“Unasul I” – Avião de treinamento básico, estará disponível em 2017

argentina_internagrande1

A União de Nações Sul-Americanas (Unasul) anunciou que, até 2017, seu avião militar de treinamento estará pronto e disponível para venda, de acordo com o vice-ministro argentino da Defesa, Alfredo Waldo Forti. Ele participou da abertura da VIII Reunião da Instância Executiva do Conselho de Defesa dessa instituição regional.

“Avançou-se no tema, um esquema de trabalho foi estabelecido e aprovado pelos ministros. Todos os países que têm recursos próprios estão oferecendo-os para fabricar diferentes partes desse componente. É um avião de uso futuro”, acrescentou o vice-ministro, citado pela agência de notícias estatal Andina.

O avião se chamará “Unasul I” e, em 2017, estará disponível para venda para os membros da organização. Os testes vão durar três anos, segundo o representante argentino, cujo país coordena o projeto por ser o autor da iniciativa.

“Trata-se de um avião de treinamento básico. Não é de combate, mas para treinar os pilotos (da Unasul) que iniciam sua capacitação como aviadores. Os países que pedirem poderão tê-lo como parte de sua frota”, declarou o vice-ministro peruano da Defesa, Mario Sánchez.

O vice-ministro argentino disse que o custo do avião ainda não está determinado. Segundo ele, o aparelho, que se encontra na fase de projeto, terá 9,3 metros de envergadura. O principal modelo terá nove horas de autonomia de voo.

O assunto foi discutido no primeiro dia de reunião do Conselho de Defesa da Unasul, que conta com a participação de delegados dos 12 países integrantes do bloco. O encontro termina nesta sexta-feira.

Em abril passado, durante a Feira Internacional de Defesa e Segurança no Rio de Janeiro, a Unasul adotou o estatuto de criação do comitê consultivo que vai administrar e supervisionar a montagem do “Unasul I”.

 

Fonte: Terra

8 Comentários

  1. Essa é a porcaria do bolivarianismo. Ao invés de investirem pesado no excelente projeto nacional K-51Pilgrim do mago Joseph Kovacs, preferem enterrar nosso dinheiro com esse projeto fajuto apenas para agradar a rainha louca dos pampas.

    • Sem dúvida o K-51 seria uma resposta mais lógica a necessidade da FAB, na forma de uma aeronave local e produzida localmente, alavancando mais uma industria aeronáutica no Brasil.

  2. É óbvio que esse projeto apenas constrói pontes para planos maiores futuros. Não percam de vista que uma OTAS (ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DO ATLÂNTICO SUL), unindo os países da América latina com os países da Africa e Oceania tornaria a região menos submissa aos interesses alienígenas.

    • Walfredo:

      Construir pontes com a finalidade de beneficiar interesses de outros países em detrimento dos interesses nacionais brasileiros pode tranquilamente ser classificado como atitude lesa-pátria visto que, no momento em que o Brasil necessita estimular o crescimento e adensamento de sua indústria aeronáutica com o fim também de criar empregos qualificados e absorver mão-de obra especializada, os bolivarianos do GF deixam de investir na Novaer e em seu promissor K-51 Pilgrim para atender aos delírios da rainha louca dos pampas, deixando de criar empregos aqui para criar empregos do outro lado da fronteira.

      E quanto à tal OTAS, como seria feita a adesão da Austrália, aliada de primeiríssima hora dos EUA? Ideologia: Zero. Geopolítica: Zero também meu caro Walfredo!

  3. Só espero que não seja mais dinheiro jogado no ralo. Temos empresas totalmente capacitadas para criar aqui um avião de treinamento.

Comentários não permitidos.