Defesa & Geopolítica

Tropas francesas perdem veículos blindados VBCI no Mali.

Posted by

Tropas francesas perderam dois veículos de combate da infantaria VBCI (Véhicule Blindé de Combat d’Infanterie) em um ataque de terroristas com carros bombas no Mali.

Um porta-voz militar francês disse que não houve mortes entre as tropas francesas, mas o Ministério da Defesa do Mali disse que, pelo menos, dois civis foram mortos no ataque, que ocorreu na região de Gao.

Como resultado do ataque terrorista, dois veículos franceses de combate VBCI foram destruídos. Esta é a primeira perda conhecida de veículos de combate de infantaria deste tipo.

O ataque acontece quando mais de 40 chefes de estado africanos se encontram para uma cúpula da União Africana que tem a segurança como ponto alto da agenda.

O VBCI (Véhicule Blindé de Combat d’Infanterie) é um dos modernos veículos de combate de infantaria com rodas do mundo. O VBCI é projetado para substituir o antigo veículo de combate de infantaria blindado AMX-10P, que atualmente é usado pelas unidades mecanizadas do Exército Francês.

 

Com Informações de Defence Blog

10 Comments

  1. E impressionante como em todo o canto desse mundo os fanáticos muçulmanos conseguem mostrar poder. Me pergunto de onde tanta coordenação, e treinamento.

    • Rogério Rufini says:

      Quem você acha que patrocina, aqui no Brasil mesmo tem um monte de gente que é a favor deles, inclusive uma presidenta falou que não se deve usar força contra eles e sim dialogo

    • Terroristas? o que a França faz no Mali? no caso os terroristas invasores são os franceses.

    • Faz essa pergunta ao MI6, CIA, o Servico de Inteligencia do Pakistao, da Arabia Saudista, da Turquia, da Jordania. Quem criou o al Quaeda?Quem treina esses terroristas que operam na Siria e no Iraque. Quanto ao papel dos Servicos de Inteligencias das Forcas Armadas dos EUA, em treinar esses terroristas eu so posso passar o link, para vc ouvir a entrevista de Kay Griggs. E so 8 horas de duracao. Ela e Loira, norte americana, procedencia escocesa, religiao epicospal/presbeteriana. extrema direita, casada com um Coronel Marine, Operacao Especial da OTAN e da White House. A entrevista falada completa e; Kay Griggs Interview 1998: Satanism in the Military (Full Length) https://www.youtube.com/watch?v=Cwark7vIhIM e um transcricao parcial em ingles e Kay Griggs: Video Transcript from Altruistic World Online Library https://godstruthwar.com/gtw/node/53 Seu marido trabalhou Operacao Especial por muito tempo no Oriente Medio, ensinando a garotada la a arte de terrorismo, assassinato e outras coisas.

    • terrorismo se explica em 2 coisas que aterrorizam os EUA e “sua ordem mundial” a Russia na OPEP e a china ditando a ordem econômica mundial principalmente onde a recursos e petróleo a revelia do FMI.
      https://artedeomissao.wordpress.com/2013/01/16/mali-eldorado-de-uranio-ouro-petroleo-e-minerais-estrategicos/

    • É a nova desculpa para a velha rapinagem e agora disfarçado de ações humanitárias antiterror

  2. Nada é indestrutível! E perdas ocorrem em combate real. Se a tripulação se salvou, a blindagem foi eficiente. Não há demérito do veículo. Infelizmente civis foram as vítimas. Estes pouco podem fazer para de defender.

  3. jose luiz esposito says:

    O Ocidente sempre os agrediu , para subtrair suas riquezas , mas os colonizados sempre se dispõe a defenderem o Colonizador , o m,esmo que sempre subtraiu também as nossas riquezas , Ok , continuem assim , com vocês cotado do Brasil !!

    • salessandro300@gmail.com says:

      Isso que o ocidente faz agora camarada já foi feito pelos muçulmanos nos tempos que eles eram poderosos,então não adianta vir lamentar por eles…

  4. Meus caros, vamos aos fatos:

    A China começou a desenvolver o continente africano um pouco depois da União Soviética. Atualmente, o comércio entre a China e a África ao sul do Saara é superior a 220 bilhões de dólares e, em 2020, espera-se que cresça em mais um terço.

    O volume de comércio entre a Rússia e os países africanos é menor em duas ordens de magnitude: US $ 3,6 bilhões em 2017, segundo dados citados por Sergei Lavrov.

