O custo do adiantamento

http://www.areamilitar.net/analise/images%5CFX2_480.jpg

Demora do governo em definir qual caça equipará a Força Aérea atrasa planos de defesa do País e ameaça credibilidade da negociação com os três finalistas

A concorrência para a compra de 36 jatos de combate pela FAB, estimada em R$ 10 bilhões, parece uma novela sem fim. No capítulo mais recente, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou novo adiamento na escolha dos caças, desta vez para janeiro de 2010. Não informou os motivos e o comando da FAB mantém-se em silêncio para não quebrar a hierarquia. O custo dessa indefinição é enorme, pois afeta não só a credibilidade da negociação como atrasa os planos de defesa do País, que vê seu espaço aéreo vulnerável. “Não dá para ficar nessa ladainha. Seja pelo critério político, seja pelo técnico, é preciso resolver logo”, afirma o coronel reformado Geraldo Cavagnari, do Núcleo de Estudos Estratégicos da Unicamp. Ele explica que, uma vez decidida a compra, correrão mais seis meses até a assinatura do contrato. Para o analista de segurança internacional Gunther Rudzit, é necessário evitar que se repita o insucesso do programa F-X, adiado no último ano do governo FHC e, finalmente, cancelado em 2003. O Brasil precisa com urgência de uma geração de caças de combate para garantir a segurança dos céus e de suas riquezas no mar territorial. ISTOÉ obteve detalhes sigilosos das ofertas dos finalistas: o francês Rafale, da Dassault, o americano F-18 Super Hornet, da Boeing, e o sueco Gripen NG, da Saab.img1.jpg

O relatório da FAB mostra os pontos positivos e negativos de cada avião usando um código de cores (azul, amarelo e vermelho), em vez de notas. Dos três, o jato francês apresenta o pacote tecnológico mais abrangente e o sueco aparece, à primeira vista, como o de melhor preço. Seu valor unitário, sem o pacote de armamentos e os custos de manutenção, é de US$ 50 milhões. Seria um bom negócio, não fosse o Gripen NG apenas um projeto em desenvolvimento. Isso torna impossível calcular seu custo real e garantir o cumprimento dos prazos de entrega. Apesar da expectativa de desenvolvimento conjunto com a Embraer, a cúpula da Defesa sabe que escolher o Gripen NG seria como assinar um cheque em branco. A FAB marcou esse item em vermelho. “Não dá para comprar o que está na prancheta”, adverte Cavagnari. De fato, os registros históricos do setor aéreo no mundo atestam a precariedade de estimativas sobre um avião ainda não operacional. O F-18 Super Hornet, por exemplo, apresentou variação média de 100% entre o valor previsto inicialmente pelosfabricantes e seu custo final do projeto, que chegou a US$ 9,5 bilhões.


SOMBRAS O francês Rafale é o caça com maior poder de se manter invisível aos radares inimigos

Apesar disso, o caça americano é oferecido hoje a um preço estável de US$ 55 milhões. No caso do Rafale, até ficar plenamente operacional, foram necessários 7,5 bilhões de euros (US$ 10,9 bilhões), uma diferença de 50% em relação à estimativa inicial. Seu preço unitário sem armamentos e suporte era de 94 milhões de euros (US$ 136 milhões) quando começou a ser vendido, mas baixou depois para 54 milhões de euros (US$ 78 milhões). img2.jpgEsse é o valor oferecido ao Brasil na última proposta e o mesmo praticado pela Dassault com o governo francês. Além da questão do preço, levantada pelo presidente Lula durante a visita do colega francês Nicolas Sarkozy aBrasília em setembro, está em jogo o prazo. Segundo Cavagnari, o setor de defesa está num processo de desmonte avançado, que começou em 1995. “Temos carências imediatas de poder aéreo que precisam ser solucionadas”, explica. E aí surge outro problema. A FAB quer receber os primeiros aviões em 2014. Quem garante entregar o pedido em tempo hábil? A Dassault está com a linha de produção do Rafale aquecida por novas encomendas do governo francês, o que dá segurança ao cumprimento dos prazos. A Boeingtradição de pontualidade nas vendas do F-18. Já a Saab deve levar oito anos para tornar seu caça operacional. Por exemplo: o radar que vai equipar o Gripen começou a ser desenvolvido só este ano.

“Para se ter uma ideia, a Saab desenvolve o radar Caesar para o caça Typhoon há cinco anos e a previsão para ficar pronto é 2016. Agora dizem que podem desenvolver um radar similar, o Raven, para equipar o Gripen NG, até 2011. Acho bastante improvável”, afirma o especialista Pedro Paulo Rezende. Outro ponto importante na análise  da FAB é o custo da hora-voo. Um avião que consome demais torna-se inviável a longo prazo. A hora-voo do F-18 está em US$ 11 mil, enquanto a do Rafale é de US$ 14 mil. Já a do Gripen, segundo a Saab, seria de US$ 4 mil. Mas a Comissão Técnica do FX- 2 (Copac), a partir de cálculos baseados em dados de manutenção extrapolados do Gripen C/D (versão anterior ao NG), encontrou um valor bem diferente: US$ 8 mil. Da mesma forma, a Noruega e a Holanda, ao avaliarem o caça sueco, chegaram ao valor de US$ 10 mil. A divergência de informações levou a FAB a marcar esse item do Gripen em amarelo, de atenção. O F-18 ganhou azul nesse quesito, mas avermelhou no item “assinatura-radar”, que significa o rastreamento pelos radares inimigos. O Rafale, segundo dados oficiais, é o caça mais “invisível” dentre os concorrentes.

Em recente exercício simulado com a Marinha americana, os jatos franceses “derrubaram” seis caças F-18 e perderam só duas aeronaves. Os pilotos americanos disseram que só conseguiam ver o Rafale no radar quando já era tarde demais para reagir. Agora, quem precisa agir rápido é o governo brasileiro.

Sugestão e colaboração: Hornet

Fonte: Istoe

6 Comentários

  1. Se estes argumentos forem realmente levados a serio, e lamentavelmente estão sendo mesmo. Então a FAB não precisa destes caças! Vamos defender o que? Fazendas de soja, favelas no Rio e a avenida 25 de março?

  2. Além de defender as Fazendas de soja, favelas no Rio e a avenida 25 de março,vamos defender tb uma produção estimada daqui a 10 anos ,nas projeções mais pessimistas de 1,8 milhoes de barris de petroleo dia,uma biodiversidade enorme,o maior aquifero do mundo,nosso povo,nossa pátria,e tantas outras coisas importantes para quem ama seu país!!!

  3. “Não dá para comprar o que está na prancheta”, adverte Cavagnari.”

    O Coronel Cavagnari deve ter seus motivos para dizer isso. Talvez os prazos prometidos pela SAAB não sejam tão fáceis de serem cumpridos como os depoimentos nos jornais dos representantes da empresa alegavam…enfim…

    abraços a todos

  4. Concordo com o que foi dito emm relação ao GripenNG um projeto que pode ter um custo muito alto e uma demora fora do programado.

    Não sei se o Rafale teria tantas qualidades assim acima do SH.

    ABs.

  5. E sem nenhuma industria! Força Aerea que se preze é antes de tudo um grande e carissimo programa de desenvolvimento industrial.
    Se não desenvolvermos uma industria nacional forte e dinamica todo o pre-sal a, biodiversidade, agronegocio e aquifero guarani não servirão de nada para nos brasileiros! So servirao para aqueles que estejam a serviços de intersses extranjeiros!

Comentários não permitidos.