Defesa & Geopolítica

DCNS PRETENDE ABRIR UNIDADE NO BRASIL PARA PRODUZIR FRAGATAS PARA A MARINHA DO BRASIL

Posted by

dcns-aquitaine

“O Embaixador da França no Brasil, Bruno Delayne, afirmou que a parceria entre Brasil e França na área de Defesa deve contemplar muitos outros projetos, inclusive pelo êxito dos programas já implementados como dos helicópteros em Itajubá (MG) e de submarinos em Itaguaí (RJ).”


FRANÇA PLANEJA MONTAR FÁBRICA DE HELICÓPTEROS NO BRASIL

O Embaixador da França no Brasil, Bruno Delayne, anunciou nesta terça-feira, 14/05/2013, ao presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN), da Câmara dos Deputados, Nelson Pellegrino (PT-BA), a abertura de uma fábrica de helicópteros para uso civil pela Eurocopter no Brasil.

Disse ainda que a DCNS, parceira no desenvolvimento de submarinos, pretende abrir uma unidade no país para produzir fragatas para a Marinha.

Delayne afirmou que a parceria entre Brasil e França na área de Defesa deve contemplar muitos outros projetos, inclusive pelo êxito dos programas já implementados como dos helicópteros em Itajubá (MG) e de submarinos em Itaguaí (RJ).

Nelson Pellegrino chamou a atenção para a necessidade do Brasil em adquirir um satélite geoestacionário com banda militar e para as telecomunicações. A França tem interesse em participar deste projeto.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Câmara dos Deputados via cortalink.ws 

 

Leia também:

BASE PARA SUBMARINOS EM ITAGUAÍ PODE GERAR CONFLITO COM QUILOMBOLAS

 

“A ilha onde está quilombo foi incorporada às terras da União em 1971, quando a administração passou às mãos da Marinha do Brasil.

O Ministério da Defesa, disse que desconhece a existência de uma comunidade quilombola no local, mas afirma que o Programa de Desenvolvimento de Submarinos obedece a toda a legislação brasileira, segundo informa a assessoria de comunicação da pasta.”

Dilma desapropria área próxima a quilombo para construção de submarino nuclear

Por Guilherme Zocchio

A presidenta da República, Dilma Rousseff (PT), assinou, no dia 31 de janeiro de 2013, decreto desapropriando área no município de Itaguaí, no Rio de Janeiro, para a construção de duas bases das Forças Armadas. Distante cerca de 75 quilômetros da capital do Estado, a região é de interesse da Marinha do Brasil para o Programa de Desenvolvimento de Submarinos e abriga a comunidade quilombola de Marambaia, na cidade vizinha de Mangaratiba (RJ).

A região onde o governo pretende erguer os dois postos marítimos dista pouco mais de 20 quilômetros das terras onde a comunidade quilombola está instalada. Cerca de 150 famílias quilombolas de ex-escravos vivem na Ilha de Marambaia desde o final do século XIX, com o cultivo de roçados e outras culturas de subsistência.

Na avaliação de Rafael Soares de Oliveira, diretor-executivo da organização Koinomia, que realiza projetos junto a povos tradicionais, a instalação das bases da Marinha pode prejudicar a existência do quilombo. “Infelizmente, prejudicar mais do que já prejudicou é difícil que as Forças Armadas consigam, mas a existência da base deve preocupar os habitantes”, avalia. A comunidade ainda não teve título de regularização emitido pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). O pedido foi feito em 2006.

A ilha onde está quilombo foi incorporada às terras da União em 1971, quando a administração passou às mãos da Marinha do Brasil. Nesse hiato de tempo até o começo do processo de titulação da região, as tropas derrubaram casas, destruíram hortas e restringiram o trânsito na área, segundo levantamento da organização Koinomia sobre o histórico da comunidade.

Procurada para comentar o caso, a Marinha do Brasil não atendeu aos contatos da reportagem. O Ministério da Defesa, por sua vez, disse que desconhece a existência de uma comunidade quilombola no local, mas afirma que o Programa de Desenvolvimento de Submarinos obedece a toda a legislação brasileira, segundo informa a assessoria de comunicação da pasta.

Fonte: Blog do Marat Calado 

36 Comments

  1. Nao e de hoje que digo aqui no Blog que Franca e melhor aliada para o Brasil
    dessa que tao ai ,e unica que projeta e faz Portas avions .
    DCNS e a melhor opicao para o nosso Brasil : )

    • KLM,

      Ingleses, russos, americanos, espanhóis, italianos, japoneses e coreanos, também são capazes de produzir porta-aviões ou navios de desembarque-doca LHD ( dotados de convés de voo )…

      – Os ingleses, por exemplo, estão construindo a classe Queen Elizabeth, que compreende, salvo engano, dois navios…

      – Os russos construíram localmente o Admiral Kuznetsov.

      – Os espanhóis completaram recentemente seu Juan Carlos I, que é um navio de desembarque-doca, mas que, salvo engano, opera com AV-8B Harrier.

