Defesa & Geopolítica

EUA apoiam diálogo do Egito com Irmandade Muçulmana

Posted by

Hillary Clinton

A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, demonstrou neste domingo que apoia o diálogo das autoridades do Egito com a Irmandade Muçulmana, um dos mais influentes grupos da oposição no país –considerado ilegal pelo ditador Hosni Mubarak. A informação é da agência de notícias France Presse.

As conversações entre o poder e a Irmandade Muçulmana começaram oficialmente hoje, como parte do diálogo nacional convocado pelo vice-presidente Omar Suleiman, para o qual foram convidadas todas as forças políticas, segundo a agência Mena.

Irmandade Muçulmana

O diálogo reúne representantes da Irmandade Muçulmana, do Partido Wafd (liberal) e do Tagammou (esquerda), que fazem parte de um comitê escolhido por grupos defensores da democracia. Estes lançaram o movimento de contestação que exige, desde 25 de janeiro, a saída de Mubarak.

“Desejando preservar os interesses da nação e de suas instituições e ansiosos para preservar a independência do país e sua rejeição de qualquer interferência internacional ou regional em nossos assuntos internos, iniciamos um diálogo para ver se eles estão dispostos a aceitar as exigências da população”, afirmou em comunicado.

A Irmandade mantêm suas exigências iniciais, que incluem a renúncia do presidente Hosni Mubarak, no poder desde 1981.

ALEMANHA

Também hoje, vários deputados dos partidos da coalizão governamental alemã propuseram acolher no país o ditador egípcio, Hosni Mubarak, como saída para a crise no Egito e contribuição a uma solução pacífica da mesma.

Por sua parte, o ministro de Assuntos Exteriores alemão, Guido Westerwelle, deseja uma nova sociedade da UE (União Europeia) com os países do norte da África, similar à qual o bloco já mantém com a América Latina, Rússia e Turquia.

Elke Hoff, porta-voz parlamentar de FDP (Segurança do Partido Liberal), membro menor da coalizão comandada pela chanceler Angela Merkel, se manifestou a favor de uma rápida saída de Mubarak do Egito com destino à Alemanha, se isso conduzir a uma estabilização da situação no Egito.

“Não se trata de conceder-lhe asilo político”, ressalta no entanto Hoff em declarações publicadas neste domingo pelo “Bild am Sonntag”, no qual se pronuncia em termos similares Andreas Schokenhoff, vice-presidente do grupo parlamentar da União (CDU/CSU), formação liderada por Merkel.

O periódico dominical assegura também que o governo alemão daria todo tipo de facilidades para uma viagem de Mubarak à Alemanha por razões de saúde.

TRANSIÇÃO

Ontem, o ditador egípcio, Hosni Mubarak, se reuniu com seus ministros para discutir o impasse político no país.

Paralelamente, de acordo com o “New York Times”, membros da elite política do país e das Forças Armadas também estão em intensas reuniões para buscar maneiras de iniciar uma transição, sem Mubarak no poder.

Segundo o jornal, citando fontes egípcias e americanas, o vice-presidente Omar Suleiman e as lideranças militares discutiam medidas para limitar a autoridade de Mubarak e possivelmente retirá-lo do palácio presidencial no Cairo sem imediatamente derrubá-lo do poder.

Um governo de transição chefiado por Suleiman começaria então a negociação com figuras da oposição para que hajam mudanças constitucionais e comece um processo de “mudança democrática”, diz o “New York Times”.

Fonte:  Folha

10 Comments

shared on wplocker.com