Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Defesa Sistemas de Armas

drone de combate "Caçador" terá desenvolvimento acelerado por conta dos avanços no programa PAK FA

E.M.Pinto
 
Segundo o Ministério da Defesa da Rússia,  o drone de combate Su-70 “Caçador”, possui exímia capacidade furtiva superior ao próprio Su-57. A aeronave produzida em formato de “asa voadora” e dificilmente perceptível para radares, é projetado tanto para operação autônomas quanto para operações em conjunto com o futuro bombardeiro PAK-DA ou mesmo com os caças  Su-57.
O MD russo reportou que muitas tecnologias do Su-70 já estão desenvolvidas e que seu programa será bem curto, uma vez que muitas de suas tecnologias são herdadas dos desenvolvimentos para o caça de 5G que estão em fase final de testes de seus protótipos.
Em nota o MD russo afirma que dentre outras funções, o drone explorará por exemplo a localização das instalações de defesa aérea inimigas e as destruirá ao comando de um piloto de caça.
O caçador possui uma exímia capacidade de carga, inigualável a qualquer modelo já desenvolvido no mundo, com uma massa total de cerca de 24 toneladas o Caçador poderá transportar em baias internas, cerca de 8 toneladas de armamentos para as mais diferentes missões, SEAD, CAS, CAP e interceptação. 

 

Quando foi apresentado ao público o Su-70 “caçador” exibia as tubeiras traseiras dos seus motores que despertaram nos articulistas de defesa os questionamentos sobre suas capacidades furtivas. Entretanto, o drone equipado com uma variante dos motores AL-31F foi apresentado  na MAKS 2019 com um bocal plano oq ue deve reduzir significamente  a visibilidade  nas faixas de infravermelho.

Imagens Michael Jerdev

Melhorias aerodinâmicas são esperadas para serem  introduzidos num futuro próximo, em uma das etapas da produção em massa.

 

Categories
Defesa Navios Rússia Sistemas de Armas Traduções-Plano Brasil

Rússia deve iniciar a construção do primeiro "Destroyer" Classe Leader em 2023

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

Segundo o diretor do Instituto de pesquisa Krylov, Pavel Filippo, a construção do mais novo destróier nuclear projeto “Líder” está prevista para começar em 2023.

O conceito e desenho avançado deste navio foi desenvolvido pelo Centro Krylov. Em 2016-2017, o Northern Design Bureau (PKB) começou a criar um projeto técnico o qual ainda está em andamento.

Segundo informou Filippo em uma entrevista a Ria Novosti, o navio foi originalmente planejado para possuir uma unidade de propulsão CODAG cujo grupo principal seria uma Turbina a Gás, o navio era planejado para deslocar de 12-13 mil toneladas.

Frente  esta realidade e dada a necessidade de um grupo propulsor mais potente, foi então optado pela adoção de propulsor movido a energia nuclear e seu deslocamento imediatamente aumentou para 18 mil toneladas.

Como relatou Filippo:

“Qual é o resultado final? nós ainda não sabemos, é necessário perguntar ao PKB do Norte. E até onde eu sei, em 2023 devemos começar a construir este “Navio a vapor”

Na criação de uma nova geração de Destroyers para as forças navais da Rússia tornou-se conhecido em 2010. Ele será armado com mísseis anti-navio, mísseis de cruzeiro para ataques contra alvos terrestres e sistemas avançados de defesa antiaérea e defesa antimísseis. Sua principal arma deve ser o sistema de disparo universal, que pode ser carregado com diferentes mísseis.
Além disso, o “Destroyer” terá sistemas antiaéreos de mísseis e canhão principal de elevado calibre, não é descartada a doção de uma arma eletromagnética que está em desenvolvimento.
Fonte: Ria Novosti

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Defesa Rússia Sistemas de Armas Sistemas Navais

Apresentado em São Petersburgo mais um conceito do futuro porta-aviões russo

 

E.M.Pinto

Como haviamos apresentado em artigos anteriores, o Ministério da Defesa da Rússia está atualmente avaliando dentre os os agora três conceitos de futuro porta Aviões para a sua Marinha,  qual será adotado, entretanto é muito cedo  para afirmar, qual e quando a escolha será feita. Isto porque o programa do Porta Aviões Russo ainda não foi declarado prioridade, apesar de se saber que ele deverá constar no orçamento militar 2018-2027, por hora há apenas os três conceitos os quais são plenamente díspares como veremos.

