Defesa & Geopolítica

Portugal: Helicópteros NH90 para o Exército ‘impõem’ acordo com Força Aérea

Posted by

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5e/Esercito_NH90.jpg

Por: MANUEL CARLOS FREIRE

Custos da operação de 10 helicópteros médios e de recuperar aeródromo quase sem uso há anos ‘ensombram’ programa

O Exército está a marchar a toda a velocidade para receber e operar os helicópteros médios NH90 em 2012, mas o que está por fazer e as dificuldades financeiras do País mantêm alguma incerteza sobre a evolução da Unidade de Aviação Ligeira (UALE) do ramo.

A formação e qualificação atempada das tripulações (pilotos, mecânicos), a modernização das infra-estruturas do aeródromo militar de Tancos (AMT) ou a colaboração com a Força Aérea – na sua qualidade de Autoridade Aeronáutica – são aspectos críticos para o bom funcionamento da UALE, segundo diferentes fontes.

Uma primeira interrogação tem a ver com o número de helicópteros. O Exército conta receber 10 NH90 (projecto cooperativo no âmbito da NATO, onde Portugal está desde o início e em cuja construção participa através da empresa OGMA) entre 2012 e 2014. “Será que vão receber mesmo esses hélicópteros todos?”, interrogou-se uma das fontes ouvidas pelo DN, lembrando o caso do avião militar europeu A400M – a Alemanha integra o consórcio original, financia o programa, mas reduziu o número de encomendas devido às dificuldades financeiras.

Outra interrogação surge no domínio da certificação, área onde entra a Força Aérea. Só que os atritos entre os dois ramos sobre esse programa, desde meados dos anos 1990, têm sido uma constante (com razões de parte a parte, segundo o que se foi ouvindo) – ao ponto de o Exército ter mandado formar pilotos em Espanha.

Actualmente, o Exército tem quatro pilotos (e brevemente vai mandar mais um) ao serviço do Exército espanhol, 10 colocados na Empresa de Meios Aéreos (EMA) do Ministério da Administração Interna – e nenhum na Força Aérea, à excepção de 10 dos 16 mecânicos.

Note-se que compete à Autoridade Aeronáutica – leia-se Força Aérea – certificar as infra-estruturas (se são adequadas a que aeronaves, para operar em que condições e com que equipamentos) de um aeródromo praticamente sem uso há duas décadas, fazer as reservas de espaço aéreo requeridas ou definir onde, quando e a que altitudes podem voar os meios aéreos, entre muitos outros aspectos. A par do apoio diário aos helis (meteorologia, controlo do tráfego aéreo), também a investigação a acidentes com helis do Exército deverá ser feita pela Força Aérea, admitiram fontes do ramo ao DN.

Questionado pelo DN sobre o relacionamento com a Força Aérea, o chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) respondeu de forma lacónica: “Teremos de ver como isso irá ser feito.” No caso dos pilotos, o ramo assume que “desejavelmente será a Força Aérea a fazer a certificação nacional”.

Em matéria de tripulações, o Exército prevê ter “no mínimo” 21 pilotos, pois cada NH90 opera com dois em simultâneo e se estima uma taxa de operacionalidade na ordem dos “70%” (os restantes correspondem a helicópteros que estão parados para manutenção e ou reparação).

Fonte: Diario de Noticias via Hangar do Vinna

9 Comments

shared on wplocker.com