Defesa & Geopolítica

LEITURA DE SÁBADO: Os ‘fumacentos’ estão de volta! Ao contrário dos vietnamitas, uruguaios e peruanos permanecem sem solução para os seus tanques russos T-55

Posted by

Carros Tirán, uruguaios, evoluindo no terreno

Por Roberto Lopes

 

 

Parecia, três semanas atrás, que algum museu de blindados havia aberto as portas, deixando as suas relíquias livres para “ganharem vida” outra vez, rangendo e girando as velhas esteiras – em uma encenação de volta à época da Guerra Fria.

Na verdade, tratava-se de um exercício no terreno organizado pera testar a prontificação do Regimento Patria de Cavalaria Blindado Nº 8, sediado na cidade de Melo, unidade pertencente à Brigada Nº 2 da Divisão Nº 4 do Exército uruguaio – a de maior poder de choque dessa Força Terrestre.

Operação dos Tirán em conjunto com os M-113A1, de transporte de pessoal

As manobras incluíram as evoluções de quatro dos sete tanques médios Tirán (T-67), de quase 37 toneladas – os conhecidos T-55 II russos, remodelados, na década de 1990, pela indústria militar de Israel.

Os blindados chegaram ao Uruguai há exatos 20 anos, e nunca receberam um upgrade digno desse nome.

Na simulação de guerra eles correram e levantaram poeira ao lado dos carros de combate M-41 Walker Bulldog e M-24 Chaffe (ambos de projeto ainda mais antigo que o dos próprios T-55), e dos blindados de transporte de tropa M-113A1 – todos veículos de origem americana.

Mas foram os Tirán uruguaios que, largando tufos de fumaça escura pelo escapamento lateral, roubaram a cena.

E, não há como negar, eles impressionam:

Comprimento: 6,45 m;

Largura: 3,37 m;

Altura: 2,40 m;

Peso: 36,6 toneladas (vazio);

Tripulação: 4 (comandante, condutor, artilheiro e carregador);

Blindagem: 100 mm;

Propulsão: Motor diesel V-55V de quatro tempos, 38,88 litros, de 12 cilindros em “V” e refrigeração à água, que desenvolve 580 cavalos;

Velocidade máxima: 50 km/h na estrada e 30 km/h fora de estrada;
Artilharia principal: um canhão L7 de 105 mm apto a disparar em movimento,com alcance efetivo máximo de 2.500 m;

Munição: Projetis com núcleo de tungstênio APFSDS M-111, capaz de penetrar 310 mm de aço homogêneo disposto verticalmente a uma distância de 2.000 m, e HEAT M-152, apto a perfurar até 430 mm a 1.000 m de distância;
Equipamentos: Sistema de extinção de incêndios, ar condicionado, telefone de Infantaria na parte traseira do carro e cofre externo para itens adicionais;

Recurso para evasão do combate: Gerador de cortina de fumaça negra por meio da injeção, no escapamento, de combustível na forma de vapor.

Veja as fotos:

O Regimento de Cavalaria Blindado Nº 8 já cedeu pessoal para seis contingentes multinacionais de imposição da Paz manejados pela Organização das Nações Unidas – na Península do Sinai (de 1980 até hoje), no Camboja (1992-1993), em Moçambique (1993-1994), Angola (1995-1997), no Congo (de 2001 até hoje) e no Haiti, em 2004 –, mas os Tirán  nunca puderam ser usados (nem eles nem os tanques americanos).

Os militares uruguaios conhecem bem as limitações operacionais dos velhos T-55 russos, mas a falta de recursos os impele a um esforço especial de preservação dessas viaturas.

Planos para substituí-las há (possivelmente por carros de combate da Infantaria sobre rodas, de preferência 8×8), o que não há é dinheiro.

E esse não é só um problema uruguaio.

Propostas – No Peru, repetidas ofertas feitas nos últimos anos pela agência estatal russa de comércio de armamentos Rosoboronexport e pela Corporação Rostec para transformar cerca de 200 velhos carros T-55 peruanos em veículos de combate tipo Terminator II – de torre porta-mísseis e um novo sensor panorâmico multi-espectral Sosna-U –, estão, até hoje, sem uma resposta definitiva.

