Defesa & Geopolítica

Ministro da Defesa Fernando Azevedo: ‘Orçamento das Forças Armadas não condiz com o País’

Posted by

Ministro afirma que os gastos do Brasil com a Defesa deveriam subir para 2% do PIB – hoje são de 1,4%; ‘Não é suficiente’

BRASÍLIA – O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, afirmou, em entrevista ao Estado, que o orçamento das Forças Armadas “não é condizente com a estatura política-estratégica que o Brasil tem”. Para ele, ter apenas 1,4% do Produto Interno Bruto para a Defesa “não é suficiente”, o que nos coloca em sétimo lugar nesse tipo de investimento na América do Sul. O ideal, observou, seria ter 2% do PIB.

Em relação ao contingenciamento de 44% para as Forças Armadas anunciado pelo governo, o ministro afirmou que “isso não é corte” e disse acreditar que a arrecadação irá melhorar, com a aprovação da reforma da Previdência, pelo Congresso.

Questionado sobre a afirmação do presidente Jair Bolsonaro de que “nós não podemos fazer frente a ninguém”, o ministro respondeu que “nós não estamos com as Forças Armadas desejáveis, mas com as Forças possíveis” e que não acredita que possam ser impostas derrotas ao País – embora afirme que há “problemas de renovação e de modernização” das frotas. Para o general, “nós estamos em condições” de enfrentar qualquer vizinho. A seguir, os principais pontos da entrevista.

Esse contingenciamento é um golpe nas Forças Armadas?

É uma medida fiscal preventiva. Estamos com praticamente R$ 2 bilhões a menos que no ano anterior, quando o orçamento já era pequeno. Mas eu tenho esperança de que o Congresso aprove a reforma da Previdência, que vai ser um bem econômico para o País e trazer mais receitas, permitindo o descontingenciamento.

E se a verba não voltar?

Estou vendo uma disposição clara para a aprovação da reforma. Temos de esperar as coisas acontecerem.

Há descompasso em relação a que o Brasil precisa?

Existe uma revista especializada em Defesa, do Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo (Sipri), que aponta que os gastos do Brasil com Defesa, em relação ao Produto Interno Bruto, em 2017, foram de 1,4%. Isso nos colocou em sétimo lugar na América do Sul. Então, eu acho que está abaixo da estatura geopolítica que o Brasil tem, pelo seu tamanho, pela sua faixa de fronteira, pelo mar territorial que tem, pelos 22 mil km² de espaço aéreo que precisam ser vigiados 24 horas. Nós temos de ter o mínimo de poder dissuasório e de presença no País para manter a paz e as necessidades de que o Brasil precisa. Ele realmente não é um orçamento condizente com a estatura político-estratégica que o Brasil tem.

Há uma situação de penúria nas Forças Armadas?

Quando o recurso é insuficiente, só temos duas saídas em relação a programas e projetos: mudar o escopo ou prolongar o prazo. Normalmente nós fazemos as duas coisas. Isso não é bom. A gente vai ficando defasado no tempo e acaba saindo um projeto mais caro do que o inicial. Mas não tem mágica a ser feita.

Este contingenciamento afeta a operacionalidade das Forças?

A curto prazo, neste primeiro semestre, não. Mas, se prolongar, nós vamos ter de fazer um novo planejamento em relação aos compromissos assumidos, em relação ao custeio.

Já houve anos em que se precisou cortar expediente pela metade e dar baixa antecipada. Isso pode se repetir?

Isso já foi há muito tempo, em 2002. Eu não acredito, tenho muita esperança e quase a certeza de que não vai acontecer isso. As Forças já estão acostumadas a esse cenário de contingenciamento e planejamento e sabemos que a equipe econômica (do governo) joga junto com a gente.

O treinamento da tropa vai ser prejudicado?

Agora não, mas vamos ver até que ponto vai isso aí (contingenciamento). Nós temos muita esperança de que a economia volte a arrecadar, após a aprovação da reforma da Previdência, que é fundamental. Estamos confiantes no Congresso.

Mas o Brasil hoje não tem caça para proteger o espaço aéreo. Estamos vulneráveis? 

A primeira unidade do Gripen a chegar está prevista para 2021. O Brasil está um pouco atrasado nos projetos estratégicos. Mas, vulnerável, não, porque temos os antigos ainda em operação, como os F-5, o AMX, os Supertucanos. Eles estão precisando ser renovados.

Mas a frota hoje não está com idade muito avançada?

O transporte de tropa e de caça são duas coisas estratégicas. Contamos ainda com os Hércules, que há 40 anos estão prestando bons serviços. Estamos com problemas de renovação e de modernização.

