Defesa & Geopolítica

Vice-premiê britânico defende vaga fixa ao Brasil no Conselho de Segurança e afirma Brasil é "superpotência ambiental"

Posted by

http://www.jornalagora.com.br/uploads/galeria_fotos/9105_zoom.jpg

João Fellet

Da BBC Brasil em Brasília

O vice-premiê britânico, Nick Clegg, defendeu nesta terça-feira em Brasília que o Conselho de Segurança da ONU seja reformado e que o Brasil ganhe um assento permanente no órgão.

“Grandes passos foram dados para estabelecer a cooperação multilateral nos últimos 60 anos, mas a realidade é que, a menos que novos atores sejam trazidos inteiramente para o sistema multilateral, eles crescentemente procurarão por outras formas de operar”, declarou Clegg, em discurso para diplomatas brasileiros no Instituto Rio Branco.

“É por isso que ativamente apoiamos uma cadeira permanente para o Brasil no Conselho de Segurança da ONU.”

A vaga permanente, atualmente de posse apenas de Grã-Bretanha, Rússia, China, EUA e França, é uma antiga aspiração do Brasil, e a declaração de Clegg tem cunho majoritariamente simbólico, já que mudanças no Conselho de Segurança dependeriam de uma reforma da ONU.

O vice-premiê, número dois na hierarquia do governo britânico, esteve acompanhado em sua visita por representantes de universidades e de ministros das áreas de Esporte, Cultura, Comércio e Educação, além de 40 empresários de setores como infraestrutura, petróleo, gás, serviços, biotecnologia, construção e energia.

Clegg, que em Brasília encontrou o chanceler Antonio Patriota e o vice-presidente Michel Temer, disse que o principal objetivo de sua viagem ao Brasil era fazer negócios: “Para a Grã-Bretanha, esta visita é, sobretudo, uma missão comercial. Se isso parece pragmático, é porque é. Comércio significa empregos, e isso é o que o povo da Grã-Bretanha quer”.

Horas antes, em São Paulo, onde o vice-premiê se reuniu com o governador Geraldo Alckmin e visitou uma indústria de etanol, o ministro-adjunto britânico de Comércio e Investimento, Lorde Green, anunciou a meta de dobrar as exportações para o Brasil até 2015.

Em 2010, o intercâmbio comercial entre os dois países chegou a US$ 7,7 bilhões, com superavit brasileiro de US$ 1,4 bilhões, ainda que as exportações britânicas tenham crescido 29% naquele ano.

A visita de Clegg é vista como uma “ofensiva” do governo britânico em países que considera as estrelas das próximas décadas, como delineou o ministro do Exterior britânico, William Hague, em um discurso feito no centro de estudos Canning House, no ano passado.

Olimpíadas

Em seu discurso, Clegg disse ainda oferecer ao Brasil, em troca de abertura aos empresários britânicos, ajuda nos setores de educação e na organização das Olimpíadas de 2016 no Rio e da Copa do Mundo de 2014, já que Londres sediará os Jogos Olímpicos de 2012.

Segundo ele, “o grande desafio para todas as economias avançadas do século 21 é permanecer espertas: para sair na frente em tecnologia, educação, eficiência energética, regulação efetiva e serviços públicos”.

Antes do discurso, ambos os países assinaram acordo entre o Grupo BG e o Conselho Nacional de Pesquisa – CNPq, por meio do qual o Grupo BG financiará até 450 novas bolsas de estudos para estudantes brasileiros na Grã-Bretanha ao longo dos próximos 5 a 8 anos.

Também foram assinados memorandos de entendimento sobre intercâmbio e cooperação cultural e sobre segurança e crime – os dois países se comprometeram a cooperar para combater o crime organizado, o tráfico ilegal de drogas e as ameaças à segurança cibernética internacional.

Malvinas

Após encontrar-se com Patriota, Clegg disse a jornalistas ter conversado com o chanceler sobre as ilhas Malvinas (Falklands) – território britânico no Atlântico reivindicado pela Argentina.

“Enfatizei que o governo britânico aprecia que se mantenha a temperatura retórica o mais baixo possível.” Ele afirmou que a Grã-Bretanha tem a “determinação contínua e duradoura de proteger o status soberano” das ilhas.

Clegg embarcou na noite de terça para o Rio de Janeiro, onde participará, na quarta-feira, de uma conferência dedicada a discutir o legado e a sustentabilidade em Jogos Olímpicos e Paraolímpicos.

Ele encerra sua visita ao Brasil no Copacabana Palace, onde comparecerá a uma festa de comemoração do aniversário da rainha Elizabeth 2ª.

Fonte: BBC Brasil

Vice-premiê britânico diz que Brasil é “superpotência ambiental”

Nick Clegg (dir.) é recebido em São Paulo por Geraldo Alckmin

Em sua primeira escala no Brasil, o número 2 do governo britânico, Nick Clegg, reuniu-se com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para falar sobre possíveis parcerias na área de energias renováveis. Segundo o vice-primeiro-ministro, o Brasil pode ser considerado hoje uma “superpotência ambiental”, cujo exemplo deve ser seguido por outros países.

“A economia verde será um dos pilares da nova economia social, ambiental e sustentável que todos queremos construir. (…) E o Brasil apresenta liderança em energia elétrica, em etanol”, disse Clegg, na abertura do Fórum “Reino Unido e Brasil: uma parceria para desenvolver inovação em negócios verdes”, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

Segundo Alckmin, o Brasil tem interesse em experiências como o Banco Verde britânico, criado recentemente para mobilizar investimentos para novas energias. “São investimentos necessários”, disse, destacando a área de pesquisa e tecnologia. Clegg veio ao Brasil acompanhado de altos representantes de 16 empresas, sendo pelo menos cinco delas da área de energia, como a British Petroleum (BP) – responsável pelo recente vazamento gigantesco de petróleo no litoral dos Estados Unidos – e a BG Group (British Gas).

Além de energia verde, outro tema que permeia a visita de Clegg ao Brasil é a possibilidade de parcerias em grandes eventos esportivos, uma vez que Londres será a sede das próximas Olimpíadas, em 2012, e o Brasil receberá a Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Fonte: Jornal Agora

33 Comments

shared on wplocker.com