Rejeição ao Brasil aflora em protesto indígena na Bolívia

Fabio Murakawa

A glorificação dos indígenas, a repulsa ao Brasil e uma grande decepção com o presidente Evo Morales marcaram o desfecho da mobilização indígena ontem em La Paz.  À tarde, os índios desmontaram o acampamento que mantinham havia uma semana na praça Murillo, em frente ao palácio presidencial e ao Congresso.  Eles caminharam mais de 500 km por dois meses para impedir que a estrada, com financiamento brasileiro, atravessasse seu território.  Voltam para casa com a missão cumprida.

Pressionado por milhares de pessoas na praça, o presidente Morales sancionou na madrugada de ontem uma lei que diz que nenhuma rodovia poderá atravessar o Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis), classificado como “intangível”.  A medida foi resultado de quatro dias de negociações no Palácio Quemado.  Com isso, o trecho 2 da estrada, que cortaria o território, terá que passar por outro lugar.

Ontem, enquanto se preparavam para partir, os indígenas eram saudados pela população.  Moradores de La Paz se aproximavam para oferecer comida e parabenizá-los pela vitória.  Alguns de seus líderes viraram celebridade, mais notadamente o presidente da Subcentral Tipnis, Fernando Vargas, indígena da etnia moxenha e que foi a cara visível dos protestos.

Enquanto tentava coordenar a saída, ele mal conseguia andar.  A cada dois passos, era parado por um boliviano para tirar fotos e receber abraços e saudações.  Para entrevistá-lo, o Valor precisou levá-lo da praça a uma lanchonete a poucos metros dali, tamanho o assédio.  Mesmo assim, clientes e funcionários interrompiam a entrevista a todo momento para cumprimentar o líder indígena.  “Eu esperava ser bem recebido em La Paz, mas não dessa maneira”, disse ele.

Vargas explicou que a população se voltou a favor de sua causa após uma violenta repressão policial, no último dia 25 de setembro.  Os bolivianos ficaram chocados ao ver, na TV, indígenas sendo arrastados por policiais com as mãos atadas por fita adesiva, enquanto outros eram atacados com bombas de gás lacrimogêneo e cacetetes.

Esse episódio marcou também, segundo Vargas, o fim da confiança no presidente Morales, um líder cocaleiro que se elegeu com uma ampla base de apoio entre os povos indígenas amazônicos.

Durante os encontros com Morales no palácio, Vargas disse ter cobrado o governante pela repressão.  “Para mim, está claro que a ordem partiu dele”, afirmou.

Sobre a estrada, disse que o presidente estava tentando “pagar a fatura” aos cocaleiros, pois essa havia sido uma promessa de campanha ao setor mais fiel a Morales.  “Nós, indígenas, não precisamos da estrada para atravessar o parque.  Nossa forma de nos locomover são os rios.  A estrada só vai frear o nosso desenvolvimento”, disse.  “Essa estrada se presta para duas coisas: para ampliar o plantio de coca, destinada à produção de droga, e para atender aos interesses do Brasil, que quer atravessar seus produtos rumo ao Oceano Pacífico usando a Bolívia como ponte.”

A rodovia, orçada em US$ 415 milhões, tem US$ 332 financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e está sendo executada pela construtora brasileira OAS.  As obras estão em andamento nos trechos 1 e 3, mas eles devem sofrer modificações, agora que o traçado não passará mais pelo parque.

Os indígenas temem que a estrada facilite o avanço do plantio da coca, que já ocorre em áreas marginais do parque.  Morales autorizou o início dos trabalhos e recorreu ao financiamento brasileiro sem antes consultar os nativos, que, pela Constituição boliviana, têm o direito de decidir sobre a destinação de seus territórios.

Segundo Vargas, os indígenas vêm tentando dialogar com Morales desde 2007, quando começaram os rumores sobre a estrada.  “O governo nunca nos escutou, nunca nos deu importância.  E, quando as obras começaram, nós decidimos marchar”, afirmou.

Ignorados por Morales, os indígenas chegaram a procurar o governo brasileiro para tentar sensibiliza-lo sobre sua causa, disse ao Valor Adolfo Chávez, presidente da Confederação dos Povos Indígenas da Bolívia (Cidob).  Ele afirmou ter enviado uma carta à Embaixada do Brasil em La Paz pedindo um encontro em Brasília.  Obteve a promessa de ajuda, mas o encontro acabou não saindo.

Para Chávez, a estrada traria uma série de problemas sociais para os povos nativos do Tipnis.  “Não queremos uma estrada para levar mendigos às cidades para pedir esmola, para abrir espaço para caminhões de alta tonelagem.  Não estamos acostumados com isso.  Vivemos da pesca, da caça, da coleta de frutas.  E, quando isso ocorrer [a estrada], haverá devastação da terra, desmatamento, pirataria e uma zona muito perigosa de plantio de coca vai se expandir”, disse.  “Vocês brasileiros se queixam muito da cocaína que vem da Bolívia, mas isso é contraditório, porque querem seguir abrindo caminho para que a droga continue sendo produzida com maior facilidade”, afirmou.