      – A Itália construiu recentemente o Cavour.

      – E os japoneses possuem navios de desembarque-doca ( classe Hyuga ), assim como os coreanos ( classe Dokdo )…

      Quanto aos americanos, tem os seus super porta-aviões e navios de desembarque-doca…

      Enfim, esses países, juntamente com a França, possuem elevada tradição naval e podem apresentar ao Brasil projetos que possam atender as necessidades da MB.

      • Meu caro RR
        Lembre -se que classe Queen Elizabeth esta sendo feita conjunta com DCNS
        .
        Italianos tem Tecnologia Yank no meio

        Russos ate para ganhar o mercado na america latina a possibilidade de ceder a Tecnologia para iso .

        Coreanos e FURADA tudo copia barata do material Yank mais antes compra do Yanks do que dos Coreano.Alem de ter pouco Experiencia perto da Franca : )

        .Agora se vc fala em navios que carregao Helicopteros,e transporte anfibio . concordo com vc , que Japoneses fazem . porem fazer um porta aviao e outra
        Historia .

        Japoneses ate que nao duvido porem Coreanos e Furada ,

        Yanks tem uma lista de embargos na aeronautica veja ese video
        https://www.youtube.com/watch?v=GURWeWJsyR8
        e por isso que so contra o DINO F18 ,imagina em questao de portas aviao.

        No final meu caro RR fica aqui o que o Chico AMX la no blog C , cansa de dizer para vcs ,

        a Franca e a unica que possui tecnologia propria ,livre dos covarde embargos dos Yanks,: (

        Entao meu caro RR Franca hoje e a melhor opicao para parceria militar com o Brasil ,aja vista o progresso ja iniciado com os Subs e Helis : )

        • HMS TIRELESS says:

          Apedeuta:

          Eu não ia me meter mas como você reincide em tentar contrapor as sempre bem embasadas opiniões do amigo RR com as besteiras infundadas de costume, eu sou forçado a intervir senão vejamos:

          A empresa que projetou o Queen Elizabeth foi a Thales e não a DCNS. A DCNS projetou o Charles de Gaulle, que passa mais tempo no porto do que navegando. Igualzinho o Ex-Foch aqui.

          “Italianos tem Tecnologia Yank no meio” : Esse comentário traduz o seu completo desconhecimento e ignorância acerca da indústria naval italiana, que possui excelente expertise desde antes da II Guerra , e que no pós-guerra produziu excelentes navios comoas classes de cruzadores porta-helicópteros Andrea Doria e Vittorio Veneto, As fragatas da Classe Lupo, que foram muito exportadas, e os mais recentes Porta-Aviões Giuseppe Garibaldi e Cavour.

          Coréia do Sul: Talvez o seu modelo de sucesso seja a Coréia do Norte e seus ditadorezinhos chimfrins. Desculpe desmontar mais uma vez as suas estultices meu caro apedeuta mas a Indústria naval da Coréia do Sul tem se sobressaído com excelentes projetos como os Destroyers das Classes KDX II e KDX III, todos os dois podendo usar os excelentes mísseis SM-2 Standard, sendo que o KDX III ainda possui o radar AEGIS e pode usar o SM-3 Standard.

          Por fim, você prega a colonização militar do Brasil pela França. Como se já não tivéssemos dado dinheiro demais para os franceses em troca de uma base de helicópteros que não podem voar 30 minutos sobre o mar (bem ao contrários dos Seahawk, que voam muito bem), um submarino nuclear caríssimo que já nasce com valor militar discutível e ainda o risco de comprar um caça que já está custando quase o mesmo que um F-35. E ainda correndo o risco de sermos traídos como foram os israelenses.

          Pode me xingar do que quiser, o choro é livre….rs!

          • HMS TIRELESS
            Caro Capacho ,Nao perdi o tempo lendo sua babacao pela metropole como de custume,
            Metropole que nem sabe que vc Existe : (

          • HMS TIRELESS says:

            Fique à vontade meu caro apedeuta afinal, como eu disse, o choro é livre…

          • Meu caro Capcho Choco
            aqui no PB Sua Juridicao de Patrulheiro PATETA nao vale
            : )

        • Lucas Senna says:

          Concordo plenamente contigo nessa KLM, mas só um adendo, o Japão até poderia nos ajudar nessa, mas a constituição deles proibe. Até que eles revoguem aquele papel humilhante(o que já tem aparecido movimentos nesse sentido) qualquer parceria com eles é simplesmente impossível. E a tecnologia Russa, no caso específico de navios de desembarque-doca é ainda primitiva, tanto que eles estão comprando o Mistral francês. Nesse caso a França é realmente a única opção para aquisição de tecnologia. Não que os Francêses sejam santos ou muito confiáveis(ninguém é) mas são nossa única opção.