Pelotão de carros de combate T-55 peruanos

De acordo com a empresa Uralvagonzavod, que faria o serviço, o motor, a transmissão e a suspensão do carro de combate não precisariam ser, necessariamente, mexidos. Mas a remodelação permitiria atualizar a propulsão (gerando, naturalmente, impacto positivo na suspensão), o que redundaria em substancial aumento do nível de mobilidade da viatura.

O equipamento Sosna-U, que substituiu o TPN-3-49, é um visor multi-canal estabilizado nos eixos vertical e horizontal, projetado para funcionar dia e noite sob quaisquer condições climáticas, que se vale de um laser operado por controle remoto e um módulo de guiagem para mísseis anti-tanque (de fabricação russa) 9M119M, que “navegando” sobre feixe de laser, alcançam alvos a distâncias de até 4.000/5.000 m.

Torre “Terminator” (montada sobre chassis de um tanque T-72)

Uma proposta de reforma do T-55 feita pela própria indústria privada peruana também foi rejeitada.

Z153 – Os peruanos se valem da ausência de ameaças reais e imediatas para se demorar nas suas decisões.

Algo que os generais do Exército do Vietnã, vizinhos do gigante chinês – e dentro da alça de mira do instável governo da Coreia do Norte –, não podem se dar ao luxo de fazer.

Mês passado, uma equipe do canal de tevê QPVN (Vietnam Defense Channel) foi admitida em um galpão do Z153, o reservado Departamento Geral de Engenharia da Força Terrestre local, para gravar imagens do serviço de modernização do tanque russo T-54B.

Acima, um fumacento T-55 vietnamita; abaixo o blindado reformado pela Engenharia militar vietnamita

De acordo com estimativas ocidentais, o Exército vietnamita mantém em estoque cerca de 850 blindados T-54 e T-55.

A atualização dos carros T-54 vem recorrendo à expertise de “especialistas estrangeiros” (possivelmente russos). Uma foto (vista abaixo) mostra dois desses técnicos junto à cúpula da torre, debatendo o tipo de blindagem que a peça pode receber.

Outra modificação que os vietnamitas examinam é a substituição da peça de artilharia principal, modelo D-10T2S, de 100mm (calibre tradicional nos Exército russo), por um canhão de 105mm.

Mas o T-55 que sairá do galpão do Z153 deve privilegiar componentes fabricados no próprio Vietnã, como um sofisticado sistema de controle de incêndio e a modificação no aparelho de visão noturna TKN-1CT, desenvolvida e testada pela área Z199, de Ciência & Tecnologia, do Exército vietnamita.

Foto de propaganda do Exército do Vietnã mostra a confraternização de tripulantes de um T-55 com soldados da Infantaria

50 Comments

  1. Adriano Corrêa says:

    Seria legal ver os uruguaios adquirir mais alguns e modernizar esses blindados! E os peruanos com 200 Terminators2 e adquirindo uns T-90 pra substitui-los, iria ficar com uma força blindada muito poderosa.
    Vejam a Africa, coitados, estão sendo invadidos pelas grandes potências novamente. A China está com uma base grande e sofisticada,os EUA fazendo as guerras secretas deles, a França esperando a ajuda do tal “braço forte mão amiga” do exercito brasileiro na RCA… Os indianos e só falta os russos darem as caras abertamente.
    Nós Brasil, Uruguai e Argentina teria que se mover muito mais rápido e com mais audácia. Somos banhados pelo Atlantico tmbm.
    Garanto que os povo africano prefere a gente, sulamericanos que esses países exploradores.