Esse sentimento negativo em relação ao Brasil fica mais exacerbado nas palavras do líder indígena Rafael Quispe, presidente do Conselho Nacional de Ayllus e Marcas do Qullasuyu (Conamaq).  Abordado pelo Valor, e ciente de que se tratava de um jornal brasileiro, ele disse: “A empresa dos brasileiros é que está metida [na obra], quebrou a lei, e os brasileiros não fazem absolutamente nada.  Vocês [brasileiros] estão f… a Bolívia.  E não é só com estradas.  Vocês estão f… a gente com termelétricas.  Como a Bolívia, como cidadão boliviano, como posso eu, com capital boliviano, f… o seu país?”

Questionado sobre como fica a relação dos indígenas com o presidente, ele manteve o tom.  “Por que você quer saber?  Se você é brasileiro, pergunte ao governo.  Capital brasileiro, empresa brasileira.  O banco que está emprestando é brasileiro.  E o que você quer que eu te diga?  Vocês vieram f… o país.”

Fonte: Valor via, Amazonia

28 Comentários

  1. Que isso sirva de exemplo para o governo brasileiro, ao lidar com países de ideologia bolivariana. Se os bolivianos acham que o capital brasileiro quer fud… com eles, que nosso governo e empresarios deixem eles se fud… sozinhos. Que os bolivianos fiquem com seu atraso e miseria.`
    É bom GF ficar esperto com nossas reservas indigenas, principalmente a da reserva Raposa Serra do Sol, onde se encontra a maior jazida de Niobio do mundo. Que tanta cobiça desperta da Europa e EUA e suas ONGS pilantropicas de fachada.

  2. Isso aí é falha de comunicação ou arrogância do governante de lá; claro que uma rodovia cria seus impactos, claro também que há meios de se reduzir tal impacto e no projeto de construção deve ser previsto tais condições; qualquer país minimamente civilizado aceitaria de bom grado uma rodovia em sua imediações; se os caras querem ser silvicola ad eternum isso é problemas deles; agora dizer que o Brasil tá f…eles, os bolivianos, como li na folha de SP, isso é pura ignorância, ademais o dinheiro é brasileiro, a empresa é brasileira, mas a estrada será boliviana; as vezes é melhor ficar só olhando o barco afundar, com todos dentro, porque aí você resgata o barco depois, afinal é só o que interessa mesmo. Vamos utilizar esse dinherio pra asfaltar a trasamazonica ou outros lugares necessários aqui no Brasil mesmo, muitos brasileiros estão morrendo por causa de estradas precárias, que é a regra, lamentávelmente!



  3. tem muita lógica o que Adolfo Chávez diz…

    Penso que…

    Quanto mais tempo demorar a finalização desta verdadeira “rodovia do pó” melhor para o Brasil.

  4. O primeiro entrevistado esta coberto de razão, o segundo um pouco sensacionalista.
    Temos que levar desenvolvimento com soluções!!! essa estrada vai ferrar os indios mais ainda!!!

    Ou alguem ai gosta de ver carretas de 50 toneladas passando a 100 Kh só nos beneficiaria, tenho vergonha de ver meu pais se transformando em EUA sul americano temos uma divida com nosso povo quando aprendermos levar alternativas a nosso povo aprenderemos a fazer com bolivianos e latino americanos em geral.Mal podemos conter os roubos de cargas em nossas rodovias imaginem essa dentro da bolívia, financiar o narcotrafico com nossos caminhões e cargas rumo ao pacifico.

    De mais a mais ficou claro que a Bolivia não tem controle nenhum sobre seu “POVO ou povos.”
    http://arcadenoe.ning.com/profiles/blogs/bateria-israelense-alimenta

    Bolívia querem seu silício sem pagar ao seu povo o que vale realmente!
    CUIDADO!!!

  5. Meus amigos, se eu fosse o gov. brasileiro, deixava esta república de bananas bolivariana ficar na merda…. Claro! Eles gostam de ficar na merda! Que fiquem então!
    Agora pergunto: Quem vai pagar o din din gasto até agora pelo BNDES? Diga-se nosso din din…. Quem f… com o Brasil, e sempre fu…, foi este índio cocaleiro. Tomou as 2 refinarias da Petrobras…Legalizou os carros roubados de cidadãos de bem do Mato Grosso, aumentou preço do gás fazendo chantagem energética, e agora vem com isso de frear esta estrada jogando dinheiro publico dos brasileiros no ralo.É………a rejeição ao Brasil vem aumentando cada vez mais na AL (vide paraguai, bolivia, equador). É o preço de nossa prosperidade, despertar a inveja dos vizinhos….como se nós fossemos culpados da merda que eles vivem…Cuidado BRASIL!! O inimigo não é os EUA (tão satanizado aqui no site) mas sim as republiquetas bolivarianas aqui ao nosso lado…. (60 f18SH + 100 super tucanos + 45 amx + 56 f5m) SENTA A PUA BRASIL!

