Defesa & Geopolítica

Polêmica em alto-mar! ‘Órfãos’ do PROSUPER afirmam que no mar grosso do Atlântico Sul, as CCTs são inúteis para combater…

Posted by

Destróier britânico HMS “Edinburgh” (D-97) enfrentando o mar grosso do Atlântico Sul, nas proximidades do arquipélago das Malvinas

Por Roberto Lopes

 

 

A opção da Marinha Real de recorrer a um destróier de 8.500 toneladas (o deslocamento de um cruzador durante a 2ª Guerra Mundial) para liderar o Grupo Marítimo Permanente 2 da Otan em uma patrulha de três meses pelo Mar Mediterrâneo, levou a coluna INSIDER a reler os e-mails de militares amigos do Plano Brasil que, rotineiramente, lamentam o abandono do Programa de Obtenção de Meios de Superfície (PROSUPER) – que estipulava a aquisição de seis fragatas multifunção de 6.000 toneladas.

Destróier HMS “Diamond” em mar picado; foi esse o navio escolhido para substituir o porta-helicópteros HMS “Ocean” no Mar Mediterrâneo

É bom explicar, antes de tudo, que o descarte do PROSUPER esteve a ponto de ser evitado.

Isso aconteceu à época do primeiro governo Dilma Roussef, quando a proposta de fragatas polivalentes feita pela indústria naval italiana foi posta em primeiro lugar.

Infelizmente, nessa mesma ocasião, começaram a acontecer, dentro da Administração Dilma, fortes pressões por cortes de gastos, e a presidenta decidiu que o PROSUPER aguardaria por melhores circunstâncias financeiras.

Na LAAD de 2015, o então ministro da Defesa, Jacques Wagner, disse, com um (inadequado) sorriso nos lábios, durante uma entrevista coletiva, que o PROSUPER tinha sido posto para “hibernar”…

Jacques Wagner, bem humorado, na entrevista coletiva da LAAD 2015: “o PROSUPER vai hibernar”…

Classe Tamandaré – Diante da clara inação do Palácio do Planalto no caso do PROSUPER, também o Comando da Marinha decidiu mudar a postura, e se concentrar na busca de apoio a pleitos que parecem mais factíveis (menos caros), como a construção de quatro corvetas classe Tamandaré (CCT). (Leia o texto INSIDER/Entrevista: 85 minutos com o almirante Eduardo Leal Ferreira, Comandante da MB (e algumas surpresas sobre os rumos que ele ainda pretende imprimir à Força, de 2 de agosto último)

As mensagens recebidas pela coluna INSIDER chegaram em resposta à indagação de seu editor sobre o tamanho das fragatas – muito acima de tudo o que a Marinha do Brasil (MB) pôde alinhar até hoje.

Apenas para que os leitores possam ter em mente: a CCT mede 103,4 m de comprimento, 12,9 m de boca máxima e tem deslocamento, carregada, de 2.790 toneladas (compatível com o de uma fragata leve).

Apresento a seguir breves considerações de um desses nossos leitores com conhecimento de causa, tanto na singradura do Atlântico Sul em dias tormentosos, quanto no exame que a MB fez, há pouco mais de cinco anos, para se fixar na tonelagem dos escoltas de grande porte recomendados pelo PROSUPER.

Desejo uma leitura proveitosa a todos:

“As CCTs são navios sem nenhuma validade bélica no Atlântico Sul.

Em combate real não servirão para nada. Assim como as demais corvetas [classe Inhaúma que estão sendo recuperadas].

Foto da corveta “Inhaúma”, descomissionada no ano passado, tomada de outro navio da MB

Pouca gente sabe, mas a MB depois de muitos estudos concluiu que a tonelagem mínima para [um escolta] ser eficiente seria de 6.000t.

Saiba que as FCN [Fragatas Classe Niterói] e FCG [Fragatas classe Greenhalgh] dependendo do estado do mar, não conseguem operar helicópteros, lançar mísseis ou disparar seus canhões ou metralhadoras. Imagine então as corvetas.

O Atlântico é muito duro e por isso precisamos de navios com maior deslocamento.

 

Quanto maior o deslocamento melhor o navio suporta as condições do mar, diminuindo o caturro e o jogo, permitindo os disparos. Pouca gente lembra disso.

Não foi à toa que americanos, russos, chineses, franceses, ingleses, espanhóis, italianos e holandeses aumentaram a tonelagem de seus navios de combate.

Fragata russa, me 2004, em meio a uma borrasca no Atlântico Norte

Navios menores, em condições adversas de clima, apenas navegam. São apenas alvos de submarinos.

Quanto maior a tonelagem, mais estável será o navio.

Uma de 4.500t será mais estável que um de 3.600t. Um de 5.200t será mais estável que o de 4.500t. E assim por diante.

Ao estudar as condições do Atlântico na maior parte do ano, verificamos que deveríamos partir de um navio com deslocamento de 6.000t em diante. Esses sim aguentariam o tranco na maior parte do ano.

Concordo que não temos dinheiro nem para as CCTs. Porém, navego pelo Atlântico há mais de 30 anos. Essas corvetas e suas tripulações irão sofrer.

A MB ficará decepcionada se o senhor fizer matéria dizendo que ela [Corveta Classe Tamandaré] será inútil para combate durante condições adversas. Vão negar. Mas a verdade é essa. Vira navio de passageiros, incapaz de lançar qualquer uma de suas armas”.

Comparativos – Apenas para facilitar o raciocínio: um destróier inglês classe Daring, como o que foi designado, semana passada, para substituir o porta-helicópteros HMS Ocean (L12) na patrulha do Mediterrâneo, mede 152,4 m de comprimento (47,3% a mais que o projetado para a CCT) e 21,2 m de boca máxima (64,3% a mais que a prevista no projeto da CCT).

Sua tonelagem é 67% maior que o deslocamento fixado para a classe Tamandaré (a plena carga).

Nota do Editor: os grifos em negrito no texto são de responsabilidade da coluna.

 

O conteúdo deste artigo é de total responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do site.

127 Comments

  1. Pingback: Polêmica em alto-mar! ‘Órfãos’ do PROSUPER afirmam que no mar grosso do Atlântico Sul, as CCTs são inúteis para combater… | DFNS.net em Português

  2. Alfredo Araujo says:

    Só um detalhe…
    No caso da Russia, sua marinha não está “optando por meios de maior tonelagem”, como diz a matéria.
    Eles estão colocando em serviço, algumas corvetas e fragatas… mas em poucos anos, a quantidade de Udaloys e Sovremennys que darão baixa não será nem de perto suplantada pela quantidade de novos DDGs. Isso se eles iniciarem a construção de novos DDGs… já que a classe Lider, ainda não saiu do papel…

  3. Impressionante como tudo que é para desenvolvimento autóctone desse país sempre tem objeção.
    Tudo bem que as CCT,s talvez sejam inoperantes em estado de mar grosso (classe 7 em diante ou Atlântico Sul ), mas só o fato dos conhecimentos adquiridos na construção das mesmas já justifica sua construção.
    Podemos através destes conhecimentos desenvolver uma variante das FCN com deslocamento de 4.500 á 5.000t por exemplo.
    Isso para não falar nos sistemas de armas e guerra eletrônica .
    Pois não poderemos partir para construção de navios complexos do nada.
    E afinal de contas, quantos meses no ano esses navios enfrentarão tipo de mar grosso (classe 7 para cima )?

    • Cyber Warfare Officer says:

      Não justifica

    • Escolinha? Por favor, a Marinha precisa produzir 4 onerosas CCT somente para aprender, e vai aplicar este aprendizado aonde? Na fabricação de jangadas? Nem lanchas para patrulhar a Amazônia somos capazes de produzir, temos que importar da Colombia. Por favor! Isso ai é mais uma jabuticaba para agradar Almirante e egressos do serviço militar.

