Rússia começa a construir porta-aviões

De acordo com o relato do Estado Maior General da Marinha de Guerra russa, a primeira embarcação poderá ser lançada à água já em 2023. É um dos elementos do plano de construção de Forças Armadas correspondentes às ambições da Rússia de ser uma grande potência.

No entanto, em que medida esse desafio é economicamente viável na presente conjuntura econômica do país?

Segundo uma fonte da Corporação Estatal de Construção Naval, os futuros  porta-aviões terão propulsão nuclear. A versão com propulsão a diesel foi rejeitada porque consome muito combustível e precisa ser acompanhada por um navio-tanque para o reabastecimento.

Como mostra a experiência do uso  do único cruzador porta-aviões russo, Admiral Kuznetsov (Almirante Kuznetsov), os problemas em termos de reabastecimento não permitem que essa embarcação seja plenamente utilizada para as missões de patrulhamento nos oceanos. Por isso, o  cruzador passa a maior parte do tempo de serviço nas docas.

Mas porque a Rússia não tem porta-aviões? A resposta está na política ideológica e militar da extinta União Soviética. O governo soviético encarava esses navios como “ferramenta de agressão de países imperialistas contra toda a humanidade progressista”, dando prioridade à frota de submarinos que, em caso de conflito, deveriam ser usados para um ataque nuclear de retaliação.

Fonte: Gazeta Russa

37 Comentários

  1. Porta-Aviões nuclear russo? com toda a “expertise” que eles possuem? e ainda mais nesse prazo curto(2023)? Sei….

  2. Temo que o projeto não seja russo, a propulsão sim, um derivado dos reatores de submarinos, mas em St Petresburgo no começo deste ano, deixaram escapar algumas informações sobre o dito cujo 4 letras…
    Aliás, grande parte da construção pode inclusive ser feita no exterior.
    Sds
    E.M.Pinto

  3. Essa foto me confundiu 🙂 Os russo projetando um PA CatoBar? o.0 Prestando mais atenção vê-se que o projeto do futuro PA francês… (que seria uma boa opção para o sucessor do São Paulo).

    Os PAs são plataformas de projeção de poder. Não tem jeito. Pode ser usado como negação do mar, mas não é a função principal dele. Se os russos querem exercer o papel de policiais do mundo, mais ou menos da mesma forma que os americanos tem de manter um frota deles. Mas é caro… O PA é apenas o núcleo de uma Força-tarefa dessas. Tem 4 a 5 escoltas, 2 Subs (nucleares de ataque), Navios de apoio logístico, Porta-Helicópteros, Navios de assaulto, etc…

    []’s

  4. Até pus a foto pra mandar a “letra”. é Nick, o RXX é um dos modelos pretendidos pela Marinha do Brasil, na verdade um derivado dele.
    Quanto aos Russos, ao que tudo indica também…
    Com diferenças entre ambos, até mesmo na sua construção, se por um lado o Brasil exige a construção em seus estaleiros ( Atlântico Sul na minha opinião), Os Russos não são tão exigentes assim, Coréia do Sul, Vietnã e Ukrania foram consultados sendo o último ao meu entender o mais factível.
    A Rússia quer 4 navios até 2035 e segundo o PEAMB o Brasil quer 2.
    Há difereças clara por exemplo no deslocamento 65 mil contra 50 mil do Russo x Brasileiro.
    Não sabemos em que pé está a negociação nem do Brasil nem da Rússia.
    Mas há um fato inegável, hoje somente duas nações podem projetar e construir Navios Aeródromos deste porte USA e França, o britânico CVF é Francês por exemplo, seguem a esteira a Itália com navios bem menores, com o auxílio Italiano os Indianos estão construindo os seus 3 novos navios, mas são bem menores que estes.
    Fica a dúvida, vamos de RXX aoinda que diferente, mas juntamente com os Russos?
    SDS
    E.M.Pinto

  5. OS RUSSOS CONSTRUINDO PORTA AVIÕES!! E OS NOSSOS TEMOS 1 PORTA AVIÕES!! TERÍAMOS QUE TER 2 SENDO UM NUCLEAR,COM SEUS NAVIOS DE APOIOS!!E 2 PORTA HELICÓPTEROS!!BAH NOSSOS POLÍTICOS NÃO SE MEXE MESMO!! AMAZÔNIA AZUL TEM QUE SER PROTEGIDA!!

