Defesa & Geopolítica

Aeronáutica separa atividade estratégica e área operacional

Posted by

Para o Valor, de São José dos Campos

A estrutura de comando do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) será alterada a partir do próximo ano, com o desmembramento das atividades estratégicas e operacionais. O departamento voltará a se dedicar ao gerenciamento das grandes linhas de ação nas áreas de ciência e tecnologia da Força Aérea Brasileira (FAB), e a parte operacional ficará com o CTA, com sede em São José dos Campos. 

O DCTA será, provavelmente, transferido novamente para Brasília, mas de acordo com o diretor atual do departamento, brigadeiro Cleonilson Nicácio, a questão ainda não foi definida.

Em 2006, houve uma fusão entre o antigo Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Aeronáutica (Deped), sediado em Brasília, e o CTA, que passou a se chamar Comando Geral de Tecnologia Aeroespacial. Com as mudanças previstas para o ano que vem, a denominação antiga do CTA, Centro Técnico Aeroespacial , será retomada e o órgão voltará a ser comandado por um general três estrelas.

Há quatro meses no cargo, o brigadeiro Nicácio deverá assumir a chefia do Estado Maior da Aeronáutica (Emaer) em abril do próximo ano. Atualmente, Nicácio é o oficial general mais antigo da Aeronáutica na ativa e um dos nomes mais cotados para ser o novo comandante da Aeronáutica em 2011, possibilidade que ele prefere não comentar

A única certeza que tenho hoje é que no dia 31 de março de 2011 estarei indo para a reserva. A escolha do novo comandante é política e nem sempre se baseia no critério da antiguidade“, afirmou o brigadeiro.

De acordo com as diretrizes definidas pela Estratégia Nacional de Defesa (END) para o setor espacial, o DCTA elegeu três grandes prioridades em termos de projetos:

  • O desenvolvimento de mísseis.
  • Veículos aéreos não tripulados (Vants). 
  • Foguetes lançadores de satélites (VLS).

São projetos que apresentam uma sinergia com as outras Forças Armadas, que, juntas, poderão somar esforços e recursos, tanto humanos quanto de equipamentos e de laboratórios, para acelerar o desenvolvimento das suas pesquisas“, avalia o diretor-geral do DCTA.

Nicácio cita como exemplo o fato de as três forças precisarem do programa de mísseis. “A Marinha precisa dos mísseis para autodefesa de navios e para os aviões de ataque. e o Exército, para seus mísseis antitanque.” (VS).

Fonte: Notimp

Comments are closed.

shared on wplocker.com