Imprensa internacional destaca protestos no Brasil

protestos

Veículos como El País e New York Times destacaram as causas dos protestos e apontaram, quase sempre, a insatisfação com problemas sociais

Agência Estado

O dia em que 12 capitais brasileiras viraram palcos de protestos e mais de 230 mil pessoas foram às ruas pedirem mudanças no País ganhou destaque em alguns dos principais portais jornalísticos estrangeiros. Os veículos procuraram falar sobre as causas dos protestos e apontaram, quase sempre, a insatisfação com problemas sociais e com o alto custo das obras da Copa das Confederações e da Copa do Mundo.

O El País, da Espanha, disse que o Brasil vive as manifestações com maior adesão popular em décadas. Em uma longa reportagem, o periódico tentou explicar o que está acontecendo no País com base em entrevistas com manifestantes.

Leia também: Em onda de protestos, mais de 200 mil tomam as ruas do País

Veja mais: ‘É próprio dos jovens se manifestarem’, diz Dilma sobre protestos no País

“Dez dias, mais de 100 feridos e 230 detidos depois da primeira marcha, dezenas de milhares de pessoas se somaram às convocatórias do Movimento Passe Livre, que reclama acesso gratuito a transporte público. Mas agora as razões do protesto são mais amplas e ambiciosas”, diz o El País.

O New York Times, dos Estados Unidos, disse que os manifestantes demonstraram força. Segundo a publicação, os protestos evoluíram para um movimento amplo por grupos e indivíduos por uma variedade de assuntos incluindo o alto custo de vida. Também é dito que existe um paralelo entre os protestos brasileiros e os da Turquia.

“Os crescentes protestos estão entre os maiores e mais ressonantes desde o fim da Ditadura Militar em 1985”, diz o New York Times.

A Reuters também destacou que a onda de manifestações foi a maior em vinte anos no Brasil. Com destaque para a capital paulista, a agência de notícias norte-americana afirmou que a polícia de São Paulo mostrou moderação nesta segunda-feira, após a atuação violenta da semana passada. “A dura reação da polícia aos protestos da semana passada atingiu um ponto sensível no Brasil, que aguentou duas décadas de repressão política sob uma ditadura militar, que terminou em 1985.”

Rio de Janeiro: Após conflitos, Batalhão de Choque dispersa manifestantes na Alerj

Vídeo: ‘Eu levei a população’, diz punk que puxou manifestantes para o Congresso

O Guardian, da Inglaterra, com o título “Protestos no Brasil entram em erupção em enorme escala”, afirma que o País viveu uma das maiores noites de protesto em décadas enquanto mais de 100 mil pessoas tomaram as ruas. Os motivos, de acordo com a reportagem, seriam a frustração contra a repressão policial, maus serviços públicos e altos custos para a Copa do Mundo de futebol.

A BBC, de Londres, contabilizou 10 capitais com manifestação. A imagem de manifestantes escalando a cúpula do Congresso foi destacada. O conflito com a polícia no Rio de Janeiro foi enfatizado, além da lembrança feita quanto à quinta-feira 13 de junho, dia do quarto protesto em São Paulo, o mais violento da capital paulista até aqui.

Reprodução do site da rede BBC (Reino Unido). Foto: Reprodução
1/7

O Le Monde, da França, e o Clarín, da Argentina, destacaram os confrontos entre os manifestantes e a polícia no Rio de Janeiro em meio a organização de grandes eventos esportivos no Brasil. Com o título “Maré de manifestantes no Brasil, cenas de caos no Rio”, o texto do jornal francês também evidenciou a posição do ministro de Esportes, Aldo Rebelo, de que os protestos não devem “atrapalhar” a realização dos eventos. “Não vamos permitir que nenhuma dessas manifestações atrapalhe nenhum dos eventos que nos comprometemos a realizar”, afirmou o ministro, de acordo com o Le Monde.

O site em inglês da Al Jazeera, o Financial Times e o Wall Street Journal apontaram como a insatisfação social, incluindo o aumento das tarifas de transporte público, resultou na onda de protestos em todo o país.

O Financial Times descreve o movimento no País como parte das ações na América Latina. “Os protestos no Brasil seguem uma série de movimentos nos países vizinhos, dos ‘panelaços’ na Argentina até manifestações de estudantes sobre o custo da educação no Chile”.