  6. OS RUSSOS SÃO POTENCIA MILITAR!!SÃO SEGUNDO PAIS QUE MAIS EXPORTA MATERIAL MILITAR, TEM EMPRESA EXPORTADORA QUE CUIDA DESSE SETOR!! E NOS CADE EMPRESA EXPORTADORA PARA MATERIAL MILITAR!! E LINHAS DE FINANCIAMENTO PARA EXPORTAÇÃO E QUE CUIDA DO MARKETING.ESSES POLÍTICOS NÃO SE MEXE!! APEX FAZ MAS TEM QUE SER UMA EMPRESA ESPECIFICA QUE CUIDA DESSA AÉREA!! BNDES FINANCIANDO EXPORTAÇÃO!!

  7. O Brasil não esta mais “morrendo de amores” pela França ,sendo que a F-100 ou a Type-26 ,ao que tudo indica, podem ser as preferidas do atual governo isso descarta a opção pelo RXX da DCNS e pode favorecer o PA inglês sendo construído com catapultas.

  8. AS FREMM francesas nunca foram sonho do governo, elas nem pode ser, não atingem a velocidade necessária exigida pela marinha, elas foram projetadas para atuar na linha próxima do litoral e portanto são mais adequadas a esta função, a Marinha quer um navio oceânico com maior velocidade.
    Nada contra a Navantia e as F100 que por sinal são as melhores anti aéreas europeias da atualidade,mas acho que o quesito multi propósito vai dar as FREMM Italianas a vantagem, até porque o sistema de armas seria produzido aqui, algo que a Navantia e a Lockheed não podem fazer nem que o Rei Don Juan Carlos resolva se mudar pro Brasil.
    Quanto as suas alegações sobre o Porta aviões, meu caro, tenho que discordar até na última letra, quem projetou o CVF inglês foram os Franceses e a DCNS é a detentora do Projeto, e atualmente na europa a única capaz de propor um projeto desta magnitude.
    COmo se vê teríamos duas opções, da manga um Northrop Grumman convencional menor dimensionado que os projetados pelso EUA, algo pouco provável mas não impossível.
    UM DCNS baseado no RXX, Charles DeGaule, CVF, ou então um italiano feito tal como o programa Indiano.
    Infelizmente para a torcida adversária, o Francês é o mais factível, para mim que nada tenho contra tá de bom tamanho.
    SDs
    E.M.Pinto

  9. porta aviões e para projeção de poder, os russos estão mudando a tempo seu conceito geopolitico, submarinos são armas dissuasorias, e devem ser a prioridade da marinha do brasil, para uma frota de subs modernos e no estado da arte, porta aviões se tornam um alvo flutuante !!!

  10. Pinto a um requisito BÁSICO na solicitação da MB para sua fragata de escolta oceânica ela deve PERMITIR a MB liberdade de escolher os sistemas e as armas que ela quiser sendo de qualquer procedência ,nacional ou estrangeira,portanto esse argumento de “impossibilidade” disso ou daquilo não existe ou você acha que a Navantia não sabia dessa clausula ,inclusive os espanhóis estudaram a possibilidade de incorporar outros radares.
    Quanto ao PA inglês me parece que é o governo inglês o dono do projeto.

  11. .
    .
    Estou vendo que o preconceito Anti-Franco pode gerar mais danos que benesses ao Brasil… é interessante para o Brasil que a oposição politica gere ódio e preconceito a outros povos???
    .
    Muitos crimes contra a humanidade começaram assim de mansinho, dizendo que tudo que vem de um povo é ruim… tipico do fascismo!!
    .

  12. Depois do “episodio” Cesare Batiste a MB colocou um passo atras com os italianos o que coloca sérios problemas (políticos)de aquisição das Fremm’s italianas mais o fato de que a Fincantiere(não sei se é assim que se escreve) quer(ia) entregar navios prontos para a marinha,temos ai duas questões,politica e técnica,que se colocam contra as Fremm’s e mesmo as Horizon para o Brasil favorecendo outros países mais principalmente os espanhóis e ingleses.

  13. Excelente oportunidade de ” PARTICIPAÇÃO CONJUNTA ” para o MD/MB.
    Relembrando que o Brasil & Russia , tem acordos de cooperação na área Bélica ( equipamentos militares.), vale salientar , que até mesmo a visão ideológica da antiga União Soviética , se parece muito em parte , com a Brasileira. ( encarava esses navios como “ferramenta de agressão de países imperialistas contra toda a humanidade progressista”, dando prioridade à frota de submarinos.)
    No caso do Brasil, encaramos os sub,s como elemento primordial e imprescindível de negação do mar ao inimigo mais forte.
    E de quebra , já ganharia-mos mais experiência na área de propulsão nuclear.
    Mas infelizmente conhecemos a realidade , e sabemos que nossos Almirantes tem visão estratégica ” embaçada ” & nosso políticos são no mínimo ” supervenientes ” aos interesses Americanos & Europeus Ocidentais.

