Categories
Defesa Negócios e serviços Traduções-Plano Brasil

Turquia deseja expandir as relações no setor de defesa com a rússia

ZHUKOVSKY, 27 de agosto / TASS /. A Turquia está interessada na produção de material de defesa conjuntamente com a Rússia. Isto inclui a produção de caças, foi o que disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, sobre os resultados das conversações com seu colega russo Vladimir Putin nos bastidores do MAKS Air Show de 2019.

“Um dos principais passos nas relações com a Rússia é a produção conjunta [de sistemas de defesa antimísseis S-400], houve muitos rumores sobre isso, não lhes demos atenção alguma”, disse ele. “Gostaríamos de aplicar nossa solidariedade nesta área em outras esferas da indústria de defesa. Isso também pode se aplicar a aeronaves militares.”

O presidente russo, Vladimir Putin, disse aos repórteres sobre os resultados das negociações com Erdogan que eles discutiram a produção conjunta de equipamentos militares russos.

 “Nós discutimos a cooperação no programa Su-35 e até o possível trabalho no novo jato Su-57”, observou o líder russo. “Temos muitas oportunidades; demonstramos novos sistemas de armas e novos sistemas de guerra eletrônica”.

Em setembro de 2017, a Rússia informou sobre um contrato assinado com a Turquia para a compra de sistemas de defesa antimísseis russos S-400 no valor de US $ 2,5 bilhões. O contrato inclui a transferência parcial da tecnologia de produção para os turcos. O primeiro lote de sistemas S-400 foi entregue à Turquia de 12 de julho a 25 de julho.
 

Categories
Conflitos Geopolítica Traduções-Plano Brasil

CENTCOM apresenta vídeo do abate da aeronave BAMS-D da Marinha dos EUA no Estreito de Ormuz

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

O Comando Central dos EUA (CENTCOM) confirmou que uma aeronave não tripulada de Vigilância Marítima de Área extendida da Marinha dos EUA (acrônimo em inglês- BAMS-D) foi derrubada por um sistema de mísseis terra-ar iraniano. 

O comando afirmou que a aeronave estava operando no espaço aéreo internacional sobre o Estreito de Hormuz, aproximadamente às 23h35 GMT de 19 de junho de 2019.

O CENTCOM refutou as reportagens iranianas de que a aeronave estava sobrevoava o espaço aéreo do Irã.

De acordo com uma nota do New York Times, os preparativos para um ataque de retaliação pelos EUA estavam bem encaminhados quando foram abruptamente cancelados. O ataque seria realizado na madrugada de 21 de junho para minimizar o riscos de danos aos civis iranianos. Outros artigos afirmaram que os ativos da Marinha dos EUA na região foram colocados em um período de 72 horas de espera para um possível ataque.

O BAMS-D é um sistema de aeronave não tripulada de grande altitude (acrônimo – HALE), baseado na aeronave RQ-4A Global Hawk e é um predecessor do MQ-4C Triton (imagem) , que inicialmente havia sido suspeito de ter sido abatido.

Informações das redes iranianas dão conta que a aeronave sobrevoava  área conjuntamente a uma aeronave P8 Poseidon o qual possuia 35 tripulantes. Em nota, os oficiais iranianos atestam que poderiam ter abatido o P-8 com seus 35 tripulantes, mas mandaram um recado à Washington ao selecionar a aeronave não tripulada que segundo eles, sobreboava o seu espaço soberano. O pentagono refuta veementemente estas informações.

 

Fonte: Naval Today

Categories
Conflitos Economia Geopolítica

Plano Brasil/Relações Brasil Versus OCDE/Análise: “Ingresso do Brasil pode levar até cinco anos, diz Diretor de Assuntos Jurídicos da OCDE, mas que fique claro, não por culpa do Brasil!”

NOTA DO PLANO BRASIL, por Gérsio Mutti: Plano Brasil/Relações Brasil Versus OCDE/Análise: “Ingresso do Brasil pode levar até cinco anos, diz Diretor de Assuntos Jurídicos da OCDE, mas que fique claro, não por culpa do Brasil!”

Fonte da matéria em questão: [PDF]Clipping-Notícias/Câmara dos Deputados (https://www2.camara.leg.br/atividade…/18-06-2019…/file), Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul, Clipping-Notícias, 18/06/2019, Sumário Notícias, Senado Notícias: Valor Econômico, Brasil, Página A2, Terça-Feira, 18/Junho/2019 (https://www.valor.com.br/brasil/6310591/ingresso-do-brasil-pode-levar-ate-cinco-anos-dizdiretor-da-ocde) … Ingresso do Brasil pode levar até cinco anosdiz diretor da OCDE ………………………………… 5.

Em destaque na capa do jornal Valor Econômico de Terça-Feira, 8/Junho/2019: “A entrada do Brasil na OCDE permanece em compasso de espera, mas não por culpa do Governo Brasileiro. Segundo o Diretor de Assuntos Jurídicos da OCDE, Nicola Bonucci, os 36 países membros têm dificuldades para chegara um consenso sobre quais candidaturas priorizar, assim como sobre o calendário das adesões. Mas ele está otimista com relação ao pedido brasileiro.”

 Ingresso do Brasil pode levar até cinco anos, diz diretor da OCDE

 Por Gabriel Vasconcelos | Do Rio

Valor Econômico, Brasil, Página A2, Terça-Feira, 18/Junho/2019

A entrada do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) permanece em compasso de espera, mas não por culpa do governo brasileiro. Segundo afirmou ao Valor o diretor de assuntos jurídicos da organização, o ítalo-francês Nicola Bonucci, os 36 países membros têm dificuldade para definir quais candidaturas priorizar, assim como sobre o calendário das adesões. Na OCDE, toda decisão tem de ser tomada por consenso.

