Avião brasileiro é “o melhor do mundo hoje”, diz dono da Azul

http://blog.flightstory.net/wp-content/uploads/azul-e195.jpg

Sugestão: Gérsio Mutti

O avião brasileiro é “o melhor do mundo hoje”, diz David Neeleman, fundador da Azul Linhas Aéreas, empresa de baixo custo. Sua companhia usa aeronaves da Embraer, que ele diz preferir à Boeing e à Airbus.

Em entrevista exclusiva ao UOL Economia, realizada na sede da Azul, em Alphaville, na Grande São Paulo, Neeleman conta, entre outros temas, como funciona a política de baixos preços e custos reduzidos da companhia aérea e revela o que a empresa leva em conta na hora de compor o preço da passagem. Veja a entrevista nos vídeos abaixo.

O alto custo das passagens aéreas no Brasil foi um dos principais atrativos para a criação da Azul Linhas Aéreas, diz o empresário. “Nos EUA, ninguém anda de ônibus, porque o avião é barato. Achamos que podíamos fazer isso aqui”, afirma.

Ele disse que a falta de concorrência evitava inovação entre as empresas, referindo-se às duas maiores companhias do mercado brasileiro –Gol e TAM.

Entre outros temas, Neeleman explica como funciona a política de baixos preços e custos reduzidos da companhia aérea e revela o que a empresa leva em conta na hora de compor o preço da passagem. O executivo também faz um balanço do primeiro ano da empresa, que tem 2,2 milhões de clientes, 1.600 funcionários e 15 aeronaves que voam para 20 cidades.

A entrega da primeira aeronave nova de fábrica ocorreu em 11 de dezembro de 2008 e foi batizada “Tudo Azul“. No dia 15 de dezembro daquele ano, dois voos inaugurais foram realizados.

O primeiro, AD 4064, decolou de Viracopos, Campinas, com destino a Salvador. O segundo, AD4062, voou de Campinas a Porto Alegre. Nas semanas seguintes, o número de voos entre essas cidades foi gradativamente aumentado, com a chegada de novas aeronaves.

Neeleman afirma que gosta de risco, mas não pensa em abrir o capital da empresa. Mesmo sem presença na Bolsa, a expectativa é fazer com que a Azul se torne ainda maior. Até o fim deste ano, a empresa deve atingir 40 municípios. Até 2012, a Azul espera servir as principais cidades brasileiras, com uma frota de jatos Embraer 190 e Embraer 195.

Neeleman, que também é fundador da Jet Blue, nasceu no Brasil. Ele morou em São Paulo até os cinco anos, quando voltou para os Estados Unidos com os pais e por lá ficou até os 18 anos. Veio novamente para o Brasil em missão religiosa, período de dois anos no qual trabalhou em função dos pobres, no Nordeste brasileiro.

Fonte: Uol

6 Comentários

  1. É bom mesmo, estamos com muitos acidentes nas estradas em virute do roubo que é as passagens de avião.

    Temos que criar pelo menos mais quatro empresas dea vição, pois TAM e GOL estão de “panelinha” faz anos, duas empresas corruptas ques empre usam o lobby nos políticos bandidos para se manter nessa bipolaridade.

    A Embraer poderia cria uma nova linha de aeronaves de medio porte turbo hélice, pois para o mercado regional para dentro de estados, viajar com aerinaves a jato é muito caro.

    Aqui em Minas Gerais, já temos voos lovais com aeronaves desse porte, mas é funfamental incentivar de “dar um jeitinho de obrigar” essas empresas a abaixarem o preço que está pela hora da morte.

    Você já tomou um cafezinho num aeroporto? Pois, é, eu também não, me contento com áhgua mesmo. Sempre que eu sentia sede, já ia para o bebedouro. Sem falar que tinha que comer o “cachorrão quente” do Zé lá do lado de fora.

    Eu não sou mão de vaca, peolo contário, minha prioridade é o dinheiro bem investido. Sou arquiteto e sei o que é ter que sofrer compreços abusivos e lesivos.

