Defesa & Geopolítica

Se para a FAB tudo é indecisão, para a Marinha os ventos são outros, e segue-se assim o Programa de reaparelhamento…

Posted by

http://www.fincantieri.it/CMS/Data/prodotti/files/000019_foto1_img1.jpgFicantieri

Em mar de almirante

Enquanto a FAB vive a novela da licitação dos 36 caças de combate, a Marinha navega sem amarras no reequipamento de suas frotas.

Depois dos submarinos, a força naval abriu concorrência para a compra de cinco navios-patrulha oceânicos. Estão na disputa oito fabricantes: o francês DCNS, o italiano Fincantieri, o britânico BAe, o chileno Asmar, o coreano Daewoo, o espanhol Navantia e os dois alemães, Thyssen e Fassmer.

Os navios devem ter velocidade superior a 20 nós, canhão de ­­76 mm e e operar com helicópteros Linx, Pantera ou Esquilo. Os preços variam de US$ 30 milhões a US$ 100 milhões.

Segue a lista dos prováveis concorrentes, inclui-se ai o Ficantieri foto acima.

http://navy-matters.beedall.com/imagesbig/opvh-dec04.jpgBAe

http://www.tk-marinesystems.de/bilder/produkte/sentinel_spalterechts2.jpgTyssen Krupp

http://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2008/06/pilotopardo.jpgAsmar

http://www.naval-technology.com/projects/gowind_corvettes/images/1-gowind-corvettes.jpgDCNS

http://www.saorbats.com.ar/Noticias/NoticiasChilenas/OPV2_foto3.jpg

Fassmer

http://www.navantia.es/irj/go/km/docs/documents/Portal%20Navantia/Imagenes/productos/Buques%20Militares/corbetamulti.jpgNavantia

Fonte: NOTIMP

23 Comments

  1. jose says:

    Pior que a indecisão da FAB,é a forma como ela está conduzindo o processo ,pois enquanto há uma enchurada de boatos,de entrigas não há por parte da FAB a defesa da sua compra,quando houve isso com a marinha logo saiu uma nota em defesa do seu projeto e a explicação que esse projeto é fundamental.Já a FAB fica calada na dela,ao que parece ela não quer o melhor caça quer o mais barato,o que a Embraer e Fiesp,querem mais um AMX.Supostos vazamentos de todos os lados.

  2. Lucas Urbanski says:

    Quem sabe o que quer é outra coisa né, já quanto a FAB só tenho a lamentar.

    Abraço.

  3. Já deveriamos ter dado um fim a esse projeto FX 2…é rafale é pronto, p eu seria os Su 35BM.

  4. Caio says:

    Se tem notícia de quando deve sair o resultado?
    Realmente a marinha parece estar disposta a se modernizar enquanto a FAB parece querer adiar o máximo possível… lamentável.

    saudações

  5. Ivan says:

    O modelo da DCNS GOWIND Ação é realmente bem interessante, inclusive o Plano Brasil tem uma matéria muito boa e que vale a pena os leitores derem uma olhada no conceito!

    Saudações,

  6. Carcará says:

    Bem… quanto a escolha de submarinos e helicópteros a Marinha não tinha uma vasta opção de concorrentes, como tem agora…

    Mas sem dúvida que essa concorrência para patrulheiros oceânicos será apertada, todos os concorrentes são não só extremamente capazes como no geral os desempenhos são muito próximos, a disputa é teoricamente muito mais difícil do que no caso dos caças, porém a Marinha anda sabendo bem mais do que quer do que as demais forças.

    Não conheço muito de NPO, mas ouvi dizer que esse chileno é bom!

  7. Gustavo Krepke says:

    Senhores….

    Pelo que vejo o problema do FX2 nao e a FAB…

    e sim o Governo Federal que age sem profissionalismo… O Aviao deve ser ecolhido por quem realmente entende do assunto e por quem o pilota.

