Defesa & Geopolítica

You Tube apresenta, desde ontem, comentário sobre o livro ‘O Código das Profundezas’, que narra a saga dos submarinos argentinos na Guerra das Malvinas

Posted by

Capa do livro recomendado por Robinson Farinazzo

Por Roberto Lopes

 

 

O capitão de fragata da Reserva Robinson Farinazzo postou, na noite deste domingo (21.05), um comentário sobre o livro “O Código das Profundezas: Coragem, Patriotismo e Fracasso a bordo dos Submarinos Argentinos nas Malvinas, de autoria deste colunista.

O comandante Farinazzo no You Tube

A obra, de 278 páginas, foi lançada pela Civilização Brasileira no fim de 2012, ano em que a Guerra das Malvinas completou o seu 30º aniversário, e pode ser adquirida pela Internet ou diretamente na editora (pelo telefone 21-2585-2000).

O comentário de Farinazzo, com duração de 3 minutos e 46 segundos, está disponível em:

Nota do Editor: O colunista agradece as palavras generosas do comandante Farinazzo.

13 Comments

  1. Excelente abordagem, com um bom resumo sobre o assunto.

  2. Me indiquem livros sobre tema?
    Esse e sobre Benghazi já tenho.

  3. Excelente. Perguntinha. Eu era muito jovem na época. Um ano riquissimo da história foi 1982. Copa do Mundo da Espanha com a seleção canarinho de Telê dando show. Um ano pra nunca esquecer. Lembro que saiu uma notícia sobre um helicóptero argentino sendo abatido por um míssil anti-aéreo disparado de um submarino britânico. Isso existiu mesmo ou é obra dos meus sonhos, e pouca memória? Isso ficou na minha memória pois o fato era sem dúvida sobre natural para mim na época.

  4. Eu gostaria que a Argentina tivesse ganhado o conflito, se pelo menos tivessem + míssil e outras coisas mais os ingleses teriam desistido de continuar mas enfim.

  5. A Argentina tomou um pau nas Malvinas. Essa humilhação serviu de exemplo para os países de Bananeiras a nunca meterem-se a bestas. Quem não investe pesado em suas forças de defesa não tem capacidade de enfrentar ninguém. Tem que ter racionalidade para formar tropas terrestres, aeronáutica e marinha. Anões diplomáticos não ameaçam ninguém e não tem capacidade de defesa. Contudo, é uma bela matéria que permeia o assunto, dos submarinos no caso, sobre a guerra das Malvinas.

    • Realmente, o livro do Roberto Lopes contribui muito para a bibliografia sobre o conflito. Tomara que sua atitude estimule a produção de novas obras dobre o tema em português.

  6. Renato de Mello Machado says:

    Ainda bem quê teve esse conflito,e a Argentina perdeu.Na época tinha uns 12 anos e já sabia quê os argentinos eram mais armados quê nós.Com a perda da guerra, liberou mais nossas Forças para Amazônia e outros lugares quê se fazia necessário.

  7. Dentro dos se,se os argentinos tivessem buscado meios russos ou chineses,principalmente mísseis antiaereos e navio,seria possível seu uso pelos helicópteros e aeronaves argentinas?

    • Leva muito tempo para preparar e adaptar tudo. Material não ganha a guerra, o que faz com que guerras sejam perdidas ou vencidas é gente treinada, preparada , bem comandada e (aí sim ) equipada. Já está mais provado que, em paridade de meios materiais, vence a força mais estruturada em termos desses parametros que apresentei. Um abraço!

shared on wplocker.com