Defesa & Geopolítica

Celso Amorim quer aproximação com América do Sul e África

Posted by

Ministro da Defesa, Celso Amorim

EFE – O novo ministro da Defesa, Celso Amorim, tomou posse do cargo nesta segunda-feira e afirmou que vai promover uma maior aproximação do Brasil com o resto da América do Sul e com a África.

“Queremos valorizar o Conselho Sul-Americano de Defesa e aumentar a cooperação com os países da região. Também queremos estreitar relações com os países africanos e transformar o Atlântico Sul em uma região de paz e livre de armas de destruição em massa, especialmente nucleares”, disse o ministro em seu discurso.

Amorim foi nomeado depois que seu antecessor, Nelson Jobim, renunciou na semana passada em razão da divulgação de declarações polêmicas atribuídas a ele nas quais criticava vários companheiros de Governo.

O novo ministro declarou que vai manter a mesma linha na política de Defesa e assegurou que atuará com “espírito crítico” e estará “atento” para aplicar “ajustes”, mas admitiu que existem importantes limitações orçamentárias.

Amorim considerou que as “carências” das Forças Armadas ainda impedem a criação de um “efeito dissuasório” em potenciais inimigos que pudessem estar interessados nas riquezas do país, entre as quais citou o petróleo, a água e a Amazônia.

“Não se pode confundir um país pacífico com um desarmado e indefeso. Temos enormes riquezas e infraestruturas de grandes dimensões e o Estado deve resguardar as fronteiras e proteger seus recursos naturais”, ressaltou.

O novo titular da Defesa também destacou que realizará um esforço para fortalecer a indústria militar do país e renovar a tecnologia bélica.

A presidente Dilma Rousseff afirmou em seu discurso que escolheu Amorim com a certeza que o ministro vai imprimir “velocidade e solidez” à estratégia da Defesa.

Dilma também destacou a “disciplina e o respeito à hierarquia” de Amorim, qualidades que disse ter demonstrado como chanceler, cargo que ocupou em dois períodos, entre 1993 e 1995 e entre 2003 e 2010.

“O Brasil foi elevado à protagonista com voz ativa nos fóruns internacionais e é dono de seu próprio destino (…) Amorim está talhado para esta nova fase na qual o Brasil está com a cabeça erguida e é consciente de sua soberania”, declarou a presidente.

Além disso, Dilma considerou que durante seu mandato, Amorim enfrentará questões estratégicas que incluem negociações de compra de armamento e tecnologia bélica.

Celso Amorim toma posse como novo ministro da Defesa

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

O novo ministro da Defesa, Celso Amorim, tomou posse nesta segunda-feira (8), em Brasília. “Sou grato pela confiança”, disse em discurso. O novo ministro disse que está no cargo “mais para ouvir do que para falar”. Amorim elogiou os militares e ressaltou valores como respeito à hierarquia e nacionalismo.

Amorim disse ainda que apesar de ser um país pacífico, o Brasil não pode ser confundido como ‘desarmado’. O ministro ressaltou que é necessário cuidar das riquezas naturais –citando inclusive o petróleo da camada pré-sal– e preservar as fronteiras terrestres e marítimas. Amorim afirmou que a crescente influência do Brasil no plano político deve ser acompanhado de perto por um plano de defesa. O novo ministro disse ainda que o país deve continuar dando respaldo às ações da ONU.

Amorim foi indicado para a vaga na quinta-feira (4) para substituir Nelson Jobim. O diplomata Celso Amorim, 69, filiou-se recentemente ao PT e serviu como chanceler nos dois mandatos (2003-2010) de Luiz Inácio Lula da Silva no Palácio do Planalto. Defensor de uma política externa mais ideológica, ele colecionou conquistas e adversários que não chegaram a comover a presidente Dilma Rousseff a mantê-lo no cargo no início deste ano.

Formado diplomata pelo Instituto Rio Branco em 1965, a primeira passagem de Amorim como chanceler veio entre 1993 e 1995, no governo Itamar Franco. Na gestão de Fernando Henrique Cardoso, tornou-se chefe da missão diplomática brasileira nas Nações Unidas. Mais tarde, seria transferido para Genebra, na Suíça, e terminaria, em 2001, como embaixador no Reino Unido.

Depois da vitória de Lula, foi o único peemedebista convidado a integrar o governo –embora seus vínculos com o partido nunca tenham sido intensos. No Itamaraty, Amorim se disse defensor de uma política externa “altiva”. Ao final de sua passagem pelo cargo, o Brasil tinha se tornado um ator mais importante em questões globais, mas também tinha se aproximado de dezenas de países que desrespeitam direitos humanos.

Nos seus oito anos como ministro de Lula, Amorim teve maior destaque nas negociações entre Brasil e Turquia com o Irã para que a teocracia islâmica desse mais garantias sobre seu programa nuclear. Apesar de os três países terem fechado um acordo, as potências do Ocidente não confiaram nas intenções do presidente Mahmoud Ahmadinejad, que, apesar de muitas declarações antissemitas, tornou-se o primeiro mandatário de Teerã a visitar o Brasil.

Caças e comércio

Amorim trabalhou como chanceler em um dos assuntos mais espinhosos para o Ministério da Defesa: a substituição dos aviões militares brasileiros, em um programa bilionário. O então chanceler foi artífice de um acordo com a França, para que os caças Dassault e submarinos do país europeu fossem adquiridos pelo Brasil, em detrimento dos concorrentes norte-americanos.

Além disso, ele teve como sucesso a ampliação do comércio do Brasil com regiões antes negligenciadas, como África e Oriente Médio. Ao mesmo tempo, o país aumentou suas exportações para países desenvolvidos e para a China. As relações com os vizinhos sul-americano ganharam um tom controverso, no qual o Brasil se tornava a principal potência da região, mas tolerava excessos, muitas vezes envolvendo ativos brasileiros, dos presidentes da Bolívia, Evo Morales, da Venezuela, Hugo Chávez, e do Paraguai, Fernando Lugo.

Ao sair do Ministério das Relações Exteriores, Amorim declarou que o Brasil precisava de um chanceler com perfil mais negociador para os próximos anos, cheios de contenciosos no âmbito da OMC (Organização Mundial do Comércio). Dilma optou por Antonio Patriota, também funcionário de carreira, mas menos ligados a posições partidárias, como era o antecessor.

*Com informações de Maurício Savarese

Celso Amorim quer aproximação com América do Sul e África Fonte:  UOL

Celso Amorim toma posse como novo ministro da Defesa Fonte:  UOL

26 Comments

shared on wplocker.com