    A FAB ja o escolheu faz muito tempo…o GRIPPEN… Inclusive ja o tinha posto em seu Web Site.
    O Problema do FX2 é o “Brigadeiro LULA”

    Saudacoes

  8. Gustavo Krepke says:

    Agora só falta o Lula querer pagar mais caro pelo navio Frances… rss

  9. Hornet says:

    Ao que tudo indica a Marinha é quem está voando…já a FAB continua ancorada…hehe

    abração

  10. Paulo Amaral says:

    Com certeza, concordo com todos os colegas que postaram antes de mim. Além disso, lembrando que escolhendo os RAFALES, a França, diferentemente dos EUA, poderia e estaria disposta a transferir tôda a tecnologia e de forma irrestrita, devido à posição atual do Brasil e a parceria estratégica que temos com ela. Portanto, eventualmente o Brasil teria completo contrôle sobre a produção desses caças, a comercialização e emprego dos mesmos na América Latina !!! Essa de querer colocar o Brasil em condições semelhantes às da Argentina na guerra das Malvinas e a sua dependência da França e países da OTAN é “furada”, não procede, o Brasil não é a Argentina e esse argumento é simplesmente muito fraco, e até chegando ao ridículo, totalmente maldoso e dificilmente consegue esconder, mais uma vez, os esforços dos “lobbies” dos suecos e gringos tentando inviabilizar a escolha dos RAFALES pelo governo do Presidente Lula. Não tenho dúvidas que é patética e lamentável a incompetência dos comandantes da FAB, na verdade UMA VERGONHA INTERNACIONAL, um desserviço prestado ao Brasil!!! Ainda bem que a escolha é política e com certeza, todos esses que estão conspirando contra a nação, deveriam ser afastados dos cargos que ocupam, pois poderiam sabotar quaisquer planos de defesa nacional, se os RAFALES forem os escolhidos, oficialmente.
    Um abraço a todos!

  11. Arne Nelson says:

    Alguém poderia me explicar, por que o Estaleiro Chileno (Asmar) esta na concorrência?, sendo que o modelo da foto é um OPV-80, construido no Chile sob licença do Estaleiro Alemão Fassmer. O que a Marinha do Brasil pede em relação a velocidade e armamento se encaixa o Modelo do mesmo fabricante Fassmer o OPV-90.

  12. Carcará says:

    Só aproveitando para manter o foco no “mar”, o Ivan lembrou da matéria do plano Brasil sobre os modelos GOWIND, que segue o link:

    http://pbrasil.wordpress.com/projetos/mar-de-tita/arquivos-naval/arquivo-a-opv-corvetas-da-familia-e-da-gowind/

    A variedade de modelos e possibilidades torna um concorrente extremamente ambicioso, porém como eu mesmo falei antes, andei escutando que o modelo Chileno é muito bom!

  13. francoorp says:

    Gustavo Krepke:

    Pelo que eu sei esta coisa de modernizar a FAB vem do governo do FHC, com o FX, depois veio o FX2.

    Paulo Amaral:

    Concordo totalmente em genero numero e grau!! O desserviço como dizes e´ a vergonha nacional.

    Mas voltando a MB, ela sabe lidar com os metodos e sisteas de Brasilia, entao basta pedir que o brinquedo novo chega!!

    Vergonha FABBibibiBubububuBuabuabuahahah!!

  14. roberto correia matos says:

    Na minha opinião há discordâncias pontuais na marinha e na aeronáutica quanto as medidas implementadas no PDN.

