Defesa & Geopolítica

França e Alemanha vão avançar com o novo MPA em conjunto

Posted by

Imagem meramente ilustrativa

DOMINIC PERRY LONDRES

Tradução e adaptação – E.M.Pinto

França e Alemanha devem desenvolver em conjunto uma nova aeronave de patrulha marítima (MPA). A carta de intenções do programa deve ser  assinada pelos ministros de defesa das nações em 27 de abril.

Destinado a substituir as respectivas frotas dos países compostas por Dassault Atlantique 2 e Lockheed Martin P-3C Orion, a nova aeronave estará disponível para coincidir com as datas de retirada do serviço de ambos os modelos, segundo relatou a  marinha alemã. Isso é provável que seja na década de 2030.

Em 2017, os dois lados indicaram que buscariam uma “solução européia” para renovar suas frotas de MPA e coordenariam suas exigências de capacidade para um modelo comum. Berlim tem uma frota de oito Orions, que entraram em serviço a partir de 2006. Um recente relatório de prontidão operacional indicou que, em 2017, uma média de duas aeronaves estavam em condições de operação.

A Alemanha planeja atualizar sua frota de P-3C com novas asas, aviônicos e sistemas de missão, com a modernização prevista para ser concluída em 2023-2024. O Flight Fleets Analyzer registra a França  operando 23 ATL-2 com idade média de 23,8 anos. A Dassault está atualmente atualizando a frota com novos sistemas e sensores sob um projeto em execução até 2023.

No momento da concessão do contrato em 2013, a Dassault sugeriu que a modernização manteria a aeronave operando na década de 2030. Em seu livro branco de defesa mais recente, cobrindo o período 2019-2025, Paris indicou que iniciaria o processo de substituição dos ATL-2 e pretendia encomendar um lote inicial de sete novos MPA.

 

Fonte: FlightGlobal

6 Comments

  1. Renato Barcellos says:

    Porque as FAs não desenvolvem um avião de vigilância usando a plataforma do E2. Acho que seria um baita avanço para as Forças Armadas. Poderia ser utilizado até como plataforma armada. A SAAB tem a tecnologia e boa vontade em fazer parcerias com o Brasil. Substituiria os velhos P3 por uma plataforma novíssima e com tecnologia de ponta embarcada. Fica a dica.

    • Sr Renato Barcellos a SAAB já tem o Swordfish sedimentado no Bombardier Global 6000, que é uma aeronave muito boa e adequada para o que se propõe já que apesar ser compacta tem espaço suficiente e autonomia de voo. O mercado já tem boas opções em varias faixas, com o Kawasaki P-1 por exemplo que custa segundo, military-today, algo entre $140.8- $167 milhões contra $36 milhões de um P-3 Orion isso para não falar do que Russos e Chineses tem. Não sei se para Nós esse bonde já passou, como tantos outros infelizmente.
      * O P-3 ainda dá um bom caldo, desde que as células não sejam muito usadas. Com uma eletrônica moderna eles podem prestar bons serviços por um bom tempo, tem espaço e autonomia de voo e tudo isso com um custo beneficio muito bom.

      Sds

  2. Wellington Góes says:

    Um passo natural!

  3. O Pessoal da Embraer Sabe o que Faz e na hora justa e correta para o mercado , a plataforma do E2 … ja concebida para este proposito [ Tambem ].

  4. Casca europeia , recheio do Império, assim fica fácil !

shared on wplocker.com