Mas o principal responsável pelos processos de adequação à organização se diz otimista com relação ao pedido brasileiro: “Tenho muita dificuldade de imaginar um cenário em que o Brasil fique de fora das novas adesões.” Bonucci afirma, porém, que o tempo mínimo do processo de adesão não será menor do que três anos e, no caso do Brasil, pelo tamanho da economia, pode levar até cinco anos, o que impediria o governo Bolsonaro de colher os frutos políticos da integração.

Em visita ao Brasil para o Congresso Mundial de Câmaras de Comércio, realizado na semana passada, no Rio, Bonucci disse que o tempo de adequação brasileira aos termos da OCDE pode ser abreviado, em caso de aprovação, porque o governo Bolsonaro promove uma série de reformas coerentes com a cartilha da organização.

“Algo muito importante em curso, e que costuma tomar muito tempo, é o ajuste ao código de liberalização da economia em matéria de movimentação de capitais”, afirma. “O Brasil tem todas as cartas [para entrar na OCDE]. Faz parte da convenção anticorrupção da organização e o que se passou neste país nos últimos dois ou três anos atesta que há um trabalho sendo feito nesse sentido”, opina.

Além do Brasil, cinco países apresentaram candidaturas à OCDE, dois latino-americanos (Argentina e Peru) e três europeus (Romênia, Bulgária e Croácia). Bonucci diz que ainda não há uma escolha e que um grupo “importante” de membros defende o escalonamento das adesões, de modo que diferentes blocos de países sejam aceitos com uma diferença de meses.

Uma reunião do conselho da OCDE, que reúne embaixadores, está prevista para esta semana. A ideia, segundo Bonucci, é avançar nas discussões para começar tratativas prévias, mesmo que a formalização dos primeiros processos de adesão possa vir somente em um horizonte de seis meses ou mais.

O grupo de países céticos ao ingresso simultâneo de novos sócios argumenta que esse processo pode sobrecarregar a administração da OCDE. Bonucci discorda. “No passado recente, entre 2007 e 2010, abrimos processos de adesão para cinco países ao mesmo tempo. Então podemos fazer”, diz. Ele faz referência aos casos de Chile, Israel, Eslovênia, Estônia e Rússia. Destes, só processo da Rússia não foi à frente em razão da invasão na região da Crimeia, em 2014, abrindo conflito com a Ucrânia.

Com relação à articulação dos apoios, o dirigente é evasivo. Não é segredo que os membros da União Europeia fazem forte lobby para que todos os seus membros integrem a OCDE e, por isso, exigem uma entrada pareada dos países que apoia com outros, apoiados pelos EUA, como são os casos de Brasil e Argentina.

Quanto à articulação em torno do pedido brasileiro, o diretor da OCDE afirma que a conjuntura mudou desde que Washington formalizou seu apoio ao Brasil em reunião do conselho no último 23 de maio. Até então a posição americana era lida como dúbia nos bastidores da organização. Além disso, o país contaria, desde o início, com o apoio do Japão, voz importante no processo decisório fora do eixo EUA-UE. “O Japão é muito favorável à candidatura brasileira e isso é um elemento importante”, afirma. “Nenhum país fez objeção oficial a entrada do Brasil”, diz ele, para sugerir, em seguida, que alguns condicionam seu aval a outras adesões.

Com relação às inclinações políticas do governo Bolsonaro, como o desejo expresso de alinhamento externo com os EUA, Bonucci se mostrou indiferente. Disse que, desde 1961, quando a OCDE foi criada, os países-membros tiveram governo das mais variadas orientações e que a agenda econômica sempre teria pautado as relações de forma pragmática. “Na economia do mundo atual, a ideologia encontra seu limite muito cedo. Há escolhas que funcionam, e outras que simplesmente não andam”, afirma. “Claro que é melhor uma troca comercial bilateral a não ter acordo nenhum, mas a OCDE prefere [acordos] multilaterais.

” Questionado, ainda, sobre políticas ligadas ao ambiente, o dirigente afirmou que o governo brasileiro terá de se ajustar e que as ameaças de saída do Acordo de Paris, por exemplo, poderiam, sim, levar a atritos com países-membros que votam pela adesão. Ele afirma, no entanto, que as instruções jurídicas da OCDE nesse campo, em sua maioria das décadas de 1980 e 1990, tratam mais de temas como o tratamento de dejetos e produtos químicos, em voga à época.

 

Fonte: Valor Econômico via Câmara dos Deputados 

 

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Conflitos Geopolítica História

Plano Brasil/História do Brasil Colonial/Análise: “A Lei Colonial Portuguesa de 1570 em vigor no Brasil Colônia e as Forças Armadas”

NOTA DO PLANO BRASIL, por Gérsio Mutti: Plano Brasil/História do Brasil Colonial/Análise: “A Lei Colonial Portuguesa de 1570 em vigor no Brasil Colônia e as Forças Armadas”.

Imagem meramente ilustrativa

A Batalha dos Guararapes foi o primeiro confronto ocorrido entre o Exército da Holanda e os defensores do Império Português em dois dias seguidos, 18 e 19 de abril de 1648, no Morro dos Guararapes, Capitania de Pernambuco, em pleno Brasil Colonial. Assim, para ilustrar a presente dissertação do professor Manoel Rodrigues Ferreira sobre “A lei colonial de 1570 e as Forças Armadas” escolhi a reprodução óleo sobre tela “Batalha dos Guararapes” do pintor Victor Meirelles de Lima [(1832 – 1903) – https://pt.wikipedia.org/wiki/Victor_Meirelles].