Tempestade 
 
Em 2013, foi apresentado ao público o conceito do porta aviões múlti propósitos “Storm” (Tempestade) que, segundo os projetistas, poderia transportar até 90 aeronaves. Seu principal destaque era a sua capacidade de operar em gelo o que permitiria operações no Ártico.
Apesar de que esta capacidade é contestada uma vez que as intepéries dificultama s operações das aeronaves em grande parte do tempo ao longo dos períodos mais rígidos do inverno.
Pigmeu
 
Já em 2019, o Krylov State Scientific Center apresentou no fórum Army-2019 um porta-aviões leve com um deslocamento de 44 mil toneladas para até 46 aeronaves.
Embora o Kirlov apresente este conceito como o ideal para as operações russa, acredita-se que o projeto deste navio tenha outro endereço, provavelmente uma ou duas nações estrangeiras, sendo a Índia o cliente mais elegível para o navio.
especialistas militares como o atual comandante da Marinha Russa no entanto já declararam em situações anteriores que um navio de deslocamento inferior a 75 mil toneladas de deslocamento poderiam não ser o ideal para a Marinha Russa dado ao fator logístico de deslocamento em longo raio e períodos, o que leva a crer que esta possibilidade embora  não seja descartada, pode não ser elegível caso a rússia venha adquirir um novo navio.
 
Peixe Boi
O terceiro conceito difere substancialmente do “Storm” por considerar um navio para operações próximas a costa, bem como, para operações oceânicas de longo raio. O modelo é apresentado no Salão Naval Internacional em São Petersburgo.
O desenvolvedor do projeto 11430E “Lamantin” (Manatee ou simplesmente peixe boi) é o Neva Design Bureau (PKB)que apresentou no seu estande as principais características  técnicas do seu conceitos.
A Neva informou que o seu projeto é de um navio nuclear e que se assemelha aos grandes porta aviões americanos, entretanto, considera o uso do Sky jump além de duas catapultas eletromagnéticas e quatro sistemas de recuperaão de aeronaves.

O deslocamento do  “Lamantina” é declarado em 80-90 mil toneladas e o navio teria 350 m de comprimento. A autonomia é de cerca de 120 dias (víveres e combustível para o grupo aéreo), a velocidade máxima seria de 30 nós. A tripulação do porta-aviões sé estimada em 3600 tripulantes sendo  2800 da tripulação formal e 800 do grupo aéreo.

No total, o navio operaria cerca de 60 aeronaves de vários tipos que iriam de  caças pesados ​​e leves, helicópteros e aeronaves de detecção de radar de longo alcance (asa fixa), além de 10 UAV, porém o navio teria provisões para acomodar ainda mais aeronaves em situações de emergência. A vida útil de um porta-aviões é superior a 50 anos com ciclos de recarga do combustível de 25 em 25 anos.

A principal característica do navio é que ele é projetado para atuar tanto no oceano quanto no mar e na zona costeira. Há uma grande variedade de aplicações para ele que vão desde garantir a estabilidade de combate dos grupos navais até atacar alvos aéreos, terrestres e marítimos (incluindo submarinos), até mesmo apoiar desembarques anfíbios a partir do uso de suas  aeronaves de ataque.
Não se sabe a data e se a Rússia realmente levará a diante o programa de um Porta Aviões desta envergadura, apesar d emuitas vezes esta ter sido declarada por suas mais altas autoridades, porém em São Petersburgo os rumores apontam para uma decisão de conceito até 2020, partindo para os trabalhos documentais até  2023 quando o navio deve seguir para a fase de construção e finalização entre 2027-2030.