      • As CCT são classificadas no exterior como fragatas leves, só no Brasil nos chamamos de corvetas.
        chamam as CCT de onerosas, elas estão no preço de fragatas leves, porque são fragatas leves

      • Será que o INACE não tem capacidades para construir lanchas? ou será que a industria bélica no Brasil não prolifera porque os militares adoram comprar lixo “made in USA”?
        A Empresa privada só investe se tiver mercado para o seus produtos..

      • Alfredo Araujo says:

        Não confunda alho com bugalhos…
        Não que seja o caso… mas quando um país compra algo de outro, não é apenas pq esse primeiro não sabe construir.
        Existem dezenas de motivos para essa situação acontecer… e equilibrar a balança comercial, é uma deles…

    • Lucas - Treine enquanto eles dormem... estude enquanto eles se divertem... persista enquanto eles descansam... e então viva o que eles somente sonham... says:

      Nesse ponto tenho que concordar com o Fox… as CCTs terão outra utilização tão importante quanto atuação em mares bravios… para patrulhamento são imprescindíveis… só não entendo porque tem que custar tão caro…

    • Assino em baixo.

  4. Pois é…
    .
    Essa classe Tamandaré vai acabar sendo um patrulha extremamente caro.
    Seria melhor colocar dinheiro em um NaPOc, casado com a modernização do AMRJ.
    .
    A MB pode fazer muita coisa com os quase U$ 2 bi que vão rasgar nessa classe de Corvetas.
    Precisamos modernizar o AMRJ. Precisamos de um NT de casco duplo ou um NApLog para apoiar também o CFN. Poderiam fazer um bom número de NaPOc, iniciar a construção do NPa 500t BR. Financiar os novos NPaFlu com os Colombianos… Tem lugar mais interessante e com melhor custo x benefício para colocar esse dinheiro.
    .
    Escolta? Precisamos de algo que preste, coisa feita para durar os próximos 50 anos, como as Niterói estão durando.
    Vai ser mais caro, mas lá na frente, daqui 20 anos, ainda se tem navio com capacidade de modernização de sobra.
    .
    Agora, o duro é aquele pessoal que sonha com Pohang da vida, Corveta russa de 500t armada até os dentes e etc…
    Operar no meio do Atlântico com isso ai? dureza…

    • Fazer o que o exercito faz e bem.
      Deveria pegar esse valor e investir nos subs.
      Concordo e muito com seu comentário.
      Esse alto escalão da MB, são uma “tristeza”.
      A MB precisa uma visão moderna, que fugissem de projetos megalomaníacos, caros e sem preconceito com navios asiáticos.
      Essa “besteira” com os “americanu du mau” e com os chineses ou russos. Já deu. A Rússia tem projeto excelentes, mas como é de pratilheira. Não. Como seria a lógica chinesa bélica no Brasil? Nada sei a respeito.
      Quanto tempo o AMRJ levará para ser modernizado? Com o tempo de produção e comissionamento e com essa visão que a MB tem. Esses navios vão durar ( se saírem do papel) até a virada do século.

      • “Fazer o que o exercito faz e bem.”
        .
        O EB tem o farto estoque US Army. A MB tem algo parecido? Tem navio barato dando sopa para ser adquirido, com bom custo benefício? Não consigo pensar em nenhum.
        .
        .
        “A MB precisa uma visão moderna, que fugissem de projetos megalomaníacos, caros e sem preconceito com navios asiáticos.”
        .
        Bullshit…
        Navio asiático, by Korea ou Japão é padrão Ocidental, sem tirar nem por. Custa caro igual.

        • Tem navios barato dando sopa sim.
          Perderam um para Austrália e provavelmente perderão o Ocean.
          O custo de produção de um navio russo e chinês são menores que o do Ocidente. Sobre Coreia e Japão. Confirmo.
          Se não me engano a MB está de olho em um navio japonês. Não sei qual e o estado!

          • Thom.

            Escolta usada a preço bom até acha… O problema é em que estado estarão…

            ‘Maestrale’, ‘OHP’, ‘Bremem’… Duvido que valham o esforço por agora…

            Navios japoneses e coreanos usados até valeriam a pena se viessem ‘hot’… Mas duvido que vão querer se livrar deles agora, com o atual momento de crise…

            Navios russos e chineses… Esqueça… A MB é uma marinha ocidental, com toda uma metodologia de emprego sustentada em vasos de procedência ocidental… Natural que busque vasos ocidentais antes de estudar qualquer aventura fora de sua “escola”…

        • O que esses caras não vêem é que a Daegu sul-coreana custa uns 350 milhões de dólares, o mesmo deslocamento, só que maior, com propulsão elétrica e capaz de lançar mísseis de cruzeiro, coisa que a tamanduá não faz.

      • Thom, pra sair barato um navio asiático só se for made in China,do contrario é tudo padrão ocidental como bem mencionou o Bardini.

        • Tem um excelente artigo a respeito do custo de produção de uma navio de guerra chinês aqui no Site. (Espetacular o artigo)
          Os russos tem uma proposta mais barata que as Tamandaré, e creio que mais armada.

    • Onde assino meu caro!!!!!

    • Alfredo Araujo says:

      Eu acredito que a MB deveria assumir de vez seu lado de guarda costeira.
      Como vc disse muito bem, se não for p comprar algo que preste… melhor nem comprar !
      Na minha humilde opinião, a MB deveria urgentemente: Acabar logo com sua aviação de asa fixa (a de caça), assumir, e ampliar, a aviação de patrulha e investir mais em patrulhas…

  5. Manuel Flávio says:

    Aleluia que eu vi uma matéria sobre esse problema!!! Conversava com um ex-comandante da Jaceguai, com mais de 1.000 dias de mar, etc, e ele vivia apontando esse problema.
    Só que em nenhum veículo esse problema era mencionado.

  6. Se for para ter navios que não podem operar no Atlântico Sul, é melhor não ter nada.
    Para aqueles que quiserem vejam o vídeo abaixo e vocês entenderão porque é necessário navios de pelo menos 8000 toneladas.

    https://www.youtube.com/watch?v=qzrVAtuTDVU

  7. Adriano Corrêa says:

    Claro que as Tamandarés vão servir pro poderoso Atlântico Sul… Elas são bonitinhas! Isto não passa de mais um projeto pra ser viável propinas em todas as esferas políticas.

  8. Querendo ou não, as Tamandarés são a ÚNICA opção plausível para a MB. Precisamos de patrulhas, precisamos de corvetas/fragatas, o custo, desde que descontados os impostos, serão mais baixos que a compra esterna. Em um futuro que venham as escoltas de 6000ton.

  9. Raro ver matérias que abordem essa questão. Parabéns ao Plano Brasil!

    De fato… Quanto mais leve o navio, mais o mar cobra em performances e da tripulação.

    Há também a questão do ‘endurance’ e alcance necessários para ir longe no Atlântico e operar semanas a fio, com a performance necessária. E isso, evidentemente, é coisa para os grandes… Não esperem que uma ‘Hamina’ vá fazer o mesmo que um ‘Daring’… Russos, suecos, finlandeses e similares podem se dar ao luxo de empanturrar seus vasos minúsculos com mísseis de longo alcance, já que seus adversários em potencial estão “do outro lado da rua”. Nós, não…

    Enfim, para o Atlântico, não adianta vasos leves se o assunto é combate…

    Cada vez mais me convenço de que o conceito de corveta não se aplica a países com grandes mares a navegar. Navios com menos que 3000 toneladas, para nós, são patrulhas e nada mais…

    Pessoalmente, no que tange a ‘Tamandaré’, embora compreenda toda a ideia por detrás dela, consideraria lógico vê-la convertida em algo mais simples e elementar, como uma ‘La Fayette’. Poderiam até aumenta-la um pouco e coloca-la dentro das 3000 toneladas full, e seria o “OPV bombado” ideal para o Atlântico…

    • Roberto Lopes says:

      Obrigado _RR_ e Manuel Flávio.
      Mas também contamos com as sugestões de vocês. Fiquem à vontade!

