Defesa & Geopolítica

Ao negar F-35 à Turquia, Estados Unidos podem dar à Rússia a chance de exportação do Su-57

Posted by


Tradução e adaptação-E.M.Pinto

Os EUA que negaram o fornecimento à Turquia ode caças F-35 podem dar à Rússia a chance que precisa para exportar Su-57: Para os Turcos, a oportunidade de manter suas linhas industriais que produziriam componentes do F35 a oportunidade de se manterem ativas. Para a Rússia, a vantagem de um parceiro para dividir custos e posar na vitrine mundial, atraindo ainda mais clientes estrangeiros.

Os EUA decidiram não fornecer o F-35 à Turquia, aliada da OTAN e, além disso, reduzir potencialmente o envolvimento industrial no programa. A atitude americana empurra ainda mais a Turquia para a órbita de Moscou e pode oferecer à Rússia uma oportunidade única e muito necessária para exportar seu caça avançado Su-57.

Em 1 de março de 2019, o porta-voz do Departamento de Defesa, o tenente-coronel da Força Aérea Mike Andrews declarou:

” As atividades associadas ao stand-up da capacidade operacional do F-35 da Turquia foram suspensas devido a pendência de uma decisão turca inequívoca de renunciar à entrega da S-400.”

A Reuters informou que a próxima remessa de equipamentos de treinamento e todos os outros materiais relacionados ao F-35 para a Turquia foi cancelada. O porta-voz interino do Pentágono, Charles Summers Jr., acrescentou:

“Os Estados Unidos estão certos de que a aquisição dos sistemas S-400 pela Turquia é inaceitável … Até que eles renunciem à entrega dos sistemas, os Estados Unidos suspenderão as entregas e atividades associadas à capacidade operacional do F-35 da Turquia. Se a Turquia adquirir a S-400, sua participação no programa F-35 estará em risco ”.

Summers também acrescentou que o Pentágono está agora procurando ativamente por outras fontes para fornecer as peças construídas na Turquia, atualmente sendo usadas no F-35, em um movimento para proteger “a cadeia de fornecimento de resiliência” e “os investimentos compartilhados em nossa tecnologia crítica”.

O Congresso também está trabalhando em uma legislação severa que poderia cristalizar permanentemente o embargo turco do F-35.

Os EUA estão em desacordo com o seu aliado de longa data em várias questões, mas a decisão final de Ancara de prosseguir com a compra do sistema de defesa antiaérea S-400, construído na Rússia, é o fator determinante da correção do rumo.

É suficiente dizer que o risco tecnológico e de propriedade intelectual de ter um país operando o jato de combate mais avançado da América e o sistema de defesa antiaérea mais avançado da Rússia é extremamente alto. Presumivelmente, isso daria uma visão sem precedentes aos russos sobre os sistemas, capacidades e conceitos operacionais do F-35.

Na semana passada, ficou Erdogan deixou claro que Ancara não tem intenção de recuar da compra do sistema S-400, enquanto diplomatas americanos e funcionários do Pentágono fizeram uma coletiva completa para que a Turquia comprasse o sistema Patriot, construído nos EUA. A oferta para vender o Patriot à Turquia expirou formalmente em 31 de março de 2019.

De certa forma, a compra dos S-400 funcionou como um fulcro para mostrar a independência do presidente turco, Recep Erdogan, da influência de Washington uma narrativa que tem sido cada vez mais cultivada desde o fracassado do golpe militar contra Erdogan no verão de 2016.

Até hoje os elementos pró-Erdogan dentro do governo turco acusaram os Estados Unidos de estarem por trás da operação sem qualquer evidência concreta para respaldar tais alegações.

Para o Kremlin, as notícias de que os EUA estão suspendendo parcelas significativas do envolvimento da Turquia no programa F-35, incluindo potencialmente a inclusão bastante lucrativa da base industrial aeroespacial e de defesa da Turquia, não poderiam ter chegado em melhor hora.

A Rússia está agora agressivamente empenhada em encontrar um novo parceiro de exportação para seu caça Su-57 depois que a Índia retirou sua participação no programa.

