Defesa & Geopolítica

Brasil e África do Sul negociam cooperação em projeto de míssil naval superfície-ar

Posted by

http://1.bp.blogspot.com/_9fNKRyQxUNw/TMHGIYQMGFI/AAAAAAAAG2Y/rkkGwrQpAKo/s1600/umkhonto.jpg

A Marinha do Brasil (MB) e a estatal sul-africana Denel Dynamics prosseguem  discutindo relações de cooperação para o desenvolvimento do míssil naval superfície-ar de médio alcance Umkhonto-R guiado por radar.

A MB está colocando duas condições para sua participação no projeto. A primeira envolve um acordo básico entre os governos dos dois países, incluindo garantias mútuas de sustentação do programa. Em segundo lugar, a Marinha da África do Sul (SAN) deve assegurar também a compra de uma quantidade desses mísseis.

Atualmente, a SAN possui em seu arsenal a versão original Umkhonto-IR, míssil superfície-ar do tipo “dispare e esqueça” de guiamento infra-vermelho para ser usado contra alvos voando a curtas distâncias. Uma versão melhorada do Umkhonto-IR, cujo alcance é superior ao do modelo inicial, foi comprada pela Marinha Finlandesa, e o que tudo indica, será adotada também pela sulafricana. Sabe-se que a SAN está interessada em uma variante de alcance estendido do Umkhonto, entretanto, não está claro se é um Umkhonto-IR aperfeiçoado ou o Umkhonto-R.

A MB, por sua vez, está buscando um modelo de míssil superfície-ar de médio alcance (30 km ou mais) que futuramente poderia ser aperfeiçoado para alcançar objetivos situados a distâncias maiores. Esses mísseis serão destinados a municiar sua próxima geração de fragatas.

O interesse da MB em estabelecer laços de cooperação com a África do Sul foi estimulado pelo êxito do programa do míssil ar-ar A-Darter, projeto que encontra-se em adiantada fase de desenvolvimento e envolve interesses da Força Aérea Brasileira (FAB) e a atuação tecnológica da Denel e das brasileiras Mectron e Avibrás.

De maneira semelhante do que acontece com a FAB com relação ao projeto do A-Darter, a MB tenderá a ter participação pouco ativa no processo de desenvolvimento do novo míssil, delegando essa tarefa para as empresas brasileiras selecionadas para trabalhar no projeto. Isto deverá ocorrer porque a engenharia da MB estará quase que totalmente concentrada na prioridade estratégica de ampliação e modernização de sua força de submarinos.

Fonte: Tecnologia&Defesa

23 Comments

shared on wplocker.com