Defesa & Geopolítica

Obama decide deixar o Afeganistão e reconstruir os EUA

Posted by

http://antinatoportugal.files.wordpress.com/2010/10/fim-longinquo-guerra-iraque-e-afeganistao.jpg

Casa Branca percebeu que não dá para manter uma guerra custuosa no meio de uma grave crise econômica

Por Gerhard Spörl do Der Spiegel

Estradas no Kentucky, não em Cabul. Com a profunda crise econômica nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama começa a mudar as prioridades, do envolvimento dispendioso em guerras externas ao desenvolvimento do país. O ex-secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, não hesitava em admitir que estava cansado da função para a qual foi chamado no fim de 2006.

Ele ajudou a repatriar as tropas americanas do Iraque e, embora tenha a impressão de que possa ser um pouco prematuro, também aprova o programa que trará de volta os soldados americanos do Afeganistão.

Gates trabalhou com dois presidentes que não poderiam seguir linhas mais diferentes: George W. Bush e Barack Obama. No entanto, sua reputação continua não apenas intacta, como excelente. Embora esteja com 67 anos, não sofreu o desgaste do cargo.

Então, por que decidiu deixar o governo? “Para dizer a verdade”, disse ele em recente entrevista concedida à revista Newsweek, “uma das várias razões pelas quais está na hora de me aposentar é que, francamente, não posso me imaginar fazendo parte de uma nação, parte de um governo, que está sendo obrigado a reduzir drasticamente o nosso envolvimento com o resto do mundo”.

Gates se aposenta com uma nota de melancolia, porque acredita no mandato histórico do seu país de tornar o mundo um lugar melhor. Na sua opinião, o que ocorreu no Vietnã, ocorre agora no Afeganistão. “Chegamos muito tarde nesse jogo”, afirmou. Entretanto, Gates não diz se acha que agora é muito tarde para vencer a guerra afegã nem se a missão poderia ter sido bem-sucedida.

Sonhos caros. Em sua maioria, os americanos mostram a mesma ambivalência do ex-secretário da Defesa a respeito do Afeganistão. Eles acreditam que, na esteira de 11 de Setembro, a derrubada do regime do Taleban e a caça à Al-Qaeda foi a coisa certa a fazer. Evidentemente, era perfeito imaginar que o Afeganistão, um país pobre que se desintegrou no tribalismo e se tornou presa de déspotas, poderia se desenvolver de algum modo.

No entanto, a guerra completa dez anos a um custo de US$ 2 bilhões por semana. Agora, a Casa Branca começa a corrigir as suas prioridades para se conformar à convicção geral de que, se Washington deve se envolver em um esforço de reconstrução, que seja nos EUA, onde é urgentemente necessário.

Os EUA continuam atolados na crise econômica. O país, que procurou se reinventar tantas vezes, enfrenta dificuldades. Três anos depois do colapso do banco de investimentos Lehman Brothers, o desemprego continua elevado, 9%, segundo a taxa oficial, mas 16% pela não oficial.

O crescimento se arrasta a menos de 2% e o ônus da dívida interna cresce diariamente nada menos do que US$ 4, 38 bilhões. Muitas cidades estão tão quebradas que estradas e pontes se encontram em condições precárias e algumas áreas do país já se parecem com o Terceiro Mundo.

Um declínio dessas proporções é raro na história americana. Entretanto, a superpotência mordeu mais do que podia mastigar. Agora, sofre as consequências.

Prioridades internas. Essa mudança de atitude no país chega a Washington e aos partidos políticos. De repente, começaram a ocorrer coisas espantosas. Acabaram-se os dias em que democratas e republicanos se enfrentavam com uma agressividade cruel.

Na realidade, agora os dois partidos concordam surpreendentemente na questão do Afeganistão e com a necessidade de estabelecer novas prioridades. No entanto, um projeto de lei que prevê a rápida retirada das tropas americanas, recentemente, não passou na Câmara dos Deputados, ainda que por pequena margem. Logo em seguida, um grupo de 27 senadores de ambos os partidos escreveu uma carta ao presidente pedindo uma retirada mais rápida e um rompimento mais nítido.

A maré mudou

. Alguns republicanos, aparentemente mais prudentes, que esperam concorrer contra o presidente em 2012, competem entre si com pedidos de redução gradativa do envolvimento da superpotência em regiões longínquas do planeta.

