  2. E ainda temos a nossa liderança iludida com esse país, a China sabe tratar bem os estadunidenses e seu governo!Já fazem tempo que eles agem assim!Que sirva de lição e de desilusão!O negócio e hackear mesmo e produzir aqui em instalações militares como eles fazem!

  3. Curioso os BH estarem fora de operação por falta de transferência de tecnologia, dado que a compra deles TODOS foi via Foreing Military Sales (FMS), ou seja, sem transferência de tecnologia…

    Matéria mal feita e claramente paga pelo lobby da Lixocopter pra desviar a atenção do Super Puma que caiu no Mar do Norte, matando 4 pessoas, provavelmente, mais uma vez, por conta do lixo da transmissão (MGB) que por sinal é a mesma da Kombosa-Voadora EC-725, adquirida às toneladas por preço de F-16 Block 60 pelo Iluminado de Garanhuns e seus súcubos MAG, CA e NJ, com ajuda de uns certos irmãos lobbystas do PT do Acre.

    O jogo dessa empresinha mequetrefe que controla a montadora de Itajubá é sujo mesmo.

    Os BHs da FAB estão operando a contento e os do EB apesar da idade são os que tem maior disponibilidade na frota toda. São aeronaves simplesmente ADORADAS pelos militares que as operam.

    Infelizmente já há muito tempo o Valor Econômico deixou de ser aquela publicação séria e respeitada, dirigida para e lida por empresários e executivos em geral. Algo em que podíamos confiar 100% das vezes.

    Há muito tempo que não passa de mais um jornalzinho como outro qualquer. Coloco-o pouco à frente da Folha de São Paulo e Correio Braziliense. Bem abaixo de Globo e Estado de São Paulo (os melhores, apesar de também errarem muito).

    De maneira geral, reflete o péssimo nível da imprensa brasileira. No específico, mostra a permeabilidade dos meios de imprensa aos interesses excusos.

    Não admira que a PeTralhada queira tanto aparelhá-la.

    • Argumenta-se nos EUA que o Brasil recebe a mesma atenção (e restrições) que recebem parceiros fiéis dos americanos, como o Canadá
      .
      .
      É com essa parceria que muitos americanófilos sonham para o Brasil?….que parceria…Hahahahah……o Canadá e muitos escudeiros do Tio Sam,tem uma forma de conceituar soberania bem peculiar,basta vê o quanto ficou o governo britânico quando o parlamento de lá disse um NÃO ao titio…rsrsrsr.
      .
      E depois esses americanófilos chamam o meu Brasil de putência…de bananão…Hahahahah

      • Ah claro, o Canadá, aquele pequeno e pobre paiseco subdesenvolvido, com IDH baixíssimo, uma gente pobre e sub-intelectualizada, pouquíssimas indústrias de alta tecnologia, quase não produz patentes e com forças armadas “pobrinhas” e com pouca história, que não foram nem lutar nas duas guerras mundiais…

        Ah cara, se enxerga e dobre a língua antes de comparar o Brasil ao Canadá vai? Pro Brasil ser um décimo em termos de desenvolvimento que é o Canadá levaremos uns 100 anos, isso se a PeTralhada não quebrar o país antes…

      • rsrsrsrsrs… contra fatos não há argumentos, caro amigo… mas o esquerdalha acima não se cansa de tomar bordoada… é sem vergonha…

      • Hahhahahah…esses americanófilos e os seus “elogios” de sempre para com um país que da guarida a eles….Hahahahah…a relação entre o Brasil e os americanófilos se assemelham a dos parasitas com os hospedeiros.
        .
        Os parasitas buscam tirar o que é de melhor do hospedeiro em em troca,dão a este doenças.
        .
        É parecido assim, com os americanófilos,vivem comendo,dormindo,pisando no solo sagrado e em troca,como “gratidão”,dão-lhes palavras ofensivas,carregada de frustração e rancorosas.
        .
        Com certeza, esse pessoal devem odiar o dia que nasceram em um pais que tanto desprezam….rssrsrs

      • Eu particularmente nao odeio o brasil geografico,mas odeio o povao lixo que colocou o lixo nao reciclavel da esquerda no puder,sonho com o quarto reich ,mas antes vai ter que piorar bastante ,mas com o avanço do lixo viciado em crack e afins no brasil vermelhoxu isto nao vai demorar !

      • Aqui ninguém despreza o Brasil não. Apenas desprezamos comentários como o seu, onde você tenta mostrar uma supremacia que não têm através de um, assim por dizer, patriotismo pueril e raso, calcado única e exclusivamente em uma canhestra tentativa de criminalizar qualquer opinião divergente que se contraponha ao consenso fácil estabelecido por um polituro e caninamente seguido lobotomizados militantes como você.

