Defesa & Geopolítica

Ex-hacker brasileiro projeta miniaviões para encontrar carros roubados

Posted by

O tempo não decide entre ensolarado, nublado e chuvoso na Ilha de Guaratiba — bairro do Rio de Janeiro a 45 km do centro. “É bom que a gente já vê se o aviãozinho se garante em qualquer clima”, diz o engenheiro Wanderley Abreu Júnior. É o primeiro teste oficial do seu Veículo Aéreo Não Tripulado (doravante, Vant). Quem olha não dá nada. O aeromodelo mede 1,60 m da ponta de uma asa à da outra e pesa 750 g, mas tem versões maiores — de 3,5 kg e de 20 kg. O design também não é o forte, mas isso não parece preocupar Abreu Júnior. Seu negócio não é fabricar as aeronaves, mas o sistema de câmeras e sensores infravermelhos que as transforma em robôs de vigilância e monitoramento de tráfego.

Os Vants desenvolvidos pelo brasileiro são bem diferentes daqueles que ficaram conhecidos por custarem milhões de dólares e participarem de ações militares como a Guerra do Afeganistão e a captura de Bin Laden. Fazem parte de uma nova leva de veículos mais baratos, com menos recursos e projetados para o uso civil. Abreu Júnior não está só. A polícia da Austrália já recomendou ao governo que adote esse tipo de equipamento na busca por automóveis roubados, e a Inglaterra planeja empregar Vants durante as Olimpíadas para patrulhar bancos, motoristas com “comportamento antissocial” e manifestantes. Esse tipo de Big Brother aéreo é também o objetivo do brasileiro. Seus aviões poderão monitorar o trânsito, auxiliar na busca de veículos suspeitos e no controle das fronteiras de propriedades rurais. O software do equipamento é preparado para, por exemplo, identificar a placa de um carro roubado e fornecer a sua localização à polícia.

Não é de hoje que Wanderley Abreu Júnior está envolvido com tecnologia de segurança. Ele ficou famoso no começo dos anos 2000 por ter ajudado a Procuradoria da República a desmontar redes de pedofilia. Filho de um engenheiro eletrônico em telecomunicações, começou a hackear ainda na infância, quando adotou o apelido “Storm”. Um dia mostrou para o pai um material que tinha encontrado no site da CIA, e ele ficou desesperado: “Devolve essa porcaria!”. Mas, em vez de ser preso, o garoto era convidado por instituições invadidas para que cooperasse com o sistema de segurança — foi assim que conheceu a Nasa. A habilidade virou trabalho, ele abriu a empresa Storm Security, e começou a ajudar a polícia a apontar os crimes virtuais. “Virei parte do negócio. Cheguei a pular o muro de uma casa com os policiais para pegar um pedófilo.”

Formado em Engenharia Mecatrônica na PUC-Rio (“a gente fazia muita guerra de robôs no laboratório”), e com pós no MIT (“colei demais de um chinês lá”), ele também trabalhou para a Agência Espacial Europeia em 2006, num projeto de criptografia para as redes da Otan. “Fazia gestão de falhas para sistemas que não podem parar e nem ser hackeados, como usinas nucleares.” Na Agência, os pesquisadores eram estimulados a desenvolver projetos. Foi aí que veio a ideia de projetar aviões não-tripulados de baixo custo, que decolou quando voltou ao Brasil, no final de 2007.

Durante os testes, Wanderley convidou o amigo Luciano Freitas de Agostinho para pilotar o avião. Além da pista de aeromodelos, Agostinho é dono da fábrica que havia produzido o aeromodelo de testes. “Eu não sou muito bom nisso, fico só com a tecnologia”, diz Abreu Júnior. Os dois bolaram um minissistema de aparelhos de navegação, com sensores de pressão, acelerômetro, GPS, um giroscópio (que ajuda na orientação do avião) e um tubo de pitot (instrumento para medir a velocidade do ar). Tudo colado artesanalmente com fita filamentosa.

O sistema é o mesmo nas versões maiores do Vant, a diferença fica no peso que os aviões podem sustentar, no tempo de voo e na decolagem — os menores não decolam sozinhos, precisam ser lançados. Ele explica que é possível controlar até 5 aviões de um computador e mostra vídeos de voos anteriores: numa tela, a imagem nítida captada pela câmera com zoom óptico de até 10 vezes; noutra, a rota especificada por pontos no GoogleMaps: tudo elaborado com softwares livres.

O Vant de Abreu Júnior é cria de um projeto militar da Companhia Europeia de Defesa Aeronáutica e Espacial com aplicações civis. A maior aeronave do projeto do ex-hacker tem autonomia de até 26 horas de voo e, além de monitorar carros e tráfego, pode levar cargas para dispersão química, em voos planejados para jogar agrotóxicos em uma fazenda. Outra aplicação prevista é disparar gás de pimenta sobre multidões descontroladas. Mas ele não quer vender o produto para militares: polícia sim, além de fazendeiros que desejem controlar as fronteiras de sua propriedade e companhias que gerenciam o trânsito.

O maior diferencial do projeto é o custo. A versão mais barata do aeromodelo será vendida por R$ 25 mil. Para o avião médio, o preço inicial será de R$ 100 mil (sem dispersão química nem câmeras com infravermelho) e o avião maior não sairá por menos que R$ 1,2 milhão. Ainda um preço ridiculamente baixo perto de versões militares como o caça Reaper, que custou US$ 10 milhões aos Estados Unidos.

Fonte: Revista Galileu

9 Comments

shared on wplocker.com