Defesa & Geopolítica

Plano Brasil/MD/FAB/EMAER … MB/Turma Aspirante Conde (Colégio Naval (CN) 1971 e 1972, e Escola Naval (EN) 1973 a 1976)/Análise: “EMAER sedia Reunião do Comitê de Chefes de Estados-Maiores das FFAA”

Posted by

 

NOTA DO PLANO BRASIL, por Gérsio Mutti: Plano Brasil/MD/FAB/EMAER … MB/Turma Aspirante Conde (Colégio Naval (CN) 1971 e 1972, e Escola Naval (EN) 1973 a 1976)/Análise: “EMAER sedia Reunião do Comitê de Chefes de Estados-Maiores das FFAA”.

 

Comentário Pertinente

Na foto abaixo da matéria em questão, os dois Oficiais Generais de Quatro Estrelas da Marinha do Brasil (MB) são integrantes da minha turma, Turma Aspirante Conde, declarados Guardas-Marinha do Corpo da Armada (CA) em 13 de dezembro de 1976.

Da esquerda para a direita:

Almirante de Esquadra Ademir Sobrinho – Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (CEMCFA); e   

 

Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior – Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA).

Razão do Nome da Turma

A minha turma, Colégio Naval (CN) 1971 e 1972, e Escola Naval (EN) 1973 a 1976, escolheu como nome de turma, “Turma Aspirante Conde”, em homenagem póstuma (In Memoriam) a um colega de turma, Aspirante Conde (Guilherme de Albuquerque Conde), que nas férias de fim de ano, do 2º ano para o 3º ano da EN, veio a falecer num acidente de carro.

No retorno das férias e início do 3º ano letivo essa notícia deixou toda a turma atônita o que serviu para uni-la e fortalecê-la ainda mais durante todo o 3º e 4º anos da EN.

A Turma Aspirante Conde fez doze (12) Oficiais Generais de duas Estrelas, posto de Contra-Almirante, sendo 7 no Corpo da Armada (CA), 1 no Corpo de Fuzileiros Navais (CFN), 3 no Corpo de Intendência da Marinha (CIM), e 1 no Corpo de Engenheiros da Marinha (CEM).

 

Mantendo o foco somente no Corpo da Armada (CA), que vem a ser o meu Corpo de formação profissional-militar, a Turma Aspirante Conde fez dois “Comandante em Chefe da Esquadra (ComemCh), cargo, segundo Organograma da MB, a ser ocupado por um Vice-Almirante a saber:

 

Período 05/04/2013 a 09/04/2014 – cargo ocupado pelo então Vice-Almirante Sérgio Roberto Fernandes dos Santos, atualAlmirante de Esquadra (RM-1) Sérgio Roberto Fernandes dos Santos; e

 

Período 09/04/2014 a 09/12/2014 – cargo ocupado pelo então Vice-Almirante Ilques Barbosa Junior, atual Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior – Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA).

 

Para que os integrantes do Corpo da Armada (CA) de uma mesma turma da EN venham a ser designados a assumir por duas vezes consecutivas o cargo de ComemCh ( https://www.marinha.mil.br/comemch/?q=comandantes ) na MB, faz-se necessário contar, e muito!!!, com a “Fortuna do Mar proporcionando Bons Ventos e Mares Tranquilos”.

Desses doze Oficiais Generais de duas Estrelas, três chegaram ao posto de Oficial General de Quatro Estrelas no Corpo da Armada (CA), e na data presente dois Almirantes de Esquadra (AE) estão no Serviço Ativo da Marinha (SAM): AE Ilques (CEMA) e AE Ademir (CEMCFA).

 

EMAER sedia reunião do Comitê de Chefes de Estados-Maiores

A isenção de impostos em produtos de defesa e o uso do Porta-Helicópteros Atlântico por militares das três Forças foram alguns dos assuntos debatidos

Fonte: Agência Força Aérea, por Aspirante Carlos Balbino

Edição: Agência Força Aérea, por Tenente João Elias – Revisão: Major Alle, 04/09/2018

O Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER) sediou, nesta terça-feira (04/09), a reunião do Comitê de Chefes de Estados-Maiores das Forças Armadas. Participaram do encontro, no Gabinete do EMAER, em Brasília (DF), além do Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Almirante de Esquadra Ademir Sobrinho; o Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior; do Exército Brasileiro (EB), General de Exército Paulo Humberto Cesar de Oliveira; e da Força Aérea Brasileira (FAB), Tenente-Brigadeiro do Ar Raul Botelho.

A isenção de impostos em produtos de defesa e o uso do porta-helicópteros Atlântico por militares das três forças foram alguns dos assuntos debatidos. Temas de interesse comum das três forças, ligados às áreas de comunicações, comando e controle, também entraram na pauta de discussão do encontro.

“Cada força passa as decisões tomadas aqui para a sua estrutura de comando. No caso do Ministério da Defesa, passamos para a chefia do Estado-Maior para que sejam tomadas as providências dentro das resoluções que foram decididas no Comitê de Chefes de Estados-Maiores”, destacou o Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

O oficial-general lembrou ainda que, além de assessorar o Ministro de Estado da Defesa em assuntos específicos, esse grupo também é responsável pelo cumprimento de tarefas de extrema importância.

“É muito importante que haja essa integração no debate porque nós damos o exemplo da interoperabilidade vindo de cima, entre as forças, e determinamos para baixo o cumprimento dessas novas ações. Isso permite um maior intercâmbio entre as forças”, avaliou.

Esta foi a primeira vez que a FAB sediou o encontro, desde que foi implementado o sistema de rodízio entre as três forças. Antes, todas as reuniões, convocadas geralmente a cada dois meses, eram realizadas no Ministério da Defesa.

Foto: Wilhan Campos / CECOMSAER

 

Fonte: Agência Força Aérea 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com