    Obviamente, a Rússia não pode competir diretamente com a China no comércio. Como, aliás, e com os países do Ocidente – o volume de negócios com a África tropical apenas nos Estados Unidos excede 37 bilhões de dólares anuais.

    É verdade que a Rússia pode se gabar de posições fortes no mercado de armas, onde suas posições na África são tradicionalmente fortes.

    Estritamente falando, o mercado africano não é o mais importante para o complexo militar-industrial russo, por exemplo, em 2016, apenas cerca de 12% das exportações de armas russas foram para os países do continente.

    Mas ainda é a segunda plataforma mais importante para o comércio de armas depois da região da Ásia-Pacífico.

    Os interesses comerciais russos na África Subsaariana hoje, principalmente, estão no setor de commodities. Alrosa, Rosneft, Rostekh e Rosatom estão prontas para financiar projetos de mineração em Angola, Namíbia, Zimbábue e outros países.

    KamAZ e “Sukhoi Civil Aircraft” também estão a negociar com países africanos. O escritório da VTB abriu em Angola. A cooperação com a Rússia no campo de petróleo e gás foi definida pelo Congo, Sudão e Senegal.

    A África está se tornando um mercado para o grão russo, e os vegetais e frutas africanos estão chegando à Rússia (especialmente após a introdução de sanções).

    Essa estrutura comercial não é muito diferente da que existia nos tempos soviéticos.

    E agora vamos dar uma rápida pincelada no que os chineses estão fazendo na África.

    Na Nigéria, 11 mil trabalhadores chineses estão construindo uma ferrovia entre Lagos e Kano e uma usina hidrelétrica.

    Na Guiné – uma mina, uma represa, um complexo hidrelétrico, uma ferrovia e uma usina de processamento.

    No Sudão, há um gasoduto e equipamento para a produção de petróleo. O porto do Sudão foi reconstruído em dois anos.

    E etc e etc….

    A China investe em infraestrutura, estradas, hospitais e escolas. Os estudantes africanos agora vão estudar na China, como antes iam para a URSS. Os bancos chineses fornecem empréstimos aos países continentais em termos favoráveis, que são pagos por minerais e, claro por reconhecer apenas uma só China…

    As empresas chinesas participam de vários projetos em todo o continente e geralmente possuem participações significativas nelas.

    A verdadeira quantidade de investimento direto chinês na economia dos países africanos é difícil de calcular, mas é provável que eles excedam os números oficiais.

    No momento, as empresas privadas chinesas já estão investindo na África, contornando os acordos intergovernamentais existentes e sem a ajuda dos bancos chineses.

    Especialistas estimaram que, nos dez anos (de 2005 a 2015), os investidores chineses investiram mais de US $ 66 bilhões em países africanos e criaram mais de 130.000 empregos…

    O investimento chinês acumulado na África em termos absolutos ainda é menor que o dos EUA ou da Europa, mas em termos de crescimento do investimento na economia dos países africanos, a China está visivelmente à frente dos países ocidentais.

    A África é também um mercado colossal (mais de um bilhão de pessoas) para os produtos chineses, especialmente aqueles que são relutantemente comprados no Ocidente. O nível de bem-estar da maioria dos países africanos não permite que eles sejam muito escrupulosos nesses assuntos como acontece no Ocidente…

    Apesar da diferença nas abordagens da interação econômica com os países africanos entre a China e a Rússia, seus interesses se cruzam em alguns lugares e até colidem. No entanto, no continente africano, o potencial de deterioração das relações russo-chinesas é baixo.

    Confrontos de entidades econômicas dos dois países ocorrem não apenas na África, mas também, por exemplo, na Ásia Central. No contexto da vida cotidiana, esses conflitos de interesse podem causar atrito, mas, dramaticamente, as relações entre Moscou e Pequim não afetarão…

    Em muitas questões da agenda internacional, as posições da Rússia e da China são próximas, paralelas ou coincidentes. Portanto, as partes, em geral, estão prontas para a possibilidade de um choque de interesses comerciais e não permitirão que afetem as relações de longo prazo de ambas as potências.

    Os interesses estratégicos da Rússia e da China na África foram recentemente menos consistentes.

    A Rússia está interessada principalmente na influência política, na restauração dos laços da era soviética.

    No entanto, de acordo com muitos analistas, após o colapso da União Soviética, a influência russa na África enfraqueceu visivelmente, e hoje Moscou não faz esforço suficiente para devolvê-la.