  2. Coitados dos peruanos! Esses veículos não tem muita chance contra os Leopards 2A4 chilenos.

    • OBLIVION - Não pode um homem ter melhor morte que, lutando contra o desconhecido, pelas cinzas de seus pais e pelos templos de seu Deus! says:

      Dou a solução facim facim: DERRETAM TODOS PRA FAZER TAMPA DE BUEIRO… um fim ecologicamente correto… 🙂

  3. Alejandro Perez says:

    Um meio blindado que ainda é atual para o contexto da regiao. Supera o TAM e o Patagon argentino, o M60 brasileiro e em poder de fogo é equiparável ao Leopard.Pode receber blindagem reativa e tem municao atual. Dos 15 adquiridos, todos estao funcionando perfeitamente e nao existe nenhum programa de modernizacao em vista a medio prazo.
    A ONU e nem o ENU teve interesse de colocar esse blindado em alguma missao. O que sim acontece com os Morwag 6×6 e os OT64.

  4. Esse tanque é que nem Fusca até com arame vc conserta, todos os usuários demoram bastante para substitui-los.

    Não é totalmente obsoleto, pode ser muito útil em determinadas situações., como um tanque leve tem uma manutenção de baixo custo, poder de fogo razoável, simplicidade operacional e blindagem suficiente.

    Por isso mesmo o tempo passando ele ainda continua de pé.

  5. ……………..o Uruguai receberá (ou já recebeu) 24 Tanques M-41 usados do Brasil…..com mais esses e outros tantos tanques T-55 fica muito caro a modernização….teria sido melhor doar os M-41pro Paraguai que ainda utiliza tanques Stuart da época da 2a Guerra…..alias, os paraguaios tradicionalmente recebem muitas ofertas militares brasileiras……………

    • Alejandro Perez says:

      Nao sei de onde tiraram a concludao de que o ENU busca moderbizar seus Tiran…. O blindado esta plenamente operacional e mantem o treinamento e a doutrina da cavalaria blindada uruguaia. Eh bom e barato. Ferro confiavel, sem frescura, os sub oficiais dwsmontam e montam seus motores no campo mesmo… ta mais que bom.

      • Roberto Lopes says:

        Boa tarde, Alejandro.
        O problema da baixa mobilidade do Tirán me parece incontornável.
        Um carro que, na rodovia, alcança a velocidade MÁXIMA de apenas 50 km (isto é, uma velocidade que não pode ser mantida durante muito tempo), me parece um meio que padece de problemas importantes, mesmo para a evolução em um exercício.
        Isso para não falarmos em 30 km de velocidade fora de estrada.
        E atente: estes são números fornecidos pelos próprios operadores do veículo…

        • Alejandro Perez says:

          Boa tarde Sr Roberto Lopes.

          Sim, é um blindado lento, mas resolve a equacao de ter um nucleo com poder de fogo importante, um blindado pesado dentro do ENU.Os números, as características do blindado sao de público conhecimento.
          O fator de mobilidade que o ENU tem contra um enfrentamento asimétrico ( muitos mais tanques) seríam os Land Rovers táticos armados com Milan ( sao 80 no ENU).
          Neste governo todos tem a certeza de que nao virá nada melhor, mas no futuro nao descarto a substituicao deste e dos M41 e M24 por um blindado mais atual, sobre rodas e con canhao de 105mm…

  6. Garantia de 50 anos! Rs

  7. Para manter o adestramento vá lá. Más para combate contra meios razoavelmente contemporâneos é bem complicado. A própria Rússia tem veículos sob rodas com preço acessível e torres com excelente poder de fogo. Ou a China que sempre uma pechincha. As atuais opções não vão durar tanto. Rs. Más para o Uruguai que parece não torce o nariz para equipamento oriental as opções são mais variadas. O Urugai tem o Cascavel, é de uma funcionalidade e simplicidade operacional ímpar, e segue combatendo e zonas quentes na Líbia, Síria e Iraque. Merecia uma versão zero km, com torre moderna (mantendo as boas qualidades da tradicional), mecânica, sensores, armamento (munição ATGM e metralhadora secundária remotamente controlada), sistemas defensivos no estado da arte e blindagens, chassi em V, mantendo a formidável suspensão suspensão boomerang. Se fosse possível. Um “tanquinho” com garras afiadas, caberia no bolso de muitas FAs com orçamento restrito.