 

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Aviação Defesa Rússia Sistemas de Armas Tecnologia

Rússia inicia a produção de novos mísseis WVR R-74 (RVV-MD)

Rustam, Moscou para o Plano Brasil

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

Rússia dá início a produção em série do novo míssil ar-ar de curto alcance (WVR) R-74 (RVV-MD).

A arma passou nos testes de avaliação e segundo as informações técnicas é bastante resistente às interferências.

O míssil foi projetado para engajar aeronaves de asa fixa e helicópteros em cenários de combate aéreo de curta distância. O R-74 é muito mais manobrável que as armas de séries anteriores e utiliza um buscador de IR passivo multispectral que permite engajamentos em diferentes condições, uma vez que varre o espectro eletromagnético dificultando o trabalho das “iscas” e “chamarizes” projetados para ludibriar mísseis de guiamento IR .

A arma é muito mais manobrável e conta com controle de vetoração de empuxo, um motor de combustível sólido de propulsão fixa e um detector de proximidade de radar ou um defletor de proximidade a laser (versão RVV-MDL).

Para destruir o alvo a arma conta com uma ogiva de 8 kg. O RRV-MD é desenvolvido a partir do míssil R-73 e será fornecido para a última geração de aviões de caça russos, como o Su-57 o qual possuirá uma versão diferenciada.

A unidade  de Kurganpribor STKB, pode produzir 100 unidades por mês, os quais servirão tanto para exportação quanto para a Força Aeroespacial Russa. Segundo a nota oficial da Vympel NPO, o ciclo de produção completo já é plenamente dominado e todos os componentes do míssil são oriundos da Rússia.

Para melhorar o desempenho de combate e garantir resistência às contramedidas, o R-74M como também é conhecido, utiliza um homing de duas bandas. Como em algumas versões anteriores do R-73, a arma utiliza-se tamém de um fotodetector resfriado. Segundo nota do fabricante o sistema de detecção é capaz  de engajar alvos localizados em  setores de 120 °.

Na busca o sistema de controle pode desviar 75 ° da posição neutra. O sistema diretor do míssil e o piloto automático desenvolvem comandos em conjunto para um conjunto de controles de modo a garantir a maior manobrabilidade possível. 

O míssil  possui lemes no nariz  e ailerons de cauda além de propulsores a gás que são usados ​​para ajustar a trajetória de voo alterando os parâmetros de impulso do motor.

O Míssil é capaz de atingir alvos em altitudes de 20 km  e alcance de  40 km  voando a velocidades de até 2500 km/h. A arma é muito mais efetiva que as séries anteriores e até mesmo no cenário atual, saturarudode contramedidas passivas e ativas, possui probabilidade de acerto com um único disparo superior a 60%.

 

 

Ficha Técnica

Dimensões  
Diâmetro/m:   0,17 
Comprimento / m:  2,92 
Envergadura/ m:  0,51
Desempenho  
Alcance Máximo / km:  40,0
Alcance Mínimo / km:  0,3
Altura máxima do alvo/ km: 20,0 
Altura mínima do alvo / km:  0,02 
Carga G/ g 12,0
Massa  
Ogiva/ kg: 8,0
Total / kg :  106

 

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Rússia Sistemas de Armas Tecnologia

Vídeo-Primeiras Imagens do Veículo Tigr-2

 

RUSTAM- MOSCOU

Texti e adaptação-E.M.Pinto

Surgem novas imagens no mais novo desenvolvimento em veículos blindados da indústria russa, o “Tigr-2” ou “ou Novo Tigr”  como tem sido reportado pela imprensa local.