        • KLM,

          A Thales é a empresa francesa que participa, mas num nível minoritário. O principal contratado é a BAE Systems Surface Ships. Salvo engano, houve um estudo entre os dois países ( UK e França ) para uma classe de porta-aviões a ser construída em conjunto, e a Thales ali está para participar do projeto britânico, com vistas a adquirir o conhecimento necessário para implementar no futuro PA francês ( que complementará o porta-aviões Charles De Gaulle ), o qual evidentemente será construído pela DCNS…

          Quanto a tecnologia americano, mesmo o Rafale francês possui componentes americanos…

          http://www.planobrazil.com/oferta-do-rafale-esbarra-no-congresso-americano/

          A Thales Group, que introduziu os principais componentes eletrônicos no Rafale e nas embarcações da marinha francesa, formou uma joint venture com os americanos em 2001, com 50% de participação americana.

          Ou seja, todos dependem de todos… A rigor, somente EUA e Russia seriam capazes de levar qualquer grande projeto sozinhos… E isso não é somente questão de tecnologia. É questão de custos mesmo… Todos os países que citei acima possuem empresas que lhes garantem a tecnologia necessária para fazer o básico, no que diz respeito a navios de grande porte. Mas daí a levar tudo sozinhos, é uma empreitada que custa muito dinheiro, de modo que associação entre empresas de diversos países sempre é o mais recomendável…

          Por fim, embargar por embargar, qualquer um embarga na hora que quiser e por qualquer motivo… Os franceses mesmo já fizeram isso. Que o diga os argentinos durante as Malvinas e os Israelenses após a Guerra dos Seis Dias. Deixa o Brasil comprar equipamento francês e se opor aos franceses ( ou a um aliado dos mesmos ) para ver se vai ter algum tipo de transferência ou mesmo apoio técnico…

          • RR
            A Thales é a empresa francesa que participa, mas num nível minoritário. O principal contratado é a BAE Systems Surface Ships. Salvo engano, houve um estudo entre os dois países ( UK e França ) para uma classe de porta-aviões a ser construída em conjunto, e a Thales ali está para participar do projeto britânico, com vistas a adquirir o conhecimento necessário para implementar no futuro PA francês ( que complementará o porta-aviões Charles De Gaulle ), o qual evidentemente será construído pela DCNS…

            Minoritario ao ponto de :

            Aircraft carriers – Queen Elizabeth-class aircraft carriers
            As a founding member of the Aircraft Carrier Alliance (ACA), Thales UK has respon­sibility for leading the power and propulsion element of the Royal Navy’s Queen Elizabeth-class aircraft carrier programme.

            In addition, within the main alliance of the UK Ministry of Defence and industry, Thales is responsible for leading the platform design and aviation teams and participating in the mission systems team.

            The UK’s Queen Elizabeth-class carriers are being constructed by the Aircraft Carrier Alliance (ACA), consisting of Thales UK, BAE Systems, BVT Surface Fleet, Babcock Marine and Ministry of Defence, which acts as both participant and client.

            When in service with the Royal Navy, the ships will be named HMS Queen Elizabeth and HMS Prince of Wales. The ships will be the largest vessels to ever enter service with the Royal Navy.

            A team of currently 200+ naval architects, CAD modelling experts, marine engineers and aviation specialists have worked on the CVF design since 1998 (Bristol-based facility.) In addition, around 40 systems engineers work (Crawley-based site) on a number of significant warship programmes for the Royal Navy, including CVF and the Type 45 destroyer.

            .
            http://www.thalesgroup.com/Portfolio/Defence/naval_productpage_CVF/
            .
            Minoritario ne. e para adiquiri conhecimento certinho : )
            .
            Interessante que os Italianos nao entrarao nessa mais Sim a Thales Francesa . a mesma que oferece a parceria com o Brasil , interesante ne? : )

            Quanto a tecnologia americano, mesmo o Rafale francês possui componentes americanos…
            .
            E interesante RR como vc leu esa reportagem mais vc nao leu o comentario do Amigo Barca que diz o seguinte

            Barca 15 de fevereiro de 2011 at 23:06
            Para finalizar,essa conversa é antiga,mas vamos aos fatos,para acabar com alegria da turma do contra,essa mesma turma que idolatrava o gripen,mas que hoje parecem ter esquecido o seu caça e agora depositam o seu amor em outro concorrente,e recomeça as mesmas intrigas,falacias.
            Vamos aos fatos.

            Sobre a origem de componentes e tecnologias: todas as tecnologias do Rafale são 100% francesas e o consórcio Rafale International não precisa de autorização de nenhum país para comercializá-las.

            É necessário esclarecer que componentes não são a mesma coisa que tecnologias. No caso de componentes, são mais de 100 mil em um caça. Há sim componentes de outros países no Rafale, como também nos outros dois concorrentes; no caso do Rafale, eles foram selecionados por razões econômicas e todos podem ser substituídos.

            Fonte:
            http://www.rafale.com.br/index.php?id=6&area=6&release=42

            mais uma

            Repetindo o que o Chico AMX diz para vcs la blog C , nada que Industria nacional nao posso fazer e subistituir .
            : )

            A Thales Group, que introduziu os principais componentes eletrônicos no Rafale e nas embarcações da marinha francesa, formou uma joint venture com os americanos em 2001, com 50% de participação americana.