      • Caro Roberto Lopes,

        Como o senhor certamente sabe, todo navio depende do que se quer com ele…

        Se entendermos que a ‘Tamandaré’ vai executar a maior parte do tempo missões de caráter meramente policial, então ela certamente serve…

        Se entendermos que ela é necessária para manter um mínimo de adestramento em ASuW, AAW e ASW, então ela certamente serve…

        E se entendermos que ela só irá longe de casa em missões de paz, então também pode se dizer que ela serve…!

        Em suma, ela vai fazer o que se precisa em 99% de seu tempo, independente da situação de mar na esmagadora maioria das vezes. Não ouso dizer o contrário… Mas ainda não posso deixar de me preocupar com o 1% que resta… E pra mim, quanto mais pudermos minimizar esse 1%, melhor…

        Saudações.

  10. A Máquina Troll says:

    “Foxtrot
    12 de setembro de 2017 at 18:56

    Aurélio
    12 de setembro de 2017 at 19:47 ”

    o problema neste pais não é falta de recursos…o problema é o que fazem dos recursos….pra estádio de futebol, carnaval, pensão e coquetéis nunca falta recursos…sempre existe recursos ou dá um jeitinho…Se esse governo pilantra cobrasse o INSS das grandes empresas que devem bilhões aos cofres públicos nunca faltaria recursos pra nada…Mas não cobram… perdoam as dividas para que nós paguemos por eles….Esse País é uma piada…Deveria ser o pais mais rico do mundo mas a corrupção e a ladroagem desses políticos sem caráter não permitem….NÃO FAÇAM PREVIDÊNCIA PRIVADA…..NINGUÉM….todo este negocio de reforma da previdência é pra forçar o povo a fazer previdência privada em banco pra enriquecer mais banqueiro vagabundo…são eles que estão por trás de tudo isso teleguiando estes políticos….em troca de propina e financiamentos de campanha….alguém já viu uma seguradora falir? …a Previdência(Instituto Nacional da SEGURIDADE Social) é uma seguradora….o que o governo pretende no fundo é privatizar a previdência e está preparando a mudança…como facilitador para os bancos que vão abocanhar esta BAITA fonte de Renda e Lucro…

    Doutor Enéas já alertava sobre o que queriam fazer com a previdência :

    https://www.youtube.com/watch?v=37oIVwdnhes

    • A Máquina Troll says:

      A “reforma” trabalhista foi aprovada e agora você pode “negociar” seus direitos com o patrão :

      https://www.youtube.com/watch?v=k7M76WH4CnA

    • Concordo plenamente como Sr. Máquina. Recursos existem só que não devidamente empregados para defesa de nossa soberania. Sem pesquisa, sem Educação não há desenvolvimento tecnológico

    • Caro A Máquina Troll,

      A previdência social é um buraco sem fundo que no ano passado fechou com déficit de quase 150 bilhões, isso se olharmos somente a previdência dos “trabalhadores comuns”. Não vejo benefício nenhum nesse sistema, que além de falho e ineficiente, sujeito às ingerências e ladroagem de políticos e burocratas, não traz nenhum rendimento e liberdade de escolha de renda e tempo de aposentadoria para o trabalhador. Até comprar títulos do tesouro rende mais que esta porcaria de previdência social. Não é possível que as pessoas ainda teimem em defender esse sistema falho e que só traz prejuízos, principalmente para os mais necessitados.

      Creio que a previdência social deva ser extinta pelos motivos citados acima. O trabalhador deve ter a liberdade de optar por uma previdência privada, ou outro fundo de investimento qualquer, com ganhos e rendimentos reais, tendo a liberdade de escolher quando deve se aposentar e qual renda deve ter.

      • A Máquina Troll says:

        Oh!! pato escondido em meio as panelas
        eu posso ver sua face amarela
        Nós não ouvimos mais as manifestações dos otários
        pois caiu a ficha e sabemos que não podemos tira – los
        Você não sabe o quanto eu sofro?
        assistindo minhas reservas acabando pouco a pouco,
        Estancaram a sangria e surgiu a podridão
        olho para direita e para esquerda e não vejo solução
        Resta apenas observar do alto de um planalto
        a galante figura de um PATO…

        Maria Lúcia Fattorelli – A propaganda contra o povo :

        https://www.youtube.com/watch?v=F3sagL-BXbo

      • Lucas - Treine enquanto eles dormem... estude enquanto eles se divertem... persista enquanto eles descansam... e então viva o que eles somente sonham... says:

        Vc se dirigiu a um petralha embutido, meu caro… não espere que o maquineta mude sua cantilena estatizante… ele tem o perfil do sindicalista esquerdóide clássico… só pensa nas benesses que o Estado falido brasileiro possa lhe fornecer… não se preocupa com o custo dessas benesses para a sociedade brasileira… e a lógica não é seu forte… mas vale a mente nostálgica revolucionária do que a racionalidade diuturna do trabalhador que paga as contas, nas ponderações dele… saudações…

        • Se o “estado mínimo” pregado pelos neo- liberais fosse a solução o FHC não teria quebrado o pais em somente 8 (oito) anos no governo.
          O Lula venceu as eleições e está agora encabeçando as pesquisas, graças ao estado mínimo do FHC.
          Sem impostos não há Estado. São os impostos que garantem o soldo dos militares, aposentadorias, segurança, saúde, educação.
          Portanto vamos deixar de repetir besteiras.
          Querem ver como é bom o estado mínimo? assistam o filme SICKO SOS Saúde, documentário de Michael Moore

          https://www.youtube.com/watch?v=VoBleMNAwUg

          • Qual foi o “Estado mínimo” de FHC mesmo meu caro PeTista? Privatizou algumas estatais que vocês não puderam aparelhar, por isso a raiva não é!?

          • AO ver esses MAVs desocupados atacando FHC e emporcalhando o site não posso deixar de lembrar que agora o “Gatunus Eneadactilus” está apelando para a “credibilidade de FHC” a favor de sua defesa em um dos inúmeros processo do qual é réu. Bastou FHC dizer que a FAB, no finado FX-1 tinha preferencia pelo Gripen que o Alibabá se auto declarou inocente. Petista é assim mesmo, quando convém tem memória curta. ABAIXO O FORO DE SÃO PAULO!

          • E desde quando o Estado Americano ou Brasileiro é mínimo…? Tá longe disso…

            Proporcionalmente, a maioria dos países desenvolvidos tem mais funcionários públicos que o Brasil…!

            A questão é que aqui se gasta proporcionalmente mais por cada funcionário e para sustentar o sistema em si ( cerca de 40% do orçamento ) em relação a outros países. E assim o é porque a riqueza que se produz não é suficiente para manter o atual Estado… “Só” isso…

            Quem está mais próximo de Estado Mínimo são países como Coreia do Sul e Japão, com média de 6% da população em funcionalismo público ( aqui é o dobro )… E não é preciso nem comentar a eficiência de seus serviços públicos…

      • Auditores do INSS já provaram e demonstraram que a Previdência não tem rombo.
        O que há é uma tentativa do governo de se apoderar dos recursos. Para isso tentam a todo custo retardar as aposentadorias e rebaixar os seus valores.
        De onde voce acha que sai o dinheiro para tanta bolsa esmola (que não passam de compra de votos dos pobres)? E de onde sai o dinheiro para pagar o SUS?.
        Se o dinheiro do INSS fosse gasto só para pagar as aposentadorias não haveria nenhum “rombo”.