O primeiro vídeo do novo carro blindado russo foi apresentado ao público pelo canal de TV “Star” e ademonstrou o veículo coberto por uma lona amarela que ocultava alguns detalhes  de sua silhueta.

Destaca-se a grande parte traseira do carro, novas rodas,  proteção nos paralamas, grade trapezoidal, faróis de LED e dispositivos de reboque.

A nova geração da Tigr possui novo sistema de suspensão e de carroceria, com maior capacidade de carga e um nível maior de proteção contra IEDs e balística. O veículo possui um chassis totlmente reprojetado e forma de V para maior proteção das tripulações, segundo o projetista, estas melhorias foram introduzidas a partir dos ensinamentos obtidos na Sìria.

A cabine é mais confortável e garante conforto e proteção classe 2, 3 e 4 ( Provavelmente classe 3) para a tripulação de até 6 integrantes, segundo o fabricante, apesar d ejá obter um bom nível de segurança a proteção será ainda mais ampliada. O veículo foi projetado para transportar um canhão de maior calibre, superior ao 57 mm.

Não foram informados ao certo qual o nível de proteção da nova versão, porém, anteriormente havia sido divulgado pela empresa que o novo veículo receberia proteção nas rodas e chassis para suportar explosivos equivalentes à 2kg de TNT, além de receber proteção balística  classe 6a. 

Em comparação, com a versão atual, o veículo Tigr-M que está em serviço, este possui proteção nas rodas e chassis contra cargas de 0,6 kg de TNT e proteção balística nível 5. 

O desenvolvimento da próxima geração de veículos blindados Tigr-2 leva em conta a experiência de usar veículos Tigr-M em condições reais de combate, incluindo as da Síria. A maior capacidade de carga do novo veículo permitirá que ele seja equipado com novos módulos com armamento pesado.

Além disso, o veículo recebe um módulo de combate de artilharia não-tripulada “Arbalet” e  sistema de mísseis ant carro Kornet de última geração. Desta forma, a tripulação pode deixá-lo em sua posição de combate, recuar para uma distância segura e dispará-lo por controle remoto garantindo-lhes maior segurança.

Por falar em segurança, a dirigibilidade do veículo e a conciencia situacional da tripulação é melhorada pela adoção de um sistema de câmerasque permite uma visão panorâmica do exterior do veículo, permitindo melhores percepções de ameaças e movimentação de tropas hostis.

Apesar de não informar os detalhes técnicos, o fabricante informa que o novo veículo recebeu um novo motor, bem mais potente e que garante a melhoria na manobrabilidade do veículo, o novo veículo possui capacidade de carga de 2000 kg contra os 1200kg da variante anterior (Tigr M). 

A nova versão do Tigr é prevista no programa de aquisições de armas 2018-2025. Eles serão introduzidos gradualmente para substituir os modelos Tigr omais antigos e posteriormente os veículos blindados Rys (LMV- Lince). 

 

Categories
Defesa Sistemas de Armas Tecnologia Traduções-Plano Brasil

VKS receberá 100 novos helicópteros Milmi 28 NM até 2027

A produção de 100 helicópteros Mi-28NM já foi iniciada em Rostov-on-Don e até 2027, os “Night Hunters” melhorados serão entregues às Forças Aéreas e Espaciais da Federação Russa.

“O Comandante Supremo decidiu ordenara  produção de 100 aeronaves para a VKS até 2027, os primeiros helicópteros já estão em produção “ , disse o vice-ministro Alexei Krivoruchko ao Zvezda .

Além disso, a frota existente de helicópteros de aviação do exército será equipada com sistemas de defesa aerotransportados modernos, armas e sistemas de detecção de alcance aumentados, além de sistemas mais precisos.
Um novo míssil guiado anti-carro denominado “Chrysanthemum-M” o qual possui um sistema de orientação de canal duplo aumentará o alcance de destruição de alvos blindados para 10 km. Este alcance é bem maior comparado à versão atual de 6km. Note que estes mísseis estão instalados na versão de exportação do Night Hunter, mostrado no fórum internacional Army-2018.