  6. Se não querem o progresso. Tirem deles a luz, o acesso a medicina avançada (deixe os pagés fazerem o trabalho). A moeda (utilizem o escambo), as roupas manufaturadas etc. Eles querem todos os benefícios mas não são capazes de assuminir o ônus do progresso da qual se beneficiam.

  7. Para variar nossa mídia vagabunda e terrorista vai para a Bolívia para arrumar de falar mal do Brasil, essa corja tem que jogada em Miami, para viver lá lavando pratos!!!

  8. Já começou a “palhaçada” dos índios (diga-se Ongs por trás das ações dos índios) contra o Brasil. Começaram contra a construção da Belo-Monte – não tiveram muito sucesso no começo – agora na Bolívia. Agora que conseguiram o que queriam lá, vão voltar à carga contra a Belo-Monte. Guardem o que estou dizendo…

  9. PauloRick disse:
    26/10/2011 às 21:42
    Para variar nossa mídia vagabunda e terrorista vai para a Bolívia para arrumar de falar mal do Brasil, essa corja tem que jogada em Miami, para viver lá lavando pratos
    .
    BRILHANTE

  10. A bolivia não tem saida para lugar nenhum ,e se os indios mandam no pais e querem ficar isolados,deixem os homens que fiquem na idade da pedra,que pais não iria querer uma saida para o mar uma rodovia cortando o pais de norte a sul de leste a oeste,temos coisa melhor para faser,

  11. o cara ta certo, essa rodovia seria uma teta para o trafico de coca, e tudo que devemos evitar e que o brasil se torne uma puuuutencia imunda como EUA, RUSSIA,CHINA, INGLATERA e outras , temos melhor exemplo a seguir como ALEMANHA, AUSTRALIA, CANADA, SUECIA, paises que priorizam o bem estar de seu povo e tem forças armadas bem equipadas não para agreção, mas para defender sua soberania !!!

  12. Temos que primeiro cuidar de nossa casa,para depois ajudar vizinhos.Nosso País,ainda está precisando de muito investimento em áreas importantes para nosso desenvolvimento.

  13. Isso é a mostra evidente do retumbante fracasso de nossa diplomacia “ativa e altiva”pelo mundo. Não bastasse os frequentes fracassos colhidos além mar, também em nosso quintal a nossa diplomacia ideologizada não consegue sucesso. Para variar, os esquerdalhas não conseguem aceitar o fiasco da nossa política externa e, para variar, colocam a culpa no tal “Pig mau, feio e bobo”. Lamentável…

  14. Ainda não entendo como tem gente capaz de dizer as maiores besteiras! Deve ser porque que lê a Veja, ou melhor não lê nada que preste. Nosso política externa é um dos maiores sucessos do planeta, graças a ela temos uma balança comercial com grande superávit e estamos aumentando nossa influência no mundo inteiro, principalmente da América do Sul, é evidente que isso causa desconforto, em alguns setores, os que gostam de abanar o rabo e ficar de quatro eternamente, a mídia vagabunda e terrorista com sede em Miami, e aqueles que não são brasileiros, apenas nasceram aqui.

  15. “(…)“Essa estrada se presta para duas coisas: para ampliar o plantio de coca, destinada à produção de droga, e para atender aos interesses do Brasil, que quer atravessar seus produtos rumo ao Oceano Pacífico usando a Bolívia como ponte.”(…)”

    .
    (*)presidente da Subcentral Tipnis,Sr.Fernando Vargas,indígena da etnia moxenha e que foi a cara visível dos protestos
    .
    .
    Ele esta CERTÍSSIMO!!!! ,afinal porque o governo iria investir em uma coisa dessa,uma rodovia que é para o desenvolvimento do tráfico de uma droga que esta acabando com as famílias.
    .
    O bugrão do Evo molares,que explicou o uso do plantio da coca na região em especial aquelas que faz fronteira com o Brasil,como uma tradição indígena e vajam só,os próprios índios boliviano denunciando o coluio de Morales com o tráfico da droga,no caso a cocaína.
    .
    O governo brasileiro(BNDS),deveria observar aonde ele coloca o seu dinheiro sobe pena de termos complicações sociais como o problema das droga.
    .
    O governo brasileiro tem o dever de combater esse câncer de forma implacável e incondicionalmente rigoroso com empréstimo para o exterior;inclusive com governos que fazem vista grossa com o tráfico das drogas;e assim tirando proveitos políticos e financeiro com isso;como é o caso desse do índio que não tem nada tonto….que ele vá pedir dinheiro ao maluco beleza,o Hugo Chaves!

