Defesa & Geopolítica

Os grandes planos de modernização da força de Bombardeiros Chineses

Posted by

Concepção artística do bombardeiro chinês H-20.

Por Peter Warren Singer

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

“A indústria de defesa da China vem se modernizando rapidamente, embora ainda existam algumas lacunas importantes para serem preenchidas. Porém, as aspirações da nação asiática e sua tentativa de se tornar uma grande potência militar estão a cada dia mais próximas.

Uma dessas lacunas refere-se aos bombardeiros de longo alcance e neste exato momento, a Xian Aircraft Corporation (XAC) constrói o H-6K, uma versão do bombardeiro médio soviético Tu-16 Badger da década de 1950. O H-6K foi modernizado completamente em seus aviônicos, aerodinâmica e motores o que lhe garantiu maior alcance.

Mas uma série de relatórios demonstra que, junto com o uso de mísseis modernos e a expansão de sua gama de atividades militares em todo o Oceano Pacífico, a China está planejando construir sua força de bombardeiros com uma nova geração de aviões.”

“Entrega pelo ar”

Um bombardeiro H-6M pode transportar dois mísseis de cruzeiro, dando à China uma capacidade de ataque estratégico anteriormente mantida apenas pelos EUA e pela Rússia. O novo bombardeiro H-6K pode transportar 7 mísseis, e o planejado H-X provavelmente será capaz de carregar pelo menos uma dúzia de mísseis táticos.

Após anos de especulação, em setembro de 2016, o comandante da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo (PLAAF), General Ma Xiaotian, anunciou que a China estava pesquisando o desenvolvimento de um bombardeiro de longo alcance. A notícia foi refletida no Relatório Anual do Departamento de Defesa dos EUA sobre as Forças Armadas Chinesas de 2017, segundo o qual a China estava desenvolvendo um bombardeiro estratégico com uma “missão nuclear”.

H-20

O H-20 precisa ter um alcance de aproximadamente de 10000 km para atingir alvos estratégicos intercontinentais enquanto transporta uma carga útil de 10-20 toneladas de armamentos

Acredita-se que o futuro bombardeiro estratégico, tentativamente identificado pelos comentaristas chineses da Internet como H-20, seja um bombardeiro de asa voadora projetado para longo alcance e furtividade e que será construído pela XAC.

Como o H-20 precisa ter um alcance de aproximadamente de 10000 km para atingir alvos estratégicos intercontinentais enquanto transporta uma carga útil de 10-20 toneladas de armamentos, ele precisará de quatro motores turbofan.

É provável que esses motores turbofan sejam versões sem pós-combustão do motor WS-10, o que proporcionaria cerca de 80 kN de empuxo cada um.

É provável que esses motores turbofan sejam versões sem pós-combustão do motor WS-10, o que proporcionaria cerca de 80 kN de empuxo cada um.

Tudo isso tornaria o H-20 similar em tamanho ao B-2 dos Estados Unidos da Northrom Grumman, uma aeronave que também tem quatro motores de 80 kN. Esta aeronave estaria armada com bombas e, provavelmente, sistemas como os mísseis de cruzeiro de ataque terrestre CJ-10, de cerca de 2000 km de alcance, que seriam transportados em baias de armas internas. Armas futuras poderiam incluir mísseis de cruzeiro furtivos GB-6A e mísseis scramjet hipersônicos.

Imagens de satélite revelam o que pode ser o novo bombardeiro estratégico chinês

 

O Voo da Espada Afiada

O Sharp Sword é um drone de ataque chinês, uma versão modificada do que poderia atuar como um wingman robótico para o futuro bombardeiro stealth H-20.

Também é possível que o H-20 possa atuar como um comando aéreo, particularmente devido à pesquisa recente da China em agrupamento de aeronaves não tripuladas e tripuladas de via data link com compartilhamento de sensores com mísseis de longo alcance. A Força Aérea dos EUA relatou planos do mesmo papel para o bombardeiro stealth B-21 Raider.

Imagens do testes de rolagem do SkyBow e Dark-Sword UCAVs Furtivos chineses

 

JH-XX

O JH-XX teria sido mais similar em perfil de missão ao bombardeiro russo Tu-22M Backfire, outro bombardeiro tatico supersônico projetado para atacar os porta-aviões inimigos que se aproximavam do país.

O conceito H-20 é freqüentemente confundido com outro nebuloso futuro da China, um bombardeiro supersônico de alcance regional conhecido como JH-XX. Esse é um bombardeiro totalmente separado, mas ainda vale a pena destacar aqui. Visto pela primeira vez em modelo nos airshows em 2013, o JH-XX (que não foi confirmado pelos oficiais) foi relatado como tendo um peso de decolagem de 80-100 toneladas e capacidade supersônica.

