Opinião: A América Latina na Idade da Lata

http://images.brisbanetimes.com.au/2009/06/19/595189/420can-420x0.jpg

Mais uma cúpula, a Cúpula da Unidade da América Latina e do Caribe, que se realiza em Cancún, no México, o que me leva a refletir sobre o continente. A América Latina nunca sequer viveu uma Idade de Bronze da democracia. Nunca fez uma Revolução Americana (1776), que tornou os Estados Unidos independentes e os colocou, naquela época, na vanguarda dos direitos, com a adoção de uma República Federal, com bastante autonomia para os Estados e poder relativo para a União. A primeira revolta colonial contra a metrópole, Inglaterra, que projetou o país no mundo e reinventou o capitalismo.

Os latino-americanos sequer fizeram uma revolução do porte da haitiana, em 1804, que fundou primeira a República negra do mundo. A América Latina não implantou plenamente, até hoje, os princípios e desenho de poder criado pela Revolução Francesa de 1789. No continente, o poder executivo controla o legislativo e o judiciário. O absolutismo dos governantes e a cobrança opressiva de impostos dos assalariados não provocam revoluções, mas, resignação.

A América Latina sobrevive da exportação de commodities, produtos de base em estado bruto (matérias-primas) ou com pequeno grau de industrialização. Hoje, por exemplo, o Brasil está nas mãos da China, que lhe compra hard commodities, como o minério de ferro. O Brasil exporta igualmente soft commodities como soja e outros. Talvez a pobreza tenha – num beco sem saída – criado ditadores, caudilhos, golpes de Estado, corrupção, presidentes “fortes” etc. O Brasil não consegue liderar o continente, exercendo – pejo crescimento econômico recente e tamanho – papel no máximo estabilizador.

Na reunião em Cancún, um dos temas é a exclusão dos Estados Unidos da Organização dos Estados Americanos – a OEA, ou a criação de uma OEA do B, sem aquele país. É o ressentimento histórico – pertinente mas não produtivo. A América Latina deveria agir e não reagir. Até hoje, reage, com exceção recente de países como o Brasil e Chile – este com uma economia com tamanho equivalente à da cidade de Ribeirão Preto, em São Paulo. Por isso, o subcontinente experimenta crônica Idade de Lata econômica.

Não existe unidade política nas Américas. Qualquer tentativa é artificial. O Mercosul é um fracasso. Uma centena de intelectuais escolheu os dez mais importantes nomes do continente, ano passado, numa enquete promovida pelo “El País”. Não há um brasileiro. Os hispano-americanos não entendem português. E tampouco se entendem entre si – por exemplo, chilenos, bolivianos e peruanos têm contensioso insuperável. Cito alguns dos nomeados pelo júri do jornal espanhol: Simón Bolívar, Che Guevara, José Martí, Jorge Luis Borges e Fidel Castro. Castro é o único que, nos anos 1960, tentou alguma coisa nova, com a Revolução Cubana, embora tutelada pela extinta União Soviética. Cuba  é – há muito tempo – uma ditadura vulgar.

Essa nova Cúpula de Cancún me traz à tona as palavras de Sergio Guerra Vilaboy: “É curioso, para dizer paradoxal, que essa área do planeta que reuniu mais condições históricas para sua integração, em virtude de idioma, religião, história e cultura mais ou menos semelhantes, seja a que menos de integrou”. A Cúpula de Cancún é mais um exemplo disso. Um desfile de líderes capengas.

Fonte:Régis Bonvicino, especial para o Último Segundo

17 Comentários

  1. Todo comentário , deve-se o devido respeito , mesmo um tão míope e torpe como este. Falta de visão histórica , conhecimentos mínimos de política internacional , recheados de preconceitos.
    Não sei não conheço o Sr Régis , mas acredito que nem mesmo ele deva acreditar no que escreve.Com uma visão tão simplista e equivocada como esta , não sei à quem serve.

  2. Qualquer texto que precise utilizar tantos adjetivos é no mínimo infantil. Este ja atravessou a barreira, e esta no ridiculo.

  3. Bem, vamos começar a andar sem o tio sam, mt bom p todos, + sem cair no lugar comum , e um pouco + adiante irmos bater a sua porta, espero ser uma decisaão de países maduros e consciêntes.Vamos ver.

  4. Como toda a opinião o texto tem pontos bons e ruins, porém o mais importante aí ao meu ver é realmente a falta crônica de integração da região, mesmo que possuindo o mesmo idioma.