  15. Leandro de Mello says:

    Como já disse em outras oportunidades em outros espaços não sei porque a Fab não anda , será por influencia de um brigadeiro que fez parte do fx-1 e hj trabalha para Saab e tem livre acesso pelos corredores da Fab tendo os colega ainda batendo continencia e ainda tem mais um ex diretor da area militar da Embraer que tambem hj trabalha para Saab será por isso que o processo virou uma queda de braço? Vaja só a Marinha quietinha ja tem helicópteros, submrinos concionais (4) e o casco do tão sonhado SNB alem de navios patrulhas contruido em fortaleza, e o Exercito tambem quietinho comprou 250 Leopard 1A-5 totalmente modernizados mas uma compra significativa de 2000 blindados sobre rodas nos proximos 20 anos e tem mais quieto esta negociando sistema de defesa aerea como o russo S-3oo

  16. rborges says:

    Olhando para o que aconteceu na Málasia (Scorpene não submergia, ou submerge), no Chile (os Scorpenes estão cheio de problemas – http://www.naval.com.br/blog/2009/08/31/problemas-tecnicos-que-a-marinha-tera-de-enfrentar-no-scorpene/) ou os atrasos intermináveis na Índia. Fico com a FAB, é melhor um Gripen voando do que um Rafale eternamente no hangar. Além disso, devemos lembrar que a construção do estaleiro está sendo feita sem licitação (sem fiscalização do Tribunal de Contas da União), talvez seja por tudo isto que a compra dos Scorpenes e o casco sejam considerados o maior contrato de exportação da DCNS (http://www.alide.com.br/joomla/index.php/capa/36-noticias/262-dcns-conquista-o-maior-contrato-de-exportacao-de-sua-historia).

  17. Gaspar says:

    Essa história de Marinha versus FAB é coisa de blogueiro. A FAB está certa em lutar pelo melhor vetor para ela, e não para o governo. Com o Gripen são 22 mil empregos, com Rafale nenhum. Quanto aos navios os chilenos tem o melhor modelos. Mas pelo andar das coisas vai dar França, mesmo que seu modelo seja o mais caro.

  18. Paulo Amaral says:

    Caro Gaspar,

    A preocupação em proporcionar empregos é uma das atribuições do govêrno do Brasil, especialmente quando estivermos em crise econômica. Não sou anti-americano, nem tampouco petista e nem tenho procuração para defender o atual gestor do Estado, mas a taxa de desemprego no Brasil está baixa e a atividade econômica muito boa e em franca expansão, nossa economia cresceu e muito, somos a oitava economia do mundo e o quinto maior investidor nos EUA !!! – na compra de títulos da divida e do tesouro gringo -, além de sermos credores do FMI!!!Sou apenas cidadão brasileiro e orgulhoso por compor o Estado brasileiro, juntamente com essa dadivosa nação. Portanto, sou pró-brasileiro e não anti-americano, ou anti-qualquer nação. Diante das circunstâncias e suas limitações, o governo está fazendo a sua parte e muito bem !!!

    E a FAB ??? Como andam nossos meios de defesa aérea, nossos caças e seus sistemas de armas, para garantirem a segurança nacional e defesa da Pátria ??? Quantidade insuficiente e sucateada ??? Por quê está assim??? Seria para deixar-nos vulneráveis e assim convidando nossos inimigos a nos atacar ??? Ou seria para reduzir ao minimo as baixas dos inimigos e também dos fabianos num eventual conflito, uma vez que seus Mirage 2000 C e F-5, não teriam chance e por isso não decolariam, no combate aos invasores, na defesa da amazônia e do pré-sal. Assim, tudo correria bem no processo de entrega ao Tio Sam. Os SHs da Boeing, procedentes das 07 bases militares do protetorado da Colômbia, sobrevoariam livre e impunemente sobre a amazônia e o restante da colônia brasileira !!! Além disso, com o apoio que daremos ao PSDB, nossos soldos iriam disparar com o Serra, igual ao do desgoverno do FHC, com aumentos aos oficiais de alta patente. Tudo que temos a fazer é entregar, dane-se a defesa da nação ou Pátria, isso tá fora de moda!!!!Quantos dinheiros vale isso tudo, TRINTA ???

    Quanto à Marinha, é seguramente a Força mais honrada e nacionalista. O sentimento nacionalista é um elemento direcionador, age como uma bússola, que nos orienta e que nos leva a agir de forma certeira, rápida e com determinação.