A aeronave de 30 metros de comprimento parece ter um compartimento de armas principal sob a fuselagem central para transportar armamentos como mísseis anti-navio (como o YJ-12), bem como dois compartimentos de armas em ambos os lados da fuselagem que poderiam levar mísseis ar-ar como o PL-15 e o PL-10.

Seu raio de combate de 2400 km relatado seria suficiente para atacar os porta aviões norte-americanos e até bases como Guam. Isso tudo dito, quem está construindo pode ter problemas para encontrar motores turbofan supersônicos grandes o suficiente.


Mas, ao contrário do Tu-22M, o JH-XX pode ser armado com mísseis ar-ar para disparar contra interceptadores e mísseis inimigos. Ainda assim, ao contrário do H-20, não houve menção oficial de uma aeronave com o perfil do JH-XX de fontes americanas ou chinesas.

O novo bombardeiro chinês será realmente furtivo ?

 

H-6N

O bombardeiro H-6N é um H-6K modificado para o lançamento do míssil DF-21 ALBM, para aumentar as opções convencionais e nucleares da China.

É claro que tudo isso é uma especulação bem informada, e não está claro que tipo de sucesso esses desenvolvimentos voltados para o futuro realmente terão. A curto prazo, a dissuasão aérea estratégica da China está sendo modernizada de outra maneira: por meio de um lançamento aéreo míssil balístico (ALBM). O ALBM, de acordo com fontes do Departamento de Defesa dos EUA, é uma variante do míssil balístico DF-21 de médio alcance, com melhorias aumentando seu alcance para cerca de 2900 km.

O ALBM chinês será carregado por uma variante modificada do H-6K, o H-6N, que tem uma sonda de reabastecimento para aumentar seu alcance para 5950 km.

China implanta vários batalhões de mísseis DF-21 cobrindo integralmente a superfície do Japão

Sobre o Autor:

Peter Warren Singer é estrategista e membro sênior da New America Foundation. Ele foi nomeado pela Defense News como uma das 100 pessoas mais influentes em questões de defesa.  Ele também foi apelidado de “Cientista Louco” oficial para o Comando de Treinamento e Doutrina do Exército dos EUA.Jeffrey é um profissional de segurança nacional na área metropolitana de Washington.

Fonte: Popular Science

17 Comments

  1. O mais impressionante é que estamos testemunhando um momento muito interessante do ponto de vista geopolítico, que é a morte das potências tradicionais e o surgimento de novas potências, mas que no passado foram grandes potências e que entraram em declínio por diversos motivos.

    • A Máquina Troll says:

      Nada é para sempre…a era do ocidente como poder dominante do mundo esta chegando ao fim para dar lugar ao Oriente…como na Roma antiga ocidental aos poucos o seu império vai entrando em decadência, declínio e se desintegrando…

    • Empalador, acho precipitado falar de morte das potencias tradicionais. Reino Unido e França parecem estar ficando para trás, mas são forças econômicas e militares que ainda têm que ser respeitadas e assim continuarão por muitos anos ainda. Não acredito que a Russia conseguirá acompanhar China e EUA no progresso tecnológico, sua economia é menor e frágil.

      Ao meu ver o que está acontecendo no cenário geopolítico é surgimento de potenciais regionais que localmente conseguem desafiar o poderio das potencias menores (França e RU) e incomodar o EUA. Nominalmente, Índia, Russia, Irã e Brasil, obviamente com potenciais bem diferentes.

      A China, entretanto, é algo mais intenso. Ela consegue, localmente, desafiar os próprios EUA e já não teme as potências europeias.

      Estamos testemunhado esta mudança geopolítica que não parece estar sendo bem entendida e absorvida pelas potencias ocidentais. Esta alteração é ao meu ver irreversível e tendente a aumentar.

  2. A Máquina Troll says:

    Não resta duvidas de que a tecnologia stealth desenvolvida pelos eua são as mais avançadas que existem …MAS SÃO INVIÁVEIS E INSUSTENTÁVEIS PARA SE MANTER…é por isso que a linha de produção do Cascão(f-22) e do b-2 acabaram tendo que serem desativadas…pois nem mesmo os eua tem condições de bancar estes grandes abacaxis ou elefantes brancos…

    fundado no fim do século XIII no noroeste da Anatólia na vizinhança de Bilecik e de Söğüt pelo líder tribal oguz Osman…o Império Otomano conquistou Constantinopla em 1453 e acabou com o Império Bizantino…Cruzaram para a Europa, e com a conquista dos Balcãs o Beilhique Otomano se transformaram em um império transcontinental…Durante os séculos XVI e XVII, no auge de seu poder sob o reinado de Solimão, o Magnífico, o Império Otomano era um império multinacional e multilíngue que controlava grande parte do Sudeste da Europa, da Ásia Ocidental, do Cáucaso, do Norte de África e do Chifre da África…No início do século XVII , o império continha 32 províncias e numerosos estados vassalos…