  8. OBLIVION - Não pode um homem ter melhor morte que, lutando contra o desconhecido, pelas cinzas de seus pais e pelos templos de seu Deus! says:

    O Peru merecia uns tanques mais moderninhos, ainda mais na iminência de uma provável ação contra a Venezuela pra libertar o povo venezuelano, pois só na base da conversa não iremos tirar o DITADOR masburro de lá, junto com seus asseclas… TRUMP tá certo… mais uma vez os Mariners terão que levar a democracia a solos alienígenas…

    “Ecce Homo

    há 9 horas

    Precisamos deixar claro o limite do aceitável. A loucura é pensar que qualquer problema pode ser resolvido com dialogo;”…

    Se referindo a opinião brasileira via Itamaraty sobre a posição americana na questão da DITADURA BOLIVARIANISTA VENEZUELANA… rsrsrsrsrsssss…

    • ficou louco de vez direitalha que apoia o esquerdalha do aloisio nunes 500 mil na cueca ladrao de banco ?

      para isso a esquerda psdb, pmdb serve ?

      voce so quer ver a america latina no buraco o governo brasileiro é regeitado por 96 por cento da populaçao

      entao nao tem moral alguma para falar de governo nenhum nesse planeta

      e so para completar o peru foi um dos primeiros paises a se manifestar contra a fala imprudente do trump

      trump quer fazer nascer na america latina um iraque dessa forma ele faz nascer um estado islamico na america latina ,

      so americanofilo cego ideologico igual a voce zoinho finge nao ver

  9. claudio quadros says:

    forças amadas estão melhores mais equipados do que Argentina mesmo Tirán (T-67), do Uruguai mais poderoso do que todos blindados argentinos

    • Neste ponto vc esta totalmente equivocado, deveria analisar melhor antes de comentar.

      • Alejandro Perez says:

        O Tiran inferior ao TAM e ao Patagon?

        • A Argentina tem mais de 200 TAM .

          Quantos tanques o Uruguai tem ?

          • claudio quadros says:

            na verdade Argentina em operação passa 30 Tanques TAM tiver dinheiro parga a tio Jacó terá 70 Tam modenizado mesmo assim combate frente os Uruguaios são melhores mais bem treinados exercito bem treinado do que Argentino ate artilharia uruguaia e superior do que argentinos.

          • Alejandro Perez says:

            Funcionando? E o TAM é o que? Um transporte de tropas com torreta 105mm…com um RPG7 já era.

            Uruguai: 480 blindados.

          • Roberto Lopes says:

            Bom dia Munhoz,
            Pelo que eu soube, a Argentina tem cerca de 200 TAM disponíveis para a reforma visando o padrão 2C, mas como nós bem sabemos, tudo o que diz respeito à liberação de verbas para programas militares na Argentina é muito incerto.
            Também ouvi falar (como diz um dos nossos foristas) que a primeira etapa da modernização contemplará algo em torno dos 70 carros.
            Boa semana.

      • Alejandro Perez says:

        Só lembrando, hj o Uruguai tem 480 blindados, mais 80 veículos táticos que podem ser equipados com milsseis AT ( Land Rovers).
        Para um país com 3 milhoes de habitantes…os números sao importantes.

        • claudio quadros says:

          Uruguai tem exercito mais profissional e com mais treinamento do argentina .

        • Me desculpa a insistencia mas neste caso vc esta bem equivocado a Argentina supera o Uruguai com seus tanques e exercito inclusive com artilharia etc

          Este tipo de informação não procede é só pesquisar um pouco para concluir, são apenas 15 T 55 + 24 caxias contra mais de 200 TAM, fora mais outros modelos do exercito argentino, só de M 113 a Argentina tem uns 400 fora a artilharia com M 119 etc

          Da onde tiraram uma conclusão deste tipo.

