Defesa & Geopolítica

França defende entrada do Japão no Conselho de Segurança da ONU

Posted by

hollande-abe-ap

Hollande cumprimenta Abe durante encontro na residência oficial do premiê japonês, em Tóquio  – Foto: AP

O Japão deve obter o status de membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, afirmou nesta sexta-feira em Tóquio o presidente francês François Hollande em um discurso no Parlamento. “O Japão deve virar um membro permanente do Conselho de Segurança porque é uma nação pacífica”, disse Hollande.

“Há 20 anos, o Japão optou por contribuir às operações de manutenção de paz em todo o mundo”, destacou o presidente francês. “Sei o que tem feito na África, na Costa do Marfim em particular, e cada vez que recebem o pedido para que apoiem países que podem passar fome ou pela desolação da guerra”, disse Hollande.

O discurso de Hollande aconteceu poucos minutos depois do anúncio de uma “associação de exceção” entre França e Japão, que inclui a cooperação política pela paz no mundo e a luta contra o terrorismo.

Durante a visita, Hollande destacou o interesse pela política de estímulo orçamentário e de flexibilidade monetária do primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, chamada de “Abenomics”. Hollande aproveitou o exemplo japonês para pedir a Europa que estimule o crescimento econômico. Mas o presidente francês também reconheceu que existem diferenças entre os dois países, já que o Japão dispõe de um Banco Central autônomo.

AFP

 

Fonte: Terra

Japão e França firmam cooperação em defesa e tecnologia nuclear

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e o presidente da França, François Hollande, firmaram nesta sexta-feira em Tóquio uma cooperação bilateral em matéria de defesa e segurança, além de desenvolvimento e exportação de tecnologia nuclear.

Em uma entrevista coletiva, concedida logo após o encontro que mantiveram, Abe e Hollande explicaram que, para potenciar intercâmbios em relação à luta contra o terrorismo, a proliferação nuclear e o desenvolvimento de equipes militares, os chanceleres e ministros da Defesa do Japão e França terão vários encontros em breve.

Após o encontro em questão, Tóquio espera conseguir uma limitação na exportação de equipamentos franceses à China, os quais podem ser utilizados com fins militares.

No último mês de maio, após a venda da França à China de sistemas para facilitar a aterrissagem de helicópteros em embarcações, o Japão manifestou sua preocupação, já que, segundo Abe, as autoridades chinesas instalariam os equipamentos nas patrulheiras que rondam as ilhas Senkaku/Diaoyu, cuja soberania é alvo de uma disputa entre Pequim e Tóquio.

Embora a União Europeia mantenha um embargo de armas sobre China desde o massacre de Praça da Paz Celestial em 1989, a França considerou que o equipamento vendido não entra dentro dessas restrições, um discurso que Hollande usou para tranquilizar Tóquio nesse sentido.

O presidente francês assegurou hoje ter dado “todas as garantias” ao governo japonês que a venda desse material “não terá nenhuma consequência militar”.

No plano de segurança, os dois chefes de Governo também concordaram em compartilhar mais informações relacionadas às ameaças terroristas no Oriente Médio e no norte da África, especialmente depois que o ataque terrorista a uma usina petrolífera realizado em janeiro na Argélia, o qual resultou na morte de dez cidadãos japoneses.

Ambos os lideres manifestaram que Tóquio e Paris se encontram na mesma sintonia com relação ao conflito na Síria, no qual, assegurou Abe, os dois governos querem “seguir contribuindo com a melhora da situação”.

Neste sentido, Hollande insistiu que ambos os países compartilham a necessidade de enviar ajudas ao país, além de reconhecer à resistência como governo legítimo da Síria.

No setor atômico, um terreno no que o Japão e França são pioneiros, ambos os países concordaram em promover as exportações de tecnologia atômica a economias emergentes de maneira conjunta.

Esta fórmula teve grande êxito até agora, como prova o acordo firmado entre a francesa Areva e a japonesa Mitsubishi Heavy Industries para erguer uma usina atômica na Turquia em maio, o que constituiu o primeiro grande pedido de unidades de fissão nuclear após o acidente de Fukushima de 2011.

Hollande chegou ontem ao Japão para realizar uma visita de três dias, no que supõe a primeira viagem de Estado de um presidente francês ao país asiático em 16 anos.

O chefe de Governo, que viajou acompanhado pela primeira-dama, Valerie Trierweiler, seis ministros e um grupo de empresários, também foi recebido hoje pelos imperadores do Japão, Akihito e Michiko, no Palácio Imperial de Tóquio.

EFE

 

Fonte: Terra

7 Comments

shared on wplocker.com