Categories
Geopolítica

Presidente colombiano busca novo estilo e mudanças para o país

The New York Times

Diferentemente de seu antecessor, Juan Manuel Santos olha além dos EUA como aliado e se aproxima de latinoamericanos e asiáticos.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, resplandece quando se fala de um plano de investidores chineses e europeus para construir uma cidade para 250 mil pessoas perto da costa do Caribe.

Seu ministro das Relações Exteriores deu a volta ao mundo nos sete meses de presidência de Santos visitando lugares como o Camboja, mas passou longe de Washington.

Além disso, em uma reconciliação que surpreendeu muitos latinoamericanos, Santos agora é tão amigável em relação ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, que no ano passado o acusou de conspirar para assassiná-lo, mas que comumente o chama de “o meu novo melhor amigo”.

Santos, em uma entrevista na cidade colombiana de Neiva, insistiu que os Estados Unidos, que há muito consideram a Colômbia como um dos seus principais aliados na região, continuam a ser um “grande parceiro”, mesmo que alguns collombianos estejam cada vez mais frustrados com a estagnação de um acordo comercial e a constante redução na ajuda econômica para a segurança.

Mas ele também destacou uma mudança notável na política externa do país, na qual a Colômbia está mudando seu foco dos Estados Unidos para a Ásia, reparando laços com Venezuela e Equador e adotando uma postura mais comedida dentro da América Latina, o que representa um contraste gritante com o estilo beligerante de seu antecessor conservador, Álvaro Uribe.

“Eu me considero muito pró-americano, quero continuar e até reforçar o nosso relacionamento, mas é bom senso e lógica comum diversificarmos as nossas relações internacionais, especialmente em um mundo que está mudando”, disse Santos, 59 anos.

Remodelar a política externa não é a única mudança abrupta que Santos está implementando na Colômbia, que recebeu US$ 6,5 bilhões em ajuda para segurança e desenvolvimento dos Estados Unidos desde 2000.

Desigualdade

De maneira surpreendente para alguns setores mais conservadores da Colômbia, ele também está pressionando por projetos que visam a redução da alarmante desigualdade de renda da Colômbia.

A expansão de um programa para devolver terra a milhares de agricultores que foram obrigados a fugir de suas casas durante a longa guerra civil do país, melhorias na arrecadação de impostos e na classificação da ampla infraestrutura da Colômbia são algumas das mais ambiciosas propostas do presidente.

Santos disse esperar que os Estados Unidos também mudem seu foco de suas guerras no Iraque e no Afeganistão para o seu próprio hemisfério, onde a influencia americana está diminuindo. “Eu me pergunto: qual é o real interesse estratégico dos Estados Unidos no Afeganistão?”, disse ele, lamentando os cortes na ajuda americana de US$ 350 milhões, que chamou de “ninharia, comparada ao que gastam em outros lugares”.

“O que digo a muitos americanos é que é de seu interesse parar de negligenciar a América Latina”, alertou Santos, acrescentando que a turbulência no Norte da África e no Oriente Médio poderia ter um “efeito colateral positivo” de instigar o interesse para mais perto de casa. “Eu acho que esse é o momento para os Estados Unidos apostarem em novas cartas”.

*Por Simon Romero

Fonte: Último Segundo

8 replies on “Presidente colombiano busca novo estilo e mudanças para o país”

1maluquinhosays:

Ou voce afina e toca a flautinha miudinho ou mesmo com o protetorado Yankee vera seu pais isolado da AS e na Asia encontre sorrisos apenas no Japão.

Roberto_mgsays:

Juan Manuel Santos, o império está ruindo!!! Só lhe resta baixar a bola, fazer a Colômbia reconciliar com Equador e Venezuela e mandar retirar todas as bases americana em solo colombiano. E fazer isto o mais rápido possível, porque depois eles vão embora e lhe restará somente as encrencas deixadas pelo império. É TEMPO DE MUDANÇA PARA NO MUNDO. Os EUA só terão olhos para Canadá e Mexico. rsrsrs…

Colombia gorvernados por Lacaios pro Yankes

ta na hora de sai desa Lamuria

Ótimo, 1 mudança: Retirada dos ianks, essa já está de bom tanho p mim. O resto virá lentamente. Sds.

Calma galera, a colombia nao é tao burra a ponto de simplesmente chutar os americanos de lá.. Mas acho que o processo de “desamericanização” está começando. O brasil e a américa do sul não precisam mais de nossos “irmãos do norte” nós já somos auto-suficientes, só falta o brasil Deixar de tratar as Forças armadas como um mero “detalhe”, que logo seremos o ponto de referencia no hemisfério sul! e quando isso acontecer, os estados unidos estará engraxando nossos sapatos.

Quando o navio está para a fundar, os ratos são os primeiros a fugir.

O problema da Colômbia são os guerrilheiros narcotraficantes. O nosso país tem sido uma das vítimas deles. As famosas FARCs.
A solução está na unificação da Colômbia ? Sem dúvida.
Ambos os lados devem ceder.
A busca pela paz, sempre é a melhor opção, mas sem ditadura, corrupção e populismo (manipulação do povo ignorante). Regime Popular é uma coisa, e Populismo é outra. O Populismo é demagógico, enganador, corrupto, manipulador. O Regime Popular é a distribuição de renda dentro das possibilidades.
O Presidente Santos está de parabéns.

Sai os iangleses e entram os Brsucas…resolvido, td por acordo e aprovação da Unasul. Dê acordo?

Comments are closed.