    no sul da Europa, uma coalizão de potências católicas, liderados por Felipe II da Espanha, formaram uma aliança para desafiar as forças navais otomanas no mar Mediterrâneo…Sua vitória sobre a frota otomana na Batalha de Lepanto (1571) foi um golpe surpreendente para a imagem de invencibilidade otomana…No entanto, os historiadores hoje acreditam que o significado da batalha foi simbólico e não estritamente militar, para no prazo de seis meses após a derrota, uma nova frota otomana de cerca de 250 barcos, incluindo oito galeões modernos havia sido construída, com o porto de Constantinopla despejando um novo navio todos os dias na altura da construção…Em discussões com um ministro veneziano, o grão-vizir turco, comentou: “capturando o Chipre de você, cortamos um de seus braços; derrotando a nossa frota você apenas raspou nossas barbas.” A recuperação naval otomana persuadiu a República de Veneza a assinar um tratado de paz em 1573, e os otomanos foram capazes de expandir e consolidar a sua posição no norte da África…

    a Luftwafe na segunda guerra mundial tinha o único jato de caça que poderia colocar todo os eua e reino do opio unido de joelhos…colocaram?…Não!..porque não tinham a quantidade suficiente…o Tiger era temido por qualquer um que tivesse em um tanque aliado seja o Sherman ou um T-34 Russo…ganharam a guerra?…Não!…porque não tinham quantidades suficientes…em uma guerra de atrito no final ganha quem tiver mais indústria pra repor as perdas…e neste campo os Chineses sábia e estrategicamente se desenvolveram e se especializaram mais do que qualquer outro pais…

    a capacidade e a velocidade com que eles constroem, montam e colocam em operação seus vasos de guerras é algo impressionante…as técnicas de produção que desenvolveram são as mais avançadas e a frente que existem hoje…suas linhas de produção se constroem dentro de montanhas no subsolo…para que fiquem imunes e protegidas contra qualquer tipo de ataque aéreo, bombardeio ou mesmo ataque nuclear…é o único país a dominar a “Tecnologia de Fabricação Laser Direct 3D” em alto desempenho para a fabricação de peças grandes de metal de alta resistência mecânica/temperatura como ligas de titânio…desenvolveram impressoras 3D que produzem estruturas inteiras em titânio…e de uma vez só eles produzem todo o esqueleto de seus caças e outras aeronaves com essas impressoras 3D…economizando assim tempo e custos na produção de componente críticos…

    é impossível ou inviável para qualquer pais em estado de guerra manter uma linha de produção de armamentos que custam centenas de milhões ou até de bilhões de dólares…é como eu sempre digo aqui…Russos e Chineses fazem armas de guerra de verdade…o que a indústria de armas dos eua produzem são apenas porcarias de show de exposição..

  3. Éder Aleixo says:

    Esse rapaz (ou moça, dada a natureza histriônica de alguns comentários) autodenominado A Máquina Troll às vezes posta observações interessantes.
    Todavia, sua obsessão antiamericana/antiocidental invariavelmente atinge patamares psicopáticos.
    Não resta dúvida que o legado da História é unânime em nós revelar que ‘entre nações não existe amizade, mas interesse”, mas seu desejo de ver os valores ocidentais subjugados aos orientais, árabes, persas ou russos, não é algo incomum em sociedades forjadas pelo gramscista, como a nossa.
    É lamentável e desalentador ler tanta coisa interessante, mas baseadas fortemente no viés ideológico esquerdista. Quem acha que defender a posição antiocidental é contribuir para o desenvolvimento do Brasil tem suas “razões”, mas confessa grande inocência e demasiada tolice. Desconhece ou ignora a história, a cultura e as práticas de quem faz oposição aos países de pilares judaico-cristãos.
    Aqui tem comentarista bom e medíocre.
    Estilo Fla-Flu, Grenal e Galo-Crüzeiro.
    É divertido para passar o tempo e ver até onde as sinapses conseguem se superar…
    Uma sugestão, sem arrogância. Estudar sem viés ideológico a História e voltar às atenções para os grandes literatos clássicos.
    Pode ajudar a tirar o “futebol” da mediação…
    Abs

    • A Máquina Troll says:

      “Éder Aleixo
      3 de Maio de 2018 at 7:02

      Esse rapaz (ou moça, dada a natureza histriônica de alguns comentários) autodenominado A Máquina Troll às vezes posta observações interessantes.”

      Obrigado amigo Éder Aleixo….e eu não sou nem rapaz e nem moça…eu sou pentasexual…inspirado no Alexandre Frota… 😀

      • BLUE EYES, NA RESISTÊNCIA says:

        A sua obsessão pelo rapaz é não ter feito um filminho “educativo” como o dele, não é mesmo ???… inveja é coisa de gente de mente fraca… 🙂

    • A Máquina Troll says:

      “O negócio é comer cuscuz com manteiga”

      Alexandre Frota 😀

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com