A Rússia, cujas forças armadas se viram cada vez mais carentes de recursos, não pode pagar essas aeronaves em números significativos e precisará de uma fonte de receita externa para obter economias em escala. Até mesmo porque o seu desenvolvimento contínuo pode ser cada vez mais questionado sem um cliente de exportação.

A Turquia estava preparada para comprar 100 caças F-35. Como tal, foi um dos maiores clientes do tipo. Se a Rússia pudesse garantir essa ordem para o seu Su-57, seria um enorme golpe para o programa em dificuldades e poderia permitir que a Rússia comprasse mais jatos do que a dúzia de aviões de desenvolvimento que tem atualmente e cerca de outra dúzia em ordem. O desenvolvimento de munições especializadas para o modelo também pode ser acelerado.

A Rússia também poderia oferecer extensas compensações industriais para preencher a lacuna que o F-35. A transferência direta de tecnologia também é possível e a Turquia acha isso extremamente atraente, pois continua trabalhando em seu próprio projeto de caça de 5ª geração, o TF-X, que não deve ser entregue até o início da década de 30, no mais curto prazo.

Acima de tudo, o Su-57, ou mesmo uma combinação de Su-57s e Su-35s, seria capaz de ser diretamente integrado ao sistema de defesa aérea S-400 sem ressalvas.

Devemos ressaltar que o Su-57 não é o F-35, mas tem algumas características únicas que o tornam um caça formidável. Também se fala que a Rússia está de olho na China como um possível cliente de exportação para o seu “Su-57E”.

Essa seria uma escolha intrigante para Pequim, um país que tem dois aviões furtivos já voando, um dos quais está em operação. Mas a China pode estar disposta a comprar um lote dos jatos de qualquer maneira. Eles fizeram movimentos semelhantes no passado, como a compra de Su-35, embora vários clones dos Flanker estejam sendo produzidos de forma autônoma.

Se a Rússia estivesse disposta a compartilhar tecnologia de motores críticos com a China, uma área de especialização na qual a China ainda está atrás de seus concorrentes e seus principais programas aeroespaciais estão sofrendo por isso, esta ação poderia forçar Pequim a se tornar uma operadora Su-57E.

Há até um vislumbre de esperança renovada de que a Índia volte à mesa e volte a participar do programa após a perda do MiG-21 durante um confronto aéreo de grande repercussão com o Paquistão, ocorrido no final de fevereiro. Ainda assim, este é um desfecho longo, já que a Índia tem vários programas de importação de caças em andamento, bem como o pedido de Su-30MKI adicionais e o MiG-29 reformado para ajudar a compensar as perdas contínuas de suas frotas geriátricas compostas por MiG-21 e MiG-27.

Deste modo, a Turquia pode se tornar uma oportunidade de exportação para a Rússia se Ankara continuar se afastando dos EUA e de seus aliados da OTAN e certamente rumores de tal venda estão em andamento há algum tempo.

Fazê-lo também ajudaria Moscou a aprofundar a divisão entre a OTAN e um de seus estados membros mais poderosos. A grande questão permanece até que ponto a Turquia vai se afastar da aliança que ajudou a defini-la como uma potência militar moderna.

Tudo isso também coloca em questão a relação entre os EUA e a Turquia como um todo. O que os EUA estão fazendo com armas nucleares táticas em um país que não podem mais confiar nem mesmo para operar seu mais recente caça de exportação?

A situação também deve levantar preocupações sobre o risco tecnológico representado aeronaves E-7 Wedgetail e F-16C/D Block 50.

Claramente, os EUA estão se preparando para uma era na qual a Turquia não será mais considerada uma aliada próxima, uma na qual o uso do espaço aéreo e da Incirlik Air Base como ponto de parada para operações militares na região não existe mais.

Há porém, planos para expansão das instalações da base aérea na Jordânia, mas a logística é apenas uma parte de uma avalanche de questões que uma Turquia não-alinhada poderia trazer, a maior das quais tem a ver com a futura participação do país na aliança do Atlântico Norte.

Enquanto isso, o país não receberá nenhum F-35 e os poucos que já foram entregues serão armazenados até novo aviso.

Fonte: O Drive

One Comment

  1. Erdogan e seus fascinios fascistas de reconstrução do império otamano, segue se unindo a ainda mais fascistas. O mundo anda negro.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com