            Isso nao siguinifica que o que eles sabem vierao aprender agora com esa Parceiria com os Yanks RR
            Muito antes os a marinha Francesa ja contava com a Thales sem esa joint venture com os Yanks ,em outras palavras Thales ja era capable de fazer o que faz hoje em conjunto com os Yanks
            : )

            Ou seja, todos dependem de todos… A rigor, somente EUA e Russia seriam capazes de levar qualquer grande projeto sozinhos… E isso não é somente questão de tecnologia. É questão de custos mesmo… Todos os países que citei acima possuem empresas que lhes garantem a tecnologia necessária para fazer o básico, no que diz respeito a navios de grande porte. Mas daí a levar tudo sozinhos, é uma empreitada que custa muito dinheiro, de modo que associação entre empresas de diversos países sempre é o mais recomendável…
            Nessa questao concordo plenamente com vc , Aja vista que Russia hoje esta envolvida com projetos navais com Franca, nao com a Italia ou coreia (Furada ) japao
            e a Mesma que quer oferecer a parceria com Brasil : )
            .

            Por fim, embargar por embargar, qualquer um embarga na hora que quiser e por qualquer motivo… Os franceses mesmo já fizeram isso. Que o diga os argentinos durante as Malvinas e os Israelenses após a Guerra dos Seis Dias. Deixa o Brasil comprar equipamento francês e se opor aos franceses ( ou a um aliado dos mesmos ) para ver se vai ter algum tipo de transferência ou mesmo apoio técnico…
            .
            Levando em conta seu raciocinio sobre Embargo ,entao continuemos Refens dos embargos Covardis do Yanks pelo resto da vida? tenha do ainda bem ,que nem todo mundo pensa como vc RR , a Franca sabe muito bem a razao e o pq o Brasil que sai fora dos Embargos Yanks e por outro ladoe vital para industria francesa ir para frente com esas parcerias aja vista que ela (industria Francesa) tem sido Independente por
            muitos anos contratos como do Brasil e India e Russia sao vitais para ela continuar na lideranca de projetos e nao presizar se junta com Italia e Uk e Germany ,e depois os Ingleses ficarem querendo impor as ideias deles nos projetos, e outro aspecto se Franca ganha esa parceria , ganha quase toda america do sul ,e issoe vital para Industria Francesa continuas em pe por longos anos a frente ,
            Agora continua na colera Yank O Brasil sempre sera esa colonia que vc gosta de viver debaixo dos sim e nao Yanks .have mercy please : (

          • KLM,

            Os franceses podem até levar o que quiserem sozinhos… A questão é se terão folego financeiro para chegar lá e se conseguirão um padrão próximo do americano ou russo… A associação com outras empresas americanas teve como parâmetro a troca de experiências para posterior evolução…

            O fato do Rafale ter componentes americanos é na verdade crucial… Uma vez que o componente já faz parte da aeronave, ele não pode ser simplesmente substituído… Primeiro porque a escala é a mãe do custo. Mais de 115 Rafales já foram lançados com esses mesmos componentes, de modo que substituí-los nas aeronaves futuras exigiria um custo extraordinariamente elevado, além de tornar esses futuros exemplares mais caros. Segundo, por razões de desempenho; fora a necessidade de testes e mais testes ( o que aumentaria ainda mais o custo ) existe a possibilidade do desempenho da aeronave ser afetado por esses novos componentes. Em suma, seria gambiarra e o resultado poderia ficar abaixo do esperado…

            O que eu quis dizer sobre embargos é exatamente o que está escrito. Qualquer país pode embargar um cliente, se desejar! E os franceses não são exceção. Se o Brasil ficar contra a França, é claro os que os franceses embargam o Brasil! Não pensariam duas vezes, assim como fizeram com os argentinos na Guerra das Malvinas e com os israelenses antes disso…

          • RR
            Os franceses podem até levar o que quiserem sozinhos… A questão é se terão folego financeiro para chegar lá e se conseguirão um padrão próximo do americano ou russo… A associação com outras empresas americanas teve como parâmetro a troca de experiências para posterior evolução…

            Well. Russia hoje esta trocando experiências ,mais ainda muito limitada antes nao era asim , Porem a Franca Hoje com parcerias com India e futuramente com outros, pode levar avante seus projetos aventes ,sem ta presizando compartilhar o que nao quer ,ou obedecer um padrao que um quere eles nao querem.