Na realidade, o Iraque e o Afeganistão, agora, dividem o Partido Republicano no que se refere à influência dos EUA no mundo, como aconteceu com o Partido Democrata a respeito do Vietnã, há várias décadas.

Agora, a cisão facilita o início da retirada do Afeganistão para o presidente Obama. Na semana passada, ele precisou de apenas 15 minutos para pronunciar um discurso de repercussão histórica.

“Americanos,” conclamou o presidente, “chegou o momento de cuidarmos da reconstrução de nosso país”. A nova prioridade será a construção de estradas em Kentucky,e não em Cabul, de pontes na Califórnia, não em Kandahar.

A guerra no Afeganistão foi a mais longa em termos de envolvimento americano. Começou no outono de 2001, semanas depois dos ataques em Nova York e em Washington, e está quase no fim. Em setembro de 2012, os 33 mil soldados que foram enviados ao Afeganistão há apenas um ano e meio, voltarão para casa. As tropas restantes serão repatriadas gradativamente até 2014, encerrando o compromisso militar dos EUA no país.

A superpotência começou também a reduzir seu zelo missionário. “Não tentaremos tornar o Afeganistão um lugar perfeito”, disse Obama no discurso. “Não policiaremos suas ruas nem patrulharemos indefinidamente suas montanhas. Isto é responsabilidade do governo afegão, que deverá aumentar sua capacidade de proteger o seu povo.”

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, que o governo Obama não considera confiável, respondeu com magnanimidade ao discurso, definindo o anúncio um “momento de felicidade para o Afeganistão” e dizendo que Obama tomou a decisão certa para ambos os países. “A confiança do povo afegão no Exército e na polícia afegãos cresce dia a dia”, disse Karzai. “E a preservação deste país cabe aos afegãos.” Se isto fosse verdade, o Afeganistão estaria agora numa ótima situação.

Retorno ao começo. O presidente Obama fechou o círculo e agora retorna ao ponto de partida. Embora inicialmente seu objetivo fosse acabar com a guerra no Afeganistão, teve de ceder às pressões da alta cúpula militar. Há um ano e meio, ele elaborou uma estratégia que previa dois compromissos: o envio de mais de 30 mil soldados e sua retirada até julho de 2011. Um dia, os historiadores dirão se Obama acreditava realmente que seria possível virar os destinos da guerra ou se procurava apenas uma maneira de sair de uma situação complicada.

Tendo conseguido melhorar a situação no Iraque, o general David Petraeus foi enviado ao Afeganistão para fazer o mesmo, na qualidade de comandante da Força Internacional de Segurança (Isaf). No entanto, em vez de resolver o problema do Afeganistão, Petraeus se desgastou totalmente.

Não surpreende que ele se opusesse à redução das tropas e tenha feito o possível para que um público cada vez maior fosse posto a par das suas objeções. Petraeus será um dos primeiros a sair do Afeganistão e retornará a Washington para assumir um novo cargo, o de diretor da CIA. De acordo com o ponto de vista de Obama, a transferência é necessária. Petraeus é um general para a guerra, não para retiradas.

O presidente poderá encerrar definitivamente o envolvimento no Afeganistão por uma razão simples: a morte do líder e fundador da Al-Qaeda, Osama bin Laden, proporcionou aos americanos uma sensação de satisfação e afugentou as suspeitas de que Obama fosse excessivamente permissivo para o seu cargo.

Os democratas, que por tradição adotam uma atitude mais cética em relação à guerra, estão evidentemente satisfeitos com a decisão de Obama e ficariam ainda mais felizes com uma retirada mais acelerada.

Os republicanos, de sua parte, agora estão enrascados numa disputa interna para decidir qual deveria ser a sua posição em relação ao Afeganistão e ao curso que os EUA deveriam seguir.

Os falcões são liderados pelos senador John McCain, de 74 anos, herói de guerra e veterano do Vietnã que perdeu as eleições presidenciais para Obama. McCain voltou à arena política para pregar a sua mensagem pelo rádio e pela televisão. “Acho que abandonar o Afeganistão à mercê do Taleban e dos extremistas radicais islâmicos seria repetir os erros que o país já cometeu antes. Recentemente, em entrevista à jornalista Christiane Amanpour no programa This Week, o senador disse que “é crucial manter o curso inicial”.