No entanto, a principal diferença entre o Mi-28NM e a versão anterior, que além do radar perimetral da visão circular, destaca-se também o sistema de controle duplicado,  se necessário, o artilheiro também pode pilotar o helicóptero. Além disso, o helicóptero pode agora comandar drones em vôo e controlar remotamente os drones.

A atualização também afetou a potência do motor e as pás, devido ao desempenho de vôo melhorado em climas de alta altitudes e quentes. A velocidade de cruzeiro do helicóptero aumentou e as possibilidades de realizar manobras acrobáticas complexas em voo aumentaram.
Em março, houve relatos de que os últimos Mi-28NM foram testados no céu da Síria e agora a VKS aumenta a carteira de pedidos para estas aeronaves.
Fonte: RG

Categories
China Defesa Geopolítica Sistemas de Armas Traduções-Plano Brasil

O Pentágono avalia que o novo míssil balístico lançado pelo ar completará a tríade nuclear Chinesa 

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

O Pentágono está preocupado com o fato de Pequim estar se aproximando de obter plena capacidade de sua tríade nuclear, o que significa que se juntaria a uma elite de nações capazes de entregar armas nucleares por terra, ar e mar.

Atualmente esta capacidade só é existente em apenas três países no mundo, Estados Unidos, Rússia e Índia.

O Gabinete do Secretário de Defesa dos EUA observou em seu relatório anual ao Congresso na semana passada que

“A China continua melhorando sua capacidade nuclear terrestre e submarina e está buscando a tríade nuclear viável com o desenvolvimento de um míssil balístico lançado pelo ar (ALBM). “

Os ALBMs são raros: os EUA exploraram o conceito no início dos anos 1960 como uma forma de manter relevante sua enorme frota de bombardeiros estratégicos, enquanto a União Soviética ignorou a idéia e imediatamente começou a produzir mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), que se mostraram muito mais confiáveis. O desenvolvimento bem-sucedido do míssil balístico lançado por submarino (SLBM) fez com que os ALBMs fossem preteridos.

No entanto, enquanto os EUA mantiveram sua frota de bombardeiros estratégicos como parte de sua tríade nuclear, continuando a armá-los com bombas nucleares, a China destinou esta função aos seus bombardeiros no final dos anos 1970 ou início dos anos 80.

As aeronaves fornecidas ao Segundo Corpo de Artilharia – agora chamado de Força de Míssesi do Exército Popular de Libertação (PLARF) recebeu então os ICBMs.

No ano passado, o Pentágono notou que Pequim reverteu essa decisão após o anúncio público do programa de bombardeiros furtivos da China e o teste de um ALBM conhecido apenas como CH-AS-X-13. Esse míssil foi testado recentemente em janeiro de 2018, disparado de um bombardeiro H-6K. No entanto, o relatório do Pentágono de 2019 observou que um segundo ALBM com capacidade nuclear poderia estar em desenvolvimento.

Além da ALBM, a China também possui pelo menos 90 mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), bem como uma grande quantidade de mísseis balísticos de médio alcance e alcance intermediário apoiados pelo PLARF, informou a Sputnik.

Pequim também possui quatro submarinos do Type 094 da classe Jin, com mais dois em construção e outra classe, a Type  096, está prevista para incorporação em meados dos anos 2020. O Pentágono alertou que os Type 094  são a “primeira linha dadissuasão nuclear marítima viável de Pequim”, já que carregam SLBMs.

Míssil balístico lançado ao ar com capacidade nuclear CH-AS-X-13 (ALBM)

O CH-AS-X-13 é um míssil ar-terra balístico de longo alcance (ASM) desenvolvido pela China para ser lançado dos bombardeiros H-6K.