    Disputas, rivalidades, isso é normal de ocorrer e acontecer, e é possível conviver com isso, porém a enorme falta de integração ou até mesmo de interação política é absurda.

  5. Acho que no mínimo é psicopatia os comentários deste ricardo…para não dizer capachismo…se não esta satisfeito com o país porque não vai para Norte América? Sei o porque que não vais, porque la vai ser tratado como lixo. Muitos são os asquerozos que ficam ganhando dinheiro aqui e se dizem apaixonados pelos EUA, mas na verdade ta no sangue familiar o capachismo,QUEM NASCEU PRA SER ESCRAVO NUNCA VAI SER SENHOR, pois ser dono do pró´rio nariz é coisa de macho, as mulheres gostam é de cozinha, serviços secundários.
    Viva a América Latina, que finalmente depois de tantos anos nas mãos de uns porcos capachos, se vciu livre pra seguir seu rumo ao desenvolvimento enquanto os lacaios do PSDB vão continuar recebendo esmolas pra trair o Brasil como sempre fizeram.

    • Fe, peço-lhe que não referencie partidos políticos ou partidarismos no Blog.
      estes não são os interesses do blog.
      conto com sua compreensão e participação para transformar o P Brasil num espaço de discussões geopolíticas e defesa.
      Os Cumprimentos
      E.M.Pinto

  6. HEHEHEH… ainda assim, estamos melhores q à américa, ela no seu ocaso, pura decida, é nós, nos erguendo, puxados pelos BRASIL…e partidários do tio sam falando o oposto….mt bom.É como dise o poeta ,faz sol na amérida so sul…mt lindo, ñ?.

  7. Haaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, eu não queria nem rir hoje. Ainda bem que um IMBECIL me tirou do tédio. Parece até um texto xerografado do Reinaldinho.

    Leve seu agouro MALDITO para tua casa e engula no almoço!!!

  8. Como já disse Fe posso tenho uma opinião diferente, isto se chama democracia, este é um direito que tenho e não abro mão para nenhum esquerdizoide. Democracia, este é o único caminho político para qualquer país decente. Em outras circustancia acreditaria num organismo deste tipo, mas da forma como foi feito e com estes ´lideres´ não dá. Esta organização que foi criada não passa de um Foro de São Paulo ou um Forum Social Mundial, muita discussão viagem na maionese mental e nenhuma ação prática. Cuba? Ontem para quem não sabe morreu um preso cubano em greve de fome. Neste continente fora Chile e Costa Rica não existe política decente.

  9. Caros vou repetir o que coloquei em outro post.

    Vamos ser sérios, alguém acredita em discursos cade a prática? Quando eu ver todos os países latino americanos boicotarem produtos fabricados ou que usem tecnologia americana eu vou acreditar. Já li em duas biografias de embaixadores latino americanos a mesma história: os norte americanos sempre ouviam discursos agressivos as suas políticas de dia, de noite os mesmos lideres latino americanos ligavam para Washington para dizer que aquilo que eles disserem não era verdade. O velho Chavez fala mal de Bush e Obama mas não larga o osso do F-16. Vamos fazer este discurso verdade: vamos jogar fora todo e qualquer computador ou celular que use hardware ou software americanos? Vamos cancelar nossas TV por assinatura? Vamos exigir dos provedores que não usem tecnologia americana na internet? Alias vamos abandonar a internet, ela foi criada pelo Departamento de Estado!

  10. Bruno ,
    Por mim tudo bem , já faço isso Há muito tempo. Procuro alternativas em produtos made in usa, e tenho obtido êxito, não é difícil.
    E tenho muitos adéptos,
    Passe a diante a idéia

  11. Alguém já consegui usar um computador com um processador não seja made in USA, ou seja Intel ou AMD? Quem aqui não usa um computador com arquitetura IBM-PC ou MAC? Ninguém, porque não existem fabricas de processadores que não sejam americanos e as únicas arquiteturas de computador que existe foram desenhadas por empresas dos EUA. Quais navegadores, sites e celulares que não usam Java, tecnologia da norte americana Sun. Mesmo os linuxeiros, quem usa um Kernel-Linux, usam intensiva e extensivamente tecnologia americana da IBM e da Red Hat. Mauro me desculpe mas não acredito nisso, se não você não teria conseguido escrever neste post!

  12. Ricardo, você é muito limitado.Nem tudo consegue-se de uma vez , há alternativas. O negócio é que você só vê um lado da moeda.Quanto a não acreditar , só mostra sua incapacidade.
    Abraços

Comentários não permitidos.