Defesa & Geopolítica

Mais informações sobre o SAC-D/Aquarius

Posted by

Vídeo produzido pelo LIT/INPE sobre a passagem do satélite por suas instalações. O LIT é considerado o único laboratório do gênero no Hemisfério Sul capacitado para a realização de atividades de montagem, integração e testes de satélites e seus subsistemas. Estima-se que os ensaios executados no Laboratório, os mais complexos desde a sua criação, teriam custo de alguns milhões de dólares caso fossem contratados no mercado.


Para estudar a relação entre os níveis de salinidade dos oceanos, o clima terrestre e as mudanças ambientais, o satélite SAC-D/Aquarius foi lançado por um foguete Delta II (10/6) da base de Vandenberg, na Califórnia, Estados Unidos. De junho de 2010 a março de 2011, o satélite passou por ensaios ambientais no Laboratório de Integração de Testes (LIT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP).

O objetivo da campanha de ensaios foi demonstrar que o satélite estava preparado para resistir ao lançamento e ao ambiente na órbita da Terra.

Abaixo, em “bullet points”, algumas informações adicionais sobre a missão argentina-americana SAC-D/Aquarius, colocada em órbita no último dia 10.

A INVAP, principal empresa envolvida na construção do SAC-D/Aquarius, disponibilizou em seu website um vídeo sobre a missão.

– Custos. A NASA dedicou ao programa 287 milhões de dólares, que foram usados para a construção do principal experimento, o Aquarius, e na contratação do lançamento. Segundo a Space News, o SAC-D/Aquarius teve custo total de 400 milhões de dólares. Nunca antes a agência americana confiou um experimento científico da relevância do Aquarius para voar a bordo de um satélite argentino.

– Cooperação EUA – Argentina. A cooperação espacial entre os governos da Argentina e EUA não é recente. Pode-se dizer, aliás, que neste campo a Argentina é a principal parceira dos Estados Unidos na América do Sul. Em 1998, o SAC-A (missão tecnológica), foi colocado em órbita pelo ônibus espacial Endeavour. Dois anos antes, em novembro de 1996, o foguete americano Pegasus falhou ao lançar o SAC-B, um satélite com experimentos de astrofísica argentinos, americanos e um italiano. Em novembro de 2000, foi lançado também dos EUA o satélite de observação SAC-C, missão que contou com a participação dos EUA, França, Itália, Dinamarca e Brasil. O programa espacial argentino tem como uma de suas principais características a realização de projetos em cooperação internacional.
– Delta II. O Delta II, lançador usado na operação, fabricado pela Boeing, tem uma taxa de 100% de sucesso em missões da NASA ao longo das últimas duas décadas. O sucesso na colocação em órbita do SAC-D/Aquarius, aliás, trouxe um certo alívio para a divisão de missões de observação da NASA, já que em 2009 e em março deste ano, dois satélites foram perdidos em razão de falhas no lançamento (ambos do foguete Taurus).
SAC-D/Aquarius em teste no LIT/INPE

– O papel do LIT/INPE. Entre junho de 2010 e março de 2011, o SAC-D/Aquarius foi submetido a testes ambientais no Laboratório de Integração e Testes (LIT), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). “Foram realizados testes de interferência e compatibilidade eletromagnéticas, vibração, vibro-acústico, choque de separação, vácuo-térmico, além das medidas de propriedades de massa do satélite”, divulgou o Instituto em nota.

Satélite argentino SACD na câmara vácuo-térmica do LIT/INPE.

O LIT é considerado o único laboratório do gênero no Hemisfério Sul capacitado para a realização de atividades de montagem, integração e testes de satélites e seus subsistemas. Estima-se que os ensaios executados no Laboratório, os mais complexos desde a sua criação, teriam custo de alguns milhões de dólares caso fossem contratados no mercado.

Fonte:  Panorama Espacial

8 Comments

shared on wplocker.com