 

A lei colonial de 1570 e as Forças Armadas

Por Manoel Rodrigues Ferreira (*)

Portugal, ou mais propriamente a Monarquia Portuguesa, era formada de repúblicas das vilas e cidades. O órgão político-administrativo das repúblicas das vilas e cidades era a Câmara que compreendia os três poderes, legislativo, executivo e judiciário e seus membros (vereadores, juízes ordinários e procurador) que eram eleitos pelos respectivos moradores. Assim, era paradoxal que uma monarquia fosse constituída de repúblicas, mas a sua origem remonta à Idade Média.

As Forças Armadas 

1) O exército (usando essa denominação moderna) nacional era o Exército da Monarquia Portuguesa, ou mais exatamente, o Exército do Rei; e

2) Em 10 de Dezembro de 1570, o Rei D. Sebastião assinou uma lei criando a Força Armada das Repúblicas das Vilas e Cidades, lei que tinha o título de “Regimento dos Capitães Mores e mais Capitães e Oficiais das Companhias da Gente”. Por “gente” subentenda-se os homens das vilas e cidades e seus termos que constituíam o exército (mais uma vez aqui usando o termo moderno) popular ou milícia do povo. Assim, “gente” tem o seu equivalente hoje, de miliciano ou soldado.

A Bandeira 

Essa Força Armada das Repúblicas das Vilas e Cidades recebia o nome de Bandeira. Portanto, a Bandeira tinha, segundo a Lei de D. Sebastião de 10/12/1570, o objetivo de organizar os homens das vilas e cidades em uma força militar com a finalidade de servir ao Rei e defender as mesmas vilas e cidades. Passavam a existir, portanto, duas forças armadas:

1) O Exército Nacional ou Exército do Rei; e

2) As Bandeiras das Vilas e Cidades.

A Bandeira era composta, constituída de Companhias, tendo cada Companhia 250 homens. Cada companhia era dividida em 10 Esquadras, tendo pois cada esquadra 25 (vinte e cinco) homens. Assim, por exemplo, se uma vila ou cidade tivesse 1000 homens, haveria uma Bandeira com quatro companhias e quarenta esquadras. Caso houvessem gente para fazer uma só companhia, essa única companhia reduzia-se à própria Bandeira, o que é lógico. E se nem assim houvesse 250 homens, a Companhia poderia ser organizada com 200, 150, ou 100 homens. E se houvessem menos de 100 homens, então existiriam somente as esquadras de 25 homens.

A Bandeira, constituída de Companhias, era superintendida por um Capitão Mor, que recaía nos “senhores dos mesmos lugares ou Alcaides Mores”: caso não existissem esses, o Capitão Mor seria eleito pela Câmara da República da Vila ou Cidade. Cada Companhia era dirigida por um Capitão e seus subordinados, o Alferes, o Sargento, o Meirinho e o Escrivão, todos eleitos pela mesma Câmara da República, mas os Cabos eram escolhidos pelo Capitão da Companhia. Nessas condições, a Bandeira era subordinada à Câmara da República da Vila ou Cidade (eleita pelo povo), mas militarmente dirigida pelo Capitão Mor.

Conclusão 1 

Todos os homens (gente) de uma Vila ou Cidade eram obrigatoriamente membros de uma Bandeira, através de suas Companhias ou Esquadras. Todos eram, pois, membros de uma Bandeira, sendo pois, Bandeirantes. E no sertão, mesmo que não existisse uma Companhia completa, ao menos, uma Esquadra que fosse, ela significava a presença da Bandeira. Era, pois, a presença da própria Bandeira. Quando um documento do sertão refere-se somente a uma Companhia, ou a um Capitão, ou a um Cabo, ou um Escrivão, ou a um Meirinho, ou à gente, esse documento está implicitamente referindo-se à Bandeira da qual todos eram parte integrante. Da mesma maneira, quando um documento refere-se a um Escrivão somente, ele está, como nas outras denominações, identificando um Bandeirante, e ipso facto, uma Bandeira.

E não nos esqueçamos de que esses Bandeirantes nos sertões eram responsáveis, pelos seus chefes, perante a Câmara da República das Vila ou Cidade, à qual teriam que prestar contas na volta, principalmente à sua Justiça, apresentando os inventários, testamentos, inquéritos, etc. feitos nos sertões.

Quanto às penetrações de Bandeirantes (e ipso facto de Bandeiras) nos sertões, não importa que os documentos refiram-se às mesmas como entradas, jornadas, viagens, descobrimentos, etc., pois essas expressões nada mais significam do que deslocamentos de Bandeirantes (e ipso facto de Bandeiras), isto é, penetrações nos sertões (usando esta denominação hoje).

O que importa é que no corpo do documento são as denominações que assinalam, caracterizam, identificam os membros de uma Bandeira: Capitão, Alferes, Cabos, Escrivães, Meirinhos, Gente (milicianos), etc.

Conclusão 2 

É historicamente correto, legitimo, identificar Bandeirantes e Bandeiras, através das denominações que aparecem nos documentos e que são as mesmas da Lei do Rei D. Sebastião, isto é, “Regimento dos Capitães Mores e mais Capitães e Oficiais das Companhias da Gente”, a Lei Orgânica das Bandeiras.

(*) Sobre o Autor: Manoel Rodrigues Ferreira, é professor universitário

FONTE: JORNAL DO COMMERCIO, RJ, 13 de abril de 1995, Caderno DIREITO & JUSTIÇA, Página 18

 

Categories
Defesa Traduções-Plano Brasil

Mockup do projeto turco TFX é exibido no Paris Air Show 2019

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

 

Um modelo do primeiro avião de combate que está em desenvolvmento na Turquia foi apresentado nesta segunda-feira no Paris Air Show, uma das maiores feiras de aviação do mundo.