  11. kkkk……depois dessa ainda tem alguém que se julga Almirante dentro da MB?? Puro amadorismo, deveriam entregar o cargo e devolver todo o dinheiro que foi pago pelos anos de desserviço, pela incompetência gerencial e destruição da devesa marítima entre outros fiascos. Me desculpe o peso nas palavras más é frustrante acompanhar o desmantelamento orquestrado da MB provocado pelos próprios estrelados, piada!

  12. Li hoje uma reportagem onde FHC dizia que o Grippen era a preferência da FAB desde o primeiro programa FX na virada do século (paciência, vou chegar ao ponto). A escolha só não foi concretizada, segundo essa triste figura, “porque não queria deixar uma despesa para o próximo governo” ( desculpa esfarrapada)!

    Confesso que essa declaração embrulhou-me o estômago.

    Esse é um exemplo de pensamento recorrente em nosso país, onde não se faz uma política de “Estado”, mas sim de “governo”, ou seja, cada um por si. Não se faz um planejamento de longo prazo, bem pensado e medido, analisando-se as reais necessidades da Nação. Cada um faz o seu, como quiser. Não há país que resista.

    Eu acho que a MB deveria estudar com muito carinho o caso da Marinha Koreana (ROKN), e especificamente seu programa KDX, o maior exemplo de sucesso que conheço no seguimento naval. Iniciado em 1993, instituía a visão 2030 (vejam bem, quase 40 ANOS!), e previa a capacitação GRADUAL dos estaleiros nativos na moderna construção bélica naval, conforme a seguir:
    1- A primeira fase previa a construção dos KDX-I de 3.800t, cuja classe consiste de 3 navios entregues à partir de 1998 (perfeitos para a MB, diga-se);
    2- A segunda fase, KDX-II, previa navios de 5.500t, cuja classe consiste de 6 navios já entregues, à partir de 2003;
    3- Já a terceira fase, KDX-III, consiste na construção de monstros de 11.000t (maiores que os AB), que já entregou 3 navios, o primeiro deles em 2008;
    4- A quarta fase prevê um número incerto de navios de 5.500 a 7.500t.

    Como se vê, a ROKN buscou um programa faseado ao longo de décadas, para atingir um capacidade invejável. Um verdadeiro programa de “Estado”, através de inúmeros governos. Analisou-se a questão friamente, traçou-se um plano crível (e responsável), e os governos foram responsáveis por executar tais planos.

    Se a MB encarar a CCT como um primeiro passo, acho muito válido. Caso contrário, temo por ela… e por nós.

    É por isso também que o programa Prosub está vivendo o seu “canto do cisne”.

      • Perfeito Sr. Adriano Correa. FHC é um traidor e já sabia disto há muito.

        • Lucas - Treine enquanto eles dormem... estude enquanto eles se divertem... persista enquanto eles descansam... e então viva o que eles somente sonham... says:

          EXATAMENTE… “Eu e o José Serra inauguramos um novo jeito de fazer política”… lula…

          Ou seja… não importa a sigla… importa que a classe política brasileira nunca seja atingida pela justiça da sociedade… são vermes das mesmas fezes… os dois lados merecem a forca…

          • A Máquina Troll says:

            a patrulha teleguiada como sempre em ação com suas panfletagens subversivas…e tentando mascarar seu envolvimento com as quadrilhas para quais estão a serviço…

          • Lucas - Treine enquanto eles dormem... estude enquanto eles se divertem... persista enquanto eles descansam... e então viva o que eles somente sonham... says:

            Eu pelo menos não recebo em mortadela… deixe de ser ridículo… o que deixa vcs putos é que NÃO TEMOS BANDIDOS DE ESTIMAÇÃO… e não passamos vergonha aos defende-los como vcs fazem… deve ser uma tortura, a cada momento, ter que inventar uma mentira para tampar a última cagada que a ORCRIM do ABC praticou nos últimos 14 anos… é uma atrás da outra… rsrsrrsrsssss… e essa fala: subversão, era muito usada pelos militares… encampou a mesma no sub consciente, maquineta ???… rsrsrrsssss… tá saudoso ???… rsrsrsrssss…

      • A Máquina Troll says:

        Nos tempos de FHC…era anunciado com muita pompa que privatizações levariam o Brasil ao primeiro mundo…muitos anencéfalos acreditaram…A Vale do Rio Doce foi vendida por R$ 3,3 Bilhões sendo que valia R$ 400 Bilhões…Quando privatizaram as Teles a tarifa do telefone fixo pulou de CR$ 3,00 para CR$ 13,00…Sérgio Motta ministro das Comunicações na época disse que as Teles valiam CR$ 100.000.000,00 e foram vendidas por 13….

        FHC um entreguista inimigo da pátria :

        https://www.youtube.com/watch?v=9hO9iSYj3fs

        • Lucas - Treine enquanto eles dormem... estude enquanto eles se divertem... persista enquanto eles descansam... e então viva o que eles somente sonham... says:

          Petralha mal agradecido… o FHC e seu títere luladrão são irmãos siameses… não seja idiotizado… são as duas lâminas da mesma tesoura… vc sabe disso… mas seu clientelismo petralha te cega pra essa verdade… vai morrer negando os fatos…

          • A Máquina Troll says:

            “Neste país de 180 milhões de brasileiros, pode ter igual, mas não tem nem mulher nem homem que tenha coragem de me dar lição e ética, de moral e de honestidade.”

            Luiz Inácio Lula da Silva

            Luladrão…roubou meu coração…

          • Lucas - Treine enquanto eles dormem... estude enquanto eles se divertem... persista enquanto eles descansam... e então viva o que eles somente sonham... says:

            AMOR BANDIDO… rsrsrsrssss…

        • Amigo Máquina Troll
          deixa a besta passar que ela bate ponto !

          • A Máquina Troll says:

            com certeza….repara como ele todo dia tem que de alguma forma panfletar alguma coisa contra o pt ou fazer alguma apologia a facção rival que o recruta…rs…

          • EXATAMENTE… se há “facção rival” é porque há a facção na situação… rsrsrssss… trollagem entre burros é assim… deixam a dica do que são realmente a todo tempo… 🙂

      • A Máquina Troll says:

        Paises sérios protegem seus programas e setores estratégicos…Mas aqui a troco de propina sabotam, destroem e sepultam os nossos para depois fazerem negociatas com empresas estrangeiras…as licenças de exploração são vendidas por mixaria em troca de doações para campanha eleitoral e depósitos em contas pessoais no exterior…todos os partidos fazem isso…Não existe esquerda nem direita…Os partidos se tornaram a chaga do país…Não passam de facções que brigam pelo poder, com o apoio de alienados…

        • Concordo 100% com sua colocação.

          O mas triste é ver nos comentários a capacidade de discernimento das pessoas em interpretar de forma totalmente ideologia as colocações dos colegas.

          Eles não entendem.
          Não existe partido A ou B que tenha sido o melhor para o Brasil. Mas insistem em puxar sardinha para fulano ou Ciclano.
          Pobres cegos hipócritas.

          Enquanto pensam assim, a máquina da política em roubar se perpétua.

          São e serão eternos coxinhas ou mortadelas. Mas não são de longe brasileiros.

        • A Máquina Troll says:

          “RL
          13 de setembro de 2017 at 9:37

          Concordo 100% com sua colocação.”

          Obrigado amigo RL… 😀

        • A Máquina Troll says:

          “RL
          13 de setembro de 2017 at 9:37

          Concordo 100% com sua colocação.”

          estas pragas de militantes ideológicos Esquerdistas e Direitistas são os maiores cânceres do progresso do pais…hoje o Brasil é motivo de piada…de chacota mundial por conta desta gente…. Cretinos… que só prestam pra 2 coisas..servir de massa de manobra e ficar se atracando um com o outro nessas brigas patéticas e retardadas….