O Míssil Balístico Lançado por Ar (ALBM) de combustível sólido de dois estágios tem um alcance máximo de 3.000km e é capaz de atingir velocidades hipersônicas (Mach 5+) em grandes altitudes.

Pode ser equipado com ogivas nucleares e convencionais para atingir tanto os navios de superfície quanto os alvos de posição fixa, como aeródromos e bases militares.

A China iniciou o desenvolvimento do novo míssil CH-AS-X-13 em 2016 e deverá entrar em serviço na Força Aérea do Exército Popular de Liberação (PLAAF) até 2025.

A nova arma é baseada no míssil terrestre DF-21, um míssil balístico de longo alcance o qual foi reprojetado utilizando materiais compósitos para obter um design leve compatível com plataformas aéreas.

Os bombardeiros H-6K equipados com a nova arma podem ser capazes de realizar ataques contra alvos no Alasca e no Havaí, bem como nos locais da costa do Pacífico dos Estados Unidos.

As agências de inteligência dos Estados Unidos relataram a existência do novo míssil CH-AS-X-13 em abril de 2018,

 

Fonte: Deagol via MCT

Categories
Defesa Navios Sistemas de Armas Sistemas Navais Tecnologia Traduções-Plano Brasil

Rússia Planeja produzir pelo menos 12 fragatas Project 22350M

Tradução E.M.Pinto

A Rússia planeja fabricar pelo menos 12 fragatas do Project 22350M de deslocamento de 7.000 toneladas e uma capacidade de transportar até 48 mísseis de cruzeiro Kalibr, Oniks e Tsirkon. O projeto será finalizado no final deste ano.

MOSCOU, 9 de maio / TASS /. A Rússia planeja fabricar pelo menos 12 fragatas aprimoradas Project 22350M, capazes de transportar até 48 mísseis de cruzeiro Kalibr, Oniks e Tsirkon, disse uma fonte da indústria naval à TASS nesta quinta-feira.

“O navio principal desta série está previsto para ser incorporado à Marinha em 2027”, disse a fonte.

De acordo com a fonte,

“O projeto para esta embarcação prevê um deslocamento de 7.000 toneladas padrão e uma capacidade de transportar 48 mísseis de cruzeiro Kalibr, Oniks e Tsirkon e que será finalizado no final do ano”.

“Ao todo, 12 fragatas desta classe estão planejadas para serem fabricadas, com 11 delas para serem encomendadas ao cliente dentro dos quadros do novo programa estatal de aquisição de armas”, acrescentou a fonte.

A Marinha Russa tem atualmente a seu serviço o principal navio de guerra do Project 22350, a Almirante Gorshkov, enquanto a Almirante Kasatonov passa por testes no mar e mais duas fragatas desta série estão em construção.

Espera-se que as fragatas do Project 22350 se tornem os navios de guerra mais avançados da marinha russa em sua classe. Estas fragatas deslocam 4.500 toneladas e podem desenvolver uma velocidade de 29 nós. Eas estão armadas com mísseis Oniks e Kalibr e com os sistemas de mísseis de defesa aérea Poliment-Redut.

 

Fonte: Tass

Categories
Defesa Rússia Sistemas de Armas Sistemas Navais Tecnologia Traduções-Plano Brasil

O desenvolvimento do primeiro porta-aviões nuclear russo será iniciado em 2023

Andrey Luzik

Tradução e adaptação E.M.Pinto

O trabalho de desenvolvimento do primeiro porta-aviões nuclear russo será iniciado em 2023. Os recursos da fase de desenvolvimento já estão incluídos no programa ferderal de armamento.

Grupos de ataque centrados em Porta Aviões continuam sendo a ferramenta mais poderosa da guerra no mar.

“A pesquisa científica e desenvolvimento do novo porta-aviões estão incluídos no atual programa de armamentos que se estende até 2027, e vai ser iniciado já em 2023” – foi o que informou a TASS, uma fonte da indústria de construção naval.