  14. Caro Jakson as negociações continuam entre Brasil e Italia abertas (Fremm).
    O caso Batiste terminou em ” pizza “, ficou para ser decidido entre juristas e se muito ira para Haia.
    SE antes ficava dificil acreditar no cumprimento, agora mais ainda com a crise economica que devera cair sobre a Italia, que não irão fazer negócio conosco.
    SDS

  15. PORTA AVIÕES CONVENCIONAL JA ESTA ULTRAPASSADO,OS RUSSOS ESCOLHERAM,NUCLEAR E DISSERAM O PORQUE,O BRASIL TEM QUE INVESTIR É EM SUBMARINOS,DE PREFERENCIA NUCLEAR,CASO OPTE POR PORTA AVIÕES NO MINIMO TRES E NUCLEARES E ACIMA DE 65 MIL TONELADAS,E QUE SEJA LOGO PORQUE AS POTENCIAS CHORAM CHORAM MAIS ESTÃO GASTANDO MILITARMENTE COMO NUNCA,ALGO ESTA PARA EXPLODIR,E NA EUROPA MAIS UMA GUERRA SEM PRESEDENTES.

  16. Propulsão Nuclear

    “A versão com propulsão a diesel foi rejeitada porque consome muito combustível e precisa ser acompanhada por um navio-tanque para o reabastecimento.”

    Sem dúvida, um NAe nuclear poderia navegar meses sem voltar ao Brasil e sem precisar abastecimento de combustível. Aliás, o petróleo vai estar cada vez mais caro. A Marinha vai ter seu mini-reator, pode usá-lo para os NAes também. Concordo com os que opinaram acima, também voto pelo nuclear.

  17. Os franceses ja venderam o formidavel Mistral pros russos, nao duvido nada que ajudem neste PA nuclear, sao bons projetistas navais.
    Sem falar que adestram pilotos ingleses em Rafales navais no CdG Nuclear, estao com a bola toda.!!
    Quem dera a Fremm pro Brasil..

  18. E.M. as Type 26 serão AEGIS? Para mim já deveríamos ter entrado como parceiros. Sabe se o Canadá entrou?

    Quanto aso PA´s, sei não viu… mas russo é que não vai ser.

  19. Dilon e E.M.Pinto.
    Esse porta-avíões estão de bom tamanho mesmo pro Brasil.
    Acredito muito pouco que se façam as Fremm francesas por aqui.
    Mas o mais provável mesmo é que aqui fique só no porta-bandeiras de fevereiros mesmo, para mim só porta-bobos que sai por aqui mesmo.

  20. A fremm ,seja a italiana ou a francesa, e uma fragata de patrulha que não tem conjunto motriz/propulsor que permite a ela acompanhar um grupo de porta aviões ,a MB esta interessada em navios maiores como a F100 Alvaro de bazan,a f124 alemã,a De Zeven Provicien holandesa ou mesmo a KDX sul coreana.

  21. Francoorp depois do dia 11/01 ,onde os italianos rejeitaram o acordo militar com o Brasil, o GF mudou as regras de compra dos meios navais e jogou a preferencia pelos italianos no mesmo lugar onde esta a preferencia pelos franceses(no limbo) e somado com a preferencia da MB por navios maiores,contra-torpedeiros,as fremm’s hoje são uma possibilidade reduzida no Brasil.
    Os italianos aprovaram o acordo depois de pressão da industria naval italiana sobre o parlamento(italiano).

  22. Quesito estetica sempre achei as Fremm italianas as melhores, acontece que tecnicamente elas são ótimas, seria muito bom elas levarem, claro levando em conta que não ocora uma “Novela” a lá FX, coisa comum de se acontecer….
    .
    Quanto ao Nae, não vejo a MB com 2 nem em 2050….no máximo 1 e com o velho argumento “é para criar doutrina”

