Defesa & Geopolítica

Mahmoud Zeidan Abbas fez história

Posted by

http://www.jb.com.br/media/fotos/2011/09/23/627w/abbas-exibe-documento-com-pedido-de-adesao-a-onu.jpg

Uma causa na mira do mundo

Aos 76 anos, o líder palestino Mahmoud Zeidan Abbas fez história ontem. E não só por ter cumprido a promessa de entregar ao secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, o pedido de reconhecimento da Palestina como Estado e membro de pleno direito do organismo – depois de enfrentar pressões ocidentais, ameaças israelenses e a reprovação dos extremistas do Hamas, que controlam a Faixa de Gaza e se opõem à solução dos dois Estados para o conflito entre árabes e judeus.

Abbas fez história também porque, dê no que der, a sua iniciativa colocou a causa palestina, pela primeira vez em décadas, no centro das atenções da instituição que, mal ou bem, representa o mundo. Além disso, criou as condições para ressuscitar, quem sabe com novo script e novos atores, o processo de paz que o governo direitista do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu deixou morrer de inanição. Os homens não fazem a história como querem, mas como podem.

Vídeo:

Vídeo:

Abbas soube distinguir uma coisa da outra ao aceitar que o Conselho de Segurança (CS), o foro por excelência para temas dessa natureza, não decida no calor da hora, mas espere a demanda palestina começar a produzir efeitos que se estendam ao calcinado terreno das negociações. Se o plano de Abbas fosse tudo ou nada, ele insistiria no exame imediato da reivindicação, que os Estados Unidos já anunciaram que vetarão no colegiado -, e deixaria a Cisjordânia ocupada por Israel pegar fogo, com a irrupção de novos protestos turbinados pelo exemplo da primavera árabe. Abbas sabe que os americanos estão jogando pesado nos bastidores para transformar presumíveis votos pró-Palestina em abstenções, a fim de não arcar solitariamente com a responsabilidade de provocar, mais uma vez, a ira muçulmana. Para passar, a iniciativa depende da adesão de 9 dos 15 países com assento no CS, entre membros permanentes com poder de veto (5) e rotativos.

No primeiro grupo, Rússia e China apoiam o pleito palestino, França e Grã-Bretanha tendem a lavar as mãos, EUA e Alemanha se opõem. Na outra bancada, Abbas tem garantidos apenas os votos do Brasil, África do Sul, Índia e Líbano. Para que não consiga os três demais sufrágios que lhe dariam a vitória moral, Washington pressiona duramente Portugal, Nigéria, Bósnia e Gabão a ficar em cima do muro. Dar tempo ao tempo, portanto, interessa ao palestino. O que ele podia querer de imediato já obteve – com a paradoxal ajuda de um presidente Barack Obama ansioso por conservar nas eleições do ano que vem o maciço voto judaico que obteve em 2008.

Ao pronunciar na ONU, anteontem, um discurso cujo facciosismo animou o ultrarradical chanceler israelense Avigdor Lieberman a dizer que o assinaria “com as duas mãos”, Obama vaporizou o que restava da alegação dos EUA de ser um intermediário honesto entre judeus e árabes, e pavimentou o caminho para a remodelagem das negociações de paz. Na sua vez de falar, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, debitou aos EUA os “60 anos de fracasso” das tentativas de resolver o impasse no Oriente Médio e desafiou: “Vamos parar de acreditar que um só país ou pequeno grupo de países pode resolver um problema de tamanha complexidade”.

Para resolvê-lo, não se pode prescindir da Europa nem “do envolvimento dos Estados árabes que já escolheram a paz” – numa alusão ao plano de 2002 da Arábia Saudita, que Israel ignorou. Sarkozy propôs um cronograma rígido para um acordo que acabaria com a ocupação da Cisjordânia e daria à luz o Estado palestino em um ano. Falta combinar com os russos – no caso, os judeus que migraram em massa da ex-União Soviética e empurraram para a extrema direita o pêndulo da política israelense. Avigdor Lieberman, por exemplo, é um deles.

Defendem ardorosamente a colonização da “Judeia e Samaria”, abominam a ideia de devolver Jerusalém Oriental aos palestinos, para ser a sua capital, e dizem que a Palestina deve ficar na Jordânia. Não há diferença essencial entre eles e Netanyahu. Este age como se Abbas pudesse continuar negociando enquanto se expande a ocupação judaica dos territórios. Para os palestinos, equivaleria a discutir como dividir uma pizza com alguém que já começou a comê-la – e não dá sinal de parar.

Fonte: Estadão


Papel do Brasil nos territórios palestinos deve crescer com corte de verba dos EUA

ANÁLISE – ARLENE CLEMESHA – ESPECIAL PARA A FOLHA , é professora de história árabe da USP e diretora do Centro de Estudos Árabes (DLO-FFLCH/USP)

O pedido de ingresso da Palestina na Organização das Nações Unidas, seja como membro pleno ou observador, causou uma quase histeria no mundo diplomático norte-americano.
Se inicialmente a reação parecia exagerada, já que na prática nada muda e o Estado palestino será tão subjugado, dependente, fragmentado e economicamente inviável quanto são os denominados territórios ocupados, logo ficou explicado o motivo do alarme.
Pela primeira vez em 18 anos de “processo de paz”, a Autoridade Nacional Palestina apresenta uma medida que aponta para a retirada da mediação das negociações israelo-palestinas do âmbito exclusivo norte-americano.
A liderança palestina, que por anos aceitou as condições dos EUA para garantir a sobrevivência financeira do seu aparato proto-governamental, finalmente rompe com o já morto “processo de paz” iniciado em 1993 em Oslo, em prol de uma iniciativa diplomática centrada na ONU.
Em segundo lugar, causa constrangimento ao governo israelense o fato de que troca-se não apenas o mediador para a paz, mas, evidentemente, o status do interlocutor palestino.
É inegável que a ousadia da proposta palestina reflete fortemente a conjuntura política em transformação no Oriente Médio. O recente recuo da posição americana na região coincidiu com a construção de alianças por parte da OLP, notadamente entre países da América Latina.
Salvo raras exceções como Colômbia e México, a América Latina hoje fala em uníssono na defesa do reconhecimento da criação do Estado da Palestina.
Desde 2008, 14 dos seus países já subscreveram o reconhecimento.
Na ONU, é significativa a multiplicidade de atores prontos a apoiar a abertura de conversações equilibradas entre Israel e a Palestina.
O Brasil, inclusive, já exerce um papel relevante nos territórios palestinos ao respaldar iniciativas que somam US$ 10 milhões, em ações coordenadas com outros vizinhos latino-americanos, para programas sociais, de saúde, e educação na Cisjordânia e faixa de Gaza.
Diante da possibilidade de uma retaliação norte-americana, com o corte da assistência de US$ 500 milhões por ano aos palestinos, o envolvimento brasileiro poderá adquirir importância ainda maior.

Fonte: Folha de S.Paulo via Resenha

12 Comments

shared on wplocker.com