  16. O texto parece querer criar animosidades entre nações. Primeiro e logo no título, passa a idéia de que já há animosidades e que só crescem (aflora) com os acontecimentos recentes.
    Não é de se estranhar que em um país com mais de 50% de sua população pertencente a etnias indígenas, tenha tamanha comoção com uma obra que atravessa uma reserva e ainda foi concebida de forma equivocada sem supostamente considerar os interesses dos principais envolvidos.
    Não é contra o Brasil em particular, fossem norte americanos, chilenos, paraguaios, chineses e teria acontecido o mesmo e notem que o texto mesmo deixa claro que a população de forma geral aderiu depois de acompanhar pela TV, a maneira equivocada como o governo reagiu, ou seja, feito de outra forma é claro se teria outro resultado.
    O Brasil faz o que tem que fazer. Como maior país da região, tem mesmo que investir em infra-estruturar aqui e nos países vizinhos. É estratégica a integração regional, inclusive pra que esses mesmos que marcharam possam no futuro ter verdadeira autonomia sobre alguma coisa.
    É claro que a maneira de se fazer as coisas ainda são muito precárias e interesses sempre ou na maioria das vezes prevalecem sobre o bom senso mas uma coisa não exclui a necessidade da outra.
    Quanto à questão da coca, cabe ao Brasil controlar melhor suas fronteiras de maneira a inibir a entrada do seu mais conhecido derivado e pressionar para que o governo boliviano exerça um controlo sobre toda a cadeia produtiva dessa que é uma planta milenarmente conhecida pelas suas propriedades medicinais. Se não o fazem é porque há muito interesse por trás e de gente muito mais graúda do que os próprios “grandes” brasileiros, mas se querem culpar alguém, que culpem seu próprio governo que a bem dizer parece tão corrupto quanto o nosso.
    sds

  17. Essa via de ligação c o Pacifico e mt importante p nós, e vai levar vida e progresso p o interior da AS, se ñ querem, vamos procurar outro país q queira e participe, Td p evitar esse sentimento e resentimentos. Sds.

  18. Quem são esses “indígenas” bolivianos??? os mesmo de Belo Monte??? Forças Armadas nessas ONGs INGERENCIADORAS, os índios, acima de tudo são CIDADÃOS e devem PRESTAR obediências as REGRAS e as LEIS ou, vão para MIAMI. Forças Armadas nesses ÍNDIOS e nessas ONGs já!!!!!!

  19. O cara ta certo,antes do brasil bancar o fodao ele deve empalar os desgraçados politicus ladroes,bancar o pais que leva desenvolvimento a america latina e´uma piada de mal gosto,os chineses ja compraram esses desgraçados brasileiros,esta rodovia vai ser o dreno de nossas materias primas para a china.Deixamos de sentar no colo dos americanos e vamos ser empalados pelos chineses!Sobriedade e baitolagem (sinonimos ?)

  20. Essa estrada faria a Bolívia crescer muito, se capitalizando. Eles iriam ficar com a saída para os dois oceanos. E isso seria bom para o Brasil ? Não. Motivo: Poderão comprar armas para invadir o Acre. É melhor os índios bolivianos ficarem drogados e pobres mesmo.

  21. O Brasil não deveria tacar dedo em merda, nao tambem ambandonar a Bolivia mas empurrar com a Barriga. A falta de cultura mata esse povo de fome e miseria, o Brasil deve fazer sua parte, se for necessario agir com rigor que seja.

  22. A Dilma tem que ficar esperta pois ja sabemos como nossos irmanos pensan, veja oque aconteceu com as refinarias e os gasodutos e oleodutos que o BRASIL construiu com seu dinheiro, caso o BRASIL construa essa estrada no final, eu digo no final ela vai somente ser usada para indio ir mais rapido da cidade grande para a sua taba, não falo isso por preconceito ok pois tenho sangue indigena mas … esse povo é manipulado por entidades americanas e outras, negociar com indigenas é pessimo negocio .

  23. Sabe o que vai acontecer a estrada vai sair.
    Sim vai, vai chegar uma hora que o Moralles vai ver a merda que tudo isso está causando. E eles sabem que se os indios resolverem sequestrar, pilhar, matar e etc, trabalhadores brasileiros na construção, a corda vai rebentar para o lado mais fraco: o deles, aí meu irmão o couro vai comer.
    Já enchi o saco dessas palhaçadas indígenas, tá na hora de olhar para o futuro, a terra não são deles, são do país(pelo menos assim deveria ser), tá na hora de acabar com essa história de indígenas, eles são cidadãos como outros quaisquer!

Comentários não permitidos.