Defesa & Geopolítica

Turquia começa a desenvolver novo caça

Posted by
Turkish FighterA Turquia já está estudando desenvolver um caça com a Coreia do Sul com o programa KF-X.

O Ministério da Defesa da Turquia assinou um contrato com a Turkish Aerospace Industries (TAI) em agosto, para completar um estudo de viabilidade de 18 meses para produção de um novo caça e treinador chamado TFX após 2023.

Nos eventos corridos do Dubai Airshow, Stephen Trimble do site The DEW Line conseguiu marcar uma entrevista cerca de 5 minutos de duração sobre o estudo TFX com Ali Guldogan Yilmaz, que é vice-presidente de estratégia e programas de cooperação na TAI.

O estudo precisa responder um monte de perguntas. Estas incluem: Será que o caça terá um motor ou dois? Caudas inclinada ou uma vertical? A TAI ainda não sabe, mas o estudo vai determinar, disse Guldogan. O estudo também está enfrentando problemas industriais. A Turquia vai liderar o desenvolvimento por si só, ou participar de um programa de desenvolvimento com a Coreia do Sul, o Brasil ou outro país? No início de 2013, a TAI vai apresentar um relatório com as recomendações ao Ministério da Defesa, que tomará as decisões finais, disse Guldogan.

Não houve tempo, infelizmente, para fazer perguntas mais amplas a Guldogan. Entre elas: Por que a Turquia acha que precisa construir seu próprio caça?

A existência do TFX significa que a Turquia se juntou a uma interessante tendência global. É importante entre várias nações, com crescente influência econômica e política, não ser forçadas a depender de aviões de combate dos EUA, Rússia e Europa Ocidental. A China, Índia e Japão já desenvolveram suas próprias aeronaves militares e comerciais. Agora, a Coreia do Sul, Brasil e Turquia parecem querer entrar para o clube.

Já mostramos aqui algumas notícias sobre o KF-X da Coréia do Sul. O Brasil, por sua vez, anunciou em 2009 os planos para desenvolver uma “caça de quinta geração”, em 2025, usando tecnologias transferidas do contrato de caça F-X2 que agora está atrasado.

Curiosamente, a Turquia tem sido associada como uma possível parceira de desenvolvimento da Coréia do Sul e Brasil. A Administração do Programa de Aquisição de Defesa (DAPA) da Coreia do Sul anunciou que a Turquia provavelmente vai aderir ao programa KF-X no próximo ano. O Eurofighter, enquanto isso, previu, numa análise de mercado de caças divulgado no Salão Aéreo de Seul que a Turquia poderá ser o parceiro com o Brasil em seu lugar.

Seja o que for que a Turquia decida fazer, o programa TFX representa uma notável tendência para os gigantes da indústria mundial de aviões de combate – e talvez preocupante. Alguns desses gigantes pode ser perdoados, então, por pensarem que alguns de seus clientes mais confiáveis estão tomando algumas más decisões.

“Acho que há um monte de lugares que são excessivamente ambiciosos”, disse Jeff Kohler, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Boeing e ex-chefe da Agência de Cooperação de Segurança e Defesa (DSCA) dos EUA. “Eu não quero dizer num sentido negativo que eles não podem fazê-lo. Quantas entradas de caça no mercado são possíveis? Este mercado está ficando menor e não maior.”

A Coreia do Sul tem orçamento de US$ 5 bilhões para desenvolver um caça de próxima geração em cerca de 10 anos – uma projeção de custos que alguns membros da indústria ocidental dizem ser terrivelmente irreal. “Este não é um jogo para os fracos de coração”, disse Kohler. “A indústria dos EUA precisou de 10 anos e bilhões de dólares simplesmente para desenvolver um radar com antena de varredura eletrônica ativa (AESA)”, acrescentou.

Paul Oliver, vice-presidente de desenvolvimento de negócios para o Oriente Médio e África na Boeing, disse que acredita que tais programas são realmente tentativas das indústrias nacionais para se colocar na cadeia de valor do mercado aeroespacial global. Os países não tem uma boa chance de fazer um caça competitivo, disse ele.

Fonte: The DEW Line – Tradução e Adaptação do texto: Cavok

shared on wplocker.com