          • Pior do que a militância ideológica é a militância bandida… “luladrão roubou meu coração”… e quer ter moral de falar em “massa de manobra” sendo o mal exemplo de toda essa roubalheira que está ai…

  13. Excelente matéria, por isso que sou a favor de investir pesado em submarinos

    na minha opinião deveríamos ter no minimo uns 15 subs convencionais e se der uns 5 nucleares

    esses navios de 500t. só serve pra guarda costeira, e esses navios acima de 6.000t são caríssimos, e nem temos expertise de faze-las

    Acho que só os chineses mesmo conseguem fazer um precinho mais camarada, poderia encomendar deles algumas fragatas, mas o recheio ser todo ocidental.

    • Alessandro, defendo há muito este ponto. Não somos um país beligerante, tanto que isto esta em nossa constituição, a negação de nosso mar a um agressor será muito eficiente com os subs ou com uma, ou melhor com duas gigantescas esquadras com dezenas de meios de superfície como uns dois PA, dois PH, umas doze fragatas de 6000ton, uns oito destróier, sem falar em navios tanques, apoio logístico, etc, etc, etc. Não pretendemos agredir ninguém, só queremos garantir nossa soberania. Ao contrário disso tudo é tão mais simples negar o mar com uma dezena de subs e ter uma dúzia de corvetas/fragatas leves só para se mostrarem, carregar nossa Bandeira e ainda ter uma razoável capacidade de combate. Será que todos estes comentaristas tem mais conhecimento que a Royal Navy que hoje também esta partindo para esta opção!? Fragatas leves levam sua bandeira, fragatas leves são mais baratas, fragatas leves são de operação mais barata. Um pais co um “mare nostro” tão extenso como nosso necessitaria de uma Marinha como nunca tivemos ou teremos. Não esta na hora de parar com devaneios e cairmos na real, o que necessitamos são sim subs e pequenos navios. Lógico que uma fragata de 6000ton é muito melhor que uma Tamandaré de 2750, se essa é a primícia então vamos partir logo para buques de 12.000 ou 15.000.

    • Bem lembrado, nossa MB poderia encomendar de 6 a 8 cascos da fragata Tipe 052D e fazer todo o recheio no AMRJ. Se encomendar creio que os chinas entregam os dois primeiros cascos em menos de 1 ano e o AMRJ finalizaria o restante talvez antes de 2 anos do recebimento dos cascos, más… nosso almirantado competente estão esperando 2025 para ver se os ingleses desativam alguma tipe 23 que viram surradas e talvez até torpedeadas… más é inglês! kkk

  14. Prezado Roberto Lopes! Concordo em tese com a linha de raciocínio do texto formulado pelo “marinheiro”, e ainda mais, se falarmos do TO no AS abaixo do paralelo 30.
    Agora, observe que quase todos os países citados que construiram escoltas de 5.000 ou mais toneladas, hoje, tem projetos ou em construção, de navios na faixa das 4.000 tons,cito Inglaterra, T 31, Espanha, Itália, França(Belhora).
    Penso que esta “mudança” de linha pensamento deve-se o custo que os projetos de escoltas de 6.000 acabaram atingindo, eu citaria como exemplo a T 26 que pode chegar a um bilhão de libras, e ainda o próprio custo operacional destes, que estaria levando os orçamentos de custeio destas forças ao limite.
    Não me parece possível a MB vir a operar simultaneamente um número de 12 escoltas(o número que se tem hoje) na faixa das 6.000 tons pelas mesmas razões que algumas marinhas europeias não conseguiram e tiveram como no caso de França e Itália e quantidade FREMMs reduzidas em detrimento de navios menores.
    Acredito também que este projeto das CCTs é um erro, não atende minimamente a condição e a prontificação de combate necessária, mas me parece que também não é o caso de radicalizar na direção oposta, até porque como tu bem sabe, ter ou comprar não significa poder manter e operar.

    G abraço

    g abraço

    • Juarez,

      Tenho visto diversas entrevistas com almirantes de marinhas da OTAN (da ativa e da reserva) dizendo que as marinhas europeias parece que desaprenderam com o fim da Guerra Fria. Dizem que estas marinhas estão passando a produzir navios de desfile, que não servem para combate e sim para dizer que tem.

      São justamente essas novas classes que você mencionou. As críticas partem principalmente de americanos e britânicos.

      Concordo plenamente com o texto, pois ele se refere ao nosso TO. Para países como Brasil, RU, EUA, Japão, Argentina, Canadá, etc. navios menores só servem para dizer que Tem, mostrar bandeira.

      Já para os países de mares confinados, qualquer lancha arma da com mísseis serve. Outros países como China, Coreia do Sul e Rússia, podem ter um misto pois possuem águas semi abrigadas, mas possuem interesses transoceanicos, o que demanda navios de deslocamento maior.

      Por fim, como marinheiro, tenho que concordar com o texto. Me entristece que nosso alto escalão queira navios que não são os mais adequados, mesmo que seja só pra desfile, sem validade bélica em pelo menos metade do ano.

    • Caro Juarez,

      Entendo que a questão sempre é custo x benefício…

      Se a idéia é guardar águas de interesse executando funções policiais ou então acorrer em missões de paz, então faz mais sentido pensar em conceitos híbridos ou mais simplistas como a Type 31, deixando os cenários de intensidade maior para os grandes.

      Enfim, questão de ter mais opções a mesa e poupar um no longo prazo…

  15. Francisco Braz says:

    Viúva é viúva em qualquer lugar e em qualquer parte… O quê me surpreende não é a informação, mas a “não informação” prestada pelos “especialistas” de algumas matérias. Sim, em algumas situações as fragatas brasileiras não podem lutar… E??? Em algumas situações até os porta-aviões americanos de mais de 90.000 toneladas também não. Ambientes como o Atlântico Sul (ou Norte) NINGUÉM consegue lutar. Nem o HMS Ocean consegue lançar seus helicópteros (e ele tem 21.000 toneladas. Durante a 2a GG, no Pacífico, vários porta-aviões foram danificados pelo mar a ponto de deixarem o teatro de operações em busca de reparos. E suas escoltas foram afundadas em várias oportunidades por tempestades fortíssimas. Agora, por quê são bélicamente neutras nos mares do sul elas perdem utilidade nos mares domésticos? Temos algum interesse imediato nos mares do sul? NÃO. Nos mares que precisamos operar, em primeiro tempo, e nos quais concentra 70 ou 80% de nossos interesses estas corvetas são suficientes. Não substitui os escoltas de 6 ou 7.000 toneladas, assim como o Bahia e o Ocean (se for comprado pelo Brasil) não substitui o São Paulo. Ocupam, em termos, algumas lacunas que o porta-aviões deixa, mas não em todas. A MB faz muito mais do que pode com o que lhes resta e faz milagres. O que me espanta é a virulência de certas matérias. Tem certeza que são escritas por brasileiros? Tem certeza que são informações passadas por brasileiros?? Eu não tenho. São míopes e toscos e o máximo que conseguem passar é a vontade de que tudo dê errado.

    • “Agora, por quê são bélicamente neutras nos mares do sul elas perdem utilidade nos mares domésticos? Temos algum interesse imediato nos mares do sul? NÃO. Nos mares que precisamos operar, em primeiro tempo, e nos quais concentra 70 ou 80% de nossos interesses estas corvetas são suficientes. ”
      Cara.. Você sabe onde fica e conhece o Atlântico Sul?
      Parece que não.

