Defesa & Geopolítica

Transição democrática no Chile ainda não foi completada

Posted by

DO “FINANCIAL TIMES”

Protestos estudantis não constituem novidade no Chile. Mas as manifestações que vêm tomando conta do país –associadas a uma greve geral de dois dias e à sexta semana de greves de fome– não são meras perturbações da ordem juvenis. Neste país largamente visto como modelo, elas trazem à tona uma crise profunda de legitimidade.

A educação é há muitos anos uma mancha na história de sucesso econômico do Chile. Se o crescimento quase ininterrupto visto desde que a ditadura de Augusto Pinochet chegou ao fim vem beneficiando a todos, praticamente não modificou a disparidade insuportável no país. A promessa era que, por meio da educação, os jovens pobres poderiam ter acesso às oportunidades que foram negadas a seus pais.

É uma promessa que o sistema de ensino chileno, notoriamente deficiente, está longe de cumprir. Não devido à forte dependência do sistema sobre instituições privadas, mas porque o Estado gasta menos com o ensino superior, quer seja público ou privado, que qualquer outro país membro da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. O resultado é que uma grande parcela dos estudantes acaba endividada, enquanto as falhas na supervisão permitem que instituições particulares e públicas ofereçam ensino de baixa qualidade que traz poucas recompensas no mercado de trabalho.

O que foi dito até aqui é indiscutível. O governo do presidente Sebastián Piñera vem anuindo à maioria das reivindicações de mais verbas para a educação e ensino de qualidade mais alta. Mas o fato de os protestos não terem sido acalmados antes de chegarem ao atual ponto explosivo revela a incompetência política de Piñera: desde sua popularidade recorde após o resgate dos mineiros no ano passado, seus índices de aprovação caíram para um nível mais baixo que o de qualquer presidente chileno eleito que o antecedeu.

Mas Piñera não é o único culpado por essa situação. A classe política chilena, como um todo, vem deixando de cumprir sua função a contento. O chamado fatídico por um referendo sobre política educacional feito pelos manifestantes –e apoiado por legisladores irresponsáveis– revela a existência de uma crise de representação política. O país continua a ser governado por elites –da direita e da esquerda– cuja capacidade de canalizar as prioridades públicas é vista por muitos com descrédito.

E com boa razão. A política chilena se encontra travada institucionalmente por normas eleitorais que instituem um impasse entre dois blocos; psicologicamente, por ódios que vêm desde o golpe de 1973. Essa fossilização, criada com o objetivo de proteger o programa social e econômico de Pinochet, vem esvaziando a representatividade das instituições do Estado.

Esta crise não vai terminar quando os estudantes voltarem às aulas. Resolvê-la vai exigir uma reforma eleitoral, talvez até mesmo um processo constituinte mais amplo. Os problemas do Chile revelam que a transição no país ainda não está completa; um crescimento econômico constante e regular não é o bastante para pôr fim a divisões sociais.

Tradução de Clara Allain

Fonte: Folha

10 Comments

  1. Se ele ainda ñ tem democracia plena , então ,o q diremos da nossa?

  2. StadeuR says:

    Bom.
    Agora sim está aí um país que interessa ao Brasil e toda a América do Sul.
    Estabilidade econômica/social/educacional, etc,interessa ao bloco américa do Sul.
    Essas fragilidades institucionais não se justificam sob qualquer pretexto, ainda mais quando se fala em democracia, coisa que o Gorbachev reclama pra Rússia e que não existe em lugar nenhum do mundo.
    fatos como esse no Chile ou a crise Venezuelana são um prato cheio para interesses escusos internacionais, que podem aí entrujar um papo ideológico, comprar autoridades e pronto, estaca zero.
    Atenção os que estão em volta, alerta.

  3. Jonnas says:

    100% StadeuR. Chile é exemplo a ser seguido. Estão começando a plantar informações afim de desestruturar a região.

  4. Wi says:

    Desde a queda de Pinochet, todos os governos chilenos foram da “Concertación de Partidos por la Democracia”, de centro esquerda, más o modelo neo liberal implantado não foi alterado.
    .