Essas palavras não eram dirigidas apenas a Obama, mas, talvez até mais, ao próprio partido de McCain. Quando discutiu o fato de alguns candidatos presidenciais serem favoráveis a acelerar a retirada das tropas, ele criticou o que chamou de “isolacionismo”. “Sempre houve uma veia isolacionista no Partido Republicano, mas agora parece que está se deslocando para o centro.”

Candidatos republicanos. No entanto, embora McCain fale de um centro, o principal problema dos republicanos é que o partido não tem nem um centro nem políticos de destaque. O que tem são candidatos presidenciais, como Mitt Romney, para quem a política externa está sempre submetida a considerações populistas internas.

“Está na hora de trazermos nossos soldados para casa o mais cedo possível”, disse Romney. “Somente os afegãos podem tornar o Afeganistão independente do Taleban.”

Comentando a questão da guerra afegã, Newt Gingrich, o mais exibicionista dos candidatos republicanos, disse sucintamente: “O custo é sempre o problema principal”. Ron Paul, um dos preferidos do movimento conservador do Tea Party, defende o fim imediato das atividades militares americanas no Iraque, Afeganistão e Líbia.

Nessas declarações é difícil distinguir entre convicção e oportunismo. As pesquisas indicam que 55% dos eleitores republicanos acreditam que os EUA “deveriam se preocupar menos com os problemas internacionais e tratar mais dos problemas internos”.

As agências atribuem essa mudança do lado conservador, que votou por duas vezes em George W. Bush, ao “efeito da recessão”. Em outras palavras, na opinião desse eleitorado, o isolacionismo é uma consequência da crise econômica.

O próprio Tea Party, o movimento das bases profundamente conservadoras que exerce grande influência entre os republicanos, também pode ser caracterizado como um efeito da recessão. Embora não seja absolutamente monolítico, o grupo defende uma crença fundamental: os EUA em primeiro lugar e por uma margem muito grande.

Retirada americana. Na realidade, a política externa americana sempre se dividiu em dois campos: o dos isolacionistas, que queriam evitar os conflitos com o resto do mundo, e o dos internacionalistas, que queriam firmar a posição dos EUA no exterior.

Obama não é, de modo algum, um isolacionista. Ele é, principalmente, uma pessoa que trabalha sem atropelos. No entanto, com o país mergulhado na crise, manter duas guerras de uma vez é um luxo que a nação não pode se permitir.

A mensagem do presidente é que seu país terá de tirar lições dolorosas de sua guerra mais longa. E o processo já começou.

Fonte: Estadão

22 Comments

  1. Gabriel Lima says:

    DEIXA O PAIS MAIS NAUM DEIXA SUAS BASES ESTRATÉGICA QUE LA ESTÃO…

  2. Jonnas says:

    Criaram um novo vietnã! E tambem ressuscitaram Osama de novo! Para matá-lo de novo! E vamos lá! Por enquanto as estorinhas tão “colando”! >0 “”falta matar todos da AlQaeda!””

  3. dhou says:

    que tragedia,a vingança a Deus pertense.

  4. Dandolo says:

    O problema, é que o Irã está caminhando para ser o segundo Paquistão,que é nuclear. Depois o Iraque se une ao Irã, Paquistão e Afeganistão.
    Os americanos sabem, que o petróleo não vai servir para mais nada, já que a água pode ser dissociada em O e H, através da energia fotovoltaica. Os EUA são um país plutocratas, e qualquer hora o povo americano vai se revoltar para exigir uma melhor distribuição de renda.
    Estou achando que a Europa abandonou os EUA devido a crise econômica mundial. Cada um por si.
    Por que os EUA vão lutar contra Kadafi, se há países europeus que aceitam monarquias e outras ditaduras ? Qual é a lógica de tudo isso ?
    As empresas de armamentos americanas não vão aceitar que OBAMA pare com as guerras externas. Dizem que o assassinato de Kennedy foi porque ele não queria a Guerra do Vietnã.
    Os EUA é um país perigoso para ele mesmo.

  5. Dandolo says:

    Pode ser que os americanos queiram poupar recursos, para invadir outro país, ou se prepararem para a III GM.

