Defesa & Geopolítica

Rapidinhas Defesa e Geoestratégia

Posted by

Governo cria secretaria para cuidar da segurança de grandes eventos que serão sediados no Brasil

O governo federal instituiu a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, que ficará responsável pela coordenação de ações de segurança em eventos como a Rio 20, em 2012, a Copa das Confederações, em 2013, a Copa do Mundo, em 2014, e outros eventos que venham a ser designados pela presidente Dilma Rousseff. O decreto que cria a secretaria dentro da estrutura do Ministério da Justiça foi publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira e estabelece ainda que ela será extinta em 31 de julho de 2015, um ano antes das Olimpíadas de 2016, no Rio.

Segundo o governo federal, a nova secretaria terá orçamento próprio e buscará a integração com os órgãos estaduais e municipais. Ainda de acordo com o governo federal, o Distrito Federal e os 11 estados que vão receber jogos da Copa de 2014 já foram ouvidos e apresentaram suas necessidades, a serem analisadas pela secretaria, pelo Ministério do Planejamento e pelo Grupo Executivo da Copa (Gecopa).

Fonte: OGlobo

Mediação do Brasil é vista com ceticismo

A missão planejada por autoridades do Brasil, Índia e África do Sul para dialogar nas próximas duas semanas com Bashar Assad e pressioná-lo a conter a violência é vista com ceticismo pelos EUA e outras potências ocidentais. A secretária de Estado Hillary Clinton disse ontem e diplomatas afirmaram ao Estado, que o ideal seria usar o Conselho de Segurança da ONU para pressionar o regime de Damasco.

Há também o temor de que Assad use mais uma vez o Brasil como arma na sua guerra de propaganda. Há algumas semanas, a imprensa pró-regime em Damasco deu destaque a afirmações do ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, dizendo que existe intenção de reformas por parte do governo sírio, omitindo as críticas do chanceler brasileiro à violência no país. Há ainda uma relutância dos membros permanentes do CS em ver o Brasil como ator global, tentando participar de negociações com a Síria agora e com o Irã, no ano passado. Os brasileiros seriam bons para crises na América Latina. Para o Oriente Médio, as potências ocidentais acham mais relevante o papel da Turquia, atualmente fora do CS, mas ativa na crise síria.

Fonte: Estadão

Crise de confiança

ELIANE CANTANHÊDE

BRASÍLIA – Aconteceu o que todos previam: no último minuto, os republicanos cederam e fez-se a luz. O Congresso norte-americano deu sobrevida ao império e evitou um calote que empurraria o mundo para a penumbra da incerteza.
O alívio, porém, não resolve a questão da confiança, apenas mantém a maior potência sob incógnita e esvazia mais e mais a esperança que não apenas os eleitores dos Estados Unidos, mas governos e cidadãos de todo o mundo depositaram em Barack Obama.

Fonte: Folha de S.Paulo

Forças navais mais equipadas

O Comandante da Marinha, Almirante Vladimir Vissotsky, informou à agência Interfax que até 2020, o Programa Estatal de Armamentos vai equipar as forças navais da Rússia com 40 novos navios de diferentes classes.

Por sua vez, o Presidente da Corporação Unificada de Construção Naval, Roman Trotsenko, informou que este mesmo Programa avalia em 3 a 4 trilhões de rublos, aproximadamente entre 170 e 220 bilhões de reais, os recursos financeiros necessários à compra de armamentos e equipamentos militares.

Fonte: DiáriodaRússia

12 Comments

shared on wplocker.com