    Nunca fiz esse tipo de cosia, sou uma pessoa totalmente crítica e auto conciente, o que todos deveria ser.

    Estava conversando com um amigo em São Paulo sobre criarmos uma comunidade para distribuir o “cafezinho” de graça nos aeroportos para protestar contra esses absurdos de preços extratosféricos também.

    Espero contar também com a ajuda do pessoal aqui que se diz “patriota”, pois não vale só meter o pau, tem que ter peito para encarar o sistema (sem bagunça).

    Espero vocês!!!!!!!!!!

    PS: Me desculpem os erros, mas eu não consigo digitar certo no notebook.

    😉

  2. Luiz :
    É bom mesmo, estamos com muitos acidentes nas estradas em virute do roubo que é as passagens de avião.

    Significa que como as passagens estão cara, o mercado de ônibus está muito saturado. Há ônibus de mais e segurança de menos.

    Será que teremos que invadir um aeroporto e deitar na pista para podermos ser ouvidos?

    Ou teremos que ser tadicais e atirar com rifles? srsrsrsrs

    De qualquer forma, temos que nos unir contra isso.

    Eu estou dentro. você está?;)

  3. Olá Luiz, sou seu colega de profissão!

    Sobre a questão dos preços das passagens – isto é algo que já se relaciona a opção equivocada de apostar tudo em uma única opção de transporte para um país de dimensões continentais. Teríamos sim que ter a opção de ir de ônibus, de trem, de avião e usar transporte fluvial/naval nos locais onde isto fosse possível. Infelizmente temos apenas a opção sobre pneus que é cara, roda em pista ruim, e como segunda opção, temos apenas o aeroporto. Este último apenas recentemente está se tornando um concorrente forte para grandes distâncias.

    Além de tudo isto, a integração entre vários tipos de meio de transporte ainda é muito tímida. Dou como exemplo, a questão da pessoa viajar de avião e quando chegar ao aeroporto ter que pegar um táxi para ir à rodoviária ou ao seu destino. Isto mostra que esta integração ainda é fraca e encarece demais o sistema como um todo. Você economiza na passagem, mas deixa uma quantia significativa no táxi. Além é claro, de congestionar o sistema de transporte nas redondezas do aeroporto.

    Outro fato importante, como foi levantado na matéria – além da baixa concorrência, é a questão que os aeroportos estarem saturados. Faltou investimento no passado. Isto criou um gargalo de crescimento para nosso sistema aéreo. O apagão aéreo que aconteceu há poucos anos não foi por acaso. Negligenciaram o sistema. Se simplesmente abaixarem os preços ou incentivarem de outras formas o transporte aéreo, acontecerá outro apagão. Principalmente nas épocas de grande movimento – como férias.

    Serão necessários anos para que a infra-estrutura acompanhe novamente a demanda de crescimento brasileiro.

    Mas ainda sim insisto que para o tamanho do nosso país, outras formas de meio de transporte devem ser pensadas. Na verdade, acredito que já devem ter sido até planejadas e projetadas, só não foram construídas porque faltou vontade política.

    Um grande abraço

  4. Ótimo comentário Luiz!

    Ótimo comentário Henriqueds. Alias complementou o comentário do Luiz…

    Como foi dito nos comentários tbm acho que agora o que precisa fazer é investir em passagens aéreas mais baratas, e investir nas infra estruturas dos aeroportos.

    Ah e claro creio que com a chegada do trem bala, creio que o sistema ferroviário vai renascer…

  5. Não gosto dessa cara, não só eu, bem como o Cabral também!

    Ele não está aqui porque gosta do seu país ou quer colaborar para seu crescimento, está aqui mesmo é para fazer dinheiro e ir embora. Vejam o que ele fez… Ele fundou uma outra empresa também, não me lembro o nome agora, mais é também uma Low-Cost Low-Fare… vendeu sua parte e sumiu…

    Ele só que aproveitar dos brasileiros e estragar o que a TAM vem fazendo muito bem feito, durante arduos anos…

    Vai para lá seu Yanke… Que aqui quem comando é os ROLINS.

Comentários não permitidos.