  6. RtadeuR says:

    Não há muito a comentar pois os EUA prepararam sua cama,deitaram nela e agora está na hora de acordar.
    Sua fama é terrível, pobre Obama sua missão não será fácil. Tá aí um comentário de uma pessoa considerada polêmica mas… vamos torcer pra eles.
    —————-
    http://www.youtube.com/watch?v=gXGq9v8ylgA

  7. KLM says:

    Veja so Venezuela fazendo Obra de caridade la na America dando free natural Gas pro povo dila nao morre de frio no winter e o povo querendo ser xerife no Afeganistao
    o Interesante de tudo que mais uma Guerra perdida pra ARMY OF 1 🙁

  8. leonardo_sp says:

    é por isso que acho que os EUA nao vai deixar de ser uma potencia , porem vai perder bastante de seu “espaço” no mundo.(o papel cabera a cada potencia regional).
    espero que o brasil daqui uns 100 anos esteja preparado para isso (rsrs), porque no momento estamos igual(e pior) aos EUA, tendo e muito que cuidar dos nossos problemas internos ao inves dos externos.

  9. leonardo_sp says:

    “que os EUA nao VÃO deixar” , desculpem errei.

  10. Os E.U.A sabe que tem que sair dessa guerra rapidamente, ta gastando muito dinheiro.

  11. Alexandre says:

    É o que comentei no post anterior, estão num beco sem saída, é melhor recuar, pagar seus débitos, arrumar a casa , gerar empregos e depois pensar em guerras. O bom para o Brasil é que fica distante qualquer aventura por aqui, primeiro eles se recuperam, depois tem coreia e Irã, depois é que podem pensar no Brasil, bote ai uns 20 anos pelo menos, da tempo do Brasil se armar.

  12. silva says:

    o resumo da opera e um seguinte invadiram nao conseguiu vencer o ininmigo que ta la e quando eles sai vao tomar o controle, e sairam porque nao tem mas tanto dinheiro para bancar guerras na casa dos outros.

  13. Depois de exaustivas pesquisas, td a equuipe q levou essa conclusão ao obama , será indicada ao PW NOBEL.E fizeram td esse descoberta sózinhos, ninguém os ajudou…continuem, será só + uns deficits econômicos…fikem. Sds.

  14. lucena says:

    O CIDADÃO AMERICANO AGRADECE POR ISSO…E O MUNDO TAMBÉM
    .
    .

    “(…)”No entanto, a guerra completa dez anos a um custo de US$ 2 bilhões por semana. Agora, a Casa Branca começa a corrigir as suas prioridades para se conformar à convicção geral de que, se Washington deve se envolver em um esforço de reconstrução, que seja nos EUA, onde é urgentemente necessário(…)”

    ********
    .
    O que eles gastam destruindo o que dos outros,dava para fazer a vida do trabalhador americano mais próspera.
    .
    Espero que o cassino da máfia financeira internacional, não atrapalhe os sonhos dos verdadeiros americanos,o povão que assim com cá,são massacrados pela ganância dos barões capitalistas.

  15. aurelio says:

    Demoraram a entender. Vamos ver se ainda vão a tempo

  16. Bosco says:

    É uma pena que o país ficará do mesmo jeito.
    Apesar dos antiamericanos darem pulinhos de alegria, quem perde é o povo afegão que não sairá da idade média e voltará a ser entregue a um bando de malucos sádicos que usam a desculpa de serem fundamentalistas para cometerem as mais hediondas barbáries.
    Mas como diz o velho e sábio ditado, “pimenta no fiofó dos outros é refresco” e não será a saga do povo afegão que irá deixar a turma do Grêmio Estudantil Che Guevara menos feliz por essa “derrota” americana, mas com certeza nenhum deles irá mandar a filha ou o filho passar as férias de final de ano lá, assim como não mandavam antes dos americanos chegarem.
    Hipócritas!
    Seria cômico se não fosse trágico.

  17. Rafael-JF says:

    iiiii, VAI-SE EMBORA O TUCANO,,, junto com os soldados americanos
    Então essa a Embraer perdeu….