      • Francisco Braz says:

        Sei… E sei também que o grau de mar que impossibilita o uso das belonaves da MB não são encontrados nos trópicos. São do circulo polar (norte e sul) e em regiões específicas, como o canal da Mancha. O mar, colega, draga quem não o respeita. Tenha ele a tonelagem que tiver. Navios de 100.000 toneladas, tipo graneleiro, já foram afundados pela frequência das ondas que passavam por baixo dele. Simplesmente torceram tanto o casco que ele se partiu em dois e afundaram tão rapidamente que não sobrou ninguém para contar o quê aconteceu. Sim… Sei onde fica o sul, os interesses da MB e a intenção por trás da matéria. Encerro aqui a discussão, viúva.

    • Neste site mesmo, parece que existem vários foristas que preenchem o perfil que você construiu no fim de sua mensagem. Parece que a burrice chegou ao comando da MB e ficou.

    • “Temos algum interesse nos mares do sul?” SIM, NOS DEFENDER! Se existe situações em que nenhum tipo de embarcação pode operar correto más… em situação em que uma CCT de 2800t tem 0% de condições de utilizar qualquer armamento uma fragata de 4500t teria 40% de disponibilidade e uma de 6000t teria acima de 70%! E ESSA A QUESTÃO, más deve ser alguém com parentesco de algum estrelado ou analfabeto funcional para defender o desarmamento da MB, só pode.

  16. ……………a questão aí não é gastar 2 bilhões de dólares em corvetas navios patrulhas novos nem tampouco com modernização de AMRJ ou quaisquer outros projetos que façam desaparecer essa verba……ela só deveria ter um único destino 😮 PROSUB….. porque suas naves que já estão no estaleiro (dos quais um deles praticamente em finalização) e com sério risco de ter até sua conclusão interrompida pelo ministro de fazenda com um estranho e cabalístico “contingenciamento orçamentário” adotado pelo dito cujo……dessa forma, em última instancia, só resta manter as atuais corvetas e fragatas como estão ou comprar barcos baratos no mercado de usados…….dinheiro há mas o atual “governo” não solta e o ministro da Defesa não dá um pio a favor das FFAAs………

  17. Cláudio quadros says:

    Se dependem ministro defesa atual nossa marinha terá mesmo um índio na canoa patrulha mar do Brasil.

  18. …….êrro: destino*PROSUB

  19. Adriano Corrêa says:

    Pessoas, em termos de guerra e suas estratégias, existe um primeiro e determinante fator:
    Só se pode pensar em alguma estratégia na guerra se tem os meios pra a sua execução.
    4 corvetas e alguns subs não protegem as nossas águas.
    Navio de guerra para uma marinha de águas azuis que já nasce OBSOLETO É SÓ NO BRASIL.

  20. Complicado mesmo … problema conhecido e pouco divulgado .. es o ”padrão” Otan das coisas …unica opção ”nova” seria de fatos os navios Chineses ,como a Type 052D .. (como recheio ocidental ) mas sabe como e .ideologia sempre falou mais alto q a racionalidade por aki ….. acho q de usados vamos ficar esperando mesmo navios Japas e Ingleses…isso pra meados de 2022 …como sorte
    acho q ja esta claro q a Tamandaré vai ser outro tiro no pe … mt mais atrativa seria a opção de mais classe ”Amazonas” pra patrulha .. e uma nave de verdade pra escolta … q poderia ate mesmo ser a Classe Iver /FREMM/F-100 …

    • Casco Chinês com recheio Rytheon, MTU, Thales, etc? Qual a diferença para um Koerano, Japonês, Americano?
      Custo de mão de obra?
      Tu enxerga um Governo comprando navio novo, feito 100% no exterior?

      • Exato.. a opção chinesa hj e mais atrativa .. pelo seu custo .. tempo de construção .. e possível forma de pagamento q poderia envolver commodite por exemplo
        A integração dos sistemas poderia ser feita por aki mesmo
        Qualquer outra opção vai envolver dinheiro q nos n temos … tempo .. além do custo consideravelmente mais caro .
        Compra externa hj nos sai mais barato .. pura e simplesmente

        • “A integração dos sistemas poderia ser feita por aki mesmo”
          .
          O que nós sabemos de integração de sistemas em navio chinês?
          O Custo x Benefício do Chinês morre se usar componente ocidental e for feito em qualquer outro lugar que não na China.
          .
          “Compra externa hj nos sai mais barato .. pura e simplesmente”
          Eu concordo. Seria um caminho, quando se tem outro lugares para investir aqui. Mas volto a perguntar: Tu enxerga um Governo comprando navio novo, feito 100% no exterior?
          Eu não. Quem assumir em 2019 vai ter milhões de desempregados nas mão e vai ter que fazer campanha para reeleição em 2022. Vai dar tiro no pé, comprando bilhões em “navio de guerra” feito 100% no exterior, pra zé mané de impressa bater pesado?

          • Navio chinês hj segue um padrão ocidental de construção … Sua estrutura.. componentes básicos .. geração de energia etc .. tudo nele pode ser modificado ..os chineses podem ser MT mais maleáveis dona vc pensa …daí n vejo problema com a integração de sistemas ocidentais nela …. Sem envolver dinheiro deretamente .. acho q a pop iria entender .. basta vontade .. e fim dessa ideologia barata q existe na MB …n e a melhor das opções … Mais a.racional no momento

          • Claro que Chinês é maleável, mas daí qual a diferença entre comprar um Koreano ou Japonês?
            .
            Vou desenhar…
            Se você ler o que eu estou tentando dizer é:
            .
            O Custo Benefício do Chinês está no pacote completo, que é feito TODO por chineses.
            Coloca componente feito fora da China na jogada e o preço vai pro espaço. Qual o custo x benefício disso?

          • Acho q eu e q preciso desenhar pra vc … questão n e o fornecedor…e. Forma de pagamento.. . Será q EUA.. Japão… Itália .. etc aceitaria commodite como forma ou parte de um possível pagamento?
            Acho q …Uma possível TYPE 052BR .. dependendo do q a MB quer .. pode sair mais barata ..sem ser AESA …pega o pacote selecionado pras Tamandaré ..q já seria o suficiente..por h … Se a MB quiser num futuro próximo pode perfeitamente incrementar sistemas ou armamento .. pois teria espaço pra tal .. compreende?

    • Concordo com sua linha de raciocínio, de 6 a 8 cascos das tipe 52D e o AMRJ faz uma licitação para os componentes internos. Más como instalar componentes ocidentais? Com engenharia analisando as especificações fornecidas pelo fabricante se faz as instalações internas para o barco ficar balanceado. Ai vem alguém dizer que ficaria uma embarcação frankstain… não vejo isso como problema e sim como solução, adotando os melhores materiais como radar inglês, motor alemã etc.

      • “‘Com engenharia analisando as especificações fornecidas pelo fabricante se faz as instalações ”
        .
        Conhece engenharia?
        $$$$$….
        .
        Pq esse endeusamento de casco Chinês?
        .
        Qual a vantagem do Chinês?
        Mão de obra barata, que fez motor, sistema de combate, armamentos e casco e rebimboca da parafuseta em geral.
        Tu quer pegar um casco chinês barato e colocar AQUI, componente Ocidental caro?
        .
        Casco pode se fazer aqui com um pé amarrado nas costa… E teria muito mais apoio do Governo e pressão para não passarem o facão.
        .
        Se for pra pagar reprojeto de navio, melhor fazer um do zero, para 100% de nossas necessidades e colocar componentes Ocidentais. No longo prazo, tem um mundo de diferença.

        • caro bardini:
          “Pq esse endeusamento de casco Chinês?”
          não diria esse termo más que é um bom desenho não tenha duvida.

          “Qual a vantagem do Chinês?”
          preço e entrega, duvido que algum outro pais consiga bater, inclusive coreia do sul, más nada impede de requerer preços de ambos.

          “Tu quer pegar um casco chinês barato e colocar AQUI, componente Ocidental caro?”
          para os componentes ocidentais devesse fazer uma concorrência com os fabricantes selecionados ou pelo menos cotação de preços e posterior melhor oferta.