      • TV Cultura ???… nem pensar !!!… um antro de ESQUERDALHAS… aquele judeu velhote que apresenta um programinha por lá, que ta com um pé na cova e outro no sabonete é risível… é mais esquerdista do que Marx… mas tá na dele… controlando suas teses, antíteses, rumo a sua síntese… bobos são os que lhe dão crédito…

  4. Andrews27
    30 de agosto de 2013 at 15:34

    Se esta assim com nossos BH, Imagina o F-18 Sucatao deles rsrsrs.===== E tem idiotas q querem q compremos os vetustos F-18 desse n irmão caim do norte…só quem vai ganhar mt propina c isso q vai admitir uma compra sem retorno ..vão ficar td parados no chão…Quem avisa amigo éh…Sds.

  5. E site comprados pelos EUA como poder Aéreo e Defesanet só colocam F-18 DIARIAMENTE como “o favorito” dos militares”(!?).
    Se o FHC nao tivesse destruído nossa industria bélica, que só ressucitou após 2003, hoje poderíamos estar terminando o desenvolvimento de um aviao de combate de 4 geraçao.
    Nasceria obsoleto, mas seria totalmente nosso, e poderímos desenvolver a quinta geraçao já a partir de 2015.
    Lamentável.

    • Curioso é que no Poder Aéreo tem anúncio da Dassault, da SAAB e da Helibras, mas não tem nenhum anúncio da Boeing ou da LockMart.

      Mas mesmo assim o site é “compradu pelusamericanu”… 🙂

      O resto é o famoso mimimi esquerdalha: “u éfiagácê acabou cu Brazil”…

      Esquecem-se de olhar o rabo e ver que o PT está já há 11 anos no poder e nada…

      • So falar do patrao que a empreguete vem correndo proteger.
        E sao comprados sim.
        Me lembro que ano passado, quando todos pensavam que estava prestes a compra dos avioes de combate pra fab, o poder aereo colocava TODO DIA alguma materia mentirosa falando sobre as qualidades do f-18, ate sobre o Rafale!
        Vadi, digo, Vader, pode parar de chupar as bolas do tio sam, da lugar pros outros traidores da patria que ficam perambulando pela net e mamando os EUA.

      • E o que dizer de você, sua concubina iraniana? Entre uma empaladinha e outra que você leva com gosto fica aqui vituperando agressões risíveis….

      • Cara, vai lá e faz um levantamento de quantas matérias tem do Rafale em comparação com o F/A-18. Garanto que vc vai se surpreender.

        Mas claro, acusar é mais fácil que pensar e pesquisar né?

        Quer saber? Vou parar de perder meu tempo com um animal de zóio igual a vc.

    • Esse vídeo deveria ser proibido. Esse vídeo é uma vergonha pro Brasil e pra FAB.

      É a prova mais que cabal de como somos mal-caráter a ponto de ficar o tempo todo dando “golpe” nos outros povos. O tempo todo tentando usar o “jeitinho brasileiro” pra obter vantagens fáceis, vantagens que outro povo, no caso o americano, demorou décadas de pesquisa e bilhões gastos em desenvolvimento.

      E o pior: mostra que quando queremos de verdade, vamos lá e fazemos a coisa certa, que é desenvolver os nossos produtos sob nossas especificações.

      Esse vídeo é a prova de nossa preguiça e nossa vagabundice atávica. De nossa pendência e amor à Lei de Gérson.

      A FAB deveria tomar vergonha e mandar o youtube retirar isso aí do ar.

      • Vader,

        Como sempre quem não gosta de democracia e de mostrar claramente as coisas como são e a realidade nua e crua como ela é, sem véus ideológicos ou condicionamentos quer mesmo que a voz se cale, que a parte oposta seja proibida…

        Mais uma vez provando que é contra a democracia e a liberdade de expressão.. a FAB e seu brigadeiro somente demonstram a VERDADE COM ESSE VÍDEO, demonstram que não podemos confiar nos Americanos e devemos seguir em frente sozinhos, com nossas armas e tecnologias!

        Verdades existem pra serem demonstradas, pra acabar com a propaganda estrangeira que a nossa mídia prega…

        Mais um Print!