            O fato do Rafale ter componentes americanos é na verdade crucial… Uma vez que o componente já faz parte da aeronave, ele não pode ser simplesmente substituído… Primeiro porque a escala é a mãe do custo. Mais de 115 Rafales já foram lançados com esses mesmos componentes, de modo que substituí-los nas aeronaves futuras exigiria um custo extraordinariamente elevado, além de tornar esses futuros exemplares mais caros. Segundo, por razões de desempenho; fora a necessidade de testes e mais testes ( o que aumentaria ainda mais o custo ) existe a possibilidade do desempenho da aeronave ser afetado por esses novos componentes. Em suma, seria gambiarra e o resultado poderia ficar abaixo do esperado…

            o Rafale e uma plataforma em
            desenvolvimento
            seus upgrades nao chegarao no final de linha yet ,entao nesse caso a grandes possibilidades de ser feito algo em especial para caso do Brasil que foge ,de embargos.nao acho que nao seria presizo verificar o projeto intero como
            O FIASCO 35 : (

            O que eu quis dizer sobre embargos é exatamente o que está escrito. Qualquer país pode embargar um cliente, se desejar! E os franceses não são exceção. Se o Brasil ficar contra a França, é claro os que os franceses embargam o Brasil! Não pensariam duas vezes, assim como fizeram com os argentinos na Guerra das Malvinas e com os israelenses antes disso…

            Well RR e por iso que o Brasil quer fazer a coisa desenvolver e aplicar no quiser , longe embargos.Agora e evidente se no perido do processo iso acontecer vai ser uma furada, porem , a Franca sempre esteve atras desa posicao de parceira com o Brasil, quando os Yanks diserao nao para o F4 Panthon os Francese oferecerao agente o que tinhao. e agente nem sendo parceiro do Yanks ,procurando pecas sobresalente para nossas aeronaves, com governos capacho ao Yanks , eles ainda diziao nao para o Brasil, agora tudo vai muda da Agua para o Vinho e ser muito infantil que os Yanks vao fazer tudo iso pelos olhos castanho da Mulata : )

  2. Lucas Senna says:

    Vai começar… já to ate vendo onde essa história vai parar… agora que finalmente estamos dando um freio no indigenismo estupido propagado pelas ONGs, agora vão trocar pelo “quilombonismo”. Já tá ocorrendo isso na base de lançamento de foguetes no Maranhão, agora no Rio, daqui a pouco vão querer fazer enormes reservas em estratégicos veios de minérios. Isso é se já não foi feito. Agora pra que vai servir esses terrenos distantes da base? Porque a base em si já tá em estado bem avançado, inclusive a marinha postava vários videos com o progresso das obras no canal dela no youtube. Seria esses terrenos para construção de algum tipo de depósito ou algo do gênero? Ou eles estão se preparando para expandir a base e instalar mais estaleiros?

  3. Somente relembrando…

    Todas as Vosper/Niterói, que são a espinha dorsal da MB, já passaram dos 30 anos… A construção dos substitutos se torna máxima prioridade, tendo que ser preferencialmente iniciada ainda na primeira metade dessa década, haja visto que a atual frota deve começar a dar baixa daqui a cerca de 7 anos…

    Se a DCNS vier para essas bandas, nada contra… A classe FREMM quer parece ser uma excelente embarcação, que atenderia com sobras as necessidades da MB por uma escolta…

    • HMS TIRELESS says:

      RR:

      No que tange à navios de superfície, o país que realmente nos transferiu tecnologia vital foi a Grã-Bretanha, visto que o legado das Niterói permitiu a construção das Inhaúma/Barroso. Assim creio que a MB deveria resistir à pressão daqueles que descobriram como ganhar dinheiro com contratos de defesa e esperar pelos Type 26 da BAe Systems antes de tomar uma decisão.

      • Lucas Senna says:

        Tireless, o problema nesse caso é nossa necessidade urgente dos tais navios. Precisamos e pra ontem, não daria para esperar até eles lançarem o modelo e esperar as primeiras unidades. Mas que seria uma boa pedida seria, devido a experiência já adquirida pela Marinha operando navios da BAeS, que aliás produz excelente fragatas. E também temos que considerar o fator preço porque ela não é exatamente a fragata mais barata já feita.

  4. HMS TIRELESS says:

    A DCNS faz uma unidade no Brasil para “produzir” Fragatas. Aí veremos o velho modus operandi já adotado pela Helibrás/Eurocopter: Os conjuntos virão já montados da França para serem meramente encaixados aqui no Brasil. E na hora da “transferênfia di tequinúlugia”, e da mesma forma que a Eurocopter, a DCNS vai transferir a “tequinúlulugia” dela para ela mesma. E o já tão massacrado contribuinte brasileiro vai, mais um vez, pagar a conta enquanto o Brasil espera a França ou dar outra bolada nas costas como foi o caso da OMC, ou partir para a trairagem pura e simples como fez com Israel. E viva o “Brasil PuTênfia”!

  5. A despeto do que dizem os despeitados lobistas do lado concorrente, a França tem cumprido seus contratos e os projetos EC-725, Pró-Sub, nacionalização dos motores dos Exocet …já estão dando resultados concretos e positivos, inclusive no aprendizado tecnológico…

    Porém pra o Prosuper não acho prudente selecionar a França, por uma simples questão de segurança: “Não é prudente colocar todos os ovos na mesma cesta”.