    Chile foi o laboratório neo liberal dos “Chicago Boys” e Milton Friedman ,
    todos elogiam o Chile, más as reformas radicalmente neo liberais, que foram impostas a ferro e fogo por Pinochet durante a ditadura, promoveram um estado que tem uma assistência mínima aos chilenos sem recursos, serviços pũblicos como saúde, educação e previdência foram privatizados…
    .
    “Os defensores do neoliberalismo apelidaram esse período de “milagre chileno”. Mas as estatísticas frias mostram números pouco milagrosos: durante o regime Pinochet, entre 1972 e 1987, o PNB per capita do Chile caiu 6,4% em dólares constantes, caindo de US$ 3.600 em 1973 para 3.170 em 1993 (dólares constantes). Apenas cinco países da América Latina tiveram, em termos de PNB per capita, um desempenho pior que o do Chile durante a era Pinochet (1974-1989).”Além disto, neste período houve um grande aumento na desigualdade e distribuição da renda e riqueza do país…
    (Wikpédia)
    .
    E a partir da fim da ditadura de Pinochet
    esta desigualdade se manteve:
    .
    *”Se analisarmos o crescimento econômico do Chile desde os anos 90, houve um aumento de riqueza brutal, mas o índice Gini, que mede a desigualdade, não sofreu alterações. Há mais emprego, mas os salários dos mais pobres não aumentaram. E isso gerou uma sensação de descontentamento geral.”
    *(Carta Capital)
    ———————————————
    Piñera, o primeiro presidente de direita neo liberal, eleito desde 1990, tentou voltar a implementar e aprofundar uma agenda seguindo sua ideologia neo liberal, más os chilenos querem justamente o contrário…
    .
    Que ninguém se engane, os chilenos tem seus motivos, especialmente econômicos, para estarem há 3 meses promovendo greves!

  5. Wi says:

    “O Chile de Pinochet seguiu a risca o corolário neoliberal propagandeado pelos organismos internacionais para educação. Em 1981, a reforma educacional extinguiu a gratuidade da educação, reduzindo os investimentos nas Universidades Estatais que não são mais gratuitas e estimulou a criação das universidades privadas associadas aos créditos educativos que tem juros de mercado para financiar a educação superior.”
    .
    Em 30 anos de aprofundamento, o neoliberalismo educacional chileno fez com que 43% das escolas sejam gerenciadas através da iniciativa privada, através de empresas ou organizações religiosas.
    .
    Somado a esse quadro de privatização brutal da educação ainda temos a desigualdade da qualidade da educação: as escolas da periferia são de péssima qualidade com debilidade na formação educacional.
    .
    “Apenas 26% da população apoio o governo, 56% desaprova. Rejeição histórica no Chile. Além disso, apenas 17% confiam na Consertación apesar de Blachelet estar bem localizada na pesquisa. De qualquer forma a consciência de que a direita tradicional e a Consertación são iguais esta presente em todas as análises dos jovens universitários e secundaristas que entrevistei e conversei.”
    .
    (Por Fernanda Melchionna)

  6. Dandolo says:

    Desconfio, de que o populismo incompetente e corrupto latino-americano tomou conta do Chile. Só vejo um regime decente e eficiente no mundo: O Regime da China. Os chineses sabem escolher muito bem os seus políticos, e eliminar os corruptos e assassinos. Esse é o caminho do sucesso.
    O povo ignorante não tem condições de discernir entre o bom e o mau político.

  7. Jonnas says:

    Que isto! Dandolo. Exemplo o governo da China?.. Lá blogs como este são censurados!

  8. robertobozzo says:

    O Chile é um modelo a ser seguido em muitos aspectos, principalmente democracia. este artigo para ser mais contrainformação do que outra coisa.
    Aliás sou a favor de privatizar as universidades do Brasil também, é um enorme cabide de empregos, onde só entra quem estudou em escola particular boa, a grande maioria da população que quer cursar o nível superior tem de pagar. Com programas como o FIES, por exemplo, todos teriam acesso a educação a custos baixos.
    Mas sei que vão falar que sou de direita, que isso é um absurdo, etc…

  9. KHANN says:

    Por mim só estudaria em universidades públicas os que vem da educação pública……o resto, se tem dinheiro para bancar estudo particular, que pague uma universidade privada…..

  10. leonardo_sp says:

    digo o mesmo caro amigo carlos argus.

shared on wplocker.com