  23. Há diferenças no projeto hidrodinâmico da Italiana e a Francesa, a Italiana foi concebdia pra atingir velocidades superiores.
    O Grupo Motriz independentemente do navio Vencedor, já está escolhido, e ainda que as F100 vencessem seria o mesmo que a marinha adotou como padrão para as fragatas, ou seja, independe do navio.
    Com ele as FREMM Italianas atingiriam a velocidade desejada.
    Outra coisa o sistema de armas já foi escolhido, o que também independe do navio seja ele qual for.
    O sistema de combate e missão também. a Marinha está adquirindo a Plataforma e vai preenchê-la com o que quer e isto independe de vontade ou não do governo.
    Jakson, a Marinha do Brasil detém os direitos dos SBR os scorpene modificados, o Brasil vai construir os navios em escala progressiva, no entanto o projeto é da DCNS detentora dos direitos, é o mesmo que se passa com o CVF, os ingleses tem direito de produção,mas o projeto é francês.
    Fabio as Type 26 não terão AEGIS, igualmente estarão prontas por volta de 2020 altura em que mais de 10 FREMM já estarão operando na França e Itália, o que de certo modo as põe em desvantagem (não estou dizendo que são maus navios) mas o fato é que as FREEM já estarão mais que testadas e operacionais.
    Fora isto, não há uma previsão para uma Type 26 anti aérea, elas serão múltiplo emprego mais destinadas a GAS, e este é um fator determinado pelo reino unido que operará os Daring como anti Aérea não havendo interesse nas Type 26 para esta função.
    As F125 alemãs utilizam sistema de armas e combate francês e em nada superam as FREMM Italianas e Francesas, São ótimos navios e seriam uma alternativa.
    Jackson, oceânicas mesmo Só a F100 todas as demais não diferem em conceito das FREMM, a corean com maior capacidade e antiérea é a KDX 3 a qual não consta na lista de ofertas ao Brasil.
    A KDX2 se equipararia as demais, mas também não é indicada para escolta tal como você menciona.
    Como Disse, a Vantagem das FREMM está na sua modularidade , há várias versões, Antiáerea, emprego geral e Antisubmarina, e a opção foi essa, uma única plataforma para todas as funções, a única que oferece esta possibilidade é a FREMM.
    Na minha concepção o ideal eram dois navios.
    KDX3+KDX3
    Type 45+Type 26
    Horizon+ FREMM

    ou na eventualidade uma única escolta a qual seria demasiado cara para nós mas que sem dúvida seria a melhor escolha o projeto que a Northrop Grumman apresentou a Austrália mas que por costos excessivos ao orçameto acabou cedendo as f100 espanholas, a Classe HOBARThttp://media.defenseindustrydaily.com/images/SHIP_AWD_Gibbs+Cox_Design_Graphic_lg.jpg Gibbs COX.
    http://pbrasil.wordpress.com/2009/04/27/northrop-grumman-oferece-super-destroyers-para-a-marinha-do-brasil/

    Fábio os Russos vão comprar (se não compraram o projeto) e vão produzir o navio.
    SDS
    E.M.Pinto

  24. Pinto a fremm tem um limitador que é seu espaço físico,as fragatas alemãs,holandesas e espanholas compartilham a mesma planta(a fragata da OTAN dos anos 1990)e podem ser empregadas de acordo com as especificações do cliente.

  25. As Fremm são oriundas do programa Horizon que por sua vez derivou a classe Type 45 Daring, ambos os programas F90 derivaram todos os navios com suas especificidades e interesses. Sendo um dado incontestável o fato das FREMM serem as mais Stealth e modulares fragatas hoje existentes.
    Seja a Francesa cujo sistema de combate e ECM é superior, seja a Italiana cujas características se enquadram mais perfeitamente ao que a Marinha quer.
    Como disse, minha opção pessoal seria por outro navio.
    Eu investiria nas escoltas antiaéreas e de superfície deixando a GAS para uma frota superior de submarinos, mas como não estudei e não sou da Marinha, é epnas a minha opinião de leigo.
    Sds
    E.M.Pinto

  26. A MB pode estar “procurando” um navio que se enquadra entre uma fragata de patrulha e um contra-torpedeiro ,ou seja, uma fragata de escolta oceânica e uma corveta pra operação de defesa litorânea com capacidade anti submarino também pode estar nos planos dela.

  27. E.M. essa estória de que os russos não tinham PA´s por não quererem agredir para mim é balela. Pois, devido a extensão territorial da antiga URSS e Países satélites, não precisava de PA´s, pois estava próxima de todos os inimigos em potencial. Reservando os subs para retaliação. O mesmo penso sobre o atraso nos radares embarcados nos aviões, pois era mais fácil/barato ter poderosos radares em terra guiando os aviões.

  28. Senhores, é a minha primeira vez que posto e trago uma dúvida, para a qual peço sua ajuda. No post do Sr. Nick está escrito “Os PAs são plataformas de projeção de poder. Não tem jeito. Pode ser usado como negação do mar, mas não é a função principal dele…”. Ora, se na END está escrito que as nossas FAs são de defesa, porque o Brasil vai gastar dinheiro pra construir esse tipo de embarcação ?

  29. Não ha como serem Yak-130 porque o modelo possue asa em delta, em quanto o Yak usa asa convencional. Alem do que o Yak possui um segundo par de asas e sob ela fica a turbina, enquanto o modelo não, e o Yak possui uma turbina enquanto o modelo aparenta possuir 2 turbinas.

Comentários não permitidos.