    No caso do Prosuper vejo os ingleses com bons potenciais e as nova fragatas já poderiam vir, cada uma, com um AW159 Lynx Wildcat embarcado…

    Más claro, tudo sempre dependendo das ofertas e condições de transferência de tecnologia, preço, offsets e financiamentos…

    • HMS TIRELESS says:

      “Porém pra o Prosuper não acho prudente selecionar a França, por uma simples questão de segurança: “Não é prudente colocar todos os ovos na mesma cesta”.

      No caso do Prosuper vejo os ingleses com bons potenciais e as nova fragatas já poderiam vir, cada uma, com um AW159 Lynx Wildcat embarcado…”

      Aí você falou a minha língua Alvez!

  6. HMS TIRELESS,

    Concordo que se deve se ter opções a mesa para qualquer forma de negociação. Caso contrário, fica-se muito limitado na hora de se falar com os donos da melhor proposta…

    As Type 26 seriam por demais interessantes… E o fato do Brasil ter uma longa tradição de cooperação com os britânicos nesse ramo ajudaria bastante. E concordo que a ToT deles foi bastante eficiente com as Vosper Mk10.

  7. Amigo HMS TIRELESS,finalmente algo em que concordamos..rsrs,tb sou defensor das types 26,e acrescento uma informação,há uma equipe da marinha do brasil na BAE,eu pude ver essa fragata francesa aqui no RJ,vi ela cruzando a BAIA DE GUANABARA,nossa ela é linda,desenho harmonico,mas o que me atrai na Type é que ela será feita em aço,os ingleses tiveram uma experiencia desagradável usando aluminio na guerra das malvinas.
    Eu acho que daria para esperar a TYPE 26,para isso pediariamos aos ingles para fazerem um preço camarada nas type que eles estão desativando e comprariamos mais navios patrulha da bae.

    • HMS TIRELESS says:

      Salve meu bom amigo Barca! De fato, os ingleses tiveram uma dolorosa experiência nas Falklands visto que o Exocet que acertou o HMS Sheffield não explodiu mas a queima do motor do míssil derreteu o alumínio e provocou um incêndio de proporções incontroláveis.

      Outro aspecto que me agrada nas Type 26 é que, da mesmas forma que as escoltas britânicas em geral, ela está sendo projetada para operar mais longe e de forma mais autônoma, o que vai de encontro com a necessidade do Brasil pelo seu extenso litoral.

      Por fim, realmente seria uma boa se o Brasil comprasse as Type 22 B3 que foram desativadas, seriam excelentes Gap Fillers. Outra solução seria construir mais 5-6 unidades da Barroso.

      Sds!

  8. PÉ DE CÃO says:

    a frança esta se aproximando dos brics cada vez mais ,primeiro em vender seus caças segundo em misseis russos para o rafale ,não tem nem o que discutir o caça tem que ser o rafale os navios franceses para russia e brasil também ,e vamos dar uma bicuda no trazeiro desses sionistas que so sabem escrever em português ,mas odeiam nossa nação .

  9. KLM

    19 de maio de 2013 as 14:37,

    KLM,

    O Rafale já está saindo caro justamente por conta da atual atualização para o F3… Novos componentes em substituição ao que está sendo agora posto tornaria a aeronave ainda mais cara, gerando uma nova variante do Rafale, arrasando com a economia propiciada pela escala ( sem a qual, um produto se torna economicamente inviável ), o mesmo valendo para o seu custo operacional, que se tornaria extraordinariamente caro…

    Quanto ao F4 Phanton, era política americana da época… Todo o país tem um direito de negar-se a vender seus produtos militares, se acreditar que isso pode por sua segurança em risco. Isso vale para EUA, França, UK, Russia… Enfim…

    • HMS TIRELESS says:

      Amigo RR:

      No último LRIP, o preço unitário do F-35A está em 107 milhões ou seja, muito próximo do preço atualmente cobrado pelo Rafale F3. E como dificilmente a escala vai melhorar, vejo problemas para o vetor gaulês.

      • HMS TIRELESS,

        Escala de produção é tudo… Mesmo que os franceses acabem adquirindo mais que o previsto até aqui, tudo dependerá agora dos indianos.

    • RR
      Well o preco do Rafale pode ser alto meu caro RR , mais e 1 aviao que foi desenvolvido sozinho pela Franca , nao teve ninguem dividindo o custo ,
      Agora e bem sabido que mesmo caro ele fico em segundo lugar no preco atras do Typhoon na India : ).
      Rafale e o Melhor aviao Atras apenas do Su 35 isso quando ele fica Operacional ainda.
      Detalhes do pq o Rafale o melhor da 4 geracao plus plus pergunte ao caro Chico AMX que ele ja canso de dizer o pq pra vc e outros la no Blog C.
      Um aviao top de linha na categoria dele , que acho que faiz ate mais do que o Fiasco 35 ,sem conta os elogios dos pilotos Ingleses a ele, e o show que ele deu no Iron Eagle em sima do F 22 mostra o pq o custo dele Justifica : )
      E olha que foi a Franca Sozinha que o Fez isso ja e uma grande coisa para parceria com o Brasil.