A aeronave de combate nacional TF-X (MMU) está sendo desenvolvida pela principal fabricante e fabricante de motores aeroespaciais da Turquia, a Turkish Aerospace Industries (TAI). O Projeto tem como objetivo de substituir as aeronaves F-16, que estão no inventário da Força Aérea Turca, as quais serão gradualmente desativadas a partir dos anos 2030.

O CEO da TAI, Temel Kotil, disse à Anadolu Agency que a empresa pretende que o jato seja o melhor avião de combate da Europa.

Kotil disse que o programa está dentro do cronograma e fará seu vôo inaugural em 2025, acrescentando que o jato de quinta geração tem características parecidas com os jatos F-35 da Lockheed Martin.

Para o desenvolvimento do primeiro jato de combate nacional, a Turquia e o Reino Unido assinaram um memorando de entendimento durante a visita do presidente Recep Tayyip Erdoğan ao Reino Unido em 13 e 15 de maio de 2018.

O projeto preliminar é custeado pelo governo turco  e empregará diretamente 3.200 pessoas, e de maneira indireta, outras 11.200.

A Turquia, segue logo após os EUA, da Rússia e da China cmo país desenvolvedor de aeronaves do gênero e ocupará o seu lugar entre os países do mundo que dispõem de infraestrutura e tecnologia para produzir o jato de combate de quinta geração.

A aeronave possui recursos de nova  geração, incluindo baixa visibilidade, compatimento interno de armas, alta manobrabilidade, maior consciência situacional e fusão de sensores.

Outros produtos de defesa turcos em exibição no show aéreo incluem os helicópteros ATAK e Gökbey, o veículo aéreo não-tripulado ANKA e o treinador Hürjet. O helicóptero ATAK realizará um vôo de demonstração durante a feira.

A 53ª edição de um dos maiores eventos de aviação e aeroespacial do mundo começou no aeroporto Le Bourget, em Paris, e terminará no dia 23 de junho.

 

Fonte: DailySabah

Categories
Traduções-Plano Brasil

Turquia participará da produção de S-500 em cooperação com a Rússia

Tradução e adaptação-E.M.Pinto
 
TASS, 19 de maio – O presidente turco, Tayyip Erdogan,  informou a Reuters que a Turquia produzirá sistemas de mísseis antiaéreos S-500 em cooperação com a Rússia.

Segundo a agência, Erdogan também confirmou que a compra dos sistemas S-400 é um “negócio fechado”.

Segundo o jornal turco Haberturk, Erdogan relatou que a Turquia enviou 100 engenheiros à Rússia coo parte do programa de colaboração para fabricação das armas.

Ele notou que a Turquia pretende receber a aeronave de caça de quinta geração F-35 dos EUA. 

“Mas cedo ou mais tarde, receberemos os F-35”, disse Erdogan.

No início de maio, o CEO da Rostec, Sergey Chemezov, afirmou que a Rússia valoriza o desenvolvimento da parceria tecnológica com a Turquia na defesa aérea.
“Vamos dar as boas-vindas ao desejo do lado turco de se tornar um parceiro no projeto S-500”, observou Chemezov.

Fonte: Tass

Categories
Braço Forte Brasil Defesa

Brasil e OTAN: uma análise da possível parceria

 

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) foi criada em 1949, agrupando 12 países em torno de um projeto de “segurança coletiva” em face do inimigo comum.  A Europa estava dividida ideologicamente: a leste, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) ameaçava expandir militarmente seu território e, a oeste, os Estados Unidos da América (EUA) tentavam impedir.

            Desde sua criação, a organização sediada em Bruxelas incorporou novos atores e, atualmente, é composta por 29 países.  A despeito da incontestável liderança americana, as decisões são tomadas em unanimidade, não havendo o poder de veto como ocorre, por exemplo, no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

            Com o fim da URSS, a organização teve sua finalidade questionada sob o pretexto de que a ameaça militar direta teria se extinguido. No entanto, a instabilidade de caráter étnico dos Balcãs e o ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 reforçaram a ideia de que a OTAN iria ainda desempenhar um papel importante.  O pensamento de extinção cedeu lugar ao processo de transformação pelo qual a organização ampliou sua área geográfica de atuação para além de seus próprios limites.

            Nesse contexto de transformação, a ideia de se estabelecer parcerias estratégicas para a paz foi colocada em prática. Baseada em um senso mais complexo de defesa coletiva, a OTAN passou a privilegiar relações bilaterais com países não europeus capazes de contribuir de alguma forma para a consecução de seus objetivos. São exemplos claros de tais parcerias as relações entre a OTAN e o Iraque, o Afeganistão, a Austrália e, na América do Sul, mais recentemente, a Colômbia.   

            Em novembro de 2018, em uma entrevista à BBC, o ex-embaixador dos EUA no Brasil, Thomas Shannon, defendeu que o Brasil estabelecesse também uma parceria para a paz com a OTAN, pois “isso traria ao Brasil uma oportunidade para se envolver e trabalhar diretamente não apenas em questões militares e das forças armadas, mas em tudo que for ligado à segurança nacional e segurança global”. 

Para o Brasil, maior país da América do Sul, a aproximação direta com a OTAN sempre gerou questionamentos sobre o que essa parceira representaria para o país. Essa é uma reflexão importante, especialmente no momento atual, em que a política externa brasileira está se aproximando dos EUA.

