Defesa & Geopolítica

Para Vargas Llosa, modelo socialista de Chávez, amparado nos petrodólares, só semeou confusão na América Latina

Posted by

Jorge Mario Vargas LlosaSocialismo do século 21 morreu com Chávez, diz Vargas Llosa no Rio

O socialismo do século 21 começou a desaparecer com a morte do seu ideólogo, o presidente venezuelano Hugo Chávez, afirmou nesta quinta-feira (18), no Rio de Janeiro, o escritor peruano Mario Vargas Llosa, prêmio Nobel de Literatura de 2010.

“Com o comandante Chávez morreu o socialismo do século 21 através de uma eleição que acabamos de ver. O povo venezuelano reagiu”, disse Vargas Llosa em um auditório no Cine Odeon, no Centro do Rio.

O escritor peruano afirmou que o resultado das eleições presidenciais do último domingo, nas quais o presidente interino, Nicolás Maduro, derrotou por estreita margem o candidato opositor, Henrique Capriles, mostra que “o populismo começou a retroceder” na América Latina.

“Equivocam-se os que pensam que a América Latina está entre a democracia e o populismo autoritário”, manifestou o romancista na conferência intitulada “A Nova Era da Incerteza – Para Compreender o Século 21”, organizada pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec).

Vargas Llosa, um fervoroso defensor da liberdade e da democracia, disse que a história recente da Venezuela é a de “um regime populista” guiado por “um caudilho messiânico” que com petrodólares tentou exportar seu modelo de socialismo a alguns outros países da região e que conseguiu “semear a confusão na América Latina”.

“O socialismo do século 21 é uma ficção ideológica, que não se diferencia do socialismo autoritário que encarna Cuba”, manifestou.

Vargas Llosa ressaltou que “a democracia na América Latina já não é frágil” como há algumas décadas, e acrescentou que, a partir de sua perspectiva de escritor, nesta região há mais motivos para o otimismo que para o pessimismo.

“Na América Latina, em nossos dias há um rumor de progresso, uma música que desconhecíamos até pouco tempo atrás”, expressou Vargas Llosa, que ressaltou que “o caminho do verdadeiro progresso é o da liberdade, não o da intolerância”.

O escritor convidou os latino-americanos a renunciarem à utopia da sociedade perfeita, na qual todos sejam felizes, porque, assegurou, “isso não existe”.

8 Comments

shared on wplocker.com