      Verdade meu caro RR , tem o direito e foi isso que os Yanks nao so tem feito iso a respeito do F4 Phanton, em outros numeros casos.
      E olha que os politicos do Brasil sao bando de capacho por eles (Yanks) , mais nem iso adianto : (.
      Agora Franca nao tendo todo ese prestigio que os poloticos do Brasil tem dado pelos Yanks , nos trato bem como uma nacao : ).
      Funny disso tudo que Japao , Turquia , Alemanha.e outros ,operarao o Dino F4.
      Mais para vc ver como o Brasil e tao importante para eles como Dizem hoje ,que negarao a Venda : (
      Exemplos como ese da Epoca como vc menciono,nao tira sisma que Hoje eles vao fazer diferente com a tal da total Transferencia de Tecnologia como hoje andao dizendo por ai que foi aprovada : ).
      Acho que momento ta para Brasil ter outros parceiros que nos valorize,
      e sai da sombra dos Yanks ,o mais rapido possivel se nao, nao vamos a lugar nem um ,pq essa e Intencao deles , ta provado iso nos exemplos que eles nos tem dado por decadas : (

    • KLM,

      O Rafale é uma uma aeronave avançada; isso é fato. Mas ainda assim não é tão mais avançada que o F-18E/F. Na realidade, o caça americano tem praticamente os mesmos itens, com uma tecnologia similar em tudo… O único ponto no qual o Rafale está a frente diz respeito a integração de seus sistemas. Contudo, a tendência é o F-18 E/F recuperar qualquer atraso com a modernização para ele previsto.

      No mais, não acredite somente em resultados de combate manobrado. Em combate próximo simulado, até mesmo um F-5 teria chances contra um F-22… O que conta é o BVR ( combate a longa distância ), e nisso o F-22 não tem rivais.

      Quanto ao F-35, será uma máquina extraordinária. Não ha que se duvidar disso. Estará uma geração a frente do Rafale, e se mesmo a versão de baixa produção ( como o amigo HMS TIRELESS lembrou aí em cima ) custa quase o mesmo que o Rafale, tudo leva a crer que o F-35 de larga escala custará praticamente o mesmo…

  10. RR

    F 18 seja o E/F JA e um DINO da era mesozoica !!!! .Pura verdade Yanks estao empurrando ate o gogo de upgrades que o deixa como uma gambiarra voadora meu caro RR,
    F 18 ainda ta por ai e pelo simples Fato da decadencia do projeto Fiasco 35 : (
    .

    No mais, não acredite somente em resultados de combate manobrado. Em combate próximo simulado, até mesmo um F-5 teria chances contra um F-22… O que conta é o BVR ( combate a longa distância ), e nisso o F-22 não tem rivai

    Nem tanto RR quem sabe alguns 6 anos atras isso era grande deal , Hoje a tecnologia em desinvolvimento em paises como Russia e Franca , que tira e esa vantagem : (
    aja vista que ate paises como a Republica Tcheca ja estao desenvolvendo meios de detecta
    http://codinomeinformante.blogspot.com/2013/05/sistema-tcheco-silent-guard-pode.html
    Imagina Franca e Russia : )

    Quanto ao F-35, será uma máquina extraordinária. Não ha que se duvidar disso. Estará uma geração a frente do Rafale, e se mesmo a versão de baixa produção

    Acho que so no desenho stealth estara a frente pq pelo jeito que musica vai ,a muita gente ai Inclusive os Tchecos que ja tao sabendo como detectar a tal invisibilidade : (

    ( como o amigo HMS TIRELESS lembrou aí em cima ) custa quase o mesmo que o Rafale, tudo leva a crer que o F-35 de larga escala custará praticamente o mesmo…

    Serio ? cada dia aparece com um preco diferente no projeto , e paises como , Canada. Noruega, Holanda .querendo pula fora do projeto para nao fica de TROUXA mais .
    E vc meu caro RR vem roda a velha Ladainha que no final o preco vai ficar compativel com o Rafale ?. que ja e operacional que e o Melhor 4 generation plus plus , atras somente do Su-35 quando fica operacional.
    for mercy RR wake up this Dream : (.
    E por isso que o AMX diz pra vcs entra ali do lado e sai do outro lado : )

  11. O único veiculo que o Brasil produz sem pagar royalties, é charrete.

  12. PÉ DE CÃO says:

    é realmente quando se fala em sonhos ,fica difícil discutir, pode estar na frente do nariz da pessoa que ela não percebe ,mas a frança esta novamente na dianteira no caso da venda de navios para a marinha brasileira

