Defesa & Geopolítica

Transição democrática no Chile ainda não foi completada

Posted by

DO “FINANCIAL TIMES”

Protestos estudantis não constituem novidade no Chile. Mas as manifestações que vêm tomando conta do país –associadas a uma greve geral de dois dias e à sexta semana de greves de fome– não são meras perturbações da ordem juvenis. Neste país largamente visto como modelo, elas trazem à tona uma crise profunda de legitimidade.

A educação é há muitos anos uma mancha na história de sucesso econômico do Chile. Se o crescimento quase ininterrupto visto desde que a ditadura de Augusto Pinochet chegou ao fim vem beneficiando a todos, praticamente não modificou a disparidade insuportável no país. A promessa era que, por meio da educação, os jovens pobres poderiam ter acesso às oportunidades que foram negadas a seus pais.

É uma promessa que o sistema de ensino chileno, notoriamente deficiente, está longe de cumprir. Não devido à forte dependência do sistema sobre instituições privadas, mas porque o Estado gasta menos com o ensino superior, quer seja público ou privado, que qualquer outro país membro da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. O resultado é que uma grande parcela dos estudantes acaba endividada, enquanto as falhas na supervisão permitem que instituições particulares e públicas ofereçam ensino de baixa qualidade que traz poucas recompensas no mercado de trabalho.

O que foi dito até aqui é indiscutível. O governo do presidente Sebastián Piñera vem anuindo à maioria das reivindicações de mais verbas para a educação e ensino de qualidade mais alta. Mas o fato de os protestos não terem sido acalmados antes de chegarem ao atual ponto explosivo revela a incompetência política de Piñera: desde sua popularidade recorde após o resgate dos mineiros no ano passado, seus índices de aprovação caíram para um nível mais baixo que o de qualquer presidente chileno eleito que o antecedeu.

Mas Piñera não é o único culpado por essa situação. A classe política chilena, como um todo, vem deixando de cumprir sua função a contento. O chamado fatídico por um referendo sobre política educacional feito pelos manifestantes –e apoiado por legisladores irresponsáveis– revela a existência de uma crise de representação política. O país continua a ser governado por elites –da direita e da esquerda– cuja capacidade de canalizar as prioridades públicas é vista por muitos com descrédito.

E com boa razão. A política chilena se encontra travada institucionalmente por normas eleitorais que instituem um impasse entre dois blocos; psicologicamente, por ódios que vêm desde o golpe de 1973. Essa fossilização, criada com o objetivo de proteger o programa social e econômico de Pinochet, vem esvaziando a representatividade das instituições do Estado.

Esta crise não vai terminar quando os estudantes voltarem às aulas. Resolvê-la vai exigir uma reforma eleitoral, talvez até mesmo um processo constituinte mais amplo. Os problemas do Chile revelam que a transição no país ainda não está completa; um crescimento econômico constante e regular não é o bastante para pôr fim a divisões sociais.

Tradução de Clara Allain

Fonte: Folha

10 Comments

shared on wplocker.com