          “Casco pode se fazer aqui com um pé amarrado nas costa…”
          só que não, aqui é Brasil sejamos realistas.

          “Se for pra pagar reprojeto de navio, melhor fazer um do zero, para 100% de nossas necessidades e colocar componentes Ocidentais. No longo prazo, tem um mundo de diferença.”
          só que não, aqui continua sendo o Brasil….

  21. Se não pode comprar, construa. Tendo conhecimento, disposição e política de Estado para as forças Armadas Tudo pode ser feito. Até o presente momento não vi por parte do Almirantado solicitar ao ministério da defesa parte dos royalts que a MB deveria ter? Por que io Comandante em chefe da MB não questiona isto? Concordo com todos os comentaristas revoltados com a situação.

  22. Precisamos urgentemente de um novo Alte Alexandrino!!! Quanto ao MD esse tal R. Jungerman é uma cria de FHC um neocomunista que detesta as FAs.

  23. Ferreira Junior says:

    Corrija se estiver errado. Na I GUERRA, certos navios eram com giroscópios gigantescos, visando estabilidade da nau. Com isso, enfrentavam mar grosso e combatiam. Aí pergunto. Porque esse meio de estabilização foi abandonando? Pois se até naves espaciais os utilizam.

  24. Vagalhões conseguem varrer o convés das nossas fragatas no oceano e os almirantes pensam em construir e comissionar corvetas?

    Mal serviriam para patrulha da zona de exploração econömica…

    Pelo menos umas 4 FREMM por favor…

    Dinheiro para roubalheira é que não falta.

    O objetivo de todos os governos das últimas décadas é sucatear as FFAA aos poucos e fazer bastante demagogia para o povo, acostumando-o a uma atitude passiva e dependente dos políticos.

    Os comandantes não percebem?

    Por que essas marionetes de globalistas querem nos enfraquecer militarmente enquanto o resto do mundo está armando-se até os dentes?

    É para sermos ocupados (nem precisará invadir – não haverá resistência) militarmente e saqueados?

  25. Rafael Damasceno says:

    Nego viaja na maionese giroscópio em nave espacial kkkkkkkkkk

  26. Bom dia pessoal meu nome é Alexandre e fui militar da marinha por vinte anos, e gostaria de compartilhar com vcs a minha impressão sobre este assunto, nosso país , que tradicionalmente se gaba de não ser belicoso e etc, esteve diretamente envolvido no ultimo século nos principais conflitos bélicos que envolveu a humanidade, não porque procuramos mas sim porque fomos arrastados a eles, e não dá mais para sermos coadjuvantes no senário mundial, como fomos anteriormente, independente da crise que passamos, o fato é que nosso país já é um ator atuante no conflito mundial, e precisamos ter uma política de defesa que beneficie nossa autoproteção, com capacidade mínima de coerção para possíveis aventureiros, claro que, não seria inteligente viajarmos na políticas das superpotências, tanto as já consolidadas como as emergentes, mas é um fato que não podermos desprestigiar nossa defesa, hoje termos um parque industrial de defesa com grande potencial de crescimento, mas por causa do abandono, governamental, ainda mt distante da realidade mundial, contamos com alguns bolsões de excelência que devem ser consolidados, infelizmente na árena naval nos falta quase tudo, e muitos anos de investimento sério para nos tornamos independente, se isto um dia será possivel ou mesmo interessante para o país, nos precisamos de escoltas de maior tonelagem, pois temos que dispor de capacidade plena 365 dias por ano, navios com 6.000ton de desloocamento são sim necessários para o nosso contexto, não só fragatas, mas também contra torpedeiros, de 8.000 ton , para proverem escoltas de grupos tarefas patrulha, como também anfíbios, até porque se dispuséssemos de de dois grupos seria interessante sim, as corvetas se programadas para o contexto costeiro, são válidas, mas não podemos nos prender somente a este contexto sob pena de permitir ao inimigo a supremacia marítima, estou triste pela perda do Nae São Paulo pois ele merecia receber a modernização necessária isto nos daria um Nae com casco antigo (como o LIAONIANG) mas moderno, com capacidade CATOBAR, e superioridade aérea no contexto naval e com uma estratégica capacidade limitada de projeção de força, lembrem-se que uma nova belonave sairia para nós não menos de 6bi e a reforma profunda 2bi, e o teríamos por mais 20 anos, a chegada do HMS OCEAN, incrementaria o controle de tráfego marítimo, e nossa capacidade de projeção de poder aos meios de fuzileiros navais, claro com pelo menos 12 a 16 escoltas de alto desempenho e nossas corvetas em numero de 12 cumpririam missões de patrulha ate as 12 milhas em tempo ruim e duzentas em tempo bom reforçadas pela aviação de patrulha, e pelos submarinos diesel-elétricos, ficando o de propulsão nuclear como elemento dissuasório.

    • Alexandre, tenho dito isso mas me parece que não entendem. Defendo as Tamandarés, mas não por que as acho o suficiente, mas sim por que não temos outra opção hoje. Teríamos que ter no mínimo 20 cascos Tamandaré, alguns equipados como NaPaOc e outros fragatas leves, contando ainda com 9 subs, 4 Scorpene e os cinco IKL devidamente modernizados na Alemanha, a partir daí correr atrás de pelo menos 6 escoltas mais capazes, 6000ton ou até mais. Não adianta ter uma Marinha da Baia da Guanabara e deixar o resto de nosso mar descoberto. As escoltas são IMPORTANTÍSSIMAS, mas se não tivermos número para “ocuparmos” nosso mar estaremos abrindo mão de nossa soberania.

  27. A marinha não está conseguindo construir uns barquinhos de 500 t quanto mais as CCT.

  28. A quanto tp que a marinha brasileira navega no Atlântico sul? Será que o conhecimento dos antigos marinheiros que em outras horas conquistaram o Brasil , não foi passado pra os marinheiros atuais .será que o conhecimento da marinha real portuguesa não foi passado pra os comandantes de hj? Po gente vamos parar de fazer cagada,vcs são descendentes de uma gloriosa marinha que carrega nas costas inúmeras vitórias e glórias,será que vcs comandantes de hj não entendem isso , forcem o governo a investir na nossa marinha,
    e por favor projetem e construam navios de valor,navios que sejam merecedores de pertencerem a gloriosa marinha do Brasil , lembresse os grandes e poderosos galeões que foram pertencentes a Portugal eram imbatíveis ,pq foram construídos e projetados , para serem formidáveis , e invencíveis , vcs são a herança daqueles tps , façam por onde serem como os antigos ,e tragam a glória de volta a nossa marinha , construam navios brasileiros formidáveis

  29. Em partes concordo com o senhor Bardini, o valor das CCT,s realmente é muito alto acredito que seja devido a sua tripulação exagerada e aos ” custos” Brasil já conhecidos por todos.
    Por isso mesmo sou a favor de entregar a fabricação dos cascos e superestrutura aos Chineses ( acompanhados por técnicos de empresas privadas e funcionários do Arsenal ).
    Deixando para fazer a integração de sistemas de armas, guerra eletrônica etc.. aqui no Brasil por empresa nacional e com alto conteúdo nacional.
    A destinação dessas verbas para outros projetos só se justificará se a MB adquirir meios que atenda a força.
    Também fui a favor do destinação dos altos custos do Prosub para meios mais urgentes ( Força Aeronaval, Superfície, Fuzileiros etc..).
    Mas investiram mais de 8 bilhões de dólares em algo que poderia ser postergado, pois já dominávamos a construção e modificação dos IKL-209, resultando na classe Tikuna nacional.
    Mas nossas FAA,s sofrem de alucinações megalomaníacas, e omo sempre digo ” quando há dinheiro saem comprando de tudo e de todos , menos do fornecedor nacional”, são como crianças em loja de doces com muito dinheiro no bolso para gastar.
    Mas ainda acho que o projeto das CCT,s é de suma importância, quem sabe com parcerias de países como Colômbia, África do Sul, Argentina etc..
    Os custos caiam e se torne mais apropriado investir nas mesmas !!!