  13. Na verdade o Brasil pode comprar o que quiser, F15, F16,Su35, Rafale, F-18 ou seja o qual for com as tecnologias atuais desde que tenha a transferência de tecnologia da avionica e sistemas como, voo, comunicação, radar e sistema de armas.
    Só assim teremos a independência na área de avião seja ela militar ou civil seja pra qualquer utilização, a partir disso desenvolver qualquer coisa e só investir maciço em desenvolvimento e melhorias e em nacionalização, seja caças qual geração for, vants, turbina e armamentos, só ver o que ganhos com os AMX muito fizemos algumas peças da carcaça de resto não ganhamos nada de tecnologia, os F5 modernizado todos sistema são israelense ou seja americano disfarçado, muito mudamos algumas partes na carcaça de resto nenhum ganho em tecnologia, resumindo a Embraer ganhou muito para simplesmente terceirizar e comprar tudo fora e simplesmente montar ou integrar os conjuntos.
    Brasil investiu rios de dinheiro no AMX e nada, investiu rio de dinheiro na modernização do F5 e AMX qualquer arma que foi implantada precisamos pagar quem os israelense, qualquer melhoria em sistema quem ganha os israelense, dois ferros velhos caríssimos e ainda totalmente dependentes.
    E a Embraer bombando nós Estados Unidos eta empresa porreta esta Americana Embraer.
    Embraer faz os Brasileiros de Trocha.

  14. A Embraer para fabricar o Kc-390 foi ótimo ate a parceria com a Boeing, Mas para nacionalizar o caça que formos comprar Brasil tem que correr da Embraer, se for americano que nós transferira a tecnologia caso seja o vendedor(melhor acreditar em papai Noel porque americano nunca nós transferi nada)Partimos que os americanos ganhe trabalhar junto com a Embraer e o mesmo que não transferir, Embraer tem rabo preso com os americano e totalmente dominada por eles, Transferência nenhuma muito vão montar um centro americano aqui e com repasse dos conjuntos montados com peças americanas e repassado para Embraer sem nenhuma transferência nem um parafuso se quer, Russo nós passar tecnologia usando a Embraer jamais, era mais fácil fazer parceria com os americanos e repassar a tecnologia russa direto para os americanos porque a Embraer e totalmente américa, sem tirar ou por.
    Franceses ou seja quem for com transferência também seria ótimo mas longe da Embraer.
    Embraer e a melhor empresa que temos e melhor empresa sem tirar sua americanização, mas em questão de transferência e nacionalização de sistema Embraer e furada, Embraer tem que continuar como esta sem se envolver com transferência de tecnologia

  15. Vejo cada besteira aqui o que vale ter um F-22 ou um F-35 se ate para encher os pneus você terá que pedir, qualquer armamento custa caríssimo e não vão nós vender, repassar tecnologia nunca, e com esta armado ate os dentes e estar totalmente cego, surdo, mudo e atrofiado.
    Brasileiro e sempre antipatriota prefere viver nas nuvens, que ver o que e real o que e possível e o que podemos fazer para chegar lá e termos um força armada digna e totalmente independente, Em condições de nos defender de qualquer nação que for, mesmo que muito superior a nossa, mas com dignidade com independência.
    Falar em caças americanos em transferência de tecnologia americana para o Brasil, E o mesmo acreditar em Papai Noel, bem que e mais fácil ver Papai Noel voando com suas renas pelo céu que americano nos transferir ou mesmo vender tecnologia totalmente de ponta, ate DEUS deve estar rindo no céu coçando a cabeça, como pode errar tanto no Brasil como pude criar este povo.

  16. O Patriota says:

    Não precisamos ainda de um super. caça ainda vamos construir um, mas agora precisamos de um bom caça com um ótimos sistemas, voo, comunicação, radar, e nosso sistema de armas, onde deteremos todos os conhecimento dos mesmo sua nacionalização, e um investimento pesado em desenvolvimento de misseis de todos os tipos, médio e longo alcance com tecnologia de pontas e totalmente sobre nosso domínio, nossa ideia sempre foi de alto defesa, os submarinos faram os ataques a longas distancias a outra nação se um dia precisar com nossos misseis.
    Guerra daqui pra frente e a longa distancia, Com a posse deste conhecimento fazer radar de grande alcance fica fácil, ai e tempo e investimentos o resto e conversa de povo dominado.

  17. O Patriota says:

    Esqueci ter a Bomba atômica seria algo muito desejável, mas também problemático, mas uma opção e trabalhar muito e investir pesado em míssil Hipersônico tipo X-14 esta será a mais perigosa arma em futuro bem próximo, ser atacado por uma nação em qualquer lugar no mundo em questão de poucas horas, com armas que não sejam nucleares mas com o mesmo poder destrutivos.
    Isso intimida qualquer nação do mundo mais tecnológica que ela seja.
    Simplesmente ter domínio e estar desenvolvendo estar armas já deixa qualquer pais na visão mundial como tecnologicamente respeitado.
    Vimos os americano na frente mas se quisermos mesmo estaremos perto temos a tecnologia e só investir será que os americanos nós deixaram fazer isso, será que nossos governantes tem peito para isso, Capacidade temos o que não temos e visão e pessoas capacitadas que comande este pais e que vejam que cuidar de nossa defesa e Acreditar no Brasil.

shared on wplocker.com