            No campo geopolítico, não há dúvidas de que se o Brasil deseja realmente alcançar uma posição de maior protagonismo internacional, uma possível parceria com a OTAN contribuiria para este objetivo. Ressalta-se que isso não representa um rompimento com a tradição brasileira de não intervenção e de solução pacífica de controvérsias.

            Por outro lado, o estabelecimento dessa parceria reafirmaria o posicionamento contrário do Brasil ao expansionismo e ao terrorismo, repudiados historicamente pela diplomacia brasileira. Ou seja, a ação de se aproximar não seria novidade nenhuma para aqueles que acompanham os passos do Brasil.

            Militarmente, as oportunidades são mais claras e fáceis de visualizar. O sistema doutrinário da aliança é fruto das lições aprendidas em suas missões e constitui-se em um conhecimento de ponta para nações pacíficas como o Brasil. A ideia-força seria  “aprender com os erros e acertos dos outros”. A OTAN cumpre missões, atualmente, no Afeganistão e em Kosovo, patrulha o mar Mediterrâneo, apoia a União Africana na Somália e policia o espaço aéreo nas regiões fronteiriças com a Rússia. Todas essas atividades podem subsidiar a nossa própria doutrina.

            A Diretriz para Atividades do Exército Brasileiro na Área Internacional (DAEBAI) assinala a região formada pela América do Norte e Europa como sendo o “Arco do Conhecimento” para aquisição de inovações doutrinárias e tecnológicas. Para cumprir esse objetivo, militares brasileiros são enviados para frequentarem cursos de aperfeiçoamento e altos estudos que os tornam conhecedores da doutrina militar das Nações Amigas (NA). Paralelamente, uma rede de oficiais de ligação foi estabelecida com o intuito de se ter acesso aos centros de doutrina desses países. Estamos, de uma maneira indireta, recebendo os ensinamentos da OTAN.

            Não obstante, há que se ressaltar que uma parceria com a aliança permitiria o acesso direto ao sistema de ensino da Organização. A Colômbia, por exemplo, envia militares para a Escola da OTAN na Alemanha (Oberammergau) e para o Colégio de Defesa da OTAN na Itália (Roma) desde 2013. Ademais, O Exército Brasileiro poderia ter acesso facilitado a outras formações como, por exemplo, na Escola de Defesa Cibernética em Portugal, considerada referência no setor.

            Nessa mesma direção, acrescenta-se a possibilidade de promoção dos Produtos de Defesa do Brasil em mercados tradicionalmente fechados. Quanto mais aprofundarmos a participação em exercícios utilizando material nacional, maiores são as chances de adoção desses equipamentos na Europa e nos demais parceiros da OTAN. Os programas ASTROS e GUARANI encaixam-se perfeitamente nesse ponto.

            Finalmente, cabe ressaltar que estabelecer uma pareceria para a paz com a OTAN não representa, em absoluto, alinhar-se automaticamente com qualquer ator internacional. Ao contrário, assinala um passo pragmático para o fortalecimento das capacidades militares dissuasórias do País. Sem dúvidas, será um passo possível e importante.

Fonte: EBlog

 

Sobre o Autor

O Tenente-Coronel Mauricio Aparecido França é oficial de infantaria do Exército Brasileiro. Após concluir o curso da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, no Rio de Janeiro, frequentou a École de Guerre, em Paris em 2017-2018. Nesse ano escolar, cursou o programa de mestrado da École Pratique Hautes Etudes (EPHE) desenvolvendo pesquisa sobre a evolução do pensamento geopolítico brasileiro”.

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Geopolítica

Plano Brasil/Relações Brasil X EUA/Análise: “Presidente dos EUA, Donald Trump,notifica Congresso Americano sobre intenção de indicar Brasil como “Aliado Preferencial extra-Otan”, e garante que apoiará a entrada do País na OCDE”

 

NOTA DO PLANO BRASIL, por Gérsio Mutti: Plano Brasil/Relações Brasil X EUA/Análise: “Presidente dos EUA, Donald Trump, notifica Congresso Americano sobre intenção de indicar Brasil como “Aliado Preferencial extra-Otan”, e garante que apoiará a entrada do País na OCDE”.

 

História Contemporânea

 

Ao término da Segunda Guerra Mundial (II GM), estava no projeto de pós-guerra do Presidente dos EUA, Franklin Delano Roosevelt (https://pt.wikipedia.org/wiki/Franklin_Delano_Roosevelt ), do Brasil, já naquela ocasião, vir a fazer parte do Conselho de Segurança da ONU.

 

Com a morte de Roosevelt, antes do término da II GM, o Brasil perdeu o seu maior mentor e apoio incondicional, e assim mesmo recebeu como prêmio de consolação poder abrir todas as Conferências da ONU no decorrer de todos os anos.

 

“No livro “O sexto membro permanente: o Brasil e a criação da ONU”, o diplomata Eugênio Vargas Garcia relata que o governo de Franklin Roosevelt, que liderou os Estados Unidos na Segunda Guerra, havia prometido ao Brasil uma cadeira permanente no Conselho de Segurança na nova organização.

 

Com a morte de Roosevelt em abril de 1945, um mês antes do fim do conflito, e sua substituição pelo vice, Harry Truman, a promessa foi deixada de lado.

 

A contenção dos soviéticos na Europa e no extremo oriente se tornariam as prioridades americanas no início da Guerra Fria.

