Defesa & Geopolítica

Rebeldes tomam controle de mais cidades; Gaddafi culpa Bin Laden

Posted by

http://i1.r7.com/data/files/2C92/94A4/2E4C/06E7/012E/4ED5/1221/7F2A/montagem-gaddafi-bin%20laden-AP.jpg

BENGHAZI, Líbia (Reuters) – Forças leais a Muammar Gaddafi lançaram nesta quinta-feira um contra-ataque aos rebeldes líbios que dominam cidades importantes perto da capital Trípoli, e o líder do país acusou o chefe da Al Qaeda, Osama bin Laden, de manipular os manifestantes.

A oposição já controlava localidades importantes no leste, inclusive Benghazi, segunda maior cidade do país, e há relatos de que Misrata e Zuara, no oeste, também se renderam à onda de rebelião, que já ameaça a base de poder do ditador.

Nesta quinta-feira, forças leais a Gaddafi atacaram milícias de oposição que controlam Misrata. Várias pessoas morreram em combates perto do aeroporto local.

Há relatos de presença militar nas estradas que dão acesso a Trípoli, e combates foram registrados também na localidade de Zawiyah, terminal petrolífero que fica apenas 50 quilômetros a oeste da capital. Testemunhas disseram que pessoas à paisana – aparentemente forças leais e contrárias a Gaddafi – estavam trocando tiros nas ruas.

“Está caótico lá. Há pessoas com pistolas e espadas”, disse Mohamed Jaber, que passou por Zawiyah a caminho da Tunísia nesta quinta-feira.

A TV Al Jazeera exibiu imagens do que disse ser uma delegacia de polícia em chamas em Zawiyah. Uma testemunha relatou à Reuters que o Exército líbio tinha grande presença no local.

Gaddafi, que falou à TV líbia por telefone nesta quinta, acusou Osama bin Laden de manipular os cidadãos que empreendem a revolta contra o seu governo de quatro décadas.

“(Osama bin Laden) é o verdadeiro criminoso”, disse. “Não se deixem influenciar por Bin Laden”, acrescentou Gaddafi, que fez um chamado aos cidadãos líbios para que tomem as armas daqueles que estão protestando.

A rebelião contra Gaddafi, no poder desde 1969, praticamente paralisou as exportações de petróleo da Líbia, disse o presidente da empresa italiana ENI, principal operadora da exploração petrolífera no país africano. Os distúrbios fizeram a cotação do petróleo atingir cerca de 120 dólares por barril, causando preocupações a respeito da recuperação econômica mundial.

Milícias de oposição controlam Zuara, cerca de 120 quilômetros a oeste de Trípoli, disseram à Reuters operários egípcios da construção civil que fugiram para a Tunísia nesta quinta-feira.

Não há sinais de presença policial ou militar na cidade, que está sob controle de “comitês populares” portando armas automáticas.

“O povo está no controle. As delegacias foram incendiadas e não vimos nenhum agente da polícia ou do Exército nos últimos dias”, disse o operário egípcio Ahmed Osman.

Separadamente, advogados e juízes disseram pela internet que controlam a cidade litorânea de Misrata, 200 quilômetros a leste de Trípoli,

Líderes mundiais têm condenado a sangrenta repressão de Gaddafi à rebelião iniciada há uma semana, mas pouco fizeram para conter a violência, que é parte de uma onda de revoltas que tem reconfigurado o mundo árabe

Em suas primeiras declarações públicas sobre a crise líbia, o presidente dos EUA, Barack Obama, qualificou de “ultrajantes” e “inaceitáveis” os ataques a manifestantes, que já resultaram em centenas de mortes nos últimos dez dias.

DESAFIO

EUA e União Europeia cogitam adotar sanções contra Gaddafi, um líder revolucionário caracterizado por idiossincráticos desafios ao Ocidente ao longo dos anos. Mas parece haver pouca coesão ou urgência na reação global.

A desértica Líbia, com 7 milhões de habitantes, produz 2 por cento do petróleo mundial.

“É imperativo que as nações e povos do mundo falem a uma só voz”, disse Obama. “O sofrimento e o derramamento de sangue são ultrajantes.”

O ministro francês da Defesa, Alain Juppé, disse esperar que Gaddafi esteja “vivendo seus últimos momentos como líder”. O chanceler britânico, William Hague, pediu ao mundo que amplie a pressão sobre o ditador.

Benghazi, berço da rebelião, já está sob controle consolidado dos rebeldes, e muitos militares desertaram por lá. Agora, seus 700 mil habitantes começam a viver sob a gestão de “comitês populares.”

Um correspondente da Reuters viu cerca de 12 pessoas presas num tribunal – todas elas apontadas por moradores como “mercenários” a serviço de Gaddafi. Alguns eram descritos como africanos de outros países, e outros como oriundos do sul da Líbia.

“Eles foram interrogados, estão sendo mantidos em segurança, e são bem alimentados”, disse o conferencista universitário Imam Bugaighis, 50 anos, que participa da organização dos comitês populares. Ele acrescentou que os supostos mercenários serão julgados conforme a lei, mas que o prazo para isso não está claro, por cauda do colapso das instituições estatais.

Irados, moradores destruíram o edifício que supostamente servia como quartel para os mercenários.

Em Trípoli, que continua praticamente inacessível à imprensa estrangeira, moradores disseram estar com medo de sair às ruas, por medo de serem alvejados pelas forças governamentais.

“As pessoas começaram a trabalhar hoje. Mas isso não significa que não estejam com medo. Mas até agora as pessoas estão se deslocando,” disse um morador à Reuters.

(Reportagem de Tarek Amara, Christian Lowe, Marie-Louise Gumuchian, Souhail Karam, Firouz Sedarat, Tom Pfeiffer, Brian Love, Daren Butler, Dina Zayed, Sarah Mikhail e Tom Perry, Martina Fuchs e Michael Georgy)

Fonte: Yahoo

15 Comments

shared on wplocker.com