Defesa & Geopolítica

NOVO NAVIO DE SUPRIMENTO, FRAGATAS E NAVIOS CAÇA MINAS PARA A MARINHA HOLANDESA

Posted by

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

Ainda encontra-se na pendência de aprovação parlamentar, mas a Marinha Real Holandesa (RNLN) deverá adquirir um segundo navio de apoio, duas Fragatas e seis navios de contramedidas de minas (MCM). As fragatas e navios MCM são novos projetos resultados do desenvolvimento com a Bélgica. Segundo o RNLN, a secretária de Estado da Defesa, Barbara Visser, informou que esses desejos foram enviados à Câmara dos Representantes em 3 de maio de 2018.

SUBSITITUIÇÃO DAS FRAGATAS M

De acordo com o RNLN, o fim da vida das duas fragatas-M (as fragatas F831 HNLMS Van Amstel e F828 HNLMS Van Speijk da classe de Karel Doorman) está se aproximando. Elas são menos capazes de lidar com as futuras. ameaças, seus sistemas estão desatualizados e as peças de reposição estão se tornando difíceis de obter, com a conseqüência de custos de manutenção desproporcionalmente altos.

Fragatas são a espinha dorsal da marinha e sua substituição é essencial. Por causa de sua força, elas garantem a segurança no mar, a defesa de seu próprio território, dos aliados e o transporte marítimo irrestrito. Onde as fragatas de defesa aérea e comando (LCF / De Zeven Provinciën) se especializam em defesa aérea, as Fragatas-M se destacam na guerra anti-submarina (ASW). E esta última é uma capacidade que a OTAN indica como sendo de uma grande necessidade. Além das operações de combate, as fragatas são usadas para várias outras missões, incluindo: contra-terrorismo, controle de drogas, contra-pirataria e socorro em desastres.

A construção de um navio complexo como uma fragata leva mais de 7 anos. A primeira nova fragata deverá estar operacional a partir de 2025. O Ministério da Defesa holandês iniciou os estudos de projeto para a substituição das fragatas M em 2013. As novas fragatas são novamente definidas para cumprir um papel de propósito geral com a ASW como sua especialidade. Como a Marinha Real da Holanda utiliza apenas seis fragatas em sua frota, os novos navios de superfície precisam ter um bom desempenho em todas as áreas.

Isso significa que os navios serão equipados com sistemas de mísseis Standard Missile 2 ou ESSM. O construtor será o estaleiro local Damen Schelde Naval Shipbuilding. Também foi anunciado que estas fragatas serão equipadas com um mastro integrado pela Thales Netherlands.

Em dezembro de 2016, os ministros da defesa da Bélgica e Holanda assinaram um memorando de entendimento para a aquisição comum de embarcações: Foi então acordado que para a substituição das chamadas Fragatas-M os Países Baixos assumiriam a liderança enquanto a Bélgica lideraria o programa para os navios de contra-minagem (MCMV).

SUBSTITUIÇÃO DE EMBARCAÇÕES MCM

A frota da RNLN possui 6 navios MCM da classe Alkmaar. Esses navios foram projetados nos anos 1980 e estão chegando ao fim de sua vida útil. Segundo a marinha holandesa, eles são cada vez mais incapazes de detectar minas marítimas modernas. A situação de segurança deteriorada aumenta a probabilidade da presença de minas marítimas e ainda há muitas minas marítimas não explodidas e não detectadas da Primeira e Segunda Guerra Mundial no mar.

O futuro do controle de minas marítimas está em sistemas não tripulados e parcialmente autônomos. Esses sistemas são implantados a uma distância segura de um navio de controle de minas tripuladas que atua como navio-mãe. Além disso, os modernos navios MCM são projetados de tal maneira que podem operar em todo o mundo e sob alta ameaça. O RNLN está planejando receber seus novos sistemas MCM (tripulados e não tripulados) entre 2025 e 2030. Os novos MCM são desenvolvidos em cooperação com o Componente Marinha Belga. Vários projetos estão competindo, incluindo os da Saab (MCMV 80), BMT Group (Venari 85) e Sea Naval Solutions (Deviceseas).

NOVO NAVIO DE SUPRIMENTO: CSS – NAVIO DE SUPORTE DE COMBATE

O RNLN tem um navio de suprimento, o navio de apoio logístico conjunto (JSS) Karel Doorman em sua frota. Segundo o RNLN, um segundo navio de apoio de combate (CSS) aumentaria a eficácia dos navios de guerra. Com o CSS, os navios da frota teriam melhor resistência (presença por mais tempo) em sua área de missão sem precisarem chamar os portos. Com um segundo navio de apoio, a organização de defesa pode ter permanentemente capacidade de abastecimento no mar e também torná-lo disponível para a OTAN.

O CSS deve ser lançado de forma relativamente rápida a partir de 2023. Para este propósito, a organização de defesa holandesa adotará o projeto existente do JSS. Essa assim chamada aquisição “pronta para uso” tem várias vantagens.

O conhecimento e a experiência existentes são um grande benefício. E há vantagens na manutenção e treinamento da tripulação. O CSS está definido para ser menor que o JSS, mas chegará perto em capacidades: A arquitetura, o design, o sistema de combate e comando, os sistemas de armas e os sensores são definidos para serem semelhantes. entre CSS e JSS.

 

Fonte: Navy Recognition

4 Comments

  1. isso é sim é país sério, se as fragatas deles estão chegando ao final de suas vidas com o custo de manutenção cada vez mas caro imaginar as nossas que são bem mais velhas, alguém sabe dizer como ficou a obtenção de navios caça minas para a marinha?

    • País sério? Kkkkk ,
      Abduzidos através de um empalamento permitido , não haverá nação holandesa após os próximos 30 anos , holandaquistao é o futuro dos castrados !

  2. Casuar meu caro! Me dexie surfar no seu alarmismo mas faz tempo queessa Holanda ja um grande boioloquistao!!! Kkkkkk

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com