Defesa & Geopolítica

OPERAÇÃO UIRAPURU

Posted by

http://www.iae.cta.br/admin/galeria/119/propulsor.jpgPor Campo Montenegro

Ensaio de Queima S43TM – 03/11/2011

O Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) realiza na próxima quinta-feira, 3 de novembro, um experimento importante para o Programa Espacial Brasileiro: o Ensaio de Queima em Banco de Provas do Propulsor S43TM, que foi desenvolvido para compor segundo estágio do Veículo Lançador de Satélites – VLS-1. O teste, denominado Operação “UIRAPURU”, será realizado para avaliar as modificações realizadas na proteção térmica flexível do domo dianteiro do Propulsor S43TM (Tubeira Móvel), e será um procedimento importante para o desenvolvimento do VLS. Na lista de convidados para o Ensaio, destacamos a presença do Exmo Ministro da Defesa Celso Amorim e do Exmo Comandante da Aeronáutica Tenente Brigadeiro Juniti Saito.

Objetivos do Ensaio:

• Determinar o impulso específico, o empuxo e a velocidade de queima do propelente;

• Determinar o desgaste das proteções térmicas;

• Avaliar a temperatura das principais partes metálicas do propulsor;

• Avaliar o desempenho da tubeira móvel; e

• Aquisição de dados pelo sistema de medição por telemetria embarcado em voo, de modo a permitir a comparação com os dados medidos pelo sistema de medição em solo. Ao todo, serão medidos 75 parâmetros físicos.

Características do Propulsor:

Massa de Propelente: 7100 kg

Comprimento do Propulsor: 8000mm

Diâmetro externo do Propulsor: 1007 mm

Imprensa

Os órgãos de imprensa deverão credenciar suas equipes pelo email comunicaiae@iae.cta.br até às 17h do dia 01/11/2011. As equipes credenciadas deverão comparecer na Portaria da Usina Coronel Abner das 10h30min às 11h do dia 3. Qualquer dúvida poderá ser esclarecida pela Assessoria de Comunicação Social do Instituto de Aeronáutica e Espaço, pelo telefone: (12) 3947-5073

Fonte: IAE

28 Comments

  1. KLM says:

    Brasil podia Para de por nomes Indiginas em projetos
    .
    Embarcasoes, subs etc
    .
    nada contra quem gosta .

  2. KM says:

    VLS-1 pode ser usado como um missel balistico no caso de uma guerra ?

  3. Rafael says:

    tomara q de certo…

  4. dhou says:

    CONCORDO PLENAMENTE?talvez seja por isso que não sai do atrazo,o nome tem suma importancia,é tanto que DEUS trocou o nome de abrão simplas para abraão importante pai de israél.creio que esta mais que na hora de usarem nomes de vitoriosos estados cidades grandes nomes da patria que foram bem susedidos ai o projeto vai decolar.

  5. Ferreira Junior says:

    Discordo devemos manter os nomes indigenas, nossa lingua tem base linguistica indigena, nosso sangue tem origem indigena, afastar o ser indigena é o mesmo que deixar de ser brasileiro, não devemos cair nesta armadilha de atacar nossos indigenas, é isto que o inimigo travestido de ongs quer.

  6. Regivaldo says:

    Dizem os chegados em fábulas que o uirapuru canta só uma vez no ano!Deve ser por isso, uma analogia, quem sabe!

  7. Regivaldo says:

    Ih me enganei, é uma vez só na vida!

  8. mcv says:

    kkkkkk essa foi boa reginaldo!!!!querer manter a tradicao pode ser uma coisa…..mas nem sequer conhece-la e outra bem diferente…..acho q se colokassem o porta avioes em vez de sao paulo colocassem…”lula”,”sarney”, “dilma” ….nos teriamos uma frota de porta avioes de ultima geracao e os mais bem armados e mantidos do mundo!!!
    sds!

  9. Eles poderiam colocar nomes tipo “iFoguete”, “iVLS” (alusão aos nomes dos aparelhos da Apple). Quem sabe dá certo. Entretanto, acredito que estes testes todos se devem à incorporação de novos componentes, senão não teria sentido ficar testando, testando e testando estes lançadores sem nunca colocar um no espaço, né?

  10. Dandolo says:

    OPERAÇÃO UIRAPURU ? O nome não importa, desde que não seja de políticos.
    Tomara que dê certo.

  11. LORDELO says:

    KLM, me diga o porque ? Vc não gosta de nomes indígenas ?

  12. Estou com td os meu dedos cruzados, seria mt honroso p nós ,q c n próprios meios lançar-mos esse veículo ao ESPAÇO, no sentido bom da palvra, e depois é depois….e cuidado com os “Bocudos ” locais , são os spay de quem paga mais , são uns apátridas.Exito e parabéns, o BRASIL acima de quase tudo.sds.

  13. Armando says:

    Estou torcendo para o sucesso.

  14. Milton Brás Cabral says:

    Pois é, concordo com os colegas, devemos usar nomes indígenas, são a nossa identidade.
    .
    Também das culturas que colaboraram na formação do Brasil, africanos árabes japoneses alemães italianos, e obviamente continuar com nomes portugas, imagino no futuro uma base espacial chamada Tupã, Zumbi ou Cruzeiro do Sul.