Segundo a fonte, o navio será movido a energia nuclear e terá um deslocamento de cerca de 70 mil toneladas.

A United Shipbuilding Corporation esclareceu à agência que até agora nenhuma especificação técnica e tática específica para o projeto deste navio foi recebida do Ministério da Defesa da Rússia.

“Se tal ordem for recebida do departamento, as empresas da corporação estarão prontas para implementá-la”, disse o porta voz da USC.

No momento, a Marinha russa possui um porta-aviões convencional, o Cruzador Almirante Kuznetsov que está passando por reformas com modernização e deve voltar a operar depois de 2021.

Fonte: Tass 

Categories
Defesa Rússia Sistemas de Armas Tecnologia Traduções-Plano Brasil

Ministério da defesa russo decide desenvolver uma segunda aeronave AWACS baseado no Tu-214

Imagem meramente ilustrativa

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

O Ministério da Defesa Russo decidiu desenvolver uma nova aeronave de alerta antecipado e comando (AWACS) com base no  Tu-214. O “novo” projeto járecebeu aprovação. Esta possibilidade de desenvolvimento foi aventada nos anos 90, porém por razões técnicas e orçamentárias da época a iniciativa centrou-se na aeronave IL-76- A-50 A-100.

A notícia foi divulgada no periódico “Izvestia”, cujas informações foram cedidas por fontes do próprio Ministério da Defesa da Rússia.

Alegadamente, a nova aeronave AWACS será uma variante mais leve e uma versão mais barata e mais econômica do sistema A-100″ Premier “.

A escolha do Tu-214 não é acidental, uma vez que o avião é considerado universal e familiar para pilotos militares.

Espera-se que a aaeronave seja desenvolvida em um tempo relativamente curto e que sua produção seriada seja até mais rápida que a do A-100 o qual deverá ser introduzido de modo a completar  a frota de A-50U e A-100 existentes. 
A nova aeronave empregará os sistemas eletrônicos do A-100 em uma versão mais “leve”. A aeronave será equipada com múltiplos radares com duas antenas phased array, equipamento digital e de guerra anti-eletrônica.
De acordo com os desenvolvedores, uma aeronave AWACS baseada no Tu-214 poderá controlar um perímetro aéreo, terrestre e marítima em um raio de várias centenas de quilômetros, para gerenciar grandes grupos, fornecer informações aos caçs, bombardeiros e aviões de ataque.

O projeto básico da aeronave proporciona um vetor de presença muito maior no ar em comparação com o IL-76, a um custo inferior em aquisição e manutenção. 

Fonte: Weapon News RU

Categories
Defesa Rússia Sistemas de Armas Traduções-Plano Brasil

Iraque e Rússia iniciam negociações para a aquisição de sistemas de defesa Anti Aérea S-400

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

Bagdá (Iraque) – O Iraque e a Rússia iniciaram as negociações para o fornecimento dos sistemas de defesa antimísseis russos a Bagdá, disse no sábado um ex-parlamentar Hakem al-Zamly, ex-presidente do comitê de segurança e defesa do Parlamento, ao canal de TV Russia Today.

A notícia foi divulgada pelo meio de comunicação iraquiano Iraq News. Segundo al-Zamly, o acordo é muito importante para o Iraque e está programado para entrar em vigor em dois anos. 

Al-Zamly também afirmou em nota  que o Iraque busca reforçar a cooperação com a Rússia no campo da defesa que englobará aeronaves de combate tanto de asa fixa quanto de asas rotativas, num pacote inicial estimado em US$4,0 bilhões. 

 

Fonte: Iraq News

Categories
Geopolítica Sistemas de Armas Tecnologia Traduções-Plano Brasil

MARINHA SUL COREANA ENCOMENDA TRÊS DESTROYERS KDX III BATCH 2 CAPAZES DE INTERCEPTAR MÍSSEIS BALÍSTICOS

 

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

 

A Coreia do Sul construirá mais três Destroyers AEGIS capazes de frustrar os ataques dos mísseis balísticos. Os navios de 7.600 toneladas de deslocamento são equipados com sistemas de combate AEGIS e sofisticados mísseis interceptadores de mísseis balísticos fabricados nos EUA.