    Além disso, hoje o acesso de produtos africanos aos mercados russos está repleto de dificuldades burocráticas.

    A China também não recusa a influência política, mas constrói em uma base econômica. A assistência financeira da China para vários países africanos vem a bem da verdade, na maneira como votam na ONU sobre as propostas resoluções de Pequim e com o apoio do princípio de “uma China” (isto é, o não reconhecimento de Taiwan).

    Em março de 2017, mais de dois mil e quinhentos soldados chineses foram enviados para a África para participar de seis missões de manutenção da paz da ONU (apesar do fato de que anteriormente a China tradicionalmente se abstinha de participar de operações de manutenção da paz…).

    Outrossim, não podemos esquecer que o Sudão, é um importante fornecedor de petróleo para a China…

    A Rússia usa aproximadamente os mesmos instrumentos na África: participa de operações de manutenção da paz, elimina débitos em troca de contratos lucrativos. O Kremlin tem procurado demonstrar que considera importante o desenvolvimento dos laços com os países africanos (em face da crescente pressão das sanções dos EUA e da Europa Ocidental, velhos amigos novos ou bem esquecidos não serão supérfluos em momento algum…).

    Infelizmente, o nicho russo no continente está cada vez mais cheio da China é verdade. E os mesmos fazem isso com uma visão para o futuro, que geralmente é uma característica da política chinesa. Parece que no momento a Rússia não tem como se contrapor a isso…

    Faço aqui um lembrete, em 2014, a Rússia e o Zimbábue concordaram em desenvolver estudos conjuntos sobre a segunda maior jazida de platina da África e o terceiro depósito mundial de platina que fica em Darwendale na província de Mashonaland Wes. As reservas de platina em Darwendale são calculadas em cerca de 19 mil toneladas, e os recursos totais, incluindo ouro, níquel e cobre, chegam a 755 mil toneladas. Se o projeto funcionar, a Rússia pode se tornar líder no mercado global de platina…

    A realidade meus caros na cabeça dos EUA e seus parceiros é a seguinte, a China e Rússia estão trabalhando para aumentar sua influência na África, na esperança de contrapor os EUA em termos de investimento e outros indicadores, adverte as autoridades dos EUA, chamando esta tendência de parte dos esforços de ambos os países para reorganizar a ordem mundial. Obviamente, estão certos. E, isso é inadmissível para os EUA…

    Há vários meses, os principais representantes das agências de segurança nacional dos EUA têm falado sobre a retomada do chamado concurso de grandes potências, observando que os maiores esforços são para neutralizar a influência dos Estados Unidos.

    De acordo com as autoridades, os esforços de Pequim e Moscou são de natureza regional e global: ambos os países estão buscando estratégias destinadas a privar os EUA do acesso a zonas de conflito em tempos de crise e mercados comerciais em tempos de paz.

    Na África, ambos os países estão tentando se mostrar alternativas viáveis, se não insubstituíveis, aos Estados Unidos. Neste caso especifico, eu vejo como dever de casa de cada país defender seus justos interesses…Rússia, China e Brasil, sim o Brasil, não fazem mais do que o óbvio ao procurar se inserir no mercado africano.

    Em março o comandante dos EUA na África, general Thomas Waldhauser, disse aos congressistas americanos que é extremamente importante transmitir aos países africanos que Washington pode continuar sendo um parceiro confiável para eles e o fará. Normal, se não fosse em vez de um general 4 estrelas, alguém da camara de comércio ou das relações exteriores dos EUA.

    “É importante que nós estejamos lá e que os habitantes dos países africanos vejam nosso compromisso”, disse ele, falando no comitê sobre as Forças Armadas da Câmara dos Representantes no mês de março deste ano.

    Preocupações sobre a crescente influência da China na África existem há muito tempo. Em setembro de 2017 a inteligência dos EUA já alertava que a primeira base militar estrangeira da China em Doral, no leste de Djibuti, provavelmente se tornaria apenas a primeira de muitas…

    Só não mencionaram meus caros que, os EUA tem atualmente mais de 800 bases militares presentes em todos os continentes. Inclusive aqui do nosso lado na Colômbia e Paraguai.

    “A China busca construir bases militares em todo o mundo, criando novas áreas de interseção, e talvez até conflitos, dos interesses de segurança da China e dos Estados Unidos”, disse um funcionário da inteligência na época.

    Do ponto de vista do Comando Africano, a situação no Djibuti, onde está localizado o acampamento Camp Lemonier, é a mais “preocupante”(sic), a única base militar permanente dos EUA no continente africano, desempenhando o papel de um nó para operações de contraterrorismo(sic, de novo).