O presidente descartou uma intervenção militar na Venezuela com a justificativa de que “não podemos fazer frente a ninguém”. É isso mesmo?

Nenhum país da expressão do Brasil está, de imediato, preparado para uma guerra. Nós estamos aí, normal, igual aos outros países.

Se o País for combater hoje contra qualquer vizinho, qual é a situação?

Nós estamos em condições.

Mas não foi isso que o presidente falou. Ele disse que estamos aquém…

Nós não estamos com as Forças Armadas desejáveis. Mas estamos com as Forças possíveis.

Isso poderia impor uma derrota ao País?

Acredito que não. Mas não tenho uma bola de cristal. Temos as nossas Forças Armadas dentro do que é possível, na parte de dissuasão.

Hoje a composição do orçamento da Defesa é de quase 80% para pessoal. Resta pouco para investimentos?

Não é que seja muito pouco. Mas não é suficiente. O ideal é 2% (do PIB), que é o índice Otan.

 

Fonte: Estadão

20 Comments

  1. Corrigindo: são 22 milhões de quilômetros quadrados.

  2. Ferreira Junior says:

    A chantagem continua! Agora o Ministro da Defesa vem colocar panos quentes. O Bozo está destruindo o Brasil.
    Que diabos tem a ver o “contingênciamento” com a reforma da previdência?!
    A resposta é NADA!
    Simplesmente pararam o país para aceitarmos a previdência da morte proposta por GUEDES.

    • Rodrigo Gabriel says:

      Não tem chantagem, o país simplesmente não tem dinheiro, e se nn tem dinheiro não é por culpa do atual governo. O diabo do “contingenciamento” tem tudo haver com a reforma da previdência, por que só tem contingenciamento por causa do rombo de R$ 476,7 bilhões da previdência, e que aumenta a cada ano e que o governo independente de quem for tem que resolver.
      Faz anos, desde o governo lula, que existem cortes e contingenciamentos de verbas por causa da divida publica. Se não contingenciar o país gasta de mais e fecha no vermelho e a economia, como sempre piora. É simples e qualquer um com o minimo de estudo deveria entender isso.

      • Ferreira Junior says:

        Você está equivocado, verifique o próprio site do governo Bolsonaro, e está lá, o dinheiro existe, aliás isso foi dito pelo Guedes. Não cola essa de que não tem dinheiro. Se não tivesse, o Guedes não teria isentado os ruralistas, aliás, o Guedes sacou mais de R$ 600 bilhões do FGTS. Por fim não venha colocar a culpa no passado recente, até porque na CPI da previdência social ficou provado de que não existe déficit atual da previdência e sim no futuro distante.

      • HMS TIRELESS says:

        Já ouviu falar de Lei de Responsabilidade Fiscal e limite prudencial? Pois é!

      • jose luiz esposito says:

        Façamos o seguinte o INSS daria para pagar os aposentados do sistema , as sobras não seriam desviadas para pagarmos os vagabundos das castas Corporativistas , então estes que se danem , voltem a trabalhar , pois passaram décadas espoliando o trabalhador !
        Chega , todos no mesmo Saco e com o Parâmetro do INSS .

    • Correto, infelizmente.
      De que adianta, com pouquíssimos recursos, ser persistente, insistir em um mínimo de tecnologia, se depois a única coisa que a classe política sabe fazer e vender? Embraer, Petrobrás, Eletrobrás, Dataprev,..
      O último apaga a Luz, ou fecha a porta, luz não vai ter.

      • HMS TIRELESS says:

        A mesma Petrobrás saqueada de 2003 até 2014 por um cartel de empreiteiras em concurso com um partido político no intuito de financiar um projeto criminoso de apropriação do Estado? A propósito a EMBRAER, que foi ameaçada de perder as linhas de financiamento do BNDES após ter se recusado a receber um burocrata russo falastrão, não será vendida mas apenas o programa dos E-Jets. E quanto à Eletrobrás, está sendo privatizada em virtude de estar em situação econômica precária fruto da malfadada MP 579, que a propósito foi apelidada de “11/09 do setor elétrico”

    • Fábio Roth Vargas says:

      Realmente… De nada esse governo tem a apresentar.
      A todo momento estão cortando em áreas que representam quase nada do orçamento (1,4… 2…3%) e nunca batem no real custo que consome as divisas nacionais, a bendita dívida pública que nunca foi auditada

      • HMS TIRELESS says:

        Se a dívida pública for auditada você não vai gostar do resultado visto que o seu maior crescimento deu-se no período de 2003 a 2016. Aliás não custa lembrar que a ex-presidente impichada adorava se jactar que “gasto público é vida!”