    • “pois já dominávamos a construção e modificação dos IKL-209”
      .
      Dominamos pouco de quase nada.
      Quando foi preciso comprar bateria nova, tiveram que desembolsar uma fortuna na Alemanha.
      .
      Com os Scorpène pelo menos nacionalizaram boa parte dos componentes de manutenção.
      .
      “Mas investiram mais de 8 bilhões de dólares em algo que poderia ser postergado”
      .
      O Scorpènes atrasaram tanto que vai praticamente casar com a baixa dos IKL.
      .
      “Tikuna nacional”
      O que tem de nacional no Tikuna?
      Kit feito sobre medida?
      .
      “Também fui a favor do destinação dos altos custos do Prosub para meios mais urgentes ( Força Aeronaval, Superfície, Fuzileiros etc..).”
      .
      Equipar os fuzileiros é mixaria… Estoque US Army e Marines.
      Aeronaves,pode-se repassar a Patrulha para MB. Não tem mais PA mesmo. Não por pelo menos 15 anos.
      Privilegiar Força de Superfície no lugar da ForSub? dureza em… Gastar dinheiro do PROSUB com corveta meia boca que vai pro fundo fácil fácil ao invés de gastar com submarino, que dá trabalho ao inimigo?

    • Argentina nãaaaaao, rsrs

  30. É minha opinião caro Bardini, o Brasil só entrou em uma guerra até hoje e muito provavelmente não entrará em mais nenhuma ( devido a covardia de nossa diplomacia e ganância de nossos políticos), sendo assim não precisamos nos armar para ontem esperando uma guerra que provavelmente nunca acontecerá.
    Segundo, Napaoc são para patrulhas e não para guerra, esse navios são para Guardas costeiras ( que nossa amada MB nega a criação por ganância nos Royalties que nunca receberam a contento) não acho boa opção gastar dinheiro num navio de patrulha sub oceânico em detrimento de uma Fragata Leve oceânica.
    Se não dominávamos a fabricação dos IKL,s, porque então o ex comandante da marinha há época chegou a mencionar no lançamento do Tikuna que ” o Brasil nunca mais precisará adquirir submarinos do exterior ” ??
    Será que o mesmo está errado e você que está certo ??
    Uma boa ala aérea baseada em PA pode e muito dificultar a vida dos inimigos, e esse 8 bi daria mais que uma excelente ala áera baseada em PA ( se for corretamente empregados).
    Uma força expedicionária de fuzileiros bem equipada também contrabalancear em muito o T.O, nenhum sistema de armas e completo por si só, para se chegar a plenitude necessita de vários sistemas de armas .
    Sendo assim não podemos menosprezar esse ou aquele em detrimento de outros, e no caso da MB as carências são enormes.
    Como te disse antes, todas as opiniões e observações devem ser respeitadas e levadas em consideração, afinal de contas toda unanimidade é burra e toda certeza é incoerente !!!

    • a possivel 3 guerra mundial ! a matança e para todos !
      seria inevitavel o brasil ficar de fora o problema e como iria despreparado sendo boi de manobra dos eua

      • Blablabla…
        .
        Esses EUA são tão malvados que quando os Alemães estavam matando brasileiros em nossas águas, eles que nos ajudaram.
        .
        Como são lembrados: os EUA imperialistas, comedores de criancinha queriam invadir o nordeste na segunda guerra.
        .
        Do Facista do Vargas ninguém lembra.
        Do maior partido Nazista fora da Alemanha ninguém lembra…

    • Royalties?
      Quando foi a última vez que a MB viu a cor desse dinheiro?
      .
      Então você não quer alguns Patrulhas de 2.000 tons, mas quer uma Fragata leve de 2.700 tons?
      Grande vantagem…
      .
      Dominamos quase que porcaria nenhuma dos IKL.
      O que se pode fazer é abrir eles aqui para fazer manutenção com componentes comprados no mercado externo.
      Praticamente só fizemos o casco e montamos o kit, enviado da Alemanha.
      .
      De que é o sistema de combate? De onde vem motorização e baterias?

  31. Carlos Eduardo says:

    MEUS QUERIDOS VOCÊS JÁ ESTIVERAM EM UM NAVIO COM ONDAS QUE LAVAVAM O PASSADIÇO E JOGANDO O MESMO DE BOMBORDO E BORESTE ,JÁ PASSEI POR ISSO NO SUL DO PAIS A TRIBULAÇÃO SOFRE MUITO

  32. Para as ” Maria vai com os gringos” e que acham que tudo que fazem na Europa e ou Estados Unidos segue link que mudará a opinião de muito submisso !

    http://www.naval.com.br/blog/2017/09/08/reino-unido-planeja-fragatas-leves-em-novo-programa-de-construcao-naval/

    Só não mencionaram o deslocamento dessas novas Fragatas Leves da Royal Navy , mas não deve ser muito diferente das CCT,s ( que na verdade são Fragatas Leves).
    Mas ainda concordo que o preço das mesmas se encontra em um patamar proibitivo.
    Quem sabe com a encomenda de mais unidades pela MB e ou algum país parceiro e redução do número de tripulante o valor venha a cair ?
    Outra opção seria fazer como os Ingleses, encomendar partes do navio de diferentes fabricantes e fazer a integração final no AMRJ.

    • Foxtrot, te farei uma pergunta que a resposta fará com que as CCT,s fabricadas no Brasil ficaem bem mais baratas: Em uma Tamandaré fabricada no Brasil com um custo de $350 mi, quanto retornaria emforma de impostos para o estado? Ficaria muito mais barata que uma comprada fora por $250, isso tenho certeza.

  33. Partilho de sua visão caro Adson , porém aqui no fórum há pessoas que acham que adquirir do exterior é sempre a melhor solução.
    Baseado nessa óptica que vem sendo praticada há anos nessa repúbliqueta , é que sofremos hoje em dia com o atraso industrial tecnológico desse país.
    Pois sempre que necessita o empresariado nacional recorre ao exterior para adquirir máquinas ferramentas etc..
    Em minha modesta opinião, indiferente do preço, acho que deveriam sim ser construídas no Brasil ( lógico, desde que as tecnologias e aprendizados não fossem perdidos ), e que seus ensinamentos fossem logo empregados no desenvolvimento e fabricação de uma nova classe de fragatas médias baseadas nas Niterois e Tamandarés, com deslocamento de 5.000t , emprego de sistemas de armas nacional, guerra eletrônica etc..
    Quem sabe uma versão naval do radar Saber-M200 ( semelhante ao sistema EAGIS Norte Americano ) etc..
    Os retornos de um projeto como essa para o país e população são descomunais, mas alguns mentecaptos do governo e alto comando das FAA,s ( e até mesmo da população aqui do fórum ) não enxergam isso.
    Ai continuamos produzindo batatas, bananas e vendendo açúcar e carne ao mundo cada vez mais tecnologico.
    Lamentável !!!

    • Foxtrot, o ganho em expertise na construção da Tamandaré poderia nó levar sim a construção de fragatas, mas falta o investimento em ciência e tecnologia. Poderíamos por exemplo estar estudando, desenvolvendo tecnologia eletromagnética. Veja só, aparelhos de ressonância magnética, trens de alta velocidade, catapultas para PA, canhões, etc. Isto pra citar só uma tecnologia, mas não, continuamos vendendo minérios, soja, café, carne e na visão de nossos políticos “gasto” em pesquisa é desnecessário.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com