    O general Waldhauser há época observou que a base militar chinesa em Doral está localizada “bem no portão” da base americana.

    Segundo dizem os americanos apesar das tentativas de cooperação com a China em áreas como assistência médica e treinamento de forças armadas locais, o Departamento de Defesa dos EUA está cauteloso. Não nos esqueçamos que a China foi desconvidada do RIMPAC 2018 pela US Navy…

    “Não somos ingênuos”, continuou Waldhauser na época. “Estamos tomando medidas sérias de contrainteligência para nos fornecer toda a proteção necessária.”

    No entanto, o poder militar chinês na África, incluindo um contingente de paz de cerca de 2.500 pessoas, não é a principal preocupação dos serviços de defesa, inteligência e diplomáticos dos EUA.

    Em primeiro lugar, eles observam como Pequim, por meio de assistência econômica e promessas de desenvolvimento, atraiu países como Djibuti para sua esfera de influência.

    “A China está construindo instalações: um shopping center, um estádio de futebol”, disse Waldhauser. “Eles criam uma infra-estrutura de comunicação no Djibouti.”

    “Falando de influência e acesso, este é um exemplo clássico”, acrescentou. “Nós nunca vamos ultrapassar a China em termos de investimentos em dinheiro.” E, eu digo que, os investimentos são ótimos para os países africanos, com certeza sua população pobre agradece general.

    O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, acusou na época a China de “promover a dependência” economica e política da África em direção à China. Bom, neste caso, só vale se permanecer na esfera de “dependência” dos EUA e parceiros, é claro…

    Outras autoridades dos EUA também expressam preocupação com as dívidas que se acumulam para alguns países que estão cada vez mais emprestando da China. Segundo algumas estimativas, a dívida do Djibuti para com a China é de 1,2 bilhão de dólares. É aquela coisa, não pode ficar devendo para a China e russos, mas para americanos e parceiros pode, há pode sim…

    A esse respeito, alguns legisladores dos EUA temiam que a China tentasse assumir o controle do principal porto de Djibuti, um terminal de contêineres em Doral…como se isso não fosse algo perfeitamente “normal.”

    As autoridades do Djibuti tomaram o controle na época do porto com base em uma disputa contratual com sua antiga operadora, a empresa DP World, sediada em Dubai.

    Só pra vocês ficarem sabendo, a Fibria, empresa brasileira que atua na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, assinou este ano(2018) um contrato com a DP World Santos, pertencente ao grupo internacional DP World, para a prestação de serviços de armazenagem e operação logística portuária no terminal de uso privado (TUP) do provedor logístico situado na margem esquerda do Porto de Santos (SP). A operação portuária terá início com a conclusão das obras do novo armazém e demais estruturas logístico-portuárias, prevista para ocorrer até o final de 2020. Pelo contrato, fica garantida à Fibria e suas subsidiárias a prestação dos serviços portuários pela DP World Santos até 2039, sendo possível a prorrogação até 2042, sujeita à obtenção da renovação da autorização portuária pela DP World Santos.

    E os americanos continuam…

    “A julgar pelos materiais que consegui conhecer, eles tomaram o controle do porto não para obter lucro, mas para entregá-lo à China”, disse o deputado americano Bradley Byrne, membro da Câmara dos Deputados, em uma audiência no Comitê das Forças Armadas, onde Waldhauser falou.

    “A China não age por considerações puramente filantrópicas”, disse Byrne. “E todos nós temos que admitir isso.” Diferente dos americanos e parceiros né….tão bonzinhos(sic).

    O Pentágono admite que se a China tomar o porto sob seu controle e decidir introduzir quaisquer restrições, isso acarretará conseqüências significativas, incluindo a possibilidade de reabastecer navios e suprimentos para Camp Lemonier e outras bases na África. BINGO!!!

    Está aí com todas as letras o REAL motivo de toda a celeuma. E, o motivo é o desafio, a ingerência do governo chinês, russo, brasileiro ou de qualquer outro nos lucros das empresas e na influência politica e estratégica do governo americano nesta região. É tudo por conta disso.

    Os conflitos na África tem claro, seus motivos locais, óbvio que sim. Mas, os motivos locais e seus cidadãos são utilizados como buchas num jogo que tem como pano de fundo interesses não tão nobres como aqueles incessantemente conjurados pela faminta, miserável população africana.

    Grato

shared on wplocker.com