        E se de fato esse governo, eleito na esteira da depredação institucional e esgarçamento social havidos de 2003 a 2016, aqueles que estiveram no poder no período citado têm a apresentar um passivo de assalto ao Estado no intuito de financiar a sua perpetuação no poder.

    • jose luiz esposito says:

      Ferreira Junior que fazes na vida ? Do que te sustentas ? Para afirmares isso estas incluído em três coisas ; não conheces a reforma , não a leste , ou o teu interesse é escuso , deves ser parte das Castas Corporativistas que deram o Golpe da republiqueta a 130 anos e, a partir da pior desgraça que nos sucedeu após o golpe , a constituição de 1988, essas castas tomaram o ´país para si de vez . Vamos lá , abra o jogo !

    • jose luiz esposito says:

      Sendo verdade que ele parou o país por suposição tua , estaria agindo muito bem , pois se estivéssemos crescendo um pouco mais , duas coisas aconteceriam , os políticos estariam relaxando com as reformas e as Castas Corporativistas , estariam prontos para avançarem ainda mais nas riquezas produzidas , como sempre fizeram e, para o povo NADA !

  3. Desde quando?

  4. jose luiz esposito says:

    Vamos as Forças Armadas ! Gastando no mesmo nível da Turquia e até mais que a Itália , não parece tão pouco assim. Façam uma comparação aos efetivos turcos e italianos . Comparemos a Força Aérea italiana com muito mais aeronaves de combate que a nossa , tenha 45 mil homens e a nossa com 80 mil, e que gastamos 3/4 do orçamento com reformas , pensões e pensões ´para filhas de militares que podem esticar o recebimento da pensão quase que infinitamente , um Coronel passa para a Reserva e com pouca idade passa a receber o último soldo . Porque não copiamos os EUA , já que aqui gostam de copiar de tudo deles , menos quando não interessa .

  5. O que não condiz com o país é a falta de discernimento, brio e patriotismo do alto comando de nossas forças armadas…

    Se não defendem sequer os interesses estratégicos nacionais, como vão defender o país? A muito que as guerras deixaram de ser meramente territoriais. ..

    As empresas (ex) nacionais da cadeia produtiva da indústria aeronáutica brasileira já estão fazendo as malas e migrando para o EUA, adeus pólo aeronautico industrial tecnológico de São José dos Campos…!

    O alto comando da FAB preferiu ignorar o relatório da própria FAB,
    que dizia ser a venda da Embraer para Boeing uma transação excelente para ajudar a Boeing na concorrência contra a Airbus, más que inviabilizaria o desenvolvimento do setor aeronáutico nacional.

    O alto comando da FAB & governos Temer/Bolsonaro fizeram um ato de traição ao Brasil…

  6. MARCELO LUCAS DE MESQUITA says:

    “Isso poderia impor uma derrota ao País?
    Acredito que não. Mas não tenho uma bola de cristal. Temos as nossas Forças Armadas dentro do que é possível, na parte de dissuasão.”

    NÃO NÃO E NÃO, NÃO TEMOS NADA DENTRO DO POSSÍVEL.
    Temos um CLUBE MILITAR BRASILEIRO com um orçamento de respeito ,é SÓ.
    Não falta dinheiro, FALTA ADMINISTRAÇÃO!!!!
    Aumentar o orçamento?!, vamos chegar nos 100% para o pessoal.

    Desculpem o desabafo!!!!

  7. Julio Ribeiro says:

    Anos depois, continua tudo a lesma lerda… Sempre se falando em orçamento, sempre uma meia dúzia que não gerencia a própria vida criticando… Só mudou os apelidos dos governantes, mas o Leonardo continua com o mesmo apelido…

    Estava treinando o meu Google Hacking e acabei caindo numa daquelas matérias minhas que você republicaram… Triste lembrança.

    Bom, passei só pra ver como tudo tava… Lembranças ao Carcará, ao Ghost, a Erica e ao teu pequenininho…

    Abraços

    • Abraço meu caro, triste brasil em 2500 ainda teremos dengue, barriga d’ água e seca do nordeste, por isso continuaremos na mesma…

      • jose luiz esposito says:

        E. M. PINTO , porém as Castas Corporativistas dessa republiqueta , criada e enfiada Goela Abaixo do Homem brasileiro por um GOLPE a 130 anos , possuem o melhor Padrão de vida do Mundo , quando se Aposentam , vivem como NABABOS , com as melhores aposentadorias , nada visto em outras nações , porém o Povo que Trabalha e Produz para isso tudo ,apenas o que comentaste acima , doenças e, passando pela vida , como Burros de Carga .
        Vemos sempre representantes da Castas chorando das Vantagens de outras Castas sobre a dele , mas nunca olhando para os POVO brasileiro abaixo e desgraçado ..

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com