Defesa & Geopolítica

AIM-9X block III se tornará um míssil BVR

Posted by
O F-35 pode transportar dois mísseis AIM-9X nas estações de popa. Com alcance estendido, e LOAL apoio, o lutador será capaz de transportar uma combinação equilibrada de armas passivas e guiada ativamente. Foto: Lockheed Martin

O F-35 pode transportar dois mísseis AIM-9X nas estações de laterais. Com alcance estendido, e apoio LOAL, o caça será capaz de transportar uma combinação equilibrada de armas passivas e guiadas ativamente. Foto: Lockheed Martin

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

A Marinha dos EUA está planeja aumentar em cerca de 60% o alcance dos mísseis ar/ar Raytheon AIM-9X, Sidewinder em relação as variantes atuais. A Marinha busca essa capacidade melhorada especialmente tendo em vista a sua aplicação no vetor Lockheed Martin F-35 Joint Strike Fighter, afirmou o porta voz do  Naval Air Systems Command (NAVAIR). A nova arma está programada para entrar em operação em 2022.

De acordo com NAVAIR, o atual bloco II já se sobrepõe em algumas  capacidades de alcance os mais poderosos,  Raytheon AMRAAM AIM-120D e esta sobreposição deverá aumentar com o futuro block III, proporcionando ao piloto do F-35 a flexibilidade para empregar ambos os radares guiados ou passivos dos  mísseis teleguiados em engajamentos “Além do alcance visual”, Beyond Visual Rang (BVR).

20130721-004014.jpg“A necessidade de maior flexibilidade surge a partir da proliferação sistemas avançados de memórias de radio frequencia, advanced digital radio frequency memory (DFRM) e   jammers  que muitos adversários potenciais estão adicionando às suas frotas de caça.

Dave Majumdar, da Flightglobal comentou  que os jammers  DRFM têm o potencial de cegar o radar de bordo do AMRAAM, o que torna a imagem passiva do AIM-9X cujo sistema de guiagem infra-vermelho uma significativa alternativa útil para derrotar essas ameaças. Para críticos, um novo míssil completamente novo teria sido ideal, porém, o Pentágono enfrenta época sde orçamentos decrescentes e tem de levar em conta o preço de qualquer nova arma “.

Por hora o Pentágono precisa que o novo Sidewinder seja uma arma BVR suplementar para situações onde os seus caças possam confrontar ataques eletrônicos que degradam as armas guiados por radar, e que não comprometam suas performances com algo perto do que já se tem nos AIM-9X .

A arma atende as exigências e design dos mísseis de conceito WVR (Within visual range, dentro do alcance visual) / HOBS [high off-boresight, fora da linha de visada], capacidades encontrados nos mísseis AIM-9X Block II afirma a  NAVAIR.

F-35 realizar um teste de separação arma, soltando um AIM-120D. Um manequim AIM-9X é realizada underwing. Foto: Lockheed Martin

F-35 realizar um teste de separação de arma soltando um  míssil AIM-120D. Na extremidade das asas um modelo d emanejo do do AIM-9X. Foto: Lockheed Martin

O block III está programada para entrar em sua fase de desenvolvimento e engenharia de produção em 2016, segundo o NAVAIR. Posteriormente, ele vai entrar em testes de desenvolvimento em 2018, com testes operacionais, a partir de 2020. Se tudo correr bem, uma data inicial para a entrada operacional está prevista para 2022. 

AIm 9X  Block I  Foto: Lockheed Martin

Aim 9X Block I Foto: Raytheon

Os mísseis AIM-9X consiste na quinta geração de mísseis WVR a utilizar sistema de Matriz de plano focal e buscador IR (infra vermelho) com uma alta capacidade off-boresight. O AIM-9X é um míssil IR avançado. Ele possui empuxo vetorizado e é altamente manobrável, é guiado por sistema que juntamente com a orientação digital e processamento de sinal IR, resulta num aumento na capacidade de aquisição de alvos. Possui melhorada capacidade de contra-contramedidas infravermelha e zonas de engajamento HOBS, extremamente altas, sem precedentes. Seu desempenho ar-ar é bastante elevado, o míssil foi desenvolvido dentro da filosofia, “matar no primeiro tiro”.

 

Fonte: Defense-Update

Comments are closed.

shared on wplocker.com