 

Não há até hoje um sexto membro permanente, privilégio de que usufruem cinco países: EUA, Rússia (no lugar da antiga URSS), França, Reino Unido e China, todos com armamento nuclear.” O Globo, 25/Setembro/2018 ( https://oglobo.globo.com/mundo/entenda-por-que-brasil-o-primeiro-discursar-na-assembleia-geral-da-onu-23098892 )

 

EUA reforçam compromissos feitos a Bolsonaro

Trump notifica Congresso americano sobre intenção de indicar Brasil como aliado preferencial fora da Otan, e garante que apoiará entrada do país na OCDE, após Washington deixar de se posicionar favoravelmente em reunião em Genebra

Segundo fontes, haveria um impasse na OCDE em relação ao número de vagas

O Globo, Mundo, Página 23, Quinta-Feira, 09/Maio/2019

Foto: Acordos. Os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump apertam as mãos durante encontro na Casa Branca – GETTY IMAGES

O governo americano indicou ontem que cumprirá os compromissos acordados com o presidente Jair Bolsonaro em março, durante sua visita ao Washington. Em comunicado, o presidente Donald Trump anunciou que notificou o Congresso de sua intenção de que o Brasil seja um aliado preferencial do governo americano fora da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). O governo Trump ainda garantiu que cumprirá a promessa de apoiar a candidatura brasileira a país integrante da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O apoio foi confirmado após vir a público que os Estados Unidos mantiveram sua posição contrária à adesão de novos membros à organização em reunião realizada na terça-feira, em Genebra, Suíça, segundo informou o Valor Econômico. Ontem, Kimberly Breier, secretária-adjunta de Estado para o Hemisfério Ocidental, garantiu, em mensagem em rede social, que o governo de Donald Trump “apoia o Brasil, que está iniciando o processo de adesão para se tornar um membro pleno da OCDE”.

“De acordo com a declaração conjunta de Donald Trump e Jair Bolsonaro, damos as boas-vindas às reformas econômicas, melhores práticas e uma estrutura regulatória do Brasil, de acordo com os padrões da OCDE”, escreveu Breier no Twitter.

Uma fonte do governo brasileiro explicou que a dificuldade continua sendo a expansão da OCDE em sentido mais abrangente: os EUA querem um número menor de vagas, mas que necessariamente contemplem o Brasil e a Argentina. A questão é encontrar um equilíbrio na proporção de países europeus e de outras regiões com as quais os 35 integrantes possam concordar. Além de Brasil e Argentina, disputam uma vaga Croácia, Bulgária, Romênia e Peru.

BARGANHA ENVOLVE OMC

Na visita de março a Washington, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, anunciou que o Brasil abriria mão do status de país em desenvolvimento na Organização Mundial do Comércio (OMC), numa contrapartida para que o governo americano apoiasse a candidatura do Brasil a integrar a OCDE. Na mesma visita, Trump informou ao presidente brasileiro que tinha intenção de indicar o Brasil como um aliado preferencial extra-Otan.

Na noite de terça-feira, o assessor para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Filipe Martins, usou uma rede social para rechaçar qualquer possibilidade de recuo dos EUA. Segundo ele, há um impasse sobre o número de vagas a serem abertas no OCDE. Enquanto os europeus desejam abrir seis vagas, outros países querem apenas quatro.

“A posição do governo americano em relação ao ingresso do Brasil na OCDE é exatamente a mesma que foi adotada pelo presidente Donald Trump no dia 19 de março: a de apoio claro e inequívoco do processo de ingresso do nosso país na organização”, escreveu Martins no Twitter.

O primeiro passo para o ingresso é o Conselho da OCDE convidar o Brasil para iniciar o processo de entrada, o que ainda não aconteceu. A partir do convite, o processo pode levar, no mínimo, dois anos. O país deve passar pela avaliação de 20 comitês de várias áreas. O país já trabalha com vários destes comitês, o que deve facilitar algumas etapas.

No caso da Otan, o próprio Trump disse ontem, em comunicado, que honrará o compromisso. “Estou notificando minha intenção de designar o Brasil como aliado preferencial fora da Otan. Estou tomando essa medida para reconhecer o recente compromisso do Brasil em aumentar a cooperação militar com os Estados Unidos, e em reconhecimento do nosso próprio interesse nacional em intensificar nossa coordenação militar com o Brasil”, afirmou.

Nesse caso, a declaração é unilateral, já que os Estados Unidos não precisam de aprovação de nenhum outro país para colocar o Brasil na lista. Também não há nenhum vínculo com a Otan: é uma posição independente do bloco. Ao todo, 17 países receberam essa classificação do governo americano — a Colômbia é, desde o ano passado, o único parceiro global na América Latina. A Otan tem 29 países-membros, nenhum dele é da América Latina ou do Atlântico Sul.

APROXIMAÇÃO MILITAR

Na prática, ser um aliado prioritário extra- Otan aproxima militarmente o Brasil dos Estados Unidos, já que, ao entrar nessa classificação, o Brasil consegue tornar-se comprador preferencial de equipamentos e tecnologia militares dos EUA; participa de leilões organizados pelo Pentágono para vender produtos militares; e ganha prioridade para promover treinamentos militares com as Forças Armadas americanas.

(Colaborou Eliane Oliveira)

Fonte: O Globo, Mundo, Página 23, Quinta-Feira, 09/Maio/2019 via clipping.abinee.org

Categories
China Defesa Geopolítica Sistemas de Armas Traduções-Plano Brasil

O Pentágono avalia que o novo míssil balístico lançado pelo ar completará a tríade nuclear Chinesa 

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

O Pentágono está preocupado com o fato de Pequim estar se aproximando de obter plena capacidade de sua tríade nuclear, o que significa que se juntaria a uma elite de nações capazes de entregar armas nucleares por terra, ar e mar.

Atualmente esta capacidade só é existente em apenas três países no mundo, Estados Unidos, Rússia e Índia.