  15. KLM says:

    LORDELO disse:
    02/11/2011 às 06:22
    ——————–
    Caro Lordelo ,A tantos nomes na nossa Lingua Portuguesa
    .
    e ficamos usando eses Nomes Indigenas. me perdoe mais nao acho bonito nem um pouco,.
    .
    Esse Nomes as veses tenque ser pronunciados la no Exterio,como caso dos Susbimarinos da Marinha, em treinamento etc,
    .
    nao tenho nada contra quem gosta. mais acho que temos nomes mais adequados pra isso do que nomes que nem todo mundo no Brasil sabe o quer dizer,
    .
    SDS

  16. Morchu says:

    Só espero que dessa vez o Exercito, marinha, aeronautica. Patrulhem o Ar, Terra e Mar. A procura de objetos estranhos na água, no Ar e na Terra. A base deveria ter uma grande área de segurança contra possiveis ataques esternos. E essas máquinas de fotografos e outros equipamentos deveriam ser verificados, pois no mercadolivre vc já encontra para comprar canete que filma grava o som, oculos e outros objetos. Imagina o que os EUA deve ter desse tipo de equipamento, se pra gente já esta disponivel imagina para eles então. A Segurança em torno da BASE é essencial para segurança do Projeto. e os equipamentos do Cívis que entrarem lá devem ser verificados e registrado biometricamente por foto. SEGURANÇA A CIMA DE TUDO. Pois se for para deixar os EUA explodir mais um e gastar milhões atoa sem manter a segurança do perimetro. Melhor nem fazer o teste.

  17. FERNANDO says:

    Claro, vamos colocar estes nomes Hitler, Stalin, assim fica lindo, puxa gente, os índios são o que mais genuinamente brasileiros nós temos!
    Tem cara, que é de matar ne!

  18. Paulo says:

    O nome não importa. Temos de continuar a produzir e testar novos foguetes e motores cada vez mais potentes até conseguirmos um lançador de satélites. Já estamos com a plataforma inercial quase operacional. Isto nos dará autonomia para colocarmos o que quizermos em órbita.
    Temos que parar com projetos como a Alcãntara Ciclone space, pois isso é plano da Nasa e exercito dos eua para fazer o Brasil perder tempo e não produzir tecnologia próprias na área espacial. Até mesmo o acordo com a Alemanha e Russia devem ser revistos pois eles ganham tecnologias que não tinham e que penosamente criamos e não deixam nada em troca, ou muito pouco. Se os alemães querem “ajudar” o Brasil, porque não há troca de tecnologias? O foguetes da Ucrânia são de tecnologia só deles, e o combustível o mais poluidor de todos. Sabia que a hidazina mata uma pessoa se entrar em contato com a pele? Pois é isso que eles querem lançar de Alcântara! Isso não é tecnologia, isso é loucura! Esse negócio de Meio Ambiente é só uma idéia efêmera para eles!
    E o principal: o VLS já é funcional! os Russos estão é ganhando dinheiro fácil com sua “consultoria” e de sobra levando novas idéias e tecnologias que não tinham, e tudo de graça. Reage AEB, Reage IMPE!
    O Brasil é maior que isto!
    Fora políticos mercenários!

  19. xtreme says:



    Brigadeiro Juniti Saito.. ta tão velho…pode trocar de lugar com a mumia de Tutancâmon que ninguem vai notar…

    Celso Amorim… entende po#$@ nenhuma de defesa…para ele.. balão de são joão e Drone…são o mesmo.. voam..rsrs

    espero que o teste seja um sucesso…se der M… culpa do Amorim claro.. pé-frio entreguista mão de seda protetor de ONGs..

  20. camilo says:

    Fernando de esta maneira estamos dando corda para que os indios se creen e por encima com a ayuda das ONG`s ,darei um tempo para que os indios pidão indepemdência do brasil e o territorio que vamos perder será a metade da amazonas,quem viva em uns quantos anos já verá e não serão muitos,e por outra parte pode colocar nomes de indios mais também outros nomes como por exemplo VERA CRUZ um dos nomes que teve a nossa nação.

  21. Calheiros says:

    Quanta supertição ou descriminação, o que faz não decolar os principais projetos de defesa neste pís, é a falta de competencia administrativa dos orgãos que os executa,falta de investimento por parte dos nossos governantes e a aceitação ou melhor a submissão excessiva dos comandantes das nossas forças armadas.

  22. Ygor says:

    Mais um passo,tomara que seja bem sucedido!

  23. diarum says:

    Caramba Dandolo. Milagre! Não ter dito que é um sistema obsoleto ultrapassado antiguado, e que o seu voa a infinitas vezes a velocidade da luz! E nome indígena é assim mesmo, heheh Vão dando muito nome indígena para as coisas!.. Daqui a pouco os índios vão querer pra eles os foguetes também, hehehe

  24. edson says:

    Vencer batalhas até ganhar a guerra mesmo contra o inimigo oculto- quita coluna identificada facilita
    o avanço, mesmo lentamente, vamos comemorar cada passo.

  25. Eduardo Simões says:

    Quando o nome é de tribos norte americas todo mundo acha legal… Chinook, Apache, Sioux, Dakota…

    Pra quem quem não sabe Uirapuru é uma ave lendária, cujo o canto é raríssimo…

  26. Adriano says:

    O programa é legal mas esses nomes indíginas são muitos feios e bobos!!!

  27. Nuno Lago says:

    os nomes indigenas legais, eo que essa pessoas tem contra esses nomes “uirapuru”, realmentes são pessoas ignorantes não sabem nada dessa ave e não sabe nada da amazonia.

  28. nelore says:

    Nome facil de cidades brasileiras para SEREM pronunciadas no exterior:
    Projeto Caraguatatuba.
    Projeto Pindamonhamgaba.
    Projeto: Quixeramobim..cidade do ceara
    Projeto Itaguaxetuba

    O Projeto Quixeramobin nao funcionou direito mas vamos lancar o projeto Itaguaxetuba. Pronto. The Americans will love it.

shared on wplocker.com