    Nosso EB, ainda tem algumas facções retrógradas, que agem como bestas. São nostalgicos e acomodados, tentando convencer êles mesmos que o Brasil, os tempos e os inimigos são os mesmos. Gostam de defender a Pátria, pouco importa para quem deve ser, preferem jogar para a galera do norte e caçar os comedores de criancinhas. Assim, mostrar lealdade e serviço ao Tio Sam é o que interessa – afinal, trato é trato !!! Também gostam de detestar o cheiro de povo brasileiro, preferem o dos cavalos, assim lhes parece ficar mais facil fazer o serviço. Não obstante, lentamente estão se aposentando. De vez em quando, algum saudoso dos “bons tempos da terra sem lei” faz um “bombástico” e nostalgico pronunciamento, são apoiados pelos conservadores e se calam ao se aproximarem da sua própria sepultura. Por outro lado, existem os mais novos, uma nova geração, mais conscientes dos reais potenciais deste gigante e rico país sul-americano e de suas responsabilidades perante à nação e zelosamente defende seus recursos. Para estes, a defesa da pátria está implícita na defesa da nação – a pátria só tem valor na medida que ela e seus recursos pertencem e são desfrutados primeiramente pela nação. Há ainda, aqueles que, silenciosamente, aceitam o patriotismo falacioso e se dizem patriotas, são nacionalistas que pensam ser patriotas. Lembram os argentinos – que são italianos que pensam ser britânicos. Essas duas facções são os maiores responsaveis por certos projetos de defesa e desenvolvimento bélico, procurando fortalecer os meios de defesa do rico patrimônio nacional, sem muito alarde e minimizando as ameaças do norte, evitando chamar a atenção do tio Sam. Por fim, numa palavra, nacionalismo, é que está fazendo tôda a diferença, no comportamento das Forças. A FAB, claramente tem se mostrado ser a mais débil, neste sentido. A auxência dêste nobre e poderoso sentimento está levando a FAB a se comportar dessa forma vergonhosa – totalmente dissociada da nação brasileira. Os interesses da nação, Sr. Gaspar, precedem e de muito aos interêsses da FAB ou quaisquer outras instituições. A nação é sábia, o Sr., não tenha a menor dúvida disso!!!

  19. Robert says:

    Paulo Amaral, foi na mosca. Valeu!.

  20. Ricardo says:

    Sinceridade achei a maioria dos comentários deste posts muito ruins. Muita retórica pouquíssimo conteúdo. Essa história de Marinha ser melhor que FAB e o Exercito é viagem de gente que não tolera que a FAB tenha sua própria opinião (em relatório de 2006 a marinha disse que não queria outro tipo de submarino, fora o modelo alemão, por causa da questão do aumento do custo da logística, mudou de opinião muito rápido em três anos). Se eu fosse neste ritmo perguntaria o seguinte: Como foi a licitação para a escolha das empresas para a construção do estaleiro dos submarinos Scorpene? É conseqüência do acordo estratégico? Por que o TCU não participou de todo o processo e somente foi chamado no final?
    Fazia tempo que não via o conceito de nação ser utilizado como ele fosse uma pessoa, desde as aulas de Moral e Civica.

  21. Bruno says:

    Eita! Como tem cara atrasado, nacionalismo tipo integralista.

  22. Paulo Amaral says:

    Eita, realmente, como tem cara atrasado, que não tem capacidade de discernimento. O que é integralismo ????

  23. Ronaldo de souza gonçalves says:

    O Grispen não existe ainda numa concorr~encia na india mandaram um modelo anterior ao ofertado, e certo que os Eua não transferira a recnologia dela no grispen,Portanto o Rafael e melhor sim,ele atenderia a FAB sim excluisivamente poderiamos evitar um novo amx com o grispen e termo um aviaõ que em combate simulado por 7-1 foi uma unica vez que o f-22 raptor conseguiu alvejar.

shared on wplocker.com