Fonte: Último Segundo

12 Comentários

  1. Quero ver quem vai segurar a multidão, bate em 100 é fácil, em 1000 é possível, 100 mil já vira outra história…

    E to torcendo pras movimentações aqui acordarem também o povo da Venezuela e da Argentina, quem sabe eles decidem aproveitar o embalo? Porque já tava tendo uns semelhantes na Argentina, talvez agora tenham a motivação que precisam para levantar ainda mais e levar as coisas pro próximo nível.

    • Quem está pedindo reformas deseja serviço PÚBLICO de qualidade. Os governos tucanos e a rede globo foram sitiados ontem. Nenhum governo petista foi sitiado.

      • E começou a patrulha… Você viu alguma vez eu citando, PT, PSDB, PMDB, PMPTQ ou coisa do gênero? Além do mais, vai procurar um pouco mais sobre os protestos que vai ver que isso não é verdade. Primeiro que a prefeitura de SP é do PT, que aliás foi atacada hoje. Inclusive queimaram imagens do Haddad com inscrições do PSDB e do PT. O movimento é generalizado e apartidário. Pouco importa a sigla, todos são desgraças a serem removidas desse país. Não salva um meu caro.

      • A merda do PT é o pior. Dentre todos os partidos porcarias do Brasil o pt é o pior. Pois, durante anos, eles trataram o povo com demagogias e mentiras. Sempre usaram os trabalhadores como massa de manobra. Infiltraram-se nos sindicatos para alcançarem seus objetivos torpes que em nenhum momento visava o bem estar verdadeiro do povo. O pt sempre foi o partido da mentira e da demagogia… mais do que os outros partidos.

  2. Não gosto dessa mobilização, não vejo os protestos com bons olhos, não duvido que existe ainda muito a ser investido em nosso país, mas essa convocação das massas as ruas sem um objetivo claro é muito ruim, se abaixarem os 20 centavos em SP e as manifestações continuarem oque vem depois? Imagina se o governo vai fechar o FX agora? Até imagino o slogan dos movimentos “Caça pra que?”.

    Tive a infelicidade de me ver no meio do movimento na quinta feira passada na rua maceió ao sair do trabalho, e vi manifestantes fumando maconha e regados a álcool, não sou contra maiores investimentos em saúde, educação etc.. mas não gosto das manifestações.

  3. Esses protestos irão ganhar toda a América Latina em breve,tomara que os governos entendam a mensagem! A hora da mudança chegou !

  4. É isso aí meu meu Brasil acorda vamos quebrar a cara desses políticos filha da putas que não se importam com:

    EDUCAÇÃO
    SAÚDE
    SEGURANÇA
    DEFESA

    • Um dos objetivos dos protestantes e reducao nas taxas de impostos. Nao sei como reduzindo impostos, o estado tera condicao de manter um bom sistema educacional, saude e criar infraestrutura. A minha experiencia na Europa e quando se cortam os impostos tambem fecham os hospitais, corta os numeros de medicos e enfermeiras, abole o direito de estudo gratuitos etcs. E um neo liberalismo mais consequente. Mas as massas que hoje protestam se dizem antipoliticas, por causa disso na verdade nao tem consciencia do que sao contra. Protestam. Vao protestarem ate se desmoralizarem e cair no cinismo. Na ausencias de um partido operario lutando pela ditadura do proletariado como a unica saida dessa crise economica favoravel a classe operaria, Nao creio que esse movimento ira muito longe.

  5. Me parece que a Alice do palácio do planalto tá achando que não tem nada a ver com ela!Cai na real Alice!Antes no Brasil havia solução para nosso problemas, mas não havia recursos, agora há recursos, mas não há solução pra nada nesse país, vamos ficar eternamente esperando o país do futuro!O futuro é hoje!Qdo os estrangeiros ficam de olho os nosso lideres ficam preocupados e se mexem! Com estrangeiros ou não, acordem, senão cabeças coroadas vão rolar! Não há como não apoiar qdo você encontra identidade com os seus próprios gritos, contido diante dessa farra secular que há no Brasil, e os que estão mamando nas tetas gordas do Estado (os nomeados, os eleitos e concursados) acham que o povo deve servi-los, como se ainda estivéssemos na corte de Dom Pedro, Rei de Portugal Brasil e Algarves!

Comentários não permitidos.