Defesa & Geopolítica

Navio brasileiro participa de exercício internacional em região africana

Posted by
Marinha do Brasil e Marinha da Angola trocam experiências em águas internacionais
O Navio Patrulha Oceânico “Amazonas” participou do exercício multinacional “Obangame Express 2018”, realizado na costa da África, e conduzido pela U.S. Naval Forces Africa do Comando Africano dos Estados Unidos, entre os dias 21 e 29 de março. Esta foi a quinta participação da Marinha do Brasil no exercício que ocorre anualmente desde 2010.
A operação contou com a mobilização de efetivos das Marinhas africanas, americanas e europeias, totalizando 31 países, permitindo a interoperabilidade das nações participantes a fim de contribuir para o incremento da segurança marítima no Golfo da Guiné. O “Amazonas” atuou nas águas de jurisdição de Angola, República Democrática do Congo e República do Congo, realizando exercícios de segurança na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) e de combate à pirataria, ao roubo armado, à pesca ilegal, ao tráfico ilícito de drogas e de pessoas.
De acordo com o Comandante do Navio, Capitão de Fragata Márcio Braga de Souza, o “Obangame Express” proporcionou compartilhar com outras Marinhas a doutrina e os procedimentos adotados no Brasil, além da troca de experiências em relação à atuação em águas internacionais. “Mostramos nossa bandeira em águas jurisdicionais de países africanos de importância estratégica para o Brasil. Pudemos constatar como eles estão lidando no combate aos crimes de pirataria e tráfico no mar. Além de estreitar nossos laços de amizade e cooperação”, afirmou.
Tripulação do NaPaOc “Amazonas” durante a operação “Obangame Express 2018”

3 Comments

  1. Adivinha qual o navio era mais antigo, o que já passou da aposentadoria ?

    • Nesse caso, com certeza, não era o brasileiro, pois o “Amazonas” teve sua construção finalizada em 2010 (meados disso), sendo uma compra de oportunidade da nossa marinha, foram encomendados por Trinidad Tobago que acabou desistindo.

    • Leia o texto e informe-se mais. Não deixe que o vira-latismo fale por você

shared on wplocker.com