O Gabinete do Secretário de Defesa dos EUA observou em seu relatório anual ao Congresso na semana passada que

“A China continua melhorando sua capacidade nuclear terrestre e submarina e está buscando a tríade nuclear viável com o desenvolvimento de um míssil balístico lançado pelo ar (ALBM). “

Os ALBMs são raros: os EUA exploraram o conceito no início dos anos 1960 como uma forma de manter relevante sua enorme frota de bombardeiros estratégicos, enquanto a União Soviética ignorou a idéia e imediatamente começou a produzir mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), que se mostraram muito mais confiáveis. O desenvolvimento bem-sucedido do míssil balístico lançado por submarino (SLBM) fez com que os ALBMs fossem preteridos.

No entanto, enquanto os EUA mantiveram sua frota de bombardeiros estratégicos como parte de sua tríade nuclear, continuando a armá-los com bombas nucleares, a China destinou esta função aos seus bombardeiros no final dos anos 1970 ou início dos anos 80.

As aeronaves fornecidas ao Segundo Corpo de Artilharia – agora chamado de Força de Míssesi do Exército Popular de Libertação (PLARF) recebeu então os ICBMs.

No ano passado, o Pentágono notou que Pequim reverteu essa decisão após o anúncio público do programa de bombardeiros furtivos da China e o teste de um ALBM conhecido apenas como CH-AS-X-13. Esse míssil foi testado recentemente em janeiro de 2018, disparado de um bombardeiro H-6K. No entanto, o relatório do Pentágono de 2019 observou que um segundo ALBM com capacidade nuclear poderia estar em desenvolvimento.

Além da ALBM, a China também possui pelo menos 90 mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), bem como uma grande quantidade de mísseis balísticos de médio alcance e alcance intermediário apoiados pelo PLARF, informou a Sputnik.

Pequim também possui quatro submarinos do Type 094 da classe Jin, com mais dois em construção e outra classe, a Type  096, está prevista para incorporação em meados dos anos 2020. O Pentágono alertou que os Type 094  são a “primeira linha dadissuasão nuclear marítima viável de Pequim”, já que carregam SLBMs.

Míssil balístico lançado ao ar com capacidade nuclear CH-AS-X-13 (ALBM)

O CH-AS-X-13 é um míssil ar-terra balístico de longo alcance (ASM) desenvolvido pela China para ser lançado dos bombardeiros H-6K.

O Míssil Balístico Lançado por Ar (ALBM) de combustível sólido de dois estágios tem um alcance máximo de 3.000km e é capaz de atingir velocidades hipersônicas (Mach 5+) em grandes altitudes.

Pode ser equipado com ogivas nucleares e convencionais para atingir tanto os navios de superfície quanto os alvos de posição fixa, como aeródromos e bases militares.

A China iniciou o desenvolvimento do novo míssil CH-AS-X-13 em 2016 e deverá entrar em serviço na Força Aérea do Exército Popular de Liberação (PLAAF) até 2025.

A nova arma é baseada no míssil terrestre DF-21, um míssil balístico de longo alcance o qual foi reprojetado utilizando materiais compósitos para obter um design leve compatível com plataformas aéreas.

Os bombardeiros H-6K equipados com a nova arma podem ser capazes de realizar ataques contra alvos no Alasca e no Havaí, bem como nos locais da costa do Pacífico dos Estados Unidos.

As agências de inteligência dos Estados Unidos relataram a existência do novo míssil CH-AS-X-13 em abril de 2018,

 

Fonte: Deagol via MCT

Categories
Geopolítica

Netanyahu obtém vitória nas eleições em Israel

Uma imagem combinada mostra Benny Gantz (à esquerda), líder do partido Azul e Branco votando em Rosh Haayin e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, votando em Jerusalém durante a eleição parlamentar de Israel.

Pela quinta vez, ele ocupará o cargo de primeiro-ministro

Publicado em 10/04/2019 – 12:20

Por Agência Brasil  Brasília

A vitória de Netanyahu o coloca como um recordista no cargo, ocupando-o pela quinta vez. A conquista se deve à coalizão dos partidos religiosos e conservadores com o Likud (partido político de Israel, que congrega o centro-direita e a direita conservadora). “Agradeço aos cidadãos de Israel por sua confiança”, disse nas redes sociais.

O principal opositor do Partido Azul e Branco (cores da bandeira de Israel), de centro, liderado por Gantz, também se considera vitorioso devido à pequena margem de diferença entre ambos.

Os eleitores foram às urnas para escolher os parlamentares do Knesset (Parlamento), que tem 120 lugares.

Nos últimos dias da campanha, Netanyahu se comprometeu a anexar partes da Faixa de Gaza ocupada. A iniciativa encerra a perspectiva de paz com os palestinos.

Categories
Conflitos

Com extradição pedida por EUA, fundador do WikiLeaks é preso na embaixada do Equador em Londres

LONDRES — O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi preso na manhã desta quinta-feira pela polícia britânica em Londres. Os agentes foram autorizados pela embaixada do Equador a entrar na sede diplomática do país, na qual o ativista estava exilado desde 2012. O governo equatoriano do presidente Lenín Moreno revogou o asilo do australiano e suspendeu a cidadania que lhe havia sido concedida. Moreno rompeu com Rafael Correa, seu antecessor que concedeu o asilo a Assange, e desde o ano passado vinha indicando que a proteção poderia ser cancelada.

Manning, que servia no Iraque, foi a fonte de documentos militares americanos e de mais de 250 mil telegramas da diplomacia dos EUA vazados em 2010 e 2011 pelo WikiLeaks, a maior parte deles revelando os bastidores da chamada “guerra ao terror”. Mais recentemente, a organização publicou e-mails da campanha à Presidência de Hillary Clinton em 2016 que, segundo a Justiça americana, foram obtidos por hackers russos. Detida em 2010, Manning foi condenada a 35 anos de prisão, mas teve a pena comutada por Barack Obama depois de cumprir sete.