  6. “”” Trago uma sacola mucha sem nada pra mostrar “””

    Estou chegando de mansinho
    Cabreiro e analisando tudo
    Mas sinto que um novo mundo
    um novo horizonte está pra chegar
    Trago uma sacola murcha,
    sem nada dentro pra mostrar
    Mas trago um coração imenso
    cheio de esperança e amor pra dar.
    Venho vindo de tão longe
    Com os pés cansados de tanto andar,
    Mas sou destemido e forte
    e coisa tão pouca não vai me assustar.
    Sou bastante persistente
    Não sei o que é medo não posso parar
    O meu plano foi traçado
    e um novo mundo eu vou começar.

    http://www.youtube.com/watch?v=ASGOPm6KYg0

    http://www.planobrazil.com/fx-2-e-prosub-tudo-igual-a-dantes-no-brasil-de-abrantes-seria-naturalmente-triste-se-nao-fosse-tragico-na-verdade-e-comico/

  7. O cara que levar o primeiro chefre acontece (não refiro à mim, claro! rsrsrsrs) agora, levar o segundo chifre e continuar insistindo no erro, tem que ser muito tonto…. eita país véio besta… claro, ‘se’ a diretora tá cobrando algo à respeito, obviamente estão nos devendo alguma coisa e não vão repassar nunca…. já nos sabotaram ontem, nos sabotam hoje, amanhã com certeza vão nos sabotar…. mas td isto é bom, nós gostamos, e muito.

  8. A matéria foi realizada por um veículo de mídia não especializado em assuntos militares, por isso o equívoco.

    O que se dá em relação aos Blackhawks, é o fato dele ser um ótimo helicóptero, com soluções felizes e sua engenharia e robusto, mas, caro de ser mantido. Tanto é, que a Colômbia, grande operadora do modelo, inclusive usando-o em combate real contra as FARC, escolheu o igualmente robusto, mas simplíssimo Mi-17, como suporte ao Blackhawk…

    A Sikorsky anunciou o interesse em manter um Armazém Alfandegado no Brasil, além de procurar um parceiro para instalar um parque aeronáutico, provavelmente, tendo em vista a manutenção de aeronaves da marca, muito populares nas operações Offshore…

    O jornalista que redigiu a matéria, provavelmente, confundiu-se quando informado de que caso houvesse empresas nacionais produzindo peças do helicóptero (transferência de ToT), que as mesmas redundariam em uma maior disponibilidade operacional do modelo… Uma verdade, por certo, mas que não explica a situação atual de indisponibilidade do Blackhawk.

    É isso.

    • Tomou ai esquerdalha miope,talves com este esclarecimento de um vermelho vcs percebam o quanto seus irmaos de idiologias sao achegados a plantar noticias caluniosas e fantasiosas KKKKKK,chuuuupa forum de sao paulo !

      • Você e o Troll azul consomem muitos cogumelos…

        O Blackhawk é uma máquina caríssima de ser operada, e caso houvesse produção de peças dele no Brasil, este custo em muito cairia… Um Mi-17, tão robusto quanto, é bem mais barato de operar…

        Caiu a ficha, agora?

      • Mi-17 so porque ele e´produzido poraqueles que escravisaram seu povo , talves vc sofra da sindrome de estocolmo , adora chupar aqueles que te oprime kkkk, ja me disseram isto nestes blogs da vida, porem, seu caso parece ser real ,somente uma idiologia regrada a lavagem celebral encontra espaço e motivo para se comparar um BH a uma kombi voadora ,vc deve estar fazendo falta nas FAs, para fazer o trabalho de kombi do Mi17,seus patroes compraram o heli calça froucha frances, pagaram bem caro por aquele onibus voador, aquele sim ,um heli carissimo de operar e adquirir,kkkkkk chuuuupa reds !

  9. Boa noite senhores, interessante que observamos toda hora discussões sobre transferência de tecnologia… estamos na prática falando de que quantidade de meios comprados para se falar em ToT ?? Quantos BH temos nas duas forças até agora? São caros, SIM! Mas foram projetados para atender às FAs americanas correto? Quem quiser comprá-los tem que ter como mantê-los! O mesmo é com os caças… ingênuo quem achar que comprando meia dúzia de caças (ou 36 que seja..) um país ou fabricante irá nos dar a receita completa do bolo! Se nestes quinze anos de FX tivéssemos optado por desenvolver algo próprio, talvez já estivesse voando e homologado! Não sou fã dos americanos mas se fosse eles também não confiaria num país que perde refinarias e não faz nada, que deixar suas fronteiras do entorno ao léu, que perdoa dívidas de países africanos notadamente governados por ditadores, que apoia Iranianos e Bolivarianos somente por questão ideológica! Um governo que não respeita seu próprio país não terá jamais a plena confiança de nenhuma outra nação! Abraços,

Comentários não permitidos.