  18. lucena says:

    Depois que Deus,já no sexto dia,criou o mundo e fora descansar; e coube aos americanos de cuida-lo enquanto Santo passe as merecidas férias….”
    .
    .
    É com esse pensamento, que muitos acham que cabe aos americanos a orientar os demais o caminho certo,o contribuinte americano sente bem no seu sofrido bolso a tremenda incumbência “divina”,afinal de contas como o cidadão disse aqui,”pimenta no fiofo dos outros é colírio”,no caso aqui é o bolso._Rsrsrs…
    .
    Quando se achavam, em um passado não muito distante, que os americanos eram os donos da verdade absoluta, já essa idéia nascera estupidamente ridícula; imagine essa velharia em pleno século 21_Rsrsssss….
    .
    Hoje, nem lá como se pode observar pelos últimos acontecimento nos EUA eles pensam assim.
    O povo americano não quer mais pagar o pau pelos outros;eles estão certos,essa de herói o cemitério esta cheio deles e lá herói em cemitério não falta,todos cemitério americanos estão lotas de herói.
    .
    .
    Já que alguns adoram em viver do passado,é de lá que mando essa informação sobre o quanto o governo americano é comprometido com a liberdade ;
    .

    Ecos da IIª Guerra Mundial – EUA recrutaram nazistas após 2ª Guerra, revelam documentos
    .
    ”(…)Relatório sobre crimes nazistas mostra que inteligência americana ajudou veteranos da SS e colaboradores a se livrar de condenação(…)”
    .
    http://www.defesanet.com.br/geopolitica/noticia/1388/Ecos-da-II%C2%AA-Guerra-Mundial—EUA-recrutaram-nazistas-apos-2%C2%AA-Guerra–revelam-documentos
    .
    .
    Provavelmente Ari Barroso,lá no céu juntos com anjinhos,está cantando a linda canção para o amado santos em sua divina férias:
    .
    .
    ”(…) Ô abre a cortina do passado
    Tira a mãe preta do serrado
    Bota o rei congo no congado
    Brasil, Brasil! deixa cantar de novo o trovador
    A merencória luz da lua
    Toda cação do meu amor…
    Quero ver a Sá Dona caminhando
    Pelos salões arrastando
    O seu vestido rendado
    Brasil!… Brasil! Prá mim … Prá mim! (…)”

  19. Alexandre says:

    É isso ai lucena, já diz o ditado, uma coisa é uma coisa , outra coisa é outra coisa totalmente diferente, o povo americano é um povo trabalhador e decente, são inteligentes e capazes e há anos enterram os seus filhos em guerras absurdas que só servem ao Establishment americano, e não apenas enterram seus filhos, mas tb pagam com o bolso para manter a riqueza dos donos do petróleo e da guerra. Achar que os yanques mantém uma guerra no afeganistão por motivos humanitários mostra o quanto uma pessoa pode se tornar ignorante depois de ter sido competentemente alienado, será que eles colocaram os ditadores no oriente médio ao longo de 40 anos tb para proteger o povo da região? é fácil chamar de esquerdistas ou outro nomes as pessoas que teêm uma visão maior do mundo, já votei no FHC e no Lula, meus filhos vão para a Disney ano que vem, mas não sou um alienado ignorante.

  20. lucena says:

    ”pimenta no fiofo dos outros é colírio”
    .
    .
    VIIIIIIIIIXE seu menino, erre de remédio!_Hahaha….
    .
    .Essa música eu mando a todos os brasileiro com S bem maiúsco
    .
    .
    Dias Melhores
    Jota Quest
    Composição: Rogério Flausino

    .

    Vivemos esperando
    Dias melhores
    Dias de paz, dias a mais
    Dias que não deixaremos
    Para trás
    Oh! Oh! Oh! Oh!…
    Vivemos esperando
    O dia em que
    Seremos melhores
    (Melhores! Melhores!)
    Melhores no amor
    Melhores na dor
    Melhores em tudo

    Oh! Oh! Oh!…
    Vivemos esperando
    O dia em que seremos
    Para sempre
    Vivemos esperando
    Oh! Oh! Oh!
    Dias melhores prá sempre
    Dias melhores prá sempre
    (Prá sempre!)…
    Vivemos esperando
    Dias melhores
    (Melhores! Melhores!)
    Dias de paz
    Dias a mais
    Dias que não deixaremos
    Para trás
    Oh! Oh! Oh!…
    Vivemos esperando
    O dia em que
    Seremos melhores
    (Melhores! Melhores!)
    Melhores no amor
    Melhores na dor
    Melhores em tudo
    Oh! Oh! Oh!…
    Vivemos esperando
    O dia em que seremos
    Para sempre
    Vivemos esperando
    Oh! Oh! Oh!…
    Dias melhores
    Prá sempre…(4x)
    Uh! Uh! Uh! Oh! Oh!
    Prá sempre!
    Sempre! Sempre! Sempre!.

shared on wplocker.com