A prisão de Assange, de 47 anos, também atendeu a um pedido da Justiça britânica, que determinara sua detenção quando ele pediu refúgio na embaixada equatoriana, acusando-o de violar as condições da liberdade condicional que lhe havia sido imposta no âmbito de uma investigação de estupro na Suécia. Essa investigação foi posteriormente arquivada pela Justiça sueca, mas os advogados de Assange não conseguiram derrubar o pedido de prisão por violação da condicional. Nesse caso, ele pode ser condenado a até 12 meses de prisão.

 

Fonte: O Globo

Categories
Defesa Geopolítica Traduções-Plano Brasil

Moscou e Ancara podem embarcar na produção conjunta de armas de alta tecnologia

 

MOSCOU, 8 de abril / TASS /. O presidente russo, Vladimir Putin, disse que Moscou e Ancara podem embarcar no desenvolvimento conjunto e na produção de equipamentos militares de alta tecnologia.

“Podemos muito bem embarcar no desenvolvimento conjunto e na produção de equipamentos militares de alta tecnologia”, disse ele em entrevista coletiva após suas conversas com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan. 

“As empresas turcas implementaram projetos no valor de US $ 70 bilhões nos últimos anos – basta pensar nesses números! Esses são bons números”, disse ele.

“Um grande número de instalações foi construído, tanto como parte da preparação para as Olimpíadas de Sochi e para a Copa do Mundo”, acrescentou.

Putin também disse que boas oportunidades de cooperação entre os dois países estão se abrindo na química, na indústria metalúrgica, na produção de fertilizantes, no transporte rodoviário e na indústria automobilística.

Com relação aos contratos de sistemas de defesa, Erdogan ressaltou que trata-se de um direito soberano da Turquia a compra de sistemas de mísseis S-400 da Rússia,  após conversas com o presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou.

“Nós já elaboramos um roteiro para implementar o acordo dos sistemas  S-400. Fizemos as etapas correspondentes. Está tudo acabado agora. Com tudo isso feito, alguém vai ser contra, chamar para abandonar o negócio, não para reconhecer o nosso uma vez que tenhamos chegado a um acordo e assinado o acordo, naturalmente, vamos continuar a avançar. É o nosso direito soberano. Ninguém pode exigir que nós renunciá-lo “,enfatizou.

“Gostaria de mais uma vez agradecer ao Sr. Putin pela hospitalidade demonstrada a mim e à minha delegação. Gostaria de convidar o Presidente Putin para participar da próxima reunião do Conselho de Cooperação de Alto Nível que será realizada em nosso país”, disse Erdogan. disse.

S-400 e a controvérsia

A mídia informou em novembro de 2016 que estavam em andamento negociações sobre possíveis vendas de sistemas russos S-400 para a Turquia. A parte russa confirmou que o contrato foi assinado em setembro de 2017. O presidente turco disse na época que um adiantamento já havia sido feito. Os Estados Unidos vêm tentando quebrar o acordo.

O S-400 Triumf da Rússia (nome de relatório da OTAN: SA-21 Growler) é o mais recente sistema de mísseis antiaéreos de longo alcance que entrou em serviço em 2007. Foi projetado para destruir mísseis cruzeiros e balísticos, incluindo mísseis de médio alcance e alvos de superfície. O sistema pode atingir alvos aerodinâmicos a uma distância de até 400 km e alvos balísticos táticos voando a uma velocidade de 4,8 km / s a ​​uma distância de até 60 km. Tais alvos incluem mísseis de cruzeiro, aeronaves táticas e estratégicas e ogivas de mísseis balísticos.

Os radares do sistema detectam alvos aéreos a uma distância de até 600 quilômetros (373 milhas). Os mísseis superfície-ar 48N6E3 do sistema podem atingir alvos aerodinâmicos em altitudes de 10.km a 27km e ameaças balísticas em altitudes de 2km a 25km.

Síria

Falando sobre a situação na Síria, o governo de Erdogan disse que enfatizou que “ambos os países compartilham posição sobre as questões da integridade territorial da Síria e da luta antiterrorista”.
Ancara e Moscou estão discutindo uma ampla gama de questões de cooperação no setor de defesa, incluindo contratos de fornecimento e produção conjunta, Fahrettin Altun, diretor de comunicações do presidente turco, escreveu no Twitter na segunda-feira.

“Estamos realizando uma ampla discussão com a Rússia sobre nossa cooperação no setor de defesa. Estamos discutindo as questões que vão desde o fornecimento mútuo de equipamentos militares até a produção conjunta. A cooperação bilateral na área de defesa é de grande alcance e continua em desenvolvimento”, Altun. disse antes de uma reunião em Moscou na segunda-feira entre os presidentes turco e russo, Recep Tayyip Erdogan e Vladimir Putin.

Falando sobre a situação na Síria, Altun ressaltou que

“ambos os países compartilham posição sobre as questões da integridade territorial da Síria e da luta antiterrorista”. “Estamos convocando todos os países que apóiam os terroristas, que ameaçam a integridade da Síria, a parar com isso e dar sua contribuição [ao acordo]”, escreveu ele.

Na segunda-feira, Erdogan e Putin participarão da oitava sessão do Conselho de Cooperação de Alto Nível Russo-Turco. As conversas serão centradas na Síria, no fornecimento de sistemas de mísseis S-400 para a Turquia, na implementação do gasoduto TurkStream e em outros assuntos vitais. 

Fontes: TASS 1

TASS 2

TASS 3