 

SEUL- Presidido pelo ministro da Defesa, Jeong Kyung-doo, o comitê executivo da Administração do Programa de Aquisição de Defesa (DAPA) endossou em 30 de abril o esforço de US $ 3,3 bilhões para adquirir os Destroyers adicionais até 2028.

Espera-se que os navios Batch 2 da classe Sejong o Grande sejam equipados com o Míssil Padrão RIM-161 da Raytheon, ou mesmo o SM-3, de acordo com oficiais da DAPA.

 

“A construção de mais destróieres AEGIS ajudará a Marinha sul-coreana a responder de forma mais eficaz às potenciais disputas marítimas, bem como a realizar as missões de manutenção da paz com mais sucesso, já que os navios serão atualizados nas capacidades operacional submarinas e guerra de superfície informou” o  porta-voz da DAPA Park Jung-eun.

 

O novo lote de navios, será equipado com um pacote de software atualizado para destruir mísseis balísticos, acrescentou o porta-voz. Os três navios do Lote 1 são equipados com o míssil interceptor SM-2 projetado para engajar mísseis de cruzeiro e anti-navio durante a fase de interceptação terminal.

A compra de interceptores de mísseis balísticos foi incluída no plano de cinco anos de melhoria de força intermediária da Coréia do Sul, de acordo com fontes da DAPA e da Marinha.

O interceptador baseado em navio é uma parte fundamental do próprio escudo antimísseis do país, apelidado de Defesa Aérea e Mísseis da Coréia, ou KAMD – uma rede que inclui interceptores Patriot Advanced Capability-2 e -3, mísseis SM-2 baseados em navios e mísseis superfície-ar de médio alcance desenvolvidos localmente.

O sistema de defesa de alta altitude e engajamento terminal do exército dos EUA foi implantado na parte sul da Coreia do Sul em 2007 para aumentar o KAMD de baixo nível.

 

“O Estado-Maior Conjunto estabeleceu uma exigência operacional para a interceptação de um míssil balístico que chega a uma altitude de mais de 100 km e o  SM-3 certamente atende ao requisito” disse uma fonte do Estado-Maior Conjunto ao Defense News.

 

O hit-to-kill  do SM-3 é conhecido por ser capaz de derrubar alvos em altitudes de 150 a 500km. A mais nova variante, o SM-3 IIA, pode atingir alvos a uma altitude de até 1000km.

A Hyundai Heavy Industries está programada para assinar um contrato com a DAPA referente a construção e integração dos sistemas de Destroyers do Batch 2 em junho, de acordo com funcionários da DAPA, enquanto a agência de armas assinou um contrato com a Lockheed Martin no início deste ano para comprar o sistema de defesa contra mísseis balísticos para os Destroyers classe Sejong o Grande.

A DAPA(Sul Coreana) também aprovou um plano para desenvolver mais três submarinos de ataque pesados até 2028. Sob o plano de codinome KSS-III, três submarinos de 3450 toneladas de deslocamento serão construídos por US $ 2,9 bilhões.

Os submarinos mais novos devem ser projetados para terem 450 toneladas a mais e cerca de 6,0 m mais longos que os Batch 1 e eles serão equipados com 10 células verticais de lançamento para mísseis táticos de acordo com a DAPA.

Os sub-grupos 2 também serão equipados com baterias de íons lítio que podem dobrar as horas de operação em comparação com as baterias de chumbo-ácido. O contrato de desenvolvimento de sistemas para o programa KSS-III Batch 2 deve ser assinado em junho com a empresa local Daewoo Shipbuilding and Marine Engineering.

 

Fonte: MCT