  10. Furia Nordestina says:

    Kkkkkk como se aqui na colônia Brazil não fosse a mesma coisa a única diferença e que al inves de tranqueiras da Russa temos tranqueiras velhas e ultrapassadas dos EUA ate hoje não entendo porque o EB não tem nenhum projeto de desenvolvimento do Tanque pesado 100% Brasileiro um novo Osório do século 21 mas infelizmente esses Generais chupa ovo de gringos preferem ter Tanques velhos e ultrapassados dos EUA e gente uma vez capachos sempre Capachos

    • E triste ver os projetos Osório e Tamoyo simplesmente iguinorados, jogados fora. Penso que seria bom ressuscitar o legado da Engesa, ainda que como estatal, que surgisse como embrião no próprio exército, como foi a Embraer com a FAB. Não há iniciativa do setor privado. Então que o governo inicie. Se e quando conveniente pode-se até privatizar garantindo que permaneça Nacional e gerida por mentes apaixonadas, patriotas e comprometidas. Como foram o grupo de engenheiros que fundaram a Engesa e o grupo liderado pelo Osires. Talvez alguns deles ainda estejam por ai e possam servir a Pátria neste propósito. Más infelizmente parece que estamos na direção contrária neste sentido.

    • Creio que vc está equivocado.
      A espinha dorsal dos blindados no Brasil são os Leopard alemães.

  11. Pingback: LEITURA DE SÁBADO: Os ‘fumacentos’ estão de volta! Ao contrário dos vietnamitas, uruguaios e peruanos permanecem sem solução para os seus tanques russos T-55 | DFNS.net em Português

  12. Prezados,

    Em um primeiro momento, não haveria comparação cabível com o ‘M-60 A3 TTS’ ou o ‘Leopard 1A5’, já que ambos os carros utilizados pelo Brasil estão atualizados a um padrão dos anos 90, com um excelente sistema de visão noturna, um bom computador de tiro, e um canhão cuja velocidade de saída é maior que o D-10 horiginal do carro russo.

    Ocorre que…

    Considerando essa variante fornecida para o Uruguai a T-67s ou similar, então as modificações foram realmente profundas… E eu chuto que sim…

    Se o canhão está apto a disparar em movimento, isso significa que tem um sistema de controle de fogo computadorizado ( provavelmente o EL-OP ) e o canhão é giroestabilizado. E os israelenses certamente melhoraram a visão noturna, substituindo os primitivos sistemas russos de padrão exportação…

    Não creio que fizeram algo com relação a blindagem original ( se repararem as fotos, verão que os carros uruguaios não possuem blindagem ERA ), mas o fato é que isso não é tão significativo quanto aparenta ( ainda mais no que diz respeito a América Latina ).

    Pra começar, o canhão é de mesmo calibre ( aliás, é o mesmo L7 do ‘Leopard 1A5’ ) e pode disparar as mesmas munições e em velocidade similar e, como disse acima, a solução de tiro é dada por meios eletrônicos.

    Como a esmagadora maioria dos combates tende a acontecer a distância inferior a 2000 metros, então todo o gato fica pardo! A essa distância, a melhor blindagem do ‘Leopard 1’ e do ‘M-60’ não significa nada, se estivermos falando de munições tipo ‘flecha’. Apenas uma excelente blindagem NERA ou ERA ofereceria alguma proteção extra e permitiria reduzir a distância efetiva para disparo, dando uma vantagem marginal a quem a possuisse ( e digo “marginal” porque não há como garantir que um petardo a base de tungstênio, vindo a uns 1500m/s e no ângulo certo, não vá ultrapassar mesmo essas defesas a até uns 1500 metros… ).

    Resumo, se o adversário tem no mínimo um canhão de 105mm, um bom computador de tiro e uma boa visão termal, então ele é uma ameaça de fato… Mesmo carros de geração posterior não podem cantar de galo… E acredito que isso se manterá até que se tenha uma nova geração de carros com armaduras de materiais compostos muito mais poderosas e densas ( ou proteções NERA igualmente desenvolvidas ), e defesas ativas muito mais precisas e consistentes; um carro que evidentemente será proibitivamente caro, e que somente potências haverão de bancar… Portanto, os carros médios